terça-feira, 8 de novembro de 2016

O Primeiro Discurso de Elifaz

Capítulo 4 e 5
Depois do lamento de Jó (capítulo 3), há três rodadas de palestras por seus amigos, Elifaz, Bildade e Zofar, cada um responde por sua vez, por Job. Zofar não participará na terceira rodada . Elas se encontram nos capítulos 4 a 31, e um comentarista, Ridout, exclama:
"Isso já tem sido chamado de “O Emaranhamento”, pois é uma massa de argumento, havendo denúncia, acusação, suspeita, teorias em parte corretas, surgindo de tudo alguns relampejos de fé e esperança - tudo na linguagem da mais sublime poesia, com a magnífica exuberância da metáfora oriental. Para o leitor casual, pode não parecer haver progresso e também pouca clareza na controvérsia. É também preciso admitir que o povo de Deus em geral parece ter aproveitado pouco desses capítulos, fora alguns versículos familiares, bonitos e muito citados."
Elifaz, que significa “Deus Poderoso Puro” foi provavelmente o mais velho dos amigos. Ele era de Temã, uma cidade comercial de Edom, considerado um lugar de sabedoria. Elifaz ressaltou sua própria experiência e observação geral, também a pureza infinita e a majestade de Deus. Em linguagem educada e gentil, ele insinuou que os sofrimentos de Jó foram causados pelo pecado.
Scofield o vê como "um dogmático religioso cujo dogmatismo repousa sobre uma experiência misteriosa e fora do comum (Jó 4:12-16 ). Porventura um espírito alguma vez passou diante de Jó? Porventura os cabelos do corpo de Jó se arrepiaram? Então seja ele submisso enquanto uma pessoa tão superior como ele, Elifaz, declara as causas de seus infortúnios. Elifaz diz muitas coisas verdadeiras (como fazem também os outros), e muitas vezes se eleva em eloqüência, mas permanece duro e cruel, um dogmático que julga que deve ser ouvido por causa de uma experiência extraordinária."
Piedoso, mas carente de compaixão, tornou-se mais áspero à medida que a discussão prosseguia e Jó se recusava a admitir qualquer pecado da sua parte. Como os outros que falaram depois dele, acreditava que todos os sofrimentos eram para punição.

Elifaz acusa Jó de inconsistência

Educadamente abriu seu discurso perguntando a Jó se ele se importaria se falasse, acrescentando com firmeza que simplesmente não conseguia se conter.
Passou então a dizer coisas boas sobre Jó: tinha no passado dado instrução, força e apoio a muitas pessoas (isto conferia com o caráter de alguém que fora aprovado por Deus, como foi dito no início do livro).
No entanto, continuou, quando o próprio Jó sofria adversidades, ele se mostrava esgotado e perturbado . O remédio que dava aos outros não parecia ter qualquer efeito sobre ele. Em outras palavras, estava dizendo: "Você sabia como ajudar aqueles que estavam em apuros. Mas agora, algo aconteceu com você, e você se sente derrotado". O que havia acontecido com a sua confiança no seu temor de Deus, e na sua esperança pela integridade de vida?

O inocente e o reto nunca perecem

Elifaz perguntou a Jó se ele se lembrava de algum inocente ou justo que houvesse perecido ou sido destruído, logicamente esperando uma resposta negativa. Em sua experiência , disse ele, são aqueles que praticam a iniquidade e semeiam o mal que colhem o resultado mau decorrente dos seus atos.
Estes são os que perecem e são consumidos por um ato de Deus como resultado da Sua ira. São como os leões velhos que perecem por não poderem mais caçar e os leõezinhos cujos dentes se quebraram e são dispersos, perdendo a proteção da leoa.
Elifaz, como todos os outros, tinha apenas uma porção limitada da revelação de Deus sobre o destino do homem. Como Jó também pensava, a morte para ele seria o equalizador de todos os homens e Sheol, que vem depois da morte, trazia descanso para todos. O castigo de Deus , segundo o que ele sabia, era dado nesta vida para aqueles que O desagradavam. Neste contexto, não há sofrimento nesta vida que não seja a conseqüência do pecado, portanto acusava Jó de ter cometido um pecado oculto .
Parte do que Elifaz disse é verdade, mas o resto é falso. É verdade que aqueles que promovem o pecado e o mal, eventualmente, serão punidos, mas após a morte; é falso dizer que quem é bom e inocente nunca vai sofrer neste mundo.
Muitos séculos depois, o Filho de Deus revelou-nos que "Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." (João 3:16 ). Isso mudou os conceitos anteriores de pecado e punição.
Os comentários de Elifaz são um exemplo daquilo que devemos nos esforçar em evitar: fazer falsas suposições sobre os outros com base em nossas próprias experiências.

Elifaz relata uma visão humilhante

Elifaz relata ter ouvido um sussurro durante o seu sono à noite, que trouxe um grande temor sobre ele, seguido pela visão de um espírito, cuja aparência não conseguia discernir, parando de pé diante dele em silêncio, e uma voz que fez duas perguntas e em seguida deu as respostas. Ficamos sem saber que tipo de espírito era, ou se foi tudo apenas um sonho ou pesadelo.
No entanto, é a base sobre a qual Elifaz constrói seu argumento. As duas perguntas convidam respostas negativas: o homem mortal não pode ser mais puro e mais justo do que Deus, seu Criador. Se Deus não pode confiar em Seus servos e Seus anjos erram, quanto menos confiáveis e falíveis são os homens mortais, que são tão transitórios como uma mariposa (há outras versões da tradução desta frase, mas esta parece ser a mais compreensível). O homem se deteriora diariamente e morre para sempre sem deixar rasto. Esta conclusão é corroborada no versículo "todos pecaram e ficam aquém da glória de Deus" (Romanos 3:23 ). As consequências são estas mesmas, se nos limitarmos apenas à vida na Terra. "Casas de barro" é uma boa descrição do nosso corpo, também chamado de "tenda" (2 Coríntios 5:1 ): fraco, frágil, facilmente quebrado.

O homem insensato confia em si mesmo

O homem sem Deus está sozinho. Não há criatura no céu, não importa quão santa, que o pode ajudar. Esta é uma verdade inegável que se perde naqueles que rezam aos santos buscando sua "graça" para conseguir bênçãos sobre a terra ou pelos mortos.
As tribulações trazem tormento para os loucos e inveja que mata os tolos. Elifaz tinha testemunhado à ligação entre a maldade do homem insensato, que confiava em si mesmo, e a sua punição. Seus filhos ficaram desamparados, perdeu sua colheita e suas armadilhas nada apanharam. O mal não acontece sem motivo, mas o homem está destinado para a tribulação , assim como as faíscas voam para cima.

Volte-se a Deus para a libertação

Elifaz sabiamente buscaria a Deus e entregaria a sua causa a Ele, porque Ele é onisciente e todo-poderoso. Deus é o provedor, Ele estabelece a justiça, conforta os aflitos, frustra as artimanhas dos astutos, apanha os sábios na sua própria astúcia, e abate os conselhos do esperto, salva o necessitado da mão dos poderosos para que os pobres tenham esperança, e cala a injustiça.
O versículo 13 é citado em 1 Coríntios 3:19 para desmascarar a falsa sabedoria (erradamente chamada de ciência) deste mundo.

A bênção vem mediante a submissão à correção de Deus

A disciplina ou correção de Deus é benéfica. Ele pune mas também restaura. Ele liberta das tribulações. Ele dá muitos descendentes, e uma vida longa. Novamente percebemos que as bênçãos mencionadas são todas relativas a esta vida na Terra. Jó recebeu tudo isso de Deus, após o término da sua prova. Foi um teste, e não uma correção ou disciplina, mas nem ele, nem seus amigos, estava ciente disto a essa altura.