segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

CPAD adquire nova máquina de dobra




Considerada de última geração, a máquina é capaz de dobrar até dez mil cadernos por hora.


Acompanhando o crescimento da igreja evangélica brasileira, a Casa Publicadora das Assembleias de Deus acaba de adquirir uma nova máquina de dobra, capaz de dobrar até dez mil cadernos por hora -  quatro vezes mais que a capacidade atual.

Totalmente computadorizada, a máquina é fabricada pela empresa japonesa Horizon - maior fabricante de máquinas de acabamento do mundo.

Segundo o gerente de produção da CPAD, pastor Jarbas Ramires Silva, a Casa tem investido em equipamentos modernos a fim de manter a qualidade e rapidez na entrega de seus produtos:

“Estamos sempre na vanguarda procurando atender a necessidade das igrejas brasileiras. Com esta aquisição, teremos maior velocidade na dobra e consequentemente diminuiremos o tempo no acabamento. Com isto, abasteceremos com maior rapidez nossos pontos de venda, atendendo também mais rápido nossos clientes.”

Cerimônia

A máquina de dobra começou a funcionar, no dia 17 de fevereiro, após cerimônia realizada no parque gráfico da CPAD, em Bangu, Zona Oeste do Rio. Dirigida pelo diretor-executivo da Casa, irmão Ronaldo Rodrigues de Souza, a reunião contou com a presença do presidente do Conselho Administrativo da CPAD, pastor José Wellington Costa Junior, do vice-presidente do Conselho Fiscal da CPAD, pastor Israel Alves Ferreira, além dos gerentes, chefes de setores e vários funcionários da Casa.

“Nos reunimos em agradecimento a Deus por mais esta benção. Nossas conquistas são confirmação da bênção de Deus sobre a Casa”, disse, irmão Ronaldo Rodrigues de Souza.

Pastor José Wellington Costa Junior, que orou consagrando a máquina a Deus, agradeceu também aos funcionários da Casa Publicadora por mais esta conquista: ”A CPAD tem prosperado porque as pessoas que trabalham aqui gozam das promessas de Deus em suas vidas. Um conjunto de abençoados faz com que a Casa seja abençoada também.”









Outras fotos da cerimônia que ocorreu no parque gráfico da CPAD

No próximo dia 12 de Março pelas 20:30h estamos a organizar um grande evento para ti que és jovem.


"No futebol, o Brasil ficou entre os 8 melhores do mundo e todos estão tristes. Na educação, o Brasil é o 85º e ninguém reclama..."

 
EU  APOIO ESTA TROCA

TROQUE  01 PARLAMENTAR POR 344  PROFESSORES


O  salário de 344 professores que ensinam  = ao  de 1 parlamentar que rouba


Essa  é uma campanha que  vale a pena!


Repasso  com solidária revolta!

Prezado  amigo!

Sou  professor de Física, de ensino médio de uma  escola pública em uma cidade do interior da  Bahia e gostaria de expor a você o meu  salário bruto mensal:  R$650,00

Eu  fico com vergonha até de dizer, mas meu salário  é R$650,00. Isso mesmo! E olha que eu ganho mais  que outros colegas de profissão que não possuem  um curso superior como eu e recebem minguados  R$440,00. Será que alguém acha que, com um  salário assim, a rede de ensino poderá contar  com professores competentes e dispostos a  ensinar? Não querendo generalizar, pois ainda  existem bons professores lecionando, atualmente  a regra é essa: O professor faz de conta que dá  aula, o aluno faz de conta que aprende, o  Governo faz de conta que paga e a escola aprova  o aluno mal preparado. Incrível, mas é a pura  verdade! Sinceramente, eu leciono porque sou um  idealista e atualmente vejo a profissão como um  trabalho social. Mas nessa semana, o soco que  tomei na boca do estomago do meu idealismo foi  duro!
Descobri que um  parlamentar brasileiro custa para o país R$10,2  milhões por ano...  São os parlamentares mais caros do mundo. O  minuto trabalhado aqui custa ao contribuinte R$11.545.
Na  Itália, são gastos com parlamentares R$3,9  milhões, na França, pouco mais de R$2,8 milhões,  na Espanha, cada parlamentar custa por ano R$850  mil e na vizinha Argentina R$1,3 milhões.


Trocando  em miúdos, um parlamentar custa ao país, por  baixo, 688 professores com curso superior  !


Diante  dos fatos, gostaria muito, amigo, que você  divulgasse minha campanha, na qual o lema  será:

'TROQUE  UM PARLAMENTAR POR 344  PROFESSORES'.


Repassar esta mensagem é  uma obrigação, é sinal de patriotismo, pois a vergonha que  atualmente impera em nossa política  está desmotivando o nosso povo e arruinando o nosso querido Brasil.
É o mínimo que  nós, patriotas, podemos fazer.

O Ministério de Mulheres da Bola de Neve Sede convida para o culto mensal que acontece nessa sexta, dia 25 de fevereiro, às 20h na rua Clélia, 1517 na Lapa.


Culto convida Mulheres da Sede

O Ministério de Mulheres da Bola de Neve Sede convida para o culto mensal que acontece nessa sexta, dia 25 de fevereiro, às 20h na rua Clélia, 1517 na Lapa.

A entrada é gratuita e a ministração é específica para mulheres.

Venha e traga uma amiga!

Culto de Mulheres na Bola de Neve Sede
Endereço:
Rua Clélia, 1517 - Lapa
Data: 25 de fevereiro
Horário: às 20h
Entrada: Gratuita
Informações: @MulheresDoBola ou www.mulheresdobola.com.br

Sociedade Bíblica é impedida de importar Bíblias



 
 
Materiais da Sociedade Bíblica do Uzbequistão  
UZBEQUISTÃO (9º) - Na audiência de janeiro, e em sua ausência, a contadora da Sociedade Bíblica do Uzbequistão,  Natalya Pitirimova, foi multada por violar os procedimentos sobre a importação de dois carregamentos de Bíblias e Bíblias infantis, em 2008 e 2010.

O Comitê de Assuntos Religiosos do Estado, que realiza a rigorosa censura no Uzbequistão de toda a literatura religiosa, tem-se recusado a liberar Bíblias, apesar dos apelos sucessivos de igrejas cristãs.

O juiz Dilshod Suleymanov também ordenou que a Sociedade Bíblica enviasse de volta para a Rússia o material - totalizando cerca de 15.000 exemplares - às próprias custas.

O juiz informou à agência Forum 18 News Service que a "Sociedade Bíblica não fez os pedidos [de recebimento] ao Comitê de Assuntos Religiosos no prazo, alegando que as igrejas no Uzbequistão precisavam da literatura. Portanto, como o tempo passou, esse procedimento violou os procedimentos da alfândega."

Funcionários do Ministério da Justiça disseram à Sociedade Bíblica que "não há necessidade de importação de Bíblias, já que no país há uma versão eletrônica na internet."


Tradução: Carla Priscilla Silva



Fonte: Forum18 News Service (em inglês) 

Com o objetivo de servir você com mais informações e de lhe oferecer perspectivas de, pelo menos, mais uma fonte, passamos a reproduzir notícias do Forum 18 a partir de 20 de janeiro de 2004, com a devida autorização.

O Forum 18 é uma organização que trabalha para a implementação do Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, e concentra-se na séria violação da liberdade de religião, e particularmente em situações onde as vidas e bem-estar de indivíduos e grupos são ameaçados, e onde o direito de reunir-se em torno de sua fé é impedido.
O Forum 18 divulga notícias de violação da liberdade de qualquer credo religioso.

Travestis, violência, disque-denúncia, oportunismo e truculência governamental


Casos isolados de violência contra homossexuais geram pretexto para governo de Dilma impor doutrinação homossexual nas escolas

Julio Severo
O jornal esquerdista Falha de S. Paulo noticiou em 19 de fevereiro de 2011: “Polícia prende suspeito de manter travestis em cárcere em SP”. Só se esqueceu de mencionar que a “orientação sexual” do suspeito é a mesma das vítimas. Como sempre, mais uma pequena “falha”.
A reportagem, que deixou abundantemente claro que as vítimas eram travestis, só fez uma única citação discreta da “orientação sexual” do suspeito quando identificou seu nome como “Nilton Pinto de Freitas, 27, conhecido como Andressa”. Afinal, qual é o homem que gostaria de ser chamado de “Andressa”?
A mídia esquerdista se faz de inocente, mas seu pensamento é: “Nós sempre os mostramos como vítimas inocentes e puras. Não fica bem identificá-los como homossexuais quando eles são os opressores e criminosos. Dá um engasgo terrível na garganta!”
Provavelmente, a computação do crime do travesti contra outros travestis inchará registros de “crimes contra homossexuais”, um banco de dados que será convenientemente usado para pressionar os legisladores sobre a necessidade “urgente” de proteger travestis e outros prostitutos homossexuais que frequentam, em horários perigosos, locais de elevada criminalidade, ou que se esquecem de pagar seus parceiros e acabam sendo surrados ou mortos.
“Senador, você precisa aprovar o PLC 122! Olha só o que fizeram com um bando de travestis!”
Essa “proteção” virá na forma de leis que imporão sobre as crianças das escolas aulas sobre a “beleza” e “dignidade” da vida sexual dos travestis e outros homossexuais, sob pena de punir todos os pais que se mostrarem contrários a que seus próprios filhos aprendam a “inocência” e “pureza” do ato mais sacrossanto do universo: o sexo masculino no orifício anal de outro homem.
Aliás, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) anunciou que o Ministério da Educação vai preparar cartilhas contra o “preconceito” que serão distribuídas nas escolas. Com a cobertura sistemática e sensacionalista dos meios de comunicação dos casos isolados de violência contra gays, “a senadora se diz confiante na aprovação do PLC 122, contra a homofobia”. É a marcha governamental para a imposição do infame kit gay, com a desculpa de combater o “preconceito”, onde crianças terão de aprender a usar o orifício anal conforme determina a agenda gay e no estilo “Relaxa e goza” de Suplicy.
Marta Suplicy e Maria do Rosário
O anúncio de Suplicy foi feito durante o lançamento oficial do Disque 100 em 19 de fevereiro de 2011. O número de telefone especial receberá denúncias anônimas contra a “homofobia” e foi lançado pela ministra Maria do Rosário, da Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência da República, que declarou: “A impunidade não permanecerá, e os crimes homofóbicos serão trabalhados, julgados e responsabilizados”. O evento contou com a presença de Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), que disse: “Temos um adversário comum, que são os religiosos fundamentalistas”.
Segundo o JusBrasil, “Após o lançamento do Disque 100 também para casos de homofobia e da colocação do primeiro selo ‘Faça do Brasil um território livre da homofobia’, os participantes uniram-se à Marcha contra a Homofobia e pelo PLC 122, na própria avenida Paulista”.
O disque-denúncia vai facilitar as ações da Gaystapo. Em 2007, em nome da ABGLT, Toni Reis teve de enviar ao Ministério Público Federal de São Paulo carta pedindo ações criminais contra o Blog Julio Severo e seu autor. Com o Disque 100, acabou o trabalho. O nome de Julio Severo, acusado por Luiz Mott de ser o maior “homofóbico” do Brasil, poderá ser usado direta e indiretamente em todos os tipos de denúncias:
Caso 1:
“Em nome da democracia brasileira, quero como cidadão anônimo denunciar o autor que incitou agressões contra aqueles homossexuais que estavam perambulando às 2h da madrugada em São Paulo! Depois de lerem o Blog Julio Severo, os agressores foram buscar homossexuais fazendo ponto de madrugada…”
Caso 2:
“Alô, desejo fazer uma denúncia de homofobia!”
“Disque 100 às suas ordens. O que foi que o homofóbico fez?”
“É a Andressa, que está prendendo meus amigos travestis”.
“Qual é o nome completo da Andressa?”
“Nilton Pinto de Freitas”.
“Tá tirando sarro de mim? Afinal, é Andressa ou Nilton?”
“É ele, mas ele é mais conhecido por ela”.
“Lamento, mas aqui não aceitamos denúncias contra homossexuais. Você deve ser algum homofóbico disfarçado!”
“Tá certo. Eu me enganei. Foi o Julio Severo!”
“Ah, assim melhorou! Agora já podemos aceitar sua denúncia!”
Tanto a União Soviética quanto a Alemanha nazista contavam com um sistema de denúncia, onde os denunciados sofriam o peso da truculência estatal. Essa truculência sobrevive hoje com rótulos mais palatáveis e com nomes hiperdemocráticos, mas não menos nojentos em sua essência do que o comportamento que a Gaystapo protege acima do bem-estar de crianças, famílias e da própria liberdade de consciência, religião e expressão.

Fim do mundo em 2012

Estudioso diz que em nenhuma das escrituras maias 2012 o mundo acaba.
Em nenhum dos 15 mil textos existentes dos antigos maias está escrito que em 2012 haverá grandes cataclismos, crença originada em escritos esotéricos da década de 1970, asseguraram nesta terça-feira, 6, fontes oficiais.

O diretor do Acervo Hieróglifo e Iconográfico Maya (Ajimaya) do Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH), Carlos Pallán, disse que só em dois deles há "duas inscrições" que falam em 2012, mas "só como o final do período".

Perante este fechamento do ciclo, os profetas modernos afirmam que um buraco negro no centro da galáxia, quando se alinhar com o sol, romperá o equilíbrio. Com isso, será modificado o eixo magnético da Terra e as consequências serão nefastas.

O cientista destacou em comunicado que estas versões apocalípticas foram geradas em publicações esotéricas nos anos 1970, as quais assinalavam o fim da civilização humana para 2012, data que coincide com o décimo terceiro ciclo no calendário maia, no dia 21 de dezembro.

Pallán explicou que "para os antigos maias, o tempo não era algo abstrato, era formado por ciclos e estes às vezes eram tão concretos que tinham nome e podiam ser personificados mediante retratos de seres corajosos. Por exemplo, o ciclo de 400 anos estava representado como uma ave mitológica".

Os maias "jamais mencionam que o mundo vai acabar, jamais pensaram que o tempo terminaria em nossa época, o que nos reflete à consciência que alcançaram sobre o tempo, a partir do desenvolvimento matemático e da escritura", destacou.

Acrescentou ainda que os maias se preocupavam em efetuar rituais que de algum modo garantissem que o ciclo por vir seria propício, e no caso particular de 2012 é notada uma insistência em "que ainda em data tão distante vai ser comemorado um determinado ciclo. Este foi o miolo da confusão".

O arqueólogo disse que, no entanto, de acordo com os cálculos científicos atuais, a data astronômica precisa do fim de seu ciclo seria 23, e não 21 de dezembro.

Também esclareceu que os maias legitimavam seu poder mediante os calendários e vinculavam os governantes com esses ciclos e com deuses citados em relatos ancestrais ou em mitos.



Fonte: EFE

Terra treme em pelo menos cinco cidades no norte de Goiás

Mara Rosa (GO) – Um tremor de terra de 3,6 graus na escala Richter atingiu ontem à tarde pelo menos cinco cidades do interior de Goiás. Apesar do susto, não houve feridos. Segundo o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), que registrou o fenômeno, o epicentro do tremor foi a cidade de Mara Rosa. Moradores de Estrela do Norte, Santa Terezinha de Goiás, Mutunópolis e Bonópolis também sentiram a terra tremer.
O terremoto aconteceu às 16h08. Moradores de Mara Rosa ficaram bastante assustados “Foi um sismo raso e, por essa razão, causou um susto muito grande nas pessoas, principalmente em Mara Rosa. As vibrações do chão são sempre antecedidas por um estrondo muito forte”, afirmou o professor Lucas Vieira Barros, chefe do observatório.
Ainda de acordo com Vieira, os tremores são provocados por uma falha geológica localizada em Goiás e em Tocantins. “Esses estados são cortados por um lineamento chamado Transbrasiliano. Esse lineamento é um conjunto de falhas geológicas que às vezes se movimentam e geram esses sismos.”
A maior parte do território brasileiro é localizada no centro de uma grande placa tectônica, a Placa Sulamericana. Por isso, os terremotos são raros no território do País e, quando eles acontecem, não costumam deixar muitas vítimas e danos materiais.
Ainda assim, falhas como a que causou os tremores de ontem provocam até cinco terremotos por ano no País, que são sentidos principalmente no Norte e no Nordeste.
Em maio, a terra tremeu com força no estado do Acre. Um terremoto de magnitude 6,5 atingiu o estado e foi registrado pelo Centro de Pesquisas Geológicas dos Estados Unidos. O tremor aconteceu a uma profundidade de 580,5 km e teve seu epicentro localizado próximo à fronteira com o Peru, e a 127 km a leste-sudeste da cidade de Cruzeiro do Sul.

GRITOS DE ALERTA / EUROPA GOSPEL

Igrejas evangélicas estão gerenciando uma prisão privada na Coréia do Sul

PDF
coree-prison_article
A Coreia do Sul terceiriza sua primeira prisão privada às igrejas protestantes. As associações de direitos humanos estão preocupadas.
É muito perigoso. A prisão deve ser responsabilidade do governo, não uma organização religiosa. Duck Kim-jin, secretário-geral do Comité Católico dos Direitos do Homem, não deixa de está furioso.
Com sede em Seul, a associação está envolvida na defesa dos direitos dos prisioneiros. Ela opôs-se à recente decisão do governo sul-coreano de entregar a gestão da primeira prisão privada do país a um grupo de igrejas evangélicas protestantes.

Apelidado de "Somang", que significa "esperança" em coreano, o centro de detenção foi aberto em dezembro. Com uma capacidade de 300 lugares que atualmente abriga cerca de trinta prisioneiros. É financiado pelo governo, que paga à fundação protestante Agape, responsável pela sua gestão, 90% dos custos de uma prisão gerenciada pelo Estado.

"Este projeto nos permite resolver os problemas de superlotação, e praticar uma variedade de programas para reduzir os índices de reincidência", diz Park Byung-rae, um porta-voz do Departamento de Justiça. O ministério disse que a Coreia do Sul tem atualmente 46 mil presos e as prisões estaduais já não são suficientes para acomodar o número de presos que aumentou consideravelmente desde a crise financeira asiática de 1998.

A questão do proselitismo alarmado pelos Catolicos
Ágape é a fundação que seleciona os detentos através de uma lista de prisioneiros que se candidatam e são selecionados pela administração prisional. São aceitos  homens com idade entre 20-60 anos, cuja a pena é inferior a sete anos.

Os responsáveis protestantes fixaram uma meta de atingir uma taxa de reincidência de apenas 3%, bem abaixo da taxa média de readmissão de 22,4% observado no país. Para isso, várias atividades são executadas, incluindo um programa de orientação que envolverá 600 voluntários, e um programa de estudo da Bíblia.

É justamente a questão do proselitismo que  alarma o Comité Católico, "Essas igrejas acreditam que sua prisão é uma excelente oportunidade para aumentar o número de seus seguidores", avisa Kim Duck-jin. Mas o Ministério da Justiça garante que seu time vai estar vigilante, e que a liberdade religiosa dos presos sejam respeitados.

19% da população sul-coreana é protestante.
Certamente, os primeiros passos da prisão Somang, será observado sob microscópio. Mas os próximos 2-3 anos, quando a prisão estará bem estabelecida, que pode prever o que vai acontecer lá?, se pergunta Kim Duck-jin, que faz visitas freqüentes a presídios.

Igrejas evangélicas da Coréia do Sul, em 1995, começaram uma intensa campanha para permitir a criação de prisões privadas. Em 1999, a Assembleia Nacional Sul Coreana deu sinal verde ao projeto.

O fato do presidente Lee Myung-bak ser protestante contribuiu, sem dúvida. Hoje, 19% da população sul-coreana é protestante, e as autoridades católicas e budistas acusam regularmente o Chefe de Estado de exibir suas crenças religiosas abertamente.

FONTE.

EUROPA GOSPEL

Walt Disney e Monsanto entre os clientes ocultos da Blackwater

Quase três anos atrás, exatamente - 17 de setembro de 2007 - um grupo de guardas da empresa de segurança então conhecida como Blackwater atiraram e mataram 17 iraquianos em uma praça pública em Bagdá.

A empresa tem sido conhecida por táticas brutais e por fornecer mercenários para o Departamento de Estado dos EUA em outros países. O que não se sabia,no entanto, é que a mesma empresa estava lidando com operações de inteligência e espionagem para as empresas americanas de capital aberto.

No topo da lista está a Monsanto, a gigante de biotecnologia, que Jeremy Scahill da revista semanal "The Nation" revelou revelou nesta quarta-feira ter aceitado uma proposta por meio de uma subsidiária da Blackwater, que ofereceu "fornecer agentes para se infiltrar grupos de ativistas contra a organização da empresa multinacional de biotecnologia."

A Monsanto não está sozinha. Através de uma rede de 30 subsidiárias e empresas fantasmas, entidades ligadas à Blackwater fornecem "inteligência, treinamento e serviços de segurança" a um grande grupo de grandes empresas multinacionais, incluindo: Monsanto, Chevron, Walt Disney Company, Royal Caribbean Cruise Lines, Deutsche Bank e Barclays, de acordo com documentos obtidos por Scahill.

O proprietário e fundador da Blackwater, Erik Prince - que tem conexões com a CIA - ajudou a treinar empresas através de de duas outras empresas que controlava: Total Intelligence Solutions e a Terrorism Research Center.

Talvez sem surpresa, ninguém respondeu aos pedidos para comentar o assunto.

Monsanto está no topo da lista das empresas que utilizam serviços de Prince, Scahill escreveu.

"De acordo com a comunicação interna da Total Intelligence, a gigante Monsanto - o maior fornecedor mundial de sementes geneticamente modificadas - contratou a empresa em 2008-2009", escreve o repórter. "O relacionamento entre as duas empresas parece ter sido solidificada em janeiro de 2008, quando o presidente da Inteligência Total Cofer Black viajou a Zurique para encontrar-se com gerente de segurança para as questões globais da Monsanto".

"Depois da reunião em Zurique, Black enviou um e-mail para outros executivos da Blackwater .... dizendo que Wilson entende que poderiam ir além da coleta de informações da internet, para colocar pessoal em campo na base legítima de proteger a marca da Monsanto.... além de obter informações e insights é o que ele está procurando. Black acrescentou que a Total Intelligence iria desenvolver e atuar como braço de inteligência da Monsanto. Black também observou que a Monsanto estava preocupada com os ativistas dos direitos dos animais e que eles discutiram como a Blackwater "poderia ter nosso pessoal integrando os grupos ativistas de forma legal." Black escreveu que os primeiros pagamentos para Total Intelligence seriam pagos pelo "generoso" orçamento de proteção da Monsanto , mas acabariam por se tornar um item de linha no orçamento anual da empresa. Ele estimou os pagamentos para a Total Intelligence entre US$ 100.000 e $500.000. Segundo os documentos, a Monsanto pagou Total Intelligence $127.000 em 2008 e $105.000 em 2009.

Em um e-mail para o The Nation, Wilson confirmou que ele conheceu Black em Zurique e que a Monsanto contratou a Total Intelligence em 2008 e trabalhou com a empresa até 2010. Ele negou que ele e Black tenham discutido a infiltração em grupos de direitos dos animais, afirmando que "não houve essa conversa." Ele alegou que a Total Intelligence apenas forneceu à Monsanto "relatórios sobre as atividades de grupos ou indivíduos que podem representar um risco para o pessoal da empresa ou operações em todo o mundo, que foram desenvolvidos através de acompanhamento da mídia local e outras informações disponíveis publicamente. O assunto variou de informações sobre os incidentes terroristas na Ásia ou seqüestros na América Central até a exploração do conteúdo de blogs e sites ativistas". Wilson afirmou que o Black lhe disse que a Total Intelligence é "uma entidade completamente separada da Blackwater".

A Walt Disney Company contratou a Total Intelligence e TRC para fazer uma avaliação da ameaça "para potenciais locações de filmagem no Marrocos, com os ex-funcionários da CIA Black e Richer contactando seus ex-colegas de inteligência marroquina para obter informações. O trabalho proporcionou uma ótima chance "para impressionar Disney", disse um executivo da empresa. Quão impressionada a Disney ficou não é muito claro, em 2009, a empresa pagou para a Total Intelligence apenas US $ 24.000.

Total Intelligence e TRC também forneceram avaliações de inteligência sobre a China para o Deutsche Bank.

Fontes:
Raw Story: Walt Disney, Monsanto discovered among Blackwater’s hidden clients
The Nation: Blackwater's Black Ops
http://www.thenation.com/article/154739/blackwaters-black-ops

Ex-Assessor de Clinton e Membro do Bilderberg: Apenas um ataque terrorista pode salvar Obama


Paul Joseph Watson
Prison Planet

Um ex-assessor sênior do presidente Bill Clinton afirmou que a única coisa que poderia salvar o controle do poder cada vez mais fraco de Barack Obama, em um momento que seus índices de aprovação continuam a cair desastrosamente, é um ataque terrorista na mesma escala de Oklahoma City ou do 11 de Setembro, um outro lembrete chocante que tais eventos apenas servem para beneficiar aqueles em posição de autoridade.

Perdido em meio um artigo do Financial Times sobre como a crise de credibilidade de Obama vem crescendo e dos medos em nome dos democratas de que eles podem perder não só a Casa Branca, mas também o Senado aos republicanos, Robert Shapiro deixa claro que Obama está contando com uma surpresa de outubro no forma de um ataque terrorista para salvar sua presidência.

"A ponto principal aqui é que os americanos não acreditam na liderança do presidente Obama", disse Shapiro, acrescentando: "Ele tem que encontrar alguma maneira entre agora e novembro de demonstrar que ele é um líder que pode comandar a confiança e, um fora um evento de proporções como do 11 de setembro ou um bombardeio de Oklahoma, não sei como ele poderia fazer isso."

O aviso mascarado de Shapiro não deve ser menosprezado. Ele foi subsecretário de Comércio para a posse dos Assuntos Econômicos no mandato de Clinton e também atuou como principal consultor econômico de Clinton em sua campanha de 1991-1992. Shapiro é agora diretor da Iniciativa de Globalização da NDN e também presidente da Força Tarefa do Clima. Ele é um globalista proeminente que compareceu a várias reuniões do grupo Bilderberg na última década.

Shapiro está claramente comunicando a necessidade de um ataque terrorista ser lançado, a fim de dar a Obama a oportunidade de unir o país em torno de sua agenda, em nome da luta contra os terroristas, assim como o presidente Bush fez na sequência do 11 de setembro, quando o seu índice de aprovação subiu de cerca de 50%, para bem acima de 80%.

Do mesmo modo, Bill Clinton foi capaz de extinguir uma rebelião anti-incumbente (voto exercido contra os oficiais elegidos em poder, como forma de mostrar descontentamento) que se formava em meados da década de 1990, explorando o bombardeio de Oklahoma para demonizar seus inimigos políticos como extremistas de direita. Como Jack Cashill aponta, Clinton "chegou a Oklahoma City com um índice de aprovação por volta de 40% e deixou a cidade com um índice bem acima dos 50 e com a revolução republicana enterradas nos escombros."

Uma febre anti-incumbente está dominando o clima político mais uma vez, com os democratas enfrentando sérios desafios dos candidatos do Tea Party (partido que era inicialmente libertário e que é cada vez mais infiltrado), pessoas como o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, que tem uma batalha em suas mãos contra Sharron Angle, uma candidata que a mídia corporativa tentou demonizar como uma extremista de direita porque apoia medidas populistas como a remoção de fluoreto de sódio do abastecimento de água e suporta o Oath Keepers, uma organização centrada na defesa dos direitos dos estados e da Constituição dos EUA.

Somente através da exploração de um ataque terrorista interno que podesse ser atribuído aos "radicais de direita" é que Obama pode esperar reverter a onda de candidatos anti-incumbentes que ameaçam diluir drasticamente o monopólio do poder dos candidatos do establishment (ordem dominante) de ambos os principais partidos políticos em Washington.

Shapiro é de modo algum o primeiro a assinalar que os ataques terroristas em solo americano ou mesmo em qualquer lugar do mundo servem apenas para beneficiar aqueles em posições de poder.

O apresentadir da CNN Rick Sanchez admitiu em seu show esta semana que os bombardeios mortais em Uganda, que mataram 74 pessoas foram "úteis" para a agenda do complexo militar-industrial para expandir a guerra contra o terrorismo na África.

Durante os últimos anos da presidência de Bush, o secretário da Defesa Donald Rumsfeld devaneou com a cúpula do Pentágono o suporte decrescente do congresso americano para expandir a guerra contra o terror poderia ser corrigida com a ajuda de outro ataque terrorista. O áudio confidencial foi liberado através do Freedom of Information Act e pode ser ouvido aqui.

Tenente-Coronel Doug Delaney, presidente do programa de estudos de guerra no Royal Military College, em Kingston, Ontario, disse ao jornal The Toronto Star em julho de 2007 que "A chave para o reforçar a determinação do mundo ocidental (em participar da guerra) é um outro ataque terrorista como o de 11 de setembro ou os atentados de Londres de dois anos atrás".

O sentimento também foi explicitamente expressa em um memorando do Partido Republicano de 2005, que ansiava por novos ataques que "validariam" a guerra do presidente contra o terror e "restaurariam a sua imagem como líder do povo americano."

Em junho de 2007, o presidente do Partido Republicano do Arkansas Milligan Dennis disse que era necessário mais ataques em solo americano para o presidente Bush recuperar a aprovação popular.

Dado o fato de que um ataque terrorista em solo americano servirá apenas para resgatar a presidência decadente de Barack Obama, e vai fazer absolutamente nada para atingir os objetivos dos chamados "extremistas de direita" em quem o ataque será responsabilizado, quem devemos suspeitar de serem os organizadores por trás de tais atos de terror? Certamente não Rahm Emanuel, o mestre de marionetes de Obama, o filho de um terrorista israelense que ajudou a explodir bombas em hoteis e praças, e o homem que disse uma vez: "Você nunca quer desperdicar uma grave crise.... Uma oportunidade de fazer coisas que você achou que você não poderia fazer antes."

Sem dúvida, as primeiras pessoas que devemos suspeitar como culpados no caso de um ataque terrorista doméstico nos Estados Unidos são os indivíduos por trás de Obama, globalistas que estão desesperados para neutralizar o crescente sucesso dos movimentos populares que vem criando uma onda de aumento ressentimento contra o governo como uma forma de obtenção de poder político real.

Fontes:
Prison Planet.com: Top Clinton Official: Only A Terror Attack Can Save Obama

A IGREJA DA UNIFICAÇÃO



alua.gif 
(7657 bytes)
I.     Quem é o fundador?
            Sun Myung Moon cognominado “reverendo Moon”, nasceu em 1920 na Coréia do Sul, numa família presbiteriana. Hoje, mora nos EUA. É riquíssimo, possui inúmeras empresas e bens; isto, graças ao trabalho gratuito de seus adeptos. De fato, a seita-moon se enriquece com a venda de cartões, jornais, etc…
II.   Qual é a doutrina de Moon?
            Ele escreveu “Os princípios divinos” com 500 páginas. Neste livro está resumido toda a sua doutrina. Segundo Moon, nós somos da linhagem do demônio, pois Eva foi seduzida sexualmente por Lúcifer, o arcanjo que se tornou Satanás. Moon se auto-afirma como o verdadeiro salvador do mundo. Afirma, também, que o mundo está dividido entre duas potências, dum lado, a força do Bem - EUA - doutro, a força do Mal - URSS.
III. Como será a salvação moonista?
            Moon aplica aos EUA aquilo que a Bíblia refere-se ao povo de Israel. Deste modo, o presidente dos EUA é o novo Davi e, os EUA, a nova Israel. Eis um famoso slogan de Moon: “Amo a Deus, e Deus ama os Estados Unidos”. Para Moon, a salvação consiste em aderir à política norte-americana, pois os EUA é a terra prometida por Deus.
            Nos EUA começou o reino de Deus em 1960, quando os moonistas iniciaram a sua obra. Para ele, o meio de restaurar o reino de Deus sobre a terra será mediante um casamento de um homem e uma mulher perfeitos. Assim, no futuro teremos uma geração sem pecado. Jesus, segundo Moon, fracassou porque veio como o segundo Adão para tal restauração violada pelo primeiro Adão, mas foi morto antes do coito nupcial. Por isto, Jesus lhe apareceu em 1936, numa páscoa, e pediu-lhe que completasse a sua obra fracassada.
IV. Por que o reverendo Moon odeia o Comunismo?
            Porque durante a segunda guerra mundial(1939-1945), foi preso pelos comunistas e, sofreu muito durante três anos num trabalho forçado. Em 1950 foi libertado pelas tropas norte-americanas. Dai em diante, o seu complexo comunista se fixou com grande ódio à esquerda. E, por outro lado, nasceu em seu coração um louco amor aos Estados Unidos(à direita).
V.  Como se faz o recrutamento dos novos adeptos moonistas?
            Os missionários moonistas chegam até freqüentar Missas para conquistar novos adeptos. A simpatia é a armadilha que usam para cativar os jovens. O jovem é a vítima principal. Convidam-no para participar de uma cerimônia ou festinha na comunidade moonista. Como disfarce, lá cantam músicas religiosas e, aos poucos vão mudando a cabeça inexperiente da juventude presente. Os jovens, finalmente, acabam cedendo às pressões psicológicas. É uma verdadeira indoutrinação. Com a “cabeça feita” mediante tal lavagem cerebral, os jovens aderem à seita e tornam-se fanáticos-moonistas.
VI. Como é a convivência na comunidade moonista?
            Uma vez lá dentro, o jovem não quer mais sair, pois qualquer pensamento a este respeito, é uma obra de Satã. Nesta comunidade, o adepto recebe outro nome. Este neo-recruta cria em si uma verdadeira antipatia a sua própria família e ao seu próprio passado.Trabalha bastante e maquinalmente, isto sem perceber que está enriquecendo cada vez mais o reverendo Moon.
            Moon reúne, uma vez por ano, os seus discípulos para dar um balanço no capital adquirido, para verificar o recrutamento dos novos adeptos e, também, para unir os casais.
            Depois dá-lhes uma instrução. Eis uma parte desta instrução: “Não pensem! Ajam! Doravante eu serei o cérebro de vocês! Quem for fiel ao credo terá o paraíso, os apóstatas irão para o fogo do inferno”.
VII. Qual é o objetivo do casamento moonista?
            O único objetivo do casamento deles é gerar os futuros habitantes do reino norte-americano. Moon escolhe os parceiros para tal mister, isto é, para o Matrimônio. Os neófitos recebem fortes doses de tranqüilizantes para diminuir o apetite sexual, visto que, a relação sexual para eles, é uma coisa satânica.
VIII. O que é realmente esta seita?
            É uma seita de loucos, onde um maníaco político do Capitalismo norte-americano, quer dominar o mundo através de uma exploração psicológica e radical de uma juventude enfraquecida por falsa ideologia e muitos contra-valores éticos e religiosos.
            Ora, existe um paradoxo nisto tudo, ou seja, enquanto os adeptos vivem num regime de dureza e pobreza, o reverendo Moon mora num luxuoso palacete com muitos empregados e uma milícia poderosamente armada para defendê-lo. Sai sempre num Lincolnn blindado, viaja somente num jato particular e possui amantes e iates em excesso.
IX. O Moonismo é uma religião ou uma filosofia?
            Não é uma religião nem uma filosofia. O moonismo apenas é uma ideologia política do Capitalismo norte-americano. Por isso, o Presidente dos EUA financia o moonismo e dá total apoio ao reverendo Moon para manipular a juventude, visto que, ela é uma força-motriz do mundo.
            Todo falso profeta é um Anti-Cristo e, sabe que a Igreja Católica, a máxima representante do Cristianismo no mundo, é uma grande potência a favor do bem-comum.
            Ora, o capitalismo quer mandar com poder total o mundo inteiro e, para isto, precisa enfraquecer a influência do Cristianismo no mundo. Logo, um dos meios para conseguir este objetivo é investir em seitas de vários tipos.
            Por outro lado, também, atacam radicalmente o Comunismo-socialista, pois este, também, é uma grande força contra o Capitalismo.
            Nesta perspectiva, tornou-se necessário ao Capitalismo norte-americano criar uma seita, que defendesse seu objetivo político e econômico. Assim surgiu o Moonismo. O interessante, é que usam a própria Bíblia para defender seus interesses mesquinhos. Veja este exemplo: “o Messias colocará as ovelhas à sua direita, e os cabritos à sua esquerda”(Mt25,33). Esta passagem bíblica é interpretada por eles, assim: o Messias é o famoso revendo Moon, as ovelhas são os capitalistas norte-americanos e os cabritos são os pobres comunistas. Isto é um absurdo total.
X.  O reverendo Moon é o Anti-Cristo ou um falso profeta?
            O Anti-Cristo não é uma só pessoa, mas é um complexo sistema comandado por Satã. Na realidade, Moon é um dos milhares profetas deste Sistema satânico. Ele, como todos os falsos profetas, usa de sofismas, isto é, argumentos falsos com aparência de verdade. Moon é um “charlatão”, porque vive explorando a boa fé das pessoas, principalmente, a juventude.
XI. Qual é a diferença do Capitalismo e do Comunismo?
·        Capitalismo é um sistema sócio-político-econômico que dá prioridade ao capital sobre o trabalho. Por isto, o capitalismo é selvagem e desumano, pois visa somente o lucro e o consumismo em si mesmo. Este sistema transforma a pessoa  numa simples coisa, isto é, uma mercadoria lucrável.
·        O Comunismo, também, é um sistema, porém de modo totalmente distinto do anterior. Este sistema elimina o erro capitalista no que se refere a primazia do capital sobre o trabalho, mas permanece no pecado comum de ambos os sistemas, ou seja, o materialismo ateu. Marx, o fundador do comunismo, analisou a essência do problema capitalista como tal e de forma brilhante, mas o seu método para solucioná-lo não funciona na prática. Ele ensinava a luta de classes, porém este método é violento e, “violência gera violência”(Puebla, n.º 532).
·        O sistema comunista é melhor que o capitalista, mas, também, não é perfeito. O ideal seria se os governos assumissem o compromisso com Jesus Cristo, que ensinou o Comunismo do Amor.
José Noronha Dias

SINAIS DOS FINAIS DOS TEMPOS

O aumento das guerras e do terrorismo

A história da humanidade sempre foi marcada por guerras sangrentas. Desde a antiguidade, passando pela idade média, e chegando a nossa idade contemporânea, muitos perderam a vida guerreando ou sendo apenas vítimas de guerra. Nunca o ser humano guerreou tanto como nos séculos XX e XXI. Somente no século XX, cerca de 191 milhões de pessoas morreram em combates ao redor do mundo. Apenas para ilustrar a evidência desse sinal, citarei algumas das guerras ocorridas nos últimos 100 anos:
  • Guerra russo-japonesa (1904-1905)
  • Terceira Guerra centro-americana (1906)
  • Quarta Guerra centro-americana (1907)
  • Guerra Itália-Turquia (1911-1912)
  • Guerra da independência do Tibete (1911-1912)
  • Guerra do Paraguai (1911-1912)
  • Primeira Guerra Mundial (1914-1918)
  • Guerra Turquia-França (1919-1921)
  • Guerra Turquia-Grécia (1919-1922)
  • Guerra Japão-China (1931-1933)
  • Guerra do Chaco (1932-1935)
  • Segunda Guerra Mundial (1939-1945)
  • Guerra do Sinai entre Israel-Egito (1956)
  • Guerra Hungria-União Soviética (1956)
  • Guerra Índia-China (1962)
  • Guerra da Cashemira entre Índia e Paquistão (1965)
  • Guerra Israel-Egito (1969-1970)
  • Guerra do Vietnã (1965-1975)
  • Guerra Honduras-El Salvador (1969)
  • Guerra das Malvinas (1982)
  • Guerra do Golfo (1990-1991)
  • Bósnia e Herzegovina (1992-1995)
  • Guerra Eritréia-Etiópia (1998-2000)
  • Guerra do Iraque (2003)
A lista realmente é grande e nos impressiona. Jesus nos disse que esse sinal aconteceria antes de seu retorno, mas ainda não seria o evento definitivo para sua segunda vinda.
  • Mateus 24:7-8
    "Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores [de parto e de uma angústia intolerável]."
  • Lucas 21:11
    "E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências (pragas: doenças epidêmicas malignas e contagiosas que são mortíferas e devastadoras); haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu."
O termo  "nação contra nação, reino contra reino" usado aqui pelo Senhor Jesus, foi o mesmo termo usado em 2 Crônicas 15:1-7 e Isaías 19:1-2.
A história da humanidade sempre foi marcada pelas guerras. Porém , o século XX foi, sem sombra de dúvida, o século onde mais houve as maiores guerras ao redor do mundo. Guerras não só em quantidade, mas também em nível de devastação. Pelos noticiários, nós ficamos sabendo apenas das guerras que são notícias em âmbito mundial. Os conflitos menores acabam nem sendo noticiados. O terrorismo é uma modalidade de guerra que voltou com toda força no século XXI.

Fome e epidemias logo antes da volta de Jesus

“Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores.” - Mateus 24:7-8
“E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu.” - Lucas 21:11
Ao analisarmos Mateus 24:7-8 e Lucas 21:11 mais cuidadosamente, o Senhor Jesus diz que as guerras serão seguidas de fomes, de pestes, de terremotos em vários lugares. O versículo nos diz que não necessariamente as epidemias, as fomes e os terremotos acontecem por causa da guerra. Mas são vários eventos que acontecem sucessivamente e simultaneamente.
A Primeira e a Segunda Guerra Mundial foram seguidas pela fome enfrentada pela população, principalmente nos períodos de pós-guerra. O término da Primeira Guerra Mundial foi marcado pela grande epidemia de influenza (gripe espanhola) dizimando a população européia, em 1918 – estima-se que 50 a 100 milhões de pessoas morreram.
Surge a AIDS, em meados dos anos 70, cuja vacina tem sido um desafio aos cientistas até os dias de hoje. Após as guerras mais recentes, mais epidemias têm surgido no cenário mundial. É o caso do Ebola, oriundo do Zaire, na África, que surgiu nos anos 90, matando boa parte da população daquela região.
Ao mesmo tempo em que a tecnologia aumentou no século XXI, os vírus também têm evoluído tornado-se cada vez mais fortes e perigosos. Em 2002 e 2003 aparece a SARS, ou a pneumonia atípica asiática, assustando a todo o globo terrestre e matando vários chineses em Hong Kong. Todas as autoridades ao redor do mundo todo entraram em alerta total nos aeroportos e portos marítimos, na tentativa de combater a epidemia.
Em 2004, a gripe do frango assusta a Ásia, levando produções avícolas inteiras a serem sacrificadas, o que corresponde a milhões de frangos no mundo todo. Essa gripe é altamente transmissível ao ser humano e se propaga muito rapidamente. Pode levar o ser humano à morte. O vírus da gripe do frango se chama H5N1, que é uma mutação do vírus influenza, o mesmo que matou milhões no início do século XX no episódio conhecido como gripe espanhola. Hoje, estão se desenvolvendo vacinas por todo o planeta (inclusive no Brasil) para o combate a essa mutação do vírus influenza.
Curiosamente, a medicina não sabe qual é a origem dos vírus. Suas origens são incertas. Sabe-se que um vírus possui alguns genes semelhantes aos das bactérias. Os vírus e bactérias são formas de vida unicelulares, mas são formas de vida. Deus é o autor da vida. Ou seja, somente Deus pode criar, ao passo que Satanás é um anjo caído, não pode criar nada, mas pode transformar a matéria.
Satanás, ao longo da história da humanidade, fez experiências genéticas, como é o caso dos gigantes. Daniel Mastral e Isabela Mastral, em seu livro Rastros do Oculto, demonstram claramente que os gigantes são resultados de experiências genéticas de Satanás provenientes de relações sexuais entre demônios (anjos caídos) e mulheres humanas.
“Aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas, Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. Então disse o Senhor: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama.” - Gênesis 6:1-4
Filhos de Deus é uma expressão hebraica cujo significado é anjo. A prova está em Jó 1:6 e Jó 2:1:
“E num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor, veio também Satanás entre eles.” - Jó 1:6
“E, vindo outro dia, em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor, veio também Satanás entre eles, apresentar-se perante o Senhor.” - Jó 2:1
Os anjos que são citados em Gênesis 6:1-4 são anjos caídos, ou demônios, que foram lançados à terra por causa da rebelião de Satanás contra Deus. São aquele um terço de anjos, lembram? Pois bem, esse fato despertou a ira de Deus contra o homem, a ponto de reduzir sua idade para 120 anos. No caso dos demônios (os filhos de Deus) já foram condenados por Deus a essa altura. Estes gigantes eram aberrações! Tinham seis dedos nas mãos e nos pés.
Com isso, vemos a capacidade do inimigo de transformar a matéria. No caso dos vírus, a mesma coisa aconteceu. Quando Adão e Eva estavam no paraíso, eles eram imortais, ou seja, nenhum vírus ou bactéria teria poder de matá-los. Os vírus e bactérias eram seres unicelulares criados por Deus para equilibrar o ecossistema – e somente isso! Acontece que, pelo pecado de Adão e Eva, o homem passou a morrer. Satanás adquire legalidade e passeia por toda a terra. Neste momento Satanás passa então a distorcer e modificar os vírus e bactérias, transformando-os em armas para se matar o ser humano.

Terremotos

O número de terremotos tem aumentado assustadoramente nos últimos 20 anos. Entre 2000 e 2010, aconteceram mais de 200.000 terremotos em toda a faixa da escala Richter, de acordo com o United States Geological Survey, dos EUA.  Gostaríamos de ressaltar o que Jesus disse em Mateus 24:7-8:
“Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores." - Mateus 24:7-8
Em Apocalipse, nos capítulos 6, 11 e 16, estão previstos os piores terremotos da história. Serão terremotos de nível mundial. Todos eles ocorrerão durante o período de Tribulação.
“E, havendo aberto o sexto selo, olhei, e eis que houve um grande tremor de terra; e o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a lua tornou-se como sangue;” - Apocalipse 6:12
E naquela mesma hora houve um grande terremoto, e caiu a décima parte da cidade, e no terremoto foram mortos sete mil homens; e os demais ficaram muito atemorizados, e deram glória ao Deus do céu.” - Apocalipse 11:13
“E houve vozes, e trovões, e relâmpagos, e um grande terremoto, como nunca tinha havido desde que há homens sobre a terra; tal foi este tão grande terremoto.” - Apocalipse 16:18
O planeta Terra é composto de placas como se fossem gomos de uma bola de futebol, representando os continentes. Grossamente comparando, cada placa se chama placa tectônica. As falhas geológicas são os locais onde as placas se encontram. Fazendo-se uma comparação, seriam como as emendas entre os gomos da bola de futebol.
As placas tectônicas estão sempre em constante movimento. Ao se movimentarem, chocam-se entre si e produzem o impacto chamado de terremoto, ou abalo sísmico. O ponto onde elas se chocam é chamado de epicentro. Porém o impacto é propagado, a partir do epicentro, de maneira circular (o mesmo efeito de se atirar uma pedra a um lago e ver as ondas do impacto da pedra na água se propagarem para mais longe em formato circular). Por onde as ondas passam, ocorrem abalos sísmicos.
Quando o terremoto acontece am alto mar, as vibrações das placas tectônicas formam os chamados tsunamis (palavra japonesa que significa onda gigante), que podem invadir a costa, provocando devastações imensas. Os tsunamis, que são conseqüências dos terremotos, também são um sinal que precede a segunda vinda de Jesus Cristo. Esse fenômeno é explicitamente citado por Jesus em Lucas 21:25-28:
“E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e sobre a terra haverá angústia das nações, em perplexidade [sem recursos, confusas, deixadas em dúvida, sem saber o que fazer] pelo bramido do mar e das ondas. Os homens desfalecerão de terror, e pela expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto [todos] os poderes do céu serão abalados. E então verão vir o Filho do Homem em uma nuvem, com poder e [Sua] grande glória [majestosa]. Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, exultai e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção se aproxima.” - Lucas 21:25-28
A atual preocupação dos geólogos é que as placas tectônicas têm se movimentado de tal maneira que, em algum momento no futuro, todas resultarão em choques simultâneos, produzindo terremotos mais devastadores e de nível mundial.

Marcus Salles: em entrevista exclusiva para o G+ pastor e cantor fala de sua saída do Quatro por Um, MK e novo CD.

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica GospelNessa entrevista ele fala do seu início de carreira, seu chamado para ministrar e explica o motivo de sua saída do Quatro por Um e da MK Music. Confira abaixo:
Depois de anos com um grupo de sucesso, você agora está se lançando em um trabalho solo, mas poucos sabem como foi seu começo no meio gospel. Conte um pouco da sua história, como nasceu seu interesse pela música e quando viu despertar seu chamado?
Eu nasci em um lar evangelico, sou filho de pastores, comecei muito cedo tocando violão na igreja, cantando no grupo de louvor , Deus me chamou pra obra muito cedo, aos 18 anos comecei a tocar profissionalmente, toquei com Mattos Nascimento (isso tem tempo rsrsrs) toquei com Fernanda Brum, e gravei com Marquinhos Gomes, Cassiane, Eyshila, Bruna Karla e muitos outros e trabalhei 3 anos com Aline Barros tocando baixo e vocal,
Como foi o processo de criação e inspiração para o Meu Lugar?
Foi muito legal, quem produziu o cd foi o Jamba um cara muito bom que morou 21 anos nos EUA e tem uma experiência muito forte nessa área, procuramos fazer algo diferente e que não ficasse muito longe do que eu fazia com o 4 por 1. Eu também não quis gravar um cd 100% autoral, gravei musicas de outros compositores como: Davi Fernandes, Amaury Bertoqui e parcerias minha com Jamba e minha com Aline Barros.
O fato de você agora ter a carreira solo aumenta a sua responsabilidade em criar uma adoração ainda melhor a Deus?
A responsabilidade é maior sem dúvidas mas adoração não é só música, eu adoro a Deus na igreja, na rua, em casa, com meu testemunho.
Muitos artistas relatam que criar um novo álbum é sempre um desafio porque comercialmente sempre se deve superar a publicação anterior, no seu caso seria diferente porque mais do que superar um álbum você teria que superar o sucesso de um banda já consagrada. Existe essa pressão e se sim, como você lida?
Como eu sou um profissional eu tenho a obrigação de sempre melhorar, eu não queria que meu som fosse igual ao do 4 por 1, queria algo diferente, eu me cobrei muito pra isso, mas eu não quero superar o sucesso de ninguem, eu quero construir a minha história.
Como você vê esse novo momento de sua carreira agora na Sony Music e porque lançar por ela e não pela MK onde você tinha contrato?
A Sony me recebeu muito bem, sou tratado com muito respeito e profisionalismo, em relação a MK o meu contrato tinha acabado, então eu decidi depois de orar com minha esposa assinar com a Sony.
Alguns veículos de imprensa estão afirmando que você saiu brigado da banda, outros dizem que você queria mais espaço. Afinal, de uma vez por todas, porque você saiu do Quatro por Um?
Cara não acredite em tudo que você ouve, eu não sai da banda brigado com ninguem eu combinei com os meninos ha dois anos a tras que quando o contrato terminasse eu iria sair da banda pra dedicar mais tempo a familia e minha igreja onde atuo como pastor auxiliar, e sempre falei com eles que irria gravar um cd solo, continuo sendo amigo da banda apesar de não ter mais tempo de estar juntos por causa da minha agenda e da deles.
Você recentemente esteve junto com a banda Third Day no festival Jesus Vida Verão, para você qual a maior diferença entre a música cristã no Brasil e nos Estados Unidos?
O profissionalismo, eles sabem lidar muito bem com isso, aqui muita gente não respeita o cantor a banda, mas graças a Deus isso esta mudando.
O Third Day me trataram com muito profissionalismo e respeito, surgiu um amizade muito bacana, vamos gravar umas músicas juntos e em setembro eles me convidaram pra cantar com eles em um show em Orlando EUA na Disney
Recentemente a cantora Aline Barros revelou ao G1 que escuta música secular, mas não revela quais artistas gosta. Qual sua opinião como Pastor sobre essa polêmica de escutar ou não música secular?
Eu não sou um cara bitolado, eu sei que quem trabalhar com música tem que esta antenado com o que está rolando no munda da música secular e evangelica, eu não julgo ninguém por isso, eu particulamente não escuto música secular, tem muita música de qualidade no mundo gospel.
O que muda na sua vida e música agora fora do Quatro por Um e em carreira solo?
Apesar de ja ter um nome conhecido ne meio da música eu estou começando de novo, é um desafio, mas não ha crescimento sem desafios, na minha vida está tudo bem, estou com mais tempo pra minha família, sou casado com a Munique que está gravida de 4 meses e tenho uma filha que se chama Rebeca de 4 anos, e estou me dedicando a minha igreja local Projeto Vida Nova de Campo Grande RJ.
O Gospel+ agradece imensamente a sua participação e deseja que o Pai continue abençoando ricamente o seu Ministério.
Eu que agradeço o carinho de vocês, Deus abencoe!

Fonte: Gospel+

A frente gay no paredão do Congresso


Vencedor do programa BBB, o deputado Jean Wyllys tenta criar uma bancada em defesa dos direitos dos homossexuais, mas esbarra na resistência dos parlamentares com aversão ao tema
A chegada do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), primeiro gay assumido a levantar a bandeira do movimento, provocou agitação no Congresso. Liderado pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), um grupo começa a se alinhar em uma bancada informal antigay. Ela é formada por deputados da Frente Evangélica, somados aos da Frente da Família e a outros que compartilham a contrariedade em ver a discussão sobre direitos homossexuais avançar.
Wyllys começou seu mandato na ofensiva. Ele vai propor um projeto de lei que institui o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, em vez de insistir apenas na regulamentação da “união civil” – termo adotado por alguns integrantes do movimento gay, para evitar a discussão no campo religioso. “Tem de ser casamento civil porque é o mesmo direito para todos”, afirma. “Quando um cônjuge morre, o parceiro da união estável só tem direito a herança se não houver nenhum herdeiro direto. Já no casamento, ele é herdeiro direto.” Sua primeira ação, como deputado, foi recolher assinaturas para a Frente Parlamentar pela Cidadania GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros).

Na semana passada, Wyllys sentiu uma pequena demonstração do incômodo gerado por sua movimentação. Menos de 24 horas depois de ter começado a percorrer a Câmara pedindo assinaturas para a Frente, sua página no Facebook foi bloqueada. Isso ocorreu porque uma série de usuários da rede fez uma ação coordenada para denunciar a página como falsa. Wyllys diz que sabia que sua presença iria provocar reação e que está preparado para o embate. Jornalista e professor universitário, ele demonstrou habilidade para o debate público quando ganhou o programa Big Brother, em 2005, contra um grupo de participantes que tinham em comum o orgulho da masculinidade. Na arena política, porém, vai enfrentar opositores mais experientes.

A principal voz na Câmara contra a discussão sobre direitos dos homossexuais é a de Bolsonaro, deputado no sexto mandato e capitão do Exército. Enquanto os representantes da Frente Evangélica e os da Família medem as palavras ao tecer críticas aos projetos que combatem a homofobia, Bolsonaro é desabrido e promete enterrar os projetos do colega (leia as entrevistas de Wyllys e Bolsonaro abaixo).
Segundo João Campos (PSDB-GO), líder da bancada evangélica, o grupo respeitará as posições de Wyllys e de sua Frente. Um dos pontos de atrito entre eles é o material contra a homofobia, a ser distribuído pelo Ministério da Educação nas escolas. “Somos contra discriminação, mas não queremos que o governo faça apologia da homossexualidade”, diz Campos.

No Senado, a Frente Parlamentar pela Cidadania GLBT é liderada pela senadora Marta Suplicy (PT-SP), que desarquivou o projeto de lei que torna a homofobia crime. Marta e Wyllys começam a procurar parlamentares simpáticos a seus projetos. “Vamos atrás dos que se inclinam a nos apoiar, mas não têm coragem por questões eleitorais”, diz Marta. Não foi difícil mapear o inimigo. Wyllys precisa, agora, encontrar os aliados para o dia do paredão.
Jean Wyllys: "O movimento GLBT chegou"
O deputado estreante pretende propor o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, uma evolução da união civil

ÉPOCA – Qual é a pauta da Frente GLBT?
Jean Wyllys – Primeiro, a defesa do projeto Escola Sem Homofobia. Depois, também vou protocolar o projeto de casamento civil [entre pessoas do mesmo sexo]. Vou propor e protocolar no dia do lançamento da frente. Existe um projeto tramitando de união estável, nós vamos propor outro. Não é “casamento gay”. Quando a imprensa coloca assim, provoca um equívoco quanto à noção do sacramento do casamento. Não estamos tratando disso, mas de um direito civil. O Estado é laico e o casamento é um direito civil, ele tem que ser estendido ao conjunto da população, independente da orientação sexual e identidade de gênero. Se os homossexuais têm todos os deveres civis, então têm que ter todos os direitos. É assim que funciona uma república democrática de verdade.
ÉPOCA – E o projeto que criminaliza a homofobia?
Jean Wyllys – O projeto que criminaliza a homofobia foi desarquivado agora pela senadora Marta Suplicy, que faz parte da Frente no Senado. Esse projeto altera a lei do racismo e inclui discriminações por identidade de gênero e orientação sexual. Essa lei não vai proibir ninguém de continuar odiando homossexual, para aqueles que odeiam. Quem quiser que continue alimentando seus ódios, privadamente. É um direito. Agora, publicamente ela não pode impedir um homossexual de acessar um direito e nem de expressar publicamente a sua sexualidade. E quase sempre o homossexual é impedido de acessar um direito e expressar sua homossexualidade de maneira violenta.

ÉPOCA – Como é a reação a suas ideias?
Wyllys – Meu Facebook foi tirado do ar em uma ação orquestrada. É natural que minha presença na Câmara provoque uma reação. O movimento GLBT chegou ao Congresso. Por enquanto, não tive muito contato com os deputados da bancada evangélica e cristã. Vou ter esse contato porque estou reestruturando a Frente Parlamentar pela Cidadania GLBT. Ela existiu com o nome Frente Parlamentar pela Livre Expressão Sexual, mas como a maioria das frentes aqui, não tinha uma agenda de atividades e ação concreta. A primeira decisão que tive, depois de uma conversa com a Associação GLBT, é que a frente vai funcionar de verdade. Acho que há condições de criar um ambiente propício. Mesmo no contato com a bancada evangélica, embora muitos deputados tenham se colocado publicamente. Eu acredito no meu papel pedagógico, de sentar e explicar as questões que merecem ser explicadas para que os preconceitos sejam derrubados. Eu não sei se vai haver terreno fértil do outro lado. Mas para mim o exercício da política é esse.

ÉPOCA – Como vê a reação contra o programa que combate a homofobia na escola?
Wyllys – É uma ignorância que persiste por má-fé. O material não ameaça os valores cristãos. Pelo contrário, ele assegura algo que é valoroso para os verdadeiros cristãos: o valor da vida e o respeito ao outro. Quem fala o contrário fala por má-fé, porque não quer ver seus espaços de poder ameaçados.
Bolsonaro é a caricatura de um deputado nostálgico de tempos sombrios de ditadura e repressão às liberdades. Às vezes penso que nem ele acredita no que diz.

ÉPOCA – O deputado Bolsonaro diz que o material incentiva a homossexualidade.
Wyllys – Bolsonaro é a caricatura de um deputado nostálgico de tempos sombrios de ditadura e repressão às liberdades. Às vezes penso que nem ele acredita no que diz. É mais para produzir um efeito midiático e despertar o que há de pior nas pessoas para ter ganho eleitoral. Ele faz uso da ignorância popular e dos preconceitos que são reproduzidos e dos quais as pessoas não se livram exatamente porque não há um projeto sério que radicalize na defesa dos direitos humanos no país.

ÉPOCA – Como avaliou o material do kit Escola Sem Homofobia?
Wyllys – O material cumpre a função a que se propõe. Ao contrário do que alguns deputados de orientação evangélica têm falado, cumpre muito bem o que se propõe sem ferir brios, sem ferir a moral. É um material muito bem elaborado que contribui para construir uma cultura livre de direitos humanos e diversidade na orientação sexual nas escolas, que é hoje o espaço privilegiado de reprodução da homofobia.

ÉPOCA – Como o material vai mudar essa realidade?
Wyllys – Ele é destinado aos formadores de opinião dos alunos, aos monitores e professores. Hoje o bullying e a homofobia são praticados largamente pelos alunos, mas também pelos professores que não reconhecem outras sexualidades que a heterossexualidade. Quando reconhecem, é sempre numa perspectiva de discriminação, de algo menor. Por exemplo, os professores de ensino médio tem uma dificuldade enorme de lidar com as transexuais e travestis. Não deixam que usem o nome social e, quando usam, transformam em objeto de injúria – o que faz essas alunas abandonar a escola. Os professores não sabem lidar com os alunos afeminados, que fogem dos papéis de gênero definidos pela sociedade.
Eu fui um menino que fugia das normas. Não curtia futebol, das brincadeiras de briga. Eu gostava de desenhar e de ler e por isso eu sofria muito e não era protegido pelos meus professores. Muito pelo contrário, eu era constrangido a me enquadrar naquele modelo ali.

ÉPOCA – Alguma vez o senhor sofreu violência por parte dos professores?
Wyllys – Violência física não, mas simbólica constantemente. Os professores sempre me constrangeram. Eles diziam ‘tome jeito de menino’. Só não sofria mais porque era um excelente aluno. O material do projeto Escola sem Homofobia incide no imaginário desses professores, sensibiliza-os para outras realidades. Principalmente os vídeos que dramatizam as histórias de vida. Em um país como o nosso, em que a telenovela tem papel preponderante na formação das mentalidades, a dramatização das histórias das vítimas da homofobia é fundamental para sensibilizar o professor para essa outra existência violentada permanentemente.
Além disso, tem um material escrito que explica o que é identidade de gênero de maneira didática. Para que as pessoas compreendam, por exemplo, que existem pessoas como as transexuais e que a maneira delas se perceberem não está de acordo com o que a natureza lhes deu. A saúde psíquica dessas pessoas depende da aceitação do outro. O professor tem que entender que existem diferentes orientações sexuais e que o papel de gênero do menino pode ser dilatado. Quem foi que recebeu um fax dos céus dizendo que menino se comporta dessa e não daquela maneira? Que tem que gostar dessa ou daquela cor? A escola tem que ser um campo aberto para a pluralidade de comportamentos e existências.


Jair Bolsonaro: "Vamos fazer de tudo para enterrar"
Capitão do Exército, o deputado não reconhece a legitimidade da discussão sobre direitos dos homossexuais

ÉPOCA – Como vê a criação da Frente Parlamentar pela Cidadania GLBT?
Jair Bolsonaro – O primeiro passo para desgraçar um país é mexer na célula da família. Eles vão atacar agora o ensino fundamental, com o “kit gay”, que estimula o “homossexualismo” e a promiscuidade. Tem muito mais violência no país contra o professor do que contra homossexuais. Quando eles falam em agressões, é em horário avançado, quando as pessoas que têm vergonha na cara estão dormindo. A regra deles é a porrada e querem acusar nós, os normais, os héteros.

ÉPOCA – O senhor não teme estimular a violência com essa retórica?
Bolsonaro – Negativo. Só quero que a opção sexual se revele na intimidade do quarto, não obrigar um padre a casar um gay. O bigodudo vai dar um beijo na boca do careca, na frente dos convidados, e isso é legal?

ÉPOCA – Como vai ser o diálogo com o deputado Jean Wyllys?
Bolsonaro – Vou ter atrito com ele no campo das ideias e dos projetos, que vamos fazer de tudo para enterrar nas comissões. Se depender de mim, e de muitos outros, não vai para a frente. Em nome da família e dos bons costumes. Eles vão querer o quê? Vamos colocar um espanador na orelha? Vão vender os serviços de “homossexualismo” deles, é isso?

ÉPOCA – Se a homofobia virar crime, o senhor vai parar de criticar os gays?
Bolsonaro – Tenho imunidade para falar. Não vou medir palavras. Eu defendo a pena de morte, que é mais grave que criticar homossexual. O pessoal me chama de retrógrado, dinossauro, mas a verdade é que o Brasil está piorando desde o fim do regime militar.

ÉPOCA – O kit contra homofobia nas escolas não é importante para reduzir a violência contra os alunos gays?
Bolsonaro – Não tem nada a ver. Ele está é estimulando o homossexualismo e a promiscuidade. Dependendo do público que você permite a informação, vai deturpar. Nesse kit, consta três filmetes, um deles é o “Encontrando Bianca”. A história é esquisita. É um menino, que pinta as unhas, que quer ser chamado de Bianca, que quer frequentar o banheiro feminino. E no final ele passa a ser uma referência na escola. Eles alegam que é da 5ª série em diante, mas não tem como você botar uma linha porque os prédios são de 1ª à 9ª série, como vai dizer que aqui só pode ver quem está na 5ª série para cima?

ÉPOCA – Qual é o problema do filme?
Bolsonaro – É um estímulo ao homossexualismo. É uma porta aberta para a pedofilia. Você vai aguçar a curiosidade dessa molecada numa idade muito precoce. Acho que a garotada vai para escola para aprender matemática, língua portuguesa, história e, se possível, um pouquinho de educação moral e cívica, que hoje não existe mais.

ÉPOCA – Em discurso, o senhor disse que “se um garoto tem um desvio de conduta (de orientação sexual), ele tem que ser direcionado para o caminho certo. Nem que seja pelas palmadas”. O senhor não teme estimular casos de violência dentro de casa, que podem levar a agressões físicas graves e até a morte?
Bolsonaro – Essa política de defender o coitadinho já está aí desde que o Figueiredo saiu e olha como está a situação da educação no país hoje em dia. O professor tem preocupação de dar nota baixa porque ele pode apanhar do aluno. No meu tempo, os meus colegas tinham medo de comentar nota baixa com os pais. Eu não quero abrir mão de dar umas palmadas na minha filha se preciso for. Tem um projeto de lei criminalizando isso aí. O espancamento, que é uma lesão física, está previsto em lei que você não pode, é crime. Mas, quando um filho nosso começa a ter desvios, ter comportamento violento, você pega uma cinta, dá três lambadas e ele se endireita. E se você pode direcionar o comportamento agressivo, porque não o comportamento delicado demais? Eu tenho pavor, Deus me livre um filho meu começar a entrar para esse lado de ser delicado demais.

ÉPOCA – O senhor acha que falar mal de gays publicamente é um direito?
Bolsonaro – Qual o problema? Eu vou continuar criticando porque eles querem ser uma classe de primeira categoria. É o plano do Projeto de Lei 122 [que criminaliza a homofobia] que está no Senado. Se aprovar aquele projeto e um dia eu tiver que aprovar alguém comissionado, eu já nem pego o funcionário se perceber que joga no outro time. Isso porque, na hora de ser mandado embora, você nunca sabe o que ele vai alegar. Olha que absurdo, numa escola, dois moleques de 16 anos começam a trocar beijos e, se o diretor advertir, começa com três anos de detenção. Quer dizer, começa com “kit gay” na escola, uma proibição como do PL 122, mais a lei da palmada, esse país vai virar terra de ninguém.
 
 
Visite: Amigo De Cristo, Videos Amigo De Cristo
Fonte: Amigo De Cristo