sábado, 29 de dezembro de 2012

Monte Santo: Pastor deixa cidade acusado de violentar mulheres e crianças


 
Autor(a): Bahia Notícias
 
Polícia caça acusado | Foto: Divulgação
Um pastor da Igreja Congregação Batista em Monte Santo, acusado de praticar diversos estupros contra mulheres e crianças do povoado de Pedra Vermelha, distante 26 km da sede do município do norte baiano, fugiu sem deixar pistas e é procurado pela polícia.
Raimundo Oliveira, que usava a posição de líder religioso para praticar os crimes, é acusado de violentar a própria mãe e a filha, que frequentavam o templo, além de várias crianças.
De acordo com reportagem do site Euclides da Cunha, há outro caso que comoveram os moradores da localidade.
Uma mulher supostamente violentada pelo pastor ficou grávida e foi obrigada a abortar.
Diversas vítimas prestaram queixa nesta quinta-feira (26) na delegacia de Monte Santo.
Nos depoimentos, as vítimas relataram ameaças feitas pelo pastor, por telefone, após a sua fuga da cidade.

VIA  GRITOS  DE ALERTA

FALECEU O PASTOR JOÃO KOLENDA LEMOS

FOI PROMOVIDO ÀS MANSÕES CELESTIAIS O MAIOR E MELHOR REITOR DE ESCOLA TEOLÓGICA QUE EU JÁ CONHECI EM TODA A MINHA VIDA.

O PASTOR JOÃO KOLENDA LEMOS É O PAI DA TEOLOGIA DAS ASSEMBLÉIAS DE DEUS.

UM EXEMPLO ETERNO PARA TODAS AS GERAÇÕES DE LÍDERES COMPROMETIDOS COM A BÍBLIA SAGRADA.
... MEU ETERNO MESTRE, MENTOR E PASTOR.

SUAS LIÇÕES JAMAIS SERÃO ESQUECIDAS.
SIMPLESMENTE INSUBSTITUÍVEL E INESQUECÍVEL.


DESCANSE EM PAZ MEU MESTRE. VOCÊ MERECE.
SEU GALARDÃO ESTÁ TE AGUARDANDO. TENHO CERTEZA QUE SERÁ UM DOS MAIORES.

POR PASTOR ABNER FERREIRA

https://www.facebook.com/photo.php?pid=93003350&l=753774b7a8&id=467672313272665
@PRABNERFERREIRA

Pastora Sarah Sheeva pede um príncipe em 2013 e avisa que beijos só depois do casamento: ‘Queridão, me encontre logo!’

Sarah Sheeva, filha de Baby do Brasil, quer um novo amor em 2013. Em seu Facebook, a pastora evangélica deu o seu recado da forma mais clara possível: “Será que esse ano (2013) meu príncipe vai me encontrar, hein???”, ponderou.
“Vou aproveitar pra deixar um recado pra ele agora: Queridão, me encontre logo! Estou te esperando seu lindo! Vamos beijar muito! (Depois que casarmos, é claro!) kkk”.

Extra



Igreja Universal é condenada por coagir casal a fazer doações



A Igreja Universal do Reino de Deus foi condenada a pagar indenização de R$ 20 mil, a título de danos morais, por ter coagido um casal de fiéis a doar seus bens em troca de bênçãos.

A decisão é da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, ao confirmar, na íntegra, sentença da 2ª Vara Cível de Lajeado, que mandou a Igreja devolver, também, os itens doados. O acórdão foi proferido dia 28 de novembro.

A autora afirmou, na inicial, que ela e seu companheiro vinham passando por problemas financeiros, razão pela qual procuraram a Igreja. Ela contou que, ao final de cada culto, os pastores recolhiam certa quantia em dinheiro e afirmavam que, quanto mais dinheiro fosse doado, mais Jesus daria em troca.

Em função da promessa de solução dos seus problemas, disse que fez várias doações: vendeu o veículo que possuía e entregou joias, eletrodomésticos, aparelho celular e uma impressora. Como a solução não veio, o casal se sentiu enganado. Pediram, então, indenização por danos morais e materiais.
A sentença
A juíza Carmen Luíza Rosa Constante Barghouti reconheceu que a autora, ao procurar a Igreja, encontrava-se em situação de ‘‘vulnerabilidade emocional’’. Com base nos depoimentos de testemunhas, a magistrada concluiu que as doações realizadas não foram, efetivamente, espontâneas, mas induzidas. ‘‘Juntamente com os demais fiéis, a autora foi desafiada a fazer donativos, até mesmo superiores às suas capacidades econômicas, para provar a fé e sob a ameaça de não ser abençoada.’’

Conforme registrou na sentença, a ‘‘instigação maior ao ato de doar é realizada nos dias da ‘Fogueira Santa’, ocasião em que os fieis são desafiados a realizarem donativos superiores, restando evidente que, apesar do consentimento externado pela doação, foi ele deturpado pela coação moral e psicológica exercida pela requerida’’.

Ainda conforme a juíza, as circunstâncias relatadas no processo feriram os direitos de personalidade dos autores, configurando danos morais. Com isso, a Universal foi condenada a restituir os celulares, o fax, dois aparelhos de ar-condicionado e uma impressora. A reparação moral foi arbitrada em R$ 20 mil.
Decisão confirmada no TJ
A Igreja Universal do Reino de Deus recorreu ao Tribunal de Justiça. Alegou que não constrange seus fieis a entregar dízimos ou doações e que não há nenhuma prova de que a mulher estivesse privada de discernimento durante o período em que frequentou os cultos. Sua presença se deu por vontade própria, destacou.

O relator da apelação, desembargador Tasso Caubi Soares Delabary, salientou que, uma vez que o dízimo e a oferta, em regra, são atos de disposição voluntária voltados à colaboração com o templo religioso, podem ser classificados como doação. Advertiu, entretanto, que a doação pode ser anulada quando a pessoa é coagida a doar, sob pena de sofrimento ou penalidades.

Nesses casos, ‘‘a violência psicológica é tão ampla e profunda que anula, por completo, a sensatez e a manifestação da vontade’’, exemplificou. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-RS.

Apelação Cível 70.051.621.894

Clique
aqui para ler a sentença.

Fonte: Consultor Jurídico

Jornalista denuncia conivência de autoridades brasileiras com infanticídio indígena

Jornalista denuncia conivência de autoridades brasileiras com infanticídio indígena           
O jornalista australiano Paul Raffaele participou de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado no dia 29 de novembro e denunciou a tolerância ao crime de infanticídio e omissão de socorro a crianças expostas ao ato que ainda ocorre em tribos isoladas no território brasileiro.
O jornalista, que possui vasta experiência na observação de povos isolados, conviveu durante duas semanas com os índios Suruwahás, no Sudoeste do Amazonas, para produzir o documentário Amazon’s Ancient Tribe – First Contact. Ele presenciou rituais em que bebês indígenas são enterrados vivos ou deixados na selva à mercê de animais selvagens. “Acordem, tentem salvar esses índios bebês. Crianças têm sido mortas do modo mais terrível. (…) Já cobri cerca de duas mil histórias e certamente essa é uma das mais importantes de toda a minha carreira”, disse ele em declaração ao portal Fé em Jesus.
Raffaele ainda afirmou que a Fundação Nacional do Índio – Funai, tem ciência da ocorrência da morte de crianças nas tribos mas faz vista grossa ao fato. Segundo ele, a política do órgão, de tentar manter as tribos isoladas da sociedade leva a extremos de preservar as mais obscuras faces da cultura indígena que contempla a morte de seus próprios membros.
“O departamento está cheio de antropólogos que querem proteger a pureza cultural dos índios, mesmo quando isso envolve enterrar bebês vivos ou abandoná-los na floresta para serem comidos vivos por onças e outras feras”, disse à Agência Senado. Para ele, ao agir assim, as autoridades concordam e aprovam uma das maiores violações aos direitos humanos em todo o mundo.
O jornalista ainda ressaltou que a Funai e o governo brasileiro negam a prática de assassinatos de crianças em tribos indígenas. Mas segundo ele, existem provas concretas da ocorrência do ato principalmente entre tribos remotas.
“Não estou falando de algo que aconteceu há séculos. Pode ter acontecido ontem e acontecer amanhã. Está na hora de o governo brasileiro ficar do lado de todas as suas crianças e não apenas daquelas não indígenas”, apontou.
Museu antropológico vivo
Entre outros atos da Funai, Raffaele aponta que seus funcionários desencorajam os índios que querem buscar educação e conhecimento fora das aldeias. Além disso, impedem o contato desses mesmo índios com missionários evangélicos, que há décadas atuam levando assistência médica às aldeias.

“Eles não perguntam o que os índios, principalmente os jovens, querem. Eles dizem a esses jovens o que devem fazer. Fecham as tribos no que eu chamo de museu antropológico vivo”, ressaltou.
Ele ainda critica a ingerência dos funcionários da Funai frente à vontade manifesta dos próprios índios. “Os índios gostam e pedem a volta dos missionários, para que ouçam mais sobre o amor de Deus e o evangelho, mas os funcionários da Funai, dizem que não, que eles (missionários) devem sair”, relata o jornalista. Ele chega a ironizar a atuação da FUNAI: “afinal, quem são os verdadeiros caciques; os índios ou funcionários da Funai”?

Lei Muwaji
Paul Raffaele chamou a atenção durante a audiência para a situação e incentivou que os deputados e senadores possam se unir em torno da Lei Muwaji, de autoria da advogada e Diretora de Assuntos Legislativos da Asociação Nacional dos Juristas Evangélicos (ANAJURE), Damares Alves. O objetivo da lei é fornecer diretrizes para proteção das crianças indígenas rejeitadas pela tribo e que correm risco de se tornarem vítimas do crime de infanticídio.
Segundo Damares, a responsabilidade de preservar vidas é do Estado, que possui a função de proteger a vida humana, conforme prevê a Constituição Federal. “Se alguém deve ser penalizado ou responsabilizado por omissão de socorro são os agentes do Estado quando se omitem ao saber que uma criança corre risco de vida, mesmo que por motivação cultural”.
O problema do direito à vida versus o direito da preservação da cultura permanece ainda hoje. Mas segundo Damares, muita coisa tem mudado nos últimos anos e isso passa por um diálogo entre os povos. “Na hierarquia dos direitos prevalece o direto à vida”, esclarece.
Para ela, os índios tem um papel fundamental como agentes e protagonistas dessas mudanças. “A nós cabe apenas oferecer a eles alternativas para salvar e manter vivos seus descendentes”, completa.
O presidente da ANAJURE, Uziel Santana, também enfatizou que a questão do infanticídio entre os indígenas é um assunto prioritário para a associação, que possui um extenso programa de luta em favor das Direitos Humanos Fundamentais.
O jornalista Paul Raffaele veio ao Brasil especialmente para participar da audiência requerida pelo deputado Magno Malta.
Parlamentares, representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Ministério Público, presentes na ocasião ressaltaram a gravidade do tema e afirmaram que o assunto será alvo de debates nos respectivos órgãos. A intenção é desenvolver projetos que introduzam elementos de cidadania às comunidades indígenas isoladas.

VIA GRITOS DE ALERTA / INF. GOSPEL PRIME