quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Quatro ataques elevam tensão em Israel e na Cisjordânia

Quatro ataques elevam tensão em Israel e na Cisjordânia
No terceiro ataque com facas nesta quarta-feira em Israel e na Cisjordânia, um homem esfaqueou um judeu perto de um centro comercial de Petah Tikva, perto de Tel Aviv, informou a polícia israelense. A vítima, de 25 anos, sofreu ferimentos leves, enquanto o agressor foi dominado por uma multidão antes de ser preso. Mais cedo, dois outros casos semelhantes ocorreram na cidade de Kiryat Gat e em Jerusalém, aumento ainda mais a tensão entre israelenses e palestinos. Além disso, na Cisjordânia, atiradores infiltrados entre pessoas que jogavam pedras em soldados feriram três palestinos em Ramallah.
A escalada da violência na região fez Benjamin Netanyahu cancelar uma viagem à Alemanha. Após uma reunião com seu gabinete sobre a situação, o premier disse que os cidadãos israelenses estão na linha de frente em uma guerra contra o terrorismo.
"Quero elogiar o equilíbrio e coragem dos cidadãos de Israel nos últimos dias, e também hoje, em Jerusalém e Kiryat Gat. Nós já experimentamos momentos difíceis e também vamos superar esta onda de terrorismo com determinação, responsabilidade e unidade" disse ele.
O primeiro ataque do dia ocorre em Jerusalém, quando um judeu foi esfaqueado por uma palestina na Cidade Velha e reagiu, atirando na mulher. A agressora foi levada para o hospital em condições críticas. O caso ocorreu em um beco próximo ao Muro das Lamentações, local judaico de orações adjacente ao complexo da mesquita Al-Aqsa, na Esplanada das Mesquitas.
Horas depois, um homem palestino esfaqueou um soldado israelense e tentou tomar sua arma na cidade de Kiryat Gat, mas em seguida foi morto a tiros pelas forças de segurança, informaram as autoridades. Segundo os relatos, o agressor tentou fugir para um prédio próximo, mas foi baleado e morreu, enquanto um segundo suspeito foi preso. O ministro da Segurança Pública, Gilad Erdan, elogiou a ação da polícia.
"Vamos continuar lutando de forma agressiva contra o terror e vamos ferir qualquer um que nos ameaçar" disse Erdan.
O agressor foi identificado como Amjad Hatem al-Jundi, de 24 anos e, segundo a polícia, também levava explosivos. O soldado teve um ferimento leve na mão depois de tentar reagir ao ataque e foi levado para um hospital em Ashkelon.
A tensão também se elevou na Cisjordânia, onde atiradores infiltrados entre pessoas que jogavam pedras feriram três palestinos em Ramallah, segundo a AFP. Durante confrontos com as forças israelenses, quatro homens mascarados, um deles com uma bandeira do Hamas, estavam junto a um grupo de jovens palestinos quando, de repente, sacaram pistolas e dispararam contra vários deles. Um dos jovens ficou ferido na parte posterior do crânio.
Em seguida, os soldados que estavam próximo ao local ajudaram a transferir os feridos. Os palestinos costumam acusar Israel de enviar às manifestações membros de suas forças de segurança que falam árabe disfarçados de manifestantes para realizar prisões.
No quarto caso de violência nesta quarta-feira, um judeu ortodoxo de 25 anos foi atacado com faca em Petah Tikva, perto de Tel Aviv, sofrendo ferimentos leves. O agressor foi neutralizado por uma multidão e depois preso pela polícia. Houve ainda uma tentativa frustrada de ataque em Abu Tur, também em Jerusalém. No entanto, após sacar uma faca, um residente de 15 anos foi desarmado e preso.
Este surto de violência gera nos últimos dias comparações com as intifadas de 1997 e 2000, e aumenta os temores de uma terceira revolta deste tipo.

A Supremacia de Cristo


(Hebreus capítulo 3, versículos 1-6)


Superioridade em pessoa e propósito (v. 1-4)

Tendo estabelecido a supremacia do Senhor Jesus sobre os anjos (intermediários sobrenaturais do Velho Testamento), o autor de Hebreus agora demonstra Sua superioridade sobre a pessoa de Moisés, homem escolhido por Deus para transmitir a Sua Lei ao Seu povo, e a quem é atribuída a autoria dos primeiros cinco livros da Bíblia.
A enorme influência de Moisés continuou sobre o povo de Israel, desde a sua libertação da escravidão no Egito até hoje. Seu nome é mencionado 750 vezes no Velho Testamento, superado apenas por Davi (970). Moisés, o príncipe do Egito, pastor, profeta, mediador e escritor é o cerne do judaísmo em sua qualidade de protoprofeta e legislador por excelência. 
Moisés também é respeitado pelos cristãos como progenitor tipológico de Cristo Jesus, o “profeta como Moisés” (Deuteronômio 18:15-18). No Novo Testamento, Moisés aparece mais vezes do que qualquer outra figura do Velho Testamento, mesmo até Davi (80, contra 61).
No mundo do judaísmo do primeiro século depois de Cristo (e ao longo da história judaica que se seguiu), Moisés atraiu para si uma estima quase sobrenatural. O Talmude, a lei oral judaica, contém a crença expressada por vários rabinos "que havia uma relação cósmica, se não equivalência, entre Moisés e o Messias." Por exemplo, em uma discussão sobre o propósito da criação, enquanto um rabino opinou que o mundo foi criado para o Messias, outro era da opinião de que a honra pertence a Moisés. 
Embora um pouco menos grandioso em suas concepções messiânicas, um rabino extremamente influente do século XII, Maimônides, elevou Moisés sobre o Messias esperado (em sua expectativa), escrevendo que o Messias seria maior do que todos os profetas, com exceção de Moisés, e que "o Messias, com efeito, se classifica após Moisés em eminência e distinção."
Assim vemos que Moisés foi um dos maiores heróis nacionais de Israel. Portanto, o terceiro passo principal na estratégia do escritor é demonstrar a infinita superioridade de Cristo sobre Moisés.

Superioridade em posição (v. 5 e 6)

A mensagem do livro aos Hebreus é dirigida aos irmãos santos, participantes da vocação celestial. Todos os verdadeiros crentes são santos em Cristo quanto à sua posição diante de Deus, e devem ser santos na prática, judeus ou gentios.  Sua vocação celestial está em contraste com o chamado terrestre de Israel.
Os santos do Velho Testamento foram escolhidos para receber bênçãos materiais na terra da promessa (embora tivessem uma esperança celestial também). Os santos do Novo Testamento, salvos pela graça de Deus mediante a fé no Senhor Jesus Cristo, são incorporados à Sua igreja ao se converterem, são escolhidos para receber bênçãos espirituais aqui e uma herança celestial no futuro, bem como reinarão com Cristo quando Ele assumir o Seu reino na terra.
O Senhor Jesus é eminentemente digno de ser considerado por nós como o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão. Ao confessá-lo como Apóstolo, declaramos que Ele representa Deus para nós. Ao confessá-lo como Sumo Sacerdote, reconhecemos que Ele nos representa diante de Deus.
Existe um aspecto em que Jesus Cristo se assemelhou a Moisés. Ele foi fiel a Deus, tal como Moisés foi fiel na casa de Deus. Aqui a “casa de Deus” compreende não apenas o Tabernáculo, mas também todo o ambiente dentro do qual Moisés representava os interesses de Deus. É a casa de Israel, o povo terreno de Deus desde a antiguidade. Mas aí a semelhança termina. Em todos os outros aspectos, há indiscutível superioridade:
  1. O Senhor Jesus é digno de mais glória do que Moisés porque o construtor de uma casa tem mais honra do que a própria casa. O Senhor Jesus é o Construtor da casa de Deus; Moisés foi apenas uma parte da casa.
  2. Jesus é maior porque Ele é Deus. Cada casa deve ter um construtor. Quem construiu todas as coisas foi Deus. Aprendemos em João 1:3, Colossenses 1:16 e Hebreus 1:2, 10, que o Senhor Jesus foi o agente ativo na criação.
A conclusão é que Moisés foi um servo fiel na casa de Deus (Números 12:7), ensinando e dirigindo os homens pelo caminho que levava à vinda do Messias. Ele deu testemunho daquilo que iria ser anunciado depois, ou seja, a boa notícia da salvação em Cristo. Por isto Jesus disse em certa ocasião, "se crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim ele escreveu" (João 5:46). Em Sua explicação aos dois discípulos na estrada de Emaús, Jesus “começando por Moisés, e por todos os profetas, explicou-lhes o que dele se achava em todas as Escritura " (Lucas 24:27).
Mas Cristo foi fiel na casa de Deus como um Filho, não como um servo. E no caso dEle, a filiação significa igualdade com Deus. A casa de Deus é a sua própria casa. Aqui, o escritor explica o que significa a casa de Deus hoje. É composto por todos os crentes no Senhor Jesus: em cuja casa estamos se guardamos firmes a confiança e a alegria na firme esperança até o fim.
A princípio, isto parece estar dizendo que nossa salvação depende de guardarmos firmes essas duas coisas. Nesse caso, a salvação seria devida a um esforço de perseverança nossa ao invés do trabalho de Cristo que terminou na Cruz. O verdadeiro significado é que provamos que somos parte da casa de Deus ao nos manter firmes. A perseverança é uma prova dessa realidade. Quem perde a confiança em Cristo e nas Suas promessas, retornando para rituais e cerimônias, demonstra que nunca nasceu de novo. É contra tal apostasia que a próxima advertência é dirigida.

Tsunami gigantesco e devastador pode destruir parte da Terra, dizem especialistas


ReproduçãoReprodução

Um fenômeno que só foi visto na Terra há 73 mil anos pode dar as caras novamente e causar a tormenta em todo o globo. As informações vem de um estudo da Columbia University, dos Estados Unidos, e da University College London, na Inglaterra.

Segundo os estudos, um tsunami gigantesco, de proporções devastadoras, poderá ser registrado na Terra novamente. Para se ter ideia da dimensão desse fenômeno, os especialistas falam em ondas com cerca de 245 metros de altura varrendo praias e encostas.

Os especialistas contam que, na primeira vez que esse fenômeno foi registrado, há 73 mil anos, uma ilha de mais de 48 quilômetros foi simplesmente engolida pela água. Na época, o causador de tal desastre foi um dos maiores e mais antigos vulcões do mundo, localizado em Cabo Verde, na África.

À época, o vulcão expeliu pedras gigantescas que foram atiradas no oceano de uma vez só, criando as ondas devastadoras. Ainda segundo os cientistas, o fenômeno foi imprevisível, uma vez que começou de maneira repentina durante uma erupção devastadoras — o que pode acontecer novamente.

“Esse tipo de tsunami, com ondas gigantescas e devastadoras, não acontece com tanta frequência, mas precisamos sempre levá-los em consideração ao pensar no tipo de perigo que um evento desse porte traria para a vida atual no planeta”, explica o especialista Ricardo Ramalho, da Columbia University.

Apenas para efeito de comparação, os dois maiores tsunamis recentes aconteceram na costa do oceano Índico, em 2004, e no Japão, em 2011. Neles, foram registradas ondas de aproximadamente 30 metros. Ou seja, praticamente oito vezes menores do que as que atingiriam a Terra em um eventual megatsunami.

A grande preocupação dos especialistas das duas universidades é tentar encaixar um processo de prevenção eficaz, com possibilidade de deslocamento humano em massa caso esse fenômeno volte a acontecer. Os cientistas, porém, dizem ser impossível prever quando um evento dessa magnitude aconteceriam novamente.