segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Pesquizador Luis Mir diz : Escalada da violência no Brasil está incontrolável


Eliano Jorge


As duas maiores cidades brasileiras foram assombradas, nas últimas semanas, por ataques criminosos e revolveram as piores lembranças da insegurança do País. Em São Paulo, policiais e veículos sofreram atentados. No Rio de Janeiro, um grupo invadiu um hotel e sequestrou hóspedes.

- A escalada da violência no Brasil está incontrolável - diagnostica o pesquisador Luis Mir em entrevista a Terra Magazine.

Especialista em violência, ele assinala que esses episódios se banalizaram. O que era exceção virou regra.
- Tanto a polícia quanto a micro e a macrocriminalidade decretaram estado de guerra, privatizaram belicamente o espaço público. São inadmissíveis, sob qualquer aspecto, hoje as recomendações dadas à população para se proteger da violência. Se temos que defender privadamente a nossa casa, a escola dos nossos filhos, as ruas em que nos locomovemos, então vamos deixar de pagar impostos, de pagar o tributo ao Estado pelo que deveria ser a manutenção da legalidade, da Justiça, dos direitos básicos.

Luis Mir identifica uma cultura de violência que se apoderou da sociedade. "O marginal, o bandido, o assaltante tem que ser investigado, preso, julgado e condenado. A partir do momento em que o Estado o mata como deliquente antes desse processo democrático, legal e jurídico, o Estado estabeleceu a Lei do Talião: 'Olho por olho, dente por dente'. E eles também vão matar. Vão matar inocentes em assaltos", adverte.

Covardia

A banalização da violência acaba destruindo os limites. "Quem dispara contra uma pessoa desarmada é um covarde, seja policial, seja bandido. Não há outra classificação. Os covardes, no Brasil, matam inocentes", afirma o pesquisador.

Ele insiste na importância da legalidade:
- A política de monopólio legal da violência pertence ao Estado. A sociedade não pode abdicar de o Estado ter os mecanismos legais, judiciais, jurídicos, penitenciários, policiais, para fazer prevenção, coerção e repressão, que é o uso da força bruta contra pessoas e deve ser o último recurso.

O especialista discute a providência de usar segurança armada para proteger a joalheria de um shopping de luxo paulistano após sequência de assaltos. "O que vai acontecer? Tiroteios dentro dos shoppings?", reprova. "A solução foi transformar as casas em minipenitenciárias. As ruas ficam desertas a partir das 8h da noite nos principais espaços metropolitanos do Brasil inteiro. Sair à noite para se divertir se tornou um risco".

Ainda assim, Mir teme que a situação piore. "Já existem ruas fechadas, milícias privadas fazendo rondas, temos um exército de 1,5 milhão de seguranças privados. O que mais falta para termos vigilâncias armadas dentro das nossas casas?"

Não que os cuidados não se justifiquem. "Há uma violência indiscriminada e generalizada. Vai do roubo de frango no supermercados ao roubo de cargas milionárias de produtos eletrônicos, objetos de arte", descreve.

Eleições

Para o especialista, as atuais campanhas eleitorais não melhoram a perspectiva de redução da violência.
- Quem se interessa com os campos de concentração: as favelas? Quem está dentro não sai, quem está fora não entra. Neste País, alguém se incomoda com os pobres, as principais vítimas da violência? Os ricos se defendem, bem ou mal, com razão ou sem razão, invocando interesses legítimos: defesa patrimonial e familiar.

Luis Mir segue: "E os trabalhadores? E os milhões de pessoas que são obrigadas a fazer migrações urbanas diárias, entre os locais de trabalho e as zonas periféricas segregadas? São assaltadas nos ônibus. São humilhados".

Ele critica a qualidade de vida da maior parte da população:
- O gado é melhor transportado. Não pode se machucar, sua carne não pode perder valor, tem que chegar absolutamente intacto, sadio. Agora, o transporte público metropolitano, no Brasil, é desumano, absolutamente caótico, humilha as pessoas.

Outros absurdos se tornaram habituais para os brasileiros. "Não podemos aceitar que uma pessoa seja baleada na calçada porque policiais e bandidos resolveram tirotear em locais públicos. Não dou este direito a eles", frisa Mir.

Ele pondera a atuação das forças de repressão. "Não vamos demonizar os policiais. Não vamos degradar o Estado democrático e os direitos fundamentais, não vamos pedir que a polícia saia matando. A bala não escolhe entre inocentes e culpados", diz.

E desmistifica um personagem emblemático da violência urbana:
- Não há bala perdida, alguém a disparou e esta bala atingiu um inocente. A bala não se move sozinha, não tem vontade própria, não tem força própria.

Ele lamenta que, em 2005, as urnas não tenham implementado uma mudança: "Perdemos uma grande oportunidade, que seria um gesto coletivo, uma demonstração efetiva de pacificação, quando fizemos o plebiscito do desarmamento, de proibir a venda de armas".

Como prevenção, Mir defende que as armas de fogo sejam tiradas de circulação. "É muita arma. A indústria de armas não está preocupada em quem suas armas vão matar. Está preocupada em vender armas. Aquela arma pode ser usada para matar uma criança, um idoso, pode ser contrabandeada ou utilizada por um marginal. Tem que fechar as fábricas de armas".

Trânsito

Manejando conceitos e exemplos práticos, Luis Mir examina seu objeto de estudo. "A violência não é um processo dissociado. Não existe um único tipo de violência nem podemos generalizá-la. Não podemos falar em violência mediana ou violência aceitável: 'Isso não faz mal, não provocou a morte'. A violência é total. Das violências interpessoais, sociais e do Estado, a morte de um inocente é o máximo de violência".

Isso se expressa fortemente no trânsito, na sua opinião. "A violência começa quando um pedestre se sente literalmente ameaçado de morte e tem que passar correndo na sua faixa. De repente, tem uma pessoa com uma arma de 900 quilos que pode matar aquele pedestre. A pessoa não respeita a faixa, não respeita o semáforo, não respeita o limite de velocidade, ela dirige alcoolizada, ela mata. Mata um inocente".

Existem regras suficientes para combater isso, deixa claro Mir, porém estão longe de funcionar:
- O Código Brasileiro de Trânsito é uma lei modelar, lapidar, exemplar, um esforço notório de legisladores, médicos, advogados, pesquisadores, enfim, todas as pessoas envolvidas no que se chama custo social da violência. De repente, ele não consegue se tornar uma ferramenta de prevenção, de coerção da alcoolemia, desta praga mortal do álcool.

Para o especialista, a principal causa de mortes no trânsito não é evitada devido à incapacidade estrutural dos órgãos responsáveis no País. "A alcoolemia dos motoristas brasileiros é inaceitável. O motorista brasileiro bebe muito. Portanto, as autoridades de trânsito municipais, estaduais e federais têm condições operacionais, quadros, recursos, bafômetros, de colocar em vigor pleno essa lei? Não".


Acidente de trânsito fatal em Pernambuco (imagem: Bandnews)

A origem

Além da impunidade, existe a punição desmedida. "O sistema penitenciário está em colapso. Pelo último cálculo, temos cerca de 40 ou 45 mil pessoas detidas injustamente. Porque já cumpriram sua pena. Cometeram crime, foram presas, julgadas e condenadas. Uma vez que cumpriram a pena, elas não são soltas", denuncia Luís Mir.

Para ele, a culpa disso não é do Poder Judiciário. "Não podemos dizer que o juiz, o desembargador ou o ministro necessariamente está adotando um comportamento moroso ou inadequado. Não há condições. Os tribunais estão atolados porque há uma onda de violência endêmica no Brasil".

O pesquisador contextualiza historicamente os precedentes das graves ocorrências recentes:
- Na década de 80, da crise econômica, tivemos um surto, uma pandemia de violência, fruto da situação social aliada a uma falência operacional do Estado. Sugiram facções criminosas organizadas, a falência do poder de ivestigação, prevenção e repressão do aparelho policial civil e militar. Houve um desequilíbrio no monopólio legal da violência por parte do Estado, que retoma esse controle de 1995 a 1998.
Literalmente o exército ataca tanto a microcriminalidade individual quanto a macrocriminalidade, em que a ponta visível são as 499 vítimas depois daquela insurreição do PCC em São Paulo. Foi o ápice de um enfrentamento da micro e da macrocriminalidade com o Estado, que responde violentamente, faz um massacre e temos uma escalada de mortes por ações policiais, a maior da nossa história. Houve uma baixa na ascenção da criminalidade, mas foi muita temporal, casuística, de dois ou três anos. A guerra civil voltou a se aprofundar, como previsto.

Nos anos 2000, explica, "milícias passaram a se organizar nas áreas segregadas e abandonadas pelo Estado", a guerra civil migrou, diante do cerco policial, dos grandes centros para o interior. "O principal dado da degredação da conviência urbana no Brasil é que as praças, as ruas, as avenidas foram transformadas em zonas de guerra. Isso é indiscutível".

É possível solucionar a questão, acredita Mir. "Não se tomou uma política de, primeiro, identificar as causas reais da violência; e, segundo, combater a violência como objetivo estratégico nacional. Vamos ou não vamos pacificar o País? Isso começa nos operadores do Estado, aparelho judicial, aparelho penitenciário, aparelho policial, aparelho político, as representações sociais", afirma.

Uma mensagem a todos os membros de Conselho de Pastores do Brasil - CPB

Uma mensagem a todos os membros de Conselho de Pastores do Brasil - CPB

Repasse para seus contatos.



ESTAMOS ENTRANDO NUM PERÍODO EM QUE TEMOS NAS MÃOS A CHANCE DE DECIDIR O FUTURO DO NOSSO PAÍS,
ATRAVÉS DO SEU VOTO VC DECIDIRÁ QUEM VAI GOVERNAR NOSSO PAÍS.
VOCÊ GOSTARIA QUE NOSSO PAIS FOSSE GOVERNADO POR UM SACERDOTE DO SATANISMO?
SABEMOS QUE A CANDIDATA DO ''PT'' ESTÁ COM CÂNCER
SE ELA FOR ELEITA E VIER A FALECER, QUEM SERIA O PRESIDENTE?
O MICHEL TEMER!
O MESMO QUE HÁ ALGUNS MESES ATRAS MANDOU UM E-MAIL Á DR. NEUZA ITIOKA TECENDO AMEAÇAS CONTRA A IGREJA DO SENHOR JESUS.
VEJA O QUE ELE DIZ NO E-MAIL ENVIADO PARA ELA:

Estamos numa guerra espiritual violenta, hoje ganhou como presidente da camara o deputado Michel Temer e como presidente do senado o senador José Sarney, ambos satanistas....Michel Temer é sacerdote do satanismo, alguns devem saber que ele é pai do Daniel Mastral, aquele ex satanista que se converteu e depois escreveu o livro Filho do Fogo (e que foi ministrado pela Neuza naquela época).
** Após o ocorrido com a igreja Renascer, Michel Temer, mandou um recado, Dra. Neuza (que já foi ameaçada de morte por ele) ela que nos passou na reunião o recado que dizia assim: "Se vocês pensam que o que ocorreu foi erro de engenharia, vocês estão enganados, isso foi apenas o inicio da profecia....Eu era Apenas um mortal, mas Leviatã esta de volta e com ele assumirei o trono, iniciaremos agora guerra a todos ministerios e igrejas de batalha espiritual..." Ele como eleito assumiria a presidencia.


Resumindo ele se referiu que o ocorrido foi algo organizado pelos satanistas,ocorreu isso no dia 18, houve 9 mortos e 117 feridos, eles trabalham com o numero cabalistico 9. É dificil aceitar, mais isso é fato!!
**É claro que satanás não pode fazer nada se não dermos combustível a ele, ministerios e igrejas com brechas ficam vulneráveis a receberem esses ataques, e todos sabemos, infelizmente, o que acontece na adm desta igreja.
Kassab que juntamente com Sarney, Temer, Dantas e Dirceu, também é um deles, e Kassab já declarou em entrevista após esta tragedia: Já fechei 47 igrejas e continuarei a ser rigoroso, se precisar fecharei mais!!
Deus é Soberano, mas temos que fechar as brechas, Ele vai avisando antes, para haver arrependimento, levanta seus profetas para avisar, não havendo mudança sua proteção saí.
Barack Obama em seu segundo dia de reinado exportou a todas as nações milhões de
dólares p/ ajudar os abortistas. Ele é a favor do aborto e homossexualismo, seu reinado
será parecido com o do rei Acabe, cheio de sacrificios de crianças e isto traz mais
maldição áquela nação, verdadeiros crentes americanos estão tristes e assustados.
A perseguição está ás portas, é tempo de toda Igreja orar, se humilhar, se arrepender para darmos bons frutos e levantarmos muros de resitencia e estrutura contra o inimigo, fechar as brechas e se purificar!!

DEUS TE DEU O VOTO COMO UMA ARMA! NÃO SE OMITA DO QUE ESTÁ ACONTECENDO,
NÃO SEJA COVARDE!QUEREM FECHAR A NOSSA BOCA.
A BÍBLIA DIZ QUE AS PORTAS DO INFERNO NÃO VÃO PREVALECER CONTRA A IGREJA.
MAS A IGREJA PRECISA PARAR DE SER OMISSA OU VAI SER DERROTADA.
USE O QUE DEUS TE DEU,FECHE AS BRECHAS.
ENCAMINHE ESSA MENSAGEM PRA TODOS AQUELES QUE VC AMA.
SE VC QUISER PROVAS DE QUE O MICHEL TEMER É SATANISTA E TAMBÉM MESTRE MAÇON É SÓ ENTRAR NO YOU TUBE E DIGITAR ''MICHEL TEMER MAÇONARIA'' QUE VAI APARECER UM MONTE DE VÍDEOS DELE.
VALE LEMBRAR QUE A MAÇONARIA E O SATANISMO SÃO ENTRELAÇADOS!!!
AQUI ABAIXO SEGUE UM DOS VÍDEOS EM QUE O MICHEL E OUTROS POLÍTICOS MAÇONS SAÚDAM UNS AOS OUTROS.
QUEM QUISER PODE ACESSAR TAMBÉM NO YOU TUBE O TESTEMUNHO DO DANIEL MASTRAL QUE É FILHO DO MICHEL TEMER.
ISSO NÃO É BRINCADEIRA !!
NÃO PODEMOS ELEGER UM SATANISTA COMO PRESIDENTE DO NOSSO PAÍS.
(ELE É O VICE DA DILMA-pt)
EXISTE UM PLANO SATÂNICO POR TRÁS DESSA ELEIÇÃO.
VC TEM UM COMPROMISSO COM O REINO DE DEUS DE NÃO DEIXAR ISSO ACONTECER.

OBS: ISSO NÃO É POLITICAGEM,É REALIDADE!
A BÍBLIA DIZ QUE AQUELE QUE PODE FAZER O BEM E NÃO FAZ,COMETE PECADO!!!
ESSE E-MAIL PRECISA SER ENCAMINHADO...
MAIS DO QUE ISSO,PRECISA SER ACREDITADO!!

Garotinho é condenado a dois anos e meio de prisão

A Justiça Federal do Rio condenou o ex-governador Anthony Garotinho (PR) a dois anos e seis meses de reclusão por formação de quadrilha.

A pena, porém, foi transformada em duas punições: prestação de serviço à comunidade, ainda a ser definido, e proibição de exercer cargo público e mandato eletivo. Cabe recurso.

Garotinho é candidato a deputado federal.

As informações foram divulgadas nesta terça-feira pela Procuradoria da República que moveu a ação penal em maio de 2008 contra o ex-governador (1999 a 2002).

Também foi condenado, a 28 anos de prisão, o ex-chefe da Polícia Civil e ex-deputado estadual Álvaro Lins. Ele e Garotinho são acusados de usar a estrutura da polícia em crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Os dois negam e poderão recorrer em liberdade.

A Procuradoria informa ainda que foram condenados os ex-policiais civis Alcides Campos Sodré Ferreira (cinco anos e nove meses), Daniel Goulart (dois anos), Fábio Menezes de Leão (quatro anos e seis meses), Mario Franklin Leite de Carvalho (11 anos e três meses) e Ricardo Hallak (sete ano e nove meses).

Políticos abortistas não podem representar cidadãos honestos


O Arcebispo Emérito de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho, assinalou que os políticos e candidatos abortistas não podem representar os cidadãos honestos.

O prelado fez estas declarações em uma carta enviada ao autor do livro Catecismo contra o Aborto, o padre David Francisquini.

Em sua carta, o arcebispo expressa ao sacerdote o desejo de que "muitas outras vozes se unam à sua para proclamar com coragem que a Lei de Deus está acima de qualquer lei humana".

Dom Cardoso Sobrinho indica logo que "é extremamente preocupante o silêncio de tantas pessoas - principalmente dos que exercem autoridade pública - diante desta tragédia que continua a acontecer, cada ano, no mundo inteiro".

Ele também denuncia que, anualmente, ocorre "a eliminação da vida de aproximadamente cinqüenta milhões de seres humanos inocentes e indefesos. O silêncio pode ser interpretado como aceitação tácita e pode constituir cumplicidade na prática do aborto".

Por isso, indica Dom Cardoso, "os cidadãos honestos não podem colaborar – através de seu voto democrático - nesta tragédia, agindo para conferir cargos públicos a candidatos que defendem o aborto, o divórcio e outras violações da Lei de Deus. Tais candidatos não podem representar os católicos ou cristãos ou qualquer cidadão honesto".

Finalmente, o prelado recorda o ensino do Catecismo da Igreja Católica, que no número 2270 estabelece que "A vida humana deve ser respeitada e protegida de maneira absoluta a partir do momento da concepção. Desde o primeiro momento de sua existência, o ser humano deve ver reconhecidos os seus direitos de pessoa, entre os quais o direito inviolável de todo ser inocente à vida".

No dia 4 de março deste ano, o arcebispo excomungou os médicos e outros envolvidos que defenderam ou acompanharam o aborto em uma menina de nove anos. A garota estaria grávida de gêmeos e o pai das crianças seria o próprio padrasto, que abusava da menor.

Reinaldo Azevedo: Bispo Edir Macedo assume publicamente preferência pelo aborto


Vocês sabem que os petistas, liderados pelo camarada Franklin Martins — aquele que ri quando aborda a execução de um inocente seqüestrado — querem acabar com o que chamam poder da imprensa tradicional. O PT gosta de poderes não-tradicionais, como o de Edir Macedo, por exemplo, o auto-intitulado “bispo” da igreja que ele próprio criou, a Universal do Reino de Deus. Macedo também é o dono da Rede Record, que o PT considera exemplo de bom jornalismo.


A frase é minha: “O PT é a Igreja Universal da política, e a Igreja Universal é o PT da religião”. Esses dois “entes” têm uma maneira muito parecida de conquistar os seus “fiéis”, além da identidade de pontos de vista. O que vocês verão abaixo é absolutamente chocante, mas poderia servir de norte moral para as “feministas” do PT, que defendem o aborto. Aliás, Dilma também defende. Deu entrevistas expressando o seu ponto de vista. Na campanha, está escondendo a sua posição. Vejam trecho de uma palestra de Macedo. É assustador.


0s-3s — “Eu ADORO (sic) falar sobre aborto, planejamento familiar”.


Bem, alguém que diz “adorar” falar sobre aborto se define, não? Mais: aborto não é considerado uma forma de planejamento familiar em nenhum lugar do mundo. Ao contrário: ele decorre justamente da falta de planejamento.


Macedo desenvolverá a tese, que certa vigarice economicista andou abraçando, segundo a qual a legalização do aborto eleva a qualidade de vida das sociedades, diminui a violência etc. Ainda que fosse verdade, é o caso de considerar que há um monte de idéias imorais que “funcionam”. Que tal eliminar, por exemplo, todos os portadores de uma doença infecto-contagiosa? Não duvidem de que o “problema” estará resolvido. Que tal suspender o tratamento de doenças crônicas de pessoas que já não são mais economicamente ativas? Vamos economizar bastante — e alguém ainda poderá dizer que investir nos jovens é muito mais “produtivo”. Esse raciocínio — de Macedo, de certos indecorosos que falam “enquanto economistas” e, no caso, dos abortistas de maneira geral — nada mais é do que a justificação do mal. Na defesa de sua tese, afirma este homem de Deus entre 10s e 20s que o aborto nos conduz a uma sociedade com


“(…) menos violência (!!!), menos morte (!!!), menos mortalidade infantil (!!!), menos doenças (!!!), menos, enfim, todo o mal (!!!) que nós temos visto em nossa sociedade”


Impecável! Se a gente mata os fetos, é certo que haverá menos mortalidade infantil, não é mesmo? Macedo defende o aborto porque ele quer “menos violência” — logo, aborto não é violência. Ele quer “menos morte” — logo, o aborto não é “morte”… Como aborto também não é vida, então ele não é nada! Para este pastor de almas, não deve haver diferença entre um feto e gases intestinais.


2min25 — Quando você casa, você tem um empreendimento. Quando você tem um filho, você entra em outro empreendimento (!)


Não faltará pensador vagabundo no Brasil que verá nessa fala de Macedo, que chama filho de “empreedimento”, ecos de Max Weber e do “espírito protestante e a ética do capitalismo”. Não! Isso não é Weber, não! Trata-se de algo bem mais antigo…


4min — Eu pergunto: “O que é melhor? Um aborto ou uma criança mendigando, vivendo num lixão?” O que é melhor? A Bíblia fala que é melhor a pessoa não ter nascido do que ter nascido e viver o inferno. Eu sou a favor do aborto, sim. E digo isso alto e bom som, com toda a fé do meu coração”. E não tenho medo nenhum de pecar. E, se estou pecando, eu comento este pecado consciente. Se, eu não acredito nisso. É uma questão de inteligência, nem de fé. Lá em Nova York, depois que foi promovida a lei sobre o aborto, a criminalidade diminuiu assustadoramente. Por quê? Porque deixou de nascer criança revoltada criminalidade diminuiu (…)


Vamos lá:


— Vamos à primeira indagação: qualquer ser humano decente tem apenas uma resposta: melhor é a vida! Como ela é remediável, será sempre superior às coisas sem remédio, como a morte — em especial a morte de quem não pode se defender. A defesa do aborto é um absurdo lógico, derivado de uma imoralidade essencial: só um vivo pode fazê-la, se que é me entendem.


— É mentira! A Bíblia não endossa o aborto coisa nenhuma. Macedo tem em mente este trecho:


“Se o homem gerar cem filhos, e viver muitos anos, e os dias dos seus anos forem muitos, e se a sua alma não se fartar do bem, e além disso não tiver sepultura, digo que um aborto é melhor do que ele”.


O “bispo” faz uma alusão estúpida, bucéfala, ignorante e rasteira ao Eclesiastes (6,3). É no que dá uma teologia mais jovem do que o uísque que eu bebo. Afirmar que há, no trecho, endosso ao aborto é pura delinqüência teológica e bíblica. O aborto é empregado apenas como um extremo da fealdade. Não há endosso. É o exato oposto, Macedo!!!. Aprenda a ler, sujeito!!! Apela-se ao extremo, ao nefando, só para encarecer as dificulddes de uma vida sem Deus.


Essa história da queda do crime em Nova York por causa da legalização do aborto é uma das bobagens do livro “Freakonomics”, de Steven Levitt e Stephen J. Dubner. Já se provou que o erro da tese se sustenta também num erro de conta. Pesquisem a respeito. Boa parte das afirmações desses dois, diga-se, se sustenta numa falha lógica já apontada pelos escolásticos, cuja síntese é esta, em latim: “Post hoc, ergo propter hoc” – ou seja: “Depois disso; logo, por causa disso”. Como a queda na criminalidade se seguiu à legalização do aborto, então ela aconteceu POR CAUSA da legalização. A verdadeira revolução da política de segurança da cidade não deve ter tido nenhuma influência, não é mesmo? Ora, seria o caso de tentar explicar por que, por exemplo, imigrantes que chegam de países que vivem numa verdadeira anomia social se tornam respeitadores da lei em Nova York… Não deve ser por causa do aborto. Deve ser porque as leis funcionam.


Macedo, de todo modo, é mesmo um revolucionário da religião. Num livro aí que escreveu, chamou os antigos hebreus de “cristãos”. No dia 13 de outubro de 2007, ele concedeu uma entrevista à Folha. Leiam uma pergunta e uma resposta:


FOLHA — Alguns políticos então da base da Igreja Universal, como o bispo Rodrigues, foram atingidos em cheio pelos escândalos do primeiro mandato de Lula. A corrupção não é um pecado imperdoável?




MACEDO — Jesus ensina que o único pecado imperdoável é a blasfêmia contra o Espírito Santo. Para os demais, há perdão se houver arrependimento.


Entendi!


— O Deus de Macedo pode perdoar os culpados, mas não perdoa os fetos inocentes.


— O Deus de Macedo pode perdoar alguém que já pecou, mas é favorável à eliminação prévia de alguém que, segundo ele, corre o risco de pecar.


— Assim, para que possa continuar a perdoar os pecadores, o Deus de Macedo prega a eliminação dos puros.


Macedo se tornou a grande referência dos petistas em duas áreas: a verdadeira Lula News é a TV Record. A de Franklin dá traço; a de Macedo tem alguns telespectadores. E ele é também um guia espiritual do partido, especialmente do seu “coletivo de mulheres”, ou algo assim, que se mobilizou há dias para defender, junto à candidatura Dilma, uma vez mais, a legalização do aborto. Legalização a que ela já se disse favorável.


Uma outra revolução já está sendo gestada, esta na cultura: Tiririca tem tudo para ser o norte estético do poder caso Dilma se eleja. Afinal, na arte da representação, ele é tão requintado quanto é Macedo nos mistérios da teologia.



Fonte: O Verbo / Reinaldo Azevedo

Paes de Lira critica Ministros que assinaram documento abortista


O Deputado Federal Paes de Lira manifestou do Plenário da Câmara, no dia 05/08, seu repúdio pela atitude dos Ministros de Estado Celso Amorim e Nilcéia Freire, que assinaram um documento intitulado "Consenso de Brasília". Em seu conteúdo, a redação prevê políticas de apoio total e irrestrito à prática do aborto. Por esse motivo, Paes de Lira, que sempre defendeu o direito à vida, apresentou Projeto de Decreto Legislativo (PDC 2840/2010) que susta os efeitos gerados pelo referido documento, originado por Conferência organizada por Órgão da Organização das Nações Unidas em conjunto com a Secretaria de Política para as Mulheres do Brasil. O parlamentar afirma que a atitude dos Ministros é uma afronta aos acordos internacionais já assinados pelo Governo Brasileiro que garantem o direito à vida.

Dilma nega defender aborto e diz que opinião de bispo não é uma posição da CNBB

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, disse na manhã desta quinta-feira que a opinião do bispo de Guarulhos que prega boicote à sua candidatura não é a posição da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Em artigo publicado no site oficial da CNBB, d. Luiz Gonzaga Bergonzini recomendou a todos que não votem em Dilma e em nenhum candidato petista por considerar o PT favorável ao aborto.

"[O artigo] parte do pressuposto incorreto. Tanto eu quanto o presidente Lula não defendemos o aborto. Defendemos o cumprimento estrito da lei", afirmou Dilma, em entrevista a uma rádio de Garanhuns, cidade em que participará de comício com Lula amanhã.

Dilma, contudo, explicou que aborto é uma questão de "saúde pública". Na entrevista, ela defendeu ainda que não se pode deixar mulheres com melhor poder aquisitivo usarem clínicas e as mais humildes adotarem métodos "pouco saudáveis" para abortarem.

"Não se trata de uma convicção pessoal. Não conheço uma mulher que acha o aborto uma coisa fantástica e maravilhosa. É uma violência e um risco de vida", afirmou, ponderando que o tema não deve ser tratado de forma religiosa.

Dilma mudou o próprio discurso sobre o aborto. Em outubro de 2007, durante sabatina promovida pela Folha, ela se mostrou favorável à descriminalização. No entanto, em suas últimas manifestações públicas sobre o tema, a petista tem defendido o cumprimento da legislação em vigor. Atualmente, o aborto só não é considerado crime no Brasil em duas situações: estupro e risco de vida materno.