quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Plano dos EUA entrega administração de Jerusalém ao Vaticano

Plano dos EUA entrega administração de Jerusalém ao VaticanoO secretário de Estado americano, John Kerry, esteve em Israel na semana passada pela nona vez desde que substituiu Hillary Clinton em fevereiro deste ano. Ele foi ao país para tentar consolidar as bases de um “acordo histórico” entre israelenses e palestinos.
O plano de segurança que ele vem discutindo com as duas partes é um dos assuntos centrais das negociações que começaram em julho e parecem estar longe de serem resolvidas, pois nem o governo palestino nem o israelense se mostram otimistas que haverá um tratado de paz em breve.
Poucos dias após sua passagem pela região, começaram a surgir fortes indícios que os Estados Unidos, o maior e mais importante aliado de Israel, esteja prestes a propor que Jerusalém Oriental e seus lugares sagrados seja administrativo por um conselho internacional. Ele seria formado por representantes palestinos e israelenses, além de países muçulmanos como Turquia e Arábia Saudita. Como muitos desses locais são sagrados para os cristãos, o Vaticano ficaria encarregado.
Segundo está sendo divulgado pela mídia americana, o plano de Kerry para essa “coalizão internacional” seria uma solução temporária, com duração de dois a três anos, enquanto não se chega a um acordo final, afirma o site WND. Israel, obviamente, não se mostrou receptivo a entregar a porção Oriental de Jerusalém.
Kerry tem se mostrado ansioso por querer apresentar um “marco” da administração Obama, que seria um acordo para o reconhecimento de um Estado palestino até abril. O secretários afirmou: “Nós trabalhamos com uma abordagem que garante a segurança de Israel e respeita completamente a soberania dos palestinos. Temos esperanças de chegar a este acordo sobre o estatuto final”.
Segundo as fontes diplomáticas israelenses e palestinas, em sua viagem da semana passada, Kerry, focou especificamente nas medidas de segurança, defendendo que Israel teria “presença militar” no Vale do Jordão durante dez anos. A proposta desagradou os palestinos.
O Vale do Jordão atravessa o coração de Israel. Ele começa no norte do Mar Morto, estendendo-se até a cidade de Aqaba, no sul do país, cruzando pelo deserto de Arabá. Parte dele demarca a fronteira com a Jordânia.
Para vários sites especializados em profecias, como o Profecy News Watch, chama atenção o fato de justamente nos dias que Kerry esteve no país, Israel viu a maior nevasca já registrada no mês de dezembro. Boa parte do país ficou paralisado. Este seria um sinal de que as profecias do Antigo e do Novo Testamento de que Jerusalém será “pisoteada pelos gentios” estão muito próximas de se cumprir.


GP

Bolsa Família não resolve, diz grupo ligado à Igreja Católica


Presidente da Cáritas, dom Flávio Giovenale, critica programa de renda afirmando ser 'quase uma pré-aposentadoria'

O presidente da Cáritas Brasileira, dom Flávio Giovenale, que conduz uma campanha de combate à fome, disse à Folha que os programas de transferência de renda do governo federal não atacam as causas da pobreza e que o Bolsa Família "é quase uma pré-aposentadoria".

"Quem entra no Bolsa Família sonha em continuar. Não é que sonhe dizer ah, tenho dignidade de sustentar a família, de crescer, de melhorar'", disse o bispo.

Na campanha, lançada na semana passada, a Cáritas Brasileira estimula discussões e propostas para uma saída do Bolsa Família.

Ligada à Igreja Católica, a entidade é uma confederação de instituições de caridade com 164 organizações pelo mundo. Todas estão na campanha, mobilizando paróquias e comunidades.

Giovenale diz reconhecer que as políticas de transferência de renda ajudaram a acabar com a fome "no primeiro nível", mas que elas não atacam suas causas. "O que tem que combater, por isso colocamos pão e Justiça no slogan da campanha, são as causas da fome. A fome não é natural, mas fruto de escolhas políticas e econômicas".

Pelos dados da ONU, segundo o governo federal, houve redução de 54,3% no número de subnutridos no país nos últimos 20 anos.

Fonte: Folha de São Paulo

Grupo satanista quer erguer monumento do lado de outro sobre os 10 Mandamentos nos EUA


Em resposta a um monumento religioso sobre os 10 Mandamentos, um grupo satanista norte-americano quer erguer uma estátua logo ao lado da obra cristã, situada na cidade de Oklahoma, região central dos Estados Unidos.

Para aprovarem a proposta, a organização determinou que deve ler levado em conta o direito à liberdade de expressão e o fato de que a estátua não pretende fugir às exigências de refinamento da cidade, fugindo de uma imagem vulgar.

"Nós acreditamos que todos os monumentos devem ser de bom gosto e de acordo com os padrões da comunidade. Nosso monumento proposto, como homenagem ao histórico e literário Satanás, certamente cumprirá essas diretrizes", aponta o porta-voz do Templo Satânico, Lucien Greaves.

Ao ser procurado pelo The Christian Post, Trait Thompson, presidente da Comissão do Estado de Preservação do Capitólio (CPC), responsável por validar este tipo de solicitação de instalações urbanas, afirmou que não houve nenhum tipo de pedido oficial do grupo satânico.

Segundo Thompson é necessário registrar uma solicitação, seguindo todas as normas rígidas de procedimento para o monumento ser encaminhado e só depois de uma votação da comissão é que será possível dizer se é possível ou não autorizar a presença da estátua.

A iniciativa do grupo satânico não foi a única ação tomada contra a estátua do Decálogo, que também obteve críticas da União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) de Oklahoma, que entrou com um processo contra o monumento, sob argumento de estar contra as leis dos EUA, dividindo o estado, em prol da religião cristã.

Em contrapartida, Charlie Meadows, presidente da Ação Política Conservadora de Oklahoma (OCPAC) afirmou que o monumento tem um fundamento histórico para a cidade, visto os valores dos Dez Mandamentos para os pioneiros que edificaram a região.

O peso da memória da obra do Decálogo também é abordado por Meadows ao contestar os satanistas, dizendo que não vê como Satanás exerceu "qualquer influência sobre Oklahoma, a partir de uma perspectiva histórica", provando que não há motivo para permitirem a instalação do monumento.

Fonte: The Christian Post

PLC 122 sepultado: Maioria cristã do Brasil obtém vitória inesperada e surpreendente com sua persistência e mobilização

Hoje é um dia de muita alegria e, quem puder, celebre com festas e louvores a Deus! Ontem (17 de dezembro de 2013), foi aprovado o apensamento do PLC 122 à reforma do código penal, sepultando o PLC 122 e todos os sonhos e maluquices de Marta Suplicy e outros radicais esquerdistas sexuais.
E quanto à promessa do senador petista Paulo Paim de aprovar o PLC 122 neste ano? Foi para o espaço. Virou pó.
Por isso, comemore. Celebre! Pule de alegria! Cante cânticos de regozijo na presença de Deus!
Durante anos, o PT usou todas as artimanhas para levar esse projeto à aprovação. Havia apoio em massa ao PLC 122, mas vindo exclusivamente das elites midiáticas e esquerdistas. O povo? Ele foi acusado pelo PT, através de um instituto de pesquisa esquerdista, de ser 99 por cento “homofóbico.”
Enquanto as manifestações da mídia comprada pediam insistentemente a aprovação do PLC 122, o povo telefonava para o Congresso pedindo sua rejeição. Assim, o povo venceu as vontades do governo, do PT, de outros partidos de esquerda, das elites midiáticas e do movimento homossexual.
O povo venceu também as forças religiosas hostis à luta em defesa da família. Um tabloide sensacionalista protestante argumentava que o PLC 122 não oferecia os perigos denunciados por alguns líderes evangélicos, inclusive Silas Malafaia, a quem o tabloide chamou maliciosamente de “servo de Belzebu.”
O tabloide, representando a mídia protestante esquerdista, afirmou que a ignorância “de alguns políticos evangélicos interessados no uso deste projeto para fins eleitoreiros e um ou outro comentário de um blogueiro sofrendo de esquizofrenia paranoide se transforma em pânico levando milhares de ovelhas idiotizadas à beira de um ataque de nervos.”
Mas a hostilidade aos defensores da família não veio apenas de tabloides de fofoca. Em 16 de dezembro, apenas um dia antes do sepultamento do PLC 122, o senador Paim publicou em seu site oficial um manifesto do CONIC pedindo, em nome de um alegado combate à violência contra a mulher, a aprovação do PLC 122.
O CONIC é o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, que em março deste ano repudiou publicamente a nomeação de Marco Feliciano à Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. Fazem parte do CONIC a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e a Igreja Presbiteriana Unida — todas com alinhamento esquerdista.
O que o manifesto do CONIC a favor do PLC 122 no site do Paim significa?
Significa que, discordando da vontade da maioria cristã do Brasil e se alinhando com a maioria esquerdista do governo, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e a Igreja Presbiteriana Unida estavam de pleno acordo com a vontade do governo de impor o PLC 122 sobre a população brasileira.
Graças a Deus, a vontade de Paim e do PT não prevaleceu!
Graças a Deus, a vontade do CONIC não prevaleceu!
Graças a Deus, não prosperou a vontade da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e a Igreja Presbiteriana Unida.
GRAÇAS A DEUS, PREVALECEU A VONTADE DA MAIORIA CRISTÃ DO BRASIL!
Podemos dar louvores a Deus, fazer festas e comemorar a vitória desta batalha contra as forças seculares e religiosas, mas a guerra continua.

Dra. Damares Alves fala

Para compreendermos a vitória que obtivemos ontem, a Dra. Damares Alves, em texto exclusivo para o Blog Julio Severo, explica a importância da conquista que a maioria cristã brasileira alcançou pressionando incessantemente o Congresso Nacional.
A Dra. Damares, que neste ano de 2013 andou por todo o Brasil mobilizando a Igreja contra o PLC 122 e contra outros projetos absurdos, inclusive o projeto original da Reforma do Código Penal, desabafou emocionada: “Estou rouca, estou cansada. Só neste final de semana, foram cinco eventos em três estados diferentes, mas valeu a pena. Eu sei que a transformação e redenção do meu país passa pela Igreja Evangélica.” Ela disse ainda: “Esta vitória só foi possível também graças a todos os internautas e blogueiros cristãos e graças as redes sociais.”
A Dra. Damares explica como foi a grande vitória contra o PLC 122 e outros projetos:
Pela manha na Comissão Especial instituída para discutir o PLS 236/2012 que visa à Reforma do Código Penal, foi votado o parecer do relator que de maneira já esperada pronunciou um voto a favor da vida e da família.
Entenda: o relator, Senador Pedro Taques, na semana passada havia apresentado o voto final ao PLS 236/2012 e, após uma serie de reuniões e discussões nos últimos dias, foi votado e aprovado hoje o parecer final na Comissão Especial.
No voto, o senador afastou a possibilidade da descriminalização do aborto no Brasil. Ele manteve o texto do atual Código Penal, ou seja, o aborto provocado só não será punido em caso de estupro ou risco de vida para a gestante.
Essa foi uma vitória para todos os que lutam em defesa da vida.
O relator também não aceitou a diminuição da idade de 14 para 12 anos de idade para tipificar o estupro de vulneráveis, nem a descriminalização das drogas, nem a legalização das casas de prostituição e outros temas que tanto preocupavam os movimentos em defesa da família e a Igreja.
Contudo, a maior surpresa veio com a retirada, em todo o texto do PLS 236, dos termos “orientação sexual,” “gênero” e “identidade de gênero.”
Pedro Taques, um jurista de renome, argumentou que essas expressões são ambíguas e ainda não estão assimiladas na língua portuguesa e não são compreendidas pela população, o que dificultaria aplicação e fixação de penas pelos juízes ou até mesmo o indiciamento dos possíveis réus.
O movimento homossexual não esperava isso, pois no texto apresentado pelos juristas a discriminação por “orientação sexual,” “gênero” e “identidade de gênero” seria agravante para todos os crimes, inclusive para crimes de terrorismo, racismo, genocídio, tortura e crimes contra a humanidade.
Mas a vitória da família neste dia (17 de dezembro) no Senado não se limitou apenas ao projeto da reforma do código penal.
Estava na pauta para as 8h30min da manhã desta quarta feira na Comissão de Direitos Humanos e Participação Legislativa o voto do senador Paulo Paim ao PLC 122/2006.
Ao contabilizar os votos, os líderes pró-família já sabiam que naquela comissão o PLC 122 seria aprovado.
Entretanto, o inesperado aconteceu no início da noite.
Foi votado e aprovado no Plenário Geral do Senado o Requerimento de autoria do senador evangélico Eduardo Lopes (PRB/RJ — suplente do senador Crivella) que pedia o apensamento do PLC 122/2006 ao Projeto de Reforma do Código Penal.
Há três semanas que se aguardava a votação desse requerimento, mas havia uma pressão para que a votação não acontecesse e se fosse colocado em pauta, a pressão para ser rejeitado era maior ainda.
Na quarta-feira da semana passada até altas horas da noite o embate nos bastidores do Plenário do Senado era visível. De um lado, senadores conversando com pastores, padres e líderes de movimentos em defesa da família que faziam lobby para que o requerimento fosse aprovado. Do outro lado, estavam os militantes do movimento homossexual abordando os senadores, chegando a dizer aos parlamentares que votar o PLC 122/2206 era para eles uma questão de honra, pois a sigla PLC 122 era mais que um projeto legislativo; era o símbolo de luta.
Mas para surpresa de todos, o requerimento foi colocado na pauta e aprovado na noite, ou seja, poucas horas antes da votação do PLC 122 na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa.
Mas é bom lembrar que os senadores não fizeram nenhum favor às famílias. Eles apenas acertaram desta vez. O inciso II do artigo 374 do Regimento Interno do Senado Federal é claro em afirmar que se existe um projeto que visa reformar qualquer código, todos os demais projetos que se referem à matéria do código que esta sendo reformado devem ser apensadas no PL da reforma. (Leiam o que diz este inciso.)
Assim, desde a chegada da Reforma do Código Penal no Senado, o PLC 122/2006 já deveria ter sido apensado. Houve neste tempo todo uma briga desnecessária.
Depois da aprovação hoje do requerimento, os senadores a favor do ativismo gay ficaram insatisfeitos e pediram até mesmo verificação de quórum, mas não conseguiram derrubar a sessão nem a votação do requerimento.
Agora o PLC 122/2006 passa a ser mais um projeto de lei, entre os inúmeros, apensado ao PLS 236/2012. Ou seja, o PLC 122 praticamente não existe mais.
Mas cabe aqui outra explicação: O PLC 122/2006 tinha como objetivo a alteração da Lei de Racismo, acrescentando os termos “orientação sexual,” “gênero” e “identidade de gênero.” E o PLC 236/2012, da Reforma do Código Penal, tem como objetivo em seu artigo 530 a revogação da lei de racismo.
Vejam a incoerência: na mesma Casa Legislativa um projeto de lei tem como objetivo revogar uma lei e outro alterar uma lei que será revogada.
Então o PLC 122/2006 era de fato inócuo no sentido de que ele ia reformar algo que estaria revogado.
É claro que a luta não acabou. O PLC 122/2006 foi apensado e agora o tema pode ser trazido para dentro da Reforma do Código Penal em outras comissões.
Mas esta vitória de hoje mostra que as mobilizações deram certo e a união dos movimentos pró-família foi decisiva para isso.
Todos são unanimes em reconhecer o esforço do Senador Magno Malta, que, atento há anos, não deixou o PLC 122 ser aprovado. Por anos a Igreja só pôde contar com ele. Um único senador contra todos.
Parecia uma guerra perdida. Era Golias o gigante e um único Davi pequenino.
Nos últimos meses, o senador acabou contando também com a atuação brilhante do Senador Eduardo Lopes e os dois juntos chegaram hoje a esta importante vitória.
Não se pode ainda deixar de citar a contribuição dos senadores Gim Argello, do Distrito Federal, e do Senador Sergio Petecão, do Acre.
A mobilização não pode parar.
Já no inicio do ano que vem a Reforma do Código Penal volta a ser discutida e toda atenção será necessária. O povo que venceu hoje continuará vencendo se demonstrar mais persistência.

ACABOU - VITÓRIA DO POVO DE DEUS - MORREU A PL 122/06 - Projeto que criminaliza homofobia vai tramitar em conjunto com novo Código Penal

O Plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (17), com 29 votos favoráveis, 12 contrários e 2 abstenções, requerimento do senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) para que o projeto que criminaliza a discriminação de homossexuais (PLC 122/2006) seja apensado ao projeto de reforma do Código Penal (PLS 236/2012).
O senador Eduardo Lopes destacou que o Código Penal já engloba o assunto ao tipificar a intolerância, o racismo e todo tipo de violência. O senador explicou que, por tratarem de assuntos correlatos, não há sentido para que as propostas tramitem separadamente. Em apoio a Eduardo Lopes, o senador Magno Malta (PR-ES) disse que a criminalização da homofobia depende da tipificação desse crime no Código Penal, o que justifica o apensamento.
Os senadores Eduardo Suplicy (PT-SP) e Paulo Paim (PT-RS) se manifestaram contrários ao requerimento por acreditarem que a tramitação conjunta enfraquecerá o debate da criminalização da homofobia.
Paulo Paim disse que o requerimento perdeu o seu objeto, já que a comissão especial de senadores criada para examinar o PLS 236/236 já aprovou, nesta terça-feira (17), o relatório final elaborado pelo senador Pedro Taques. Para ele, a melhor saída seria a Comissão de Direitos Humanos (CDH) votar o PLC 122/2006 e a próxima comissão a analisar a matéria conforme a determinação inicial, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), decidir sobre a tramitação conjunta ou separada das propostas.
Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

NATAL BLACK - A FESTA DO ANO




A maior festa de black music do ano que acontecerá no próximo dia 14 de dezembro em São Paulo já está agitando o mercado.

O Programa Noite dos Adoradores da RIT TV, apresentado pela Cantora Dany Grace, na última quarta feira, gravou para sua programação de Natal, um programa especial Natal Black, onde Banda DOPA, Coral Kemuel e Ton Carfi, participaram do programa, que vai ao ar no dia 22 de dezembro a partir das 22h na RIT TV -  mais informações: www.rittv.com.br

As bandas também estão ansiosas e se preparando para a festa.

Ton Carfi, postou ontem foto no instagram que está preparando o novo show da turnê “Jesus me conquistou“ e fará a primeira apresentação no Natal Black 2013.

O pessoal do Porta Estreita também confirmou presença e levará ao evento seu humor cristão.

Outra novidade, anunciada ontem foi o lançamento da carreira solo do empresário e cantor, Will FLG, que fará a primeira apresentação da carreira  na festa.

Há pedidos do público, a galera da Cia Tribo de Dança, mais uma vez confirma sua participação no evento com suas apresentações de tirar o fôlego.

Pessoas dos quatros cantos da cidade, do interior e até do país, tem garantido seu lugar na festa. Natal Black, tem sido durante nove anos o point de despedida da moçada das igrejas, que passam a noite, louvando, dançando e se divertindo debaixo da graça do Nosso Senhor Jesus Cristo, o verdadeiro sentido do Natal.

Junte sua turma, convide pessoas que não conhecem a Jesus e venha se divertir celebrar conosco. Além das atrações citadas acima ainda temos confirmado os seguintes nomes: Apocalipse XVI | Pregador Luo, Ao Cubo, DJ Alpiste, Coral Kemuel, Banda DOPA, Israela Claro, Coral Asafé, Coral Corbã, Marcio Attack Versus, CL Salmista e muito mais.

O show começa a partir das 22h e acontecerá na AD Bom Retiro, localizada na R. Nicolas Boer, 100 na Barra Funda, onde duas vans farão o percurso durante a noite toda da igreja até a estação Barra Funda do metrô, facilitando a chegada à igreja.

Os ingressos antecipados custam R$ 25,00 e a lista completa dos postos de venda você pode conferir no site: www.natalblack.com.br .

As Falsas Profecias das Testemunhas de Jeová



As declarações oficiais da Sociedade Torre de Vigia mencionadas neste trabalho foram extraídas, com permissão dos autores, do livro `A Verdade sobre as Testemunhas de Jeová´, de Cid de Farias Miranda e William do Vale Gadelha, Editora gráfica LCR, 1a edição/21004). Os autores trabalharam por duas décadas na Sociedade.

“Mas o profeta que presumir de falar em meu nome alguma palavra que eu não lhe tenho mandado falar, ou o que falar em nome de outros deuses, o tal profeta será morto. Quando o tal profeta falar em nome do Senhor, e o que disse não acontecer nem se realizar, essa palavra não procede do Senhor. Com soberba a falou o tal profeta. Não tenham temor dele” (Dt 18.20-22).

“Assim diz o Senhor dos Exércitos: Não deis ouvidos às palavras dos profetas que entre vós profetizam; eles vos ensinam vaidades. Falam da visão do seu próprio coração, não da boca do Senhor. Dizem continuamente aos que me desprezam: O Senhor disse: Paz tereis. Não mandei esses profetas, todavia eles foram correndo; não lhes falei, todavia profetizaram. Ouvi o que dizem esses profetas, profetizando mentiras em meu nome. Até quando continuará isso no coração desses profetas mentirosos, que profetizam o engano do seu próprio coração? O profeta que tem um sonho conte o sonho, mas aquele que tem a minha palavra, fale a minha palavra, com verdade. Portanto, eu sou contra esses profetas, diz o Senhor, que furtam as minhas palavras. Deveras, sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o Senhor. Eles os contam, e fazem errar o meu povo com as suas mentiras e com as suas leviandades, mas eu não os enviei, nem lhes dei ordem. Não trazem proveito nenhum a este povo, diz o Senhor” (Jr 23.1-32).

“Acautelai-vos, porém dos falsos profetas, que vêm até vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Pelos seus frutos conhecereis” (Mt 7.15-16). Surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos (Mt 24.11).

Vejam que a advertência no Antigo Testamento é confirmada na Nova Aliança. Em resumo, qualquer profecia que não se cumpre não é de Deus. Na maioria dos casos nem é preciso esperar o longo tempo até a confirmação ou não da profecia. Basta examinar a Bíblia. As profecias do Corpo Governante do grupo conhecido por Testemunhas de Jeová se enquadram perfeitamente nessa palavra. Aliás, se enquadram aqui todas as palavras mentirosas que não saíram da boca de Deus, mas do coração enganoso do homem. A Sociedade Torre de Vigia para Bíblias e Tratados, representada por seu Corpo Governante, se autoproclama:

“Organização de Jeová para a salvação” (A Sentinela, 15.07.1982, página 21). Portanto, a Sociedade é o caminho.

“Instrumento usado por Deus, para recebermos a vida eterna no Paraíso terrestre”, sendo “necessário identificar essa organização e servir a Deus como parte dela” (A Sentinela, de 15.09.1983, página 14).

“A organização (Sociedade) está [de tal forma] “unida sob a proteção do Organizador Supremo”, que “apenas as Testemunhas de Jeová têm esperança bíblica de sobreviver ao iminente fim deste sistema condenado” (A Sentinela, de 01.09.1989, página 19). Portanto, fora da Sociedade não há salvação.

“Por meio desta agência [da Sociedade], Jeová revela suas verdades, e faz com que se cumpra o profetizar em escala intensificada e sem paralelo” (A Sentinela, 15.12.1964, pág. 749). Portanto, o corpo Governante é o único capaz de profetizar com acerto.

“Tem Deus algum profeta para declarar as coisas futuras? Tem. São as testemunhas cristãs de Jeová” (A Sentinela, 01.10.1972, página 58).

“A Bíblia não pode ser entendida sem se ter presente a organização visível de Jeová” (A Sentinela, 01.06.1968). Isto é, a Sociedade detém a exclusividade no que tange à interpretação das Escrituras. Logo, os seus seguidores são declarados incapazes de raciocinar.

“Só a organização de Jeová, em toda a terra, é dirigida pelo espírito santo ou a força ativa de Deus. Apenas esta organização funciona para o propósito de Jeová e para seu louvor. Ela é a única para a qual a Palavra Sagrada de Deus, a Bíblia, não é um livro lacrado” (A Sentinela, 01.01.1974, pág. 18, parágrafo 4).

Para progredir na vida é necessário que “estejamos em contato com este canal [a organização visível, a Sociedade]” (A Sentinela, 01.08.1982, página 27, parágrafo 4).

“Sem a ajuda do “escravo fiel e discreto” [O Corpo Governante], nem entenderíamos o pleno sentido do que lemos, nem saberíamos como aplicar aquilo que aprendemos – Mateus 24.454-47” (A Sentinela, 15.07.1987, página 19). Portanto, estão em situação deplorável os quase 500 milhões de evangélicos no mundo, pois dispensam a ajuda da Sociedade.

“É por meio deste instrumento [a Sociedade] designado pelo espírito que suas diretrizes e sua estratégia são comunicadas a todos os seus “soldados” (A Sentinela, 01.12.1982, página 19, parágrafo 10). Se para os TJs o Espírito Santo é uma força ativa de Deus, como aqui está sendo tratado como uma Pessoa que designa, orienta, manda? Incoerência. Se é guiada pelo Espírito Santo, por que as profecias da Sociedade não se cumpriram?

“Lá no ano de 613 a.C., Jeová passou por cima do Sumo Sacerdote Seraías e do segundo sacerdote Sofonias, no templo de Jerusalém, e designou Ezequiel, filho de Buzi, um subsacerdote, para ser seu profeta na terra de Babilônia... O mesmo se deu com as testemunhas ungidas e dedicadas de Jeová lá no ano de 1919 d.C. Os fatos desde então provam que receberam sua ordenação, designação e comissão para seu trabalho neste “tempo do fim” do próprio Jeová, mediante sua organização celestial.” (Livro “As Nações Terão de Saber Que Eu Sou Jeová”, publicado em 1973, página 63). “Os fatos provam”? Onde está escrito? Mesmo com essa suposta unção especial o Corpo Governante até agora não acertou uma só profecia; todas elas foram um fiasco, como veremos mais adiante.

“Do mesmo modo, a moderna classe de Ezequiel foi enviada...este grupo de testemunhas ungidas de Jeová... em breve saberão que houve realmente um “profeta” de Jeová entre eles” (Mesmo livro, página 66). O Corpo governante da Sociedade se autoproclama equiparado aos grandes profetas de Deus, como Ezequiel. Eles não dizem que querem ser; afirmam que são. Vejamos as falsas profecias desse “instrumento de Deus”. Registraremos apenas os trechos mais importantes das declarações oficiais da STV.

O fim do mundo virá em 1914

“Em vista desta forte evidência bíblica concernente aos Tempos dos Gentios, consideramos como uma verdade estabelecida que o final definitivo dos reinos deste mundo e o pleno estabelecimento do Reino de Deus estarão cumpridos em fins de 1914 A.D.” (The Time is at Hande (O Tempo Está Próximo, mencionado no livro Testemunhas de Jeová – Proclamadores do Reino de Deus, pg. 53, rodapé), de 1889, pg. 99). Notem que a Sociedade, afirmando possuir informações privilegiadas sobre o fim do mundo, declara que sua profecia é “uma verdade estabelecida”.

Antes de prosseguirmos, vejamos o que disse Jesus sobre o tempo do fim:

“Porém, a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas unicamente o Pai; portanto vigiai, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor; por isso estai vós também apercebidos, porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis” (Mt 24.36,42,44). Na sua condição humana Jesus não sabia, mas agora, ressurreto e glorificado, sabe todas as coisas. O Corpo Governante se colocou em posição superior aos anjos. Somente a ele Deus teria revelado o mês e o ano do estabelecimento definitivo do Reino do Céu. Prossigamos:

“E, com o fim de 1914 A.D., aquilo que Deus chama de Babilônia e os homens chamam de Cristandade, terá passado, conforme já demonstrado pela profecia” (Livro Thy Kingdom Come (Venha o Teu Reino, mencionado no Proclamadores, pg 53, rodapé), de 1891, pg. 153).

“A data do encerramento dessa “batalha” está definitivamente marcada nas Escrituras como sendo outubro de 1914. Ela já está em andamento, seu início tendo se dado em outubro de 1874” (The Watch Tower (A Sentinela), 15.01.1892, pg. 23). O Corpo Governante faltou com a verdade. A Escritura nunca marcou data nenhuma.

“Não vemos razão para mudar os números, nem poderíamos mudá-los, se quiséssemos. Estas são, acreditamos, datas de Deus, e não nossas. Mas tenham em mente que o final de 1914 não é a data do início, mas do fim do tempo de aflições. Não vemos razão para mudar nossa opinião expressa no conceito apresentado na Sentinela de 15 de janeiro de 1892. Aconselhamos que leiam novamente” (A Sentinela, 15.07.1894, pg. 16). Ora, se fossem realmente “datas de Deus”, exclusivamente confiadas ao Corpo Governante, essas datas teriam sido cumpridas e Jesus teria mentido quando disse que ninguém as conhece. Afirmam os autores de “A Verdade sobre as Testemunhas de Jeová” que, hoje, “a Sociedade ensina que 1914 marcou o início do tempo do fim, época de maiores aflições, e não do seu encerramento” (Ibidem, cap 3, pg. 29).

Tentativas de explicar o fracasso da profecia

“A data marcava apenas um ponto de partida quanto ao domínio do Reino” (Livro ´Proclamadores´, 1993, pg 135). Aqui começam a mudar a ênfase do discurso. Em 1894 afirmaram que 1914 era o final e não o início dos templos de aflições.

“Em 1914 alguns Estudantes da Bíblia, como eram então chamadas as Testemunhas de Jeová, esperavam ser “arrebatados em nuvens, para encontrar o Senhor no ar...Um dia, alguns deles foram para um lugar isolado a fim de esperar o evento ocorrer. Entretanto, quando nada aconteceu, foram obrigados a voltar novamente para casa num estado mental bem deprimido. Como resultado, muitos deles caíram da fé” (Anuário das Testemunhas de Jeová de 1983, pg. 120). Notem que o Corpo Governante, que antes definiu como certo o fim de todas as coisas em 1914, agora tenta fugir à responsabilidade pelo fracasso da profecia. Esses “profetas de Deus” nunca confessaram seus erros. O ´Anuário´ de 1978, sobre a Noruega, página 205 diz que “alguns cujas expectativas quanto a 1914 eram demasiadas ficaram desapontados e abandonaram a verdade. Mas, na maior parte, os irmãos continuaram fiéis”. Houve uma baixa considerável. Um grande número de testemunhas ficaram decepcionadas e abandonaram a Sociedade. Não abandonaram a verdade. Ao contrário, abandonaram a mentira e ficaram do lado da verdade. O Corpo Governante, único responsável pelas falsas profecias, faz de conta que não tem nada a ver com o assunto. No Anuário de 1981, página 45, sobre a França, referindo a uma testemunha chamada Emile Lanz, diz que “ele viu 1914 chegar ao fim sem os cristãos serem arrebatados...para encontrar o Senhor no ar, de acordo com o seu entendimento de 1 Tessalonicenses 4.17”. Ora, foi o Corpo Governante quem criou a falsa expectativa de 1914, enganando um número incalculável de incautos, que, em vez de confiar no que diz a Bíblia, confiaram na palavra de homens falíveis, enganadores, sem temor de Deus.

Fim do mundo adiado para 1918 e 1920

“Também, no ano de 1918, quando Deus destruir as igrejas em escala total e os membros das igrejas aos milhões, será nesse dia que, qualquer um que escapar, se voltará para as obras do Pastor Russell para aprender o significado da derrocada do “Cristianismo” (The Finished Mystery (O Mistério Consumado), publicado pela sociedade em 1917, pg. 485). Até para enganar as pessoas é preciso alguma sabedoria. Se 1914 fracassou, como é que marcam nova data tão próxima? Deveriam ter empurrado o fim para vinte anos depois, para que pessoas ficassem mais tempo iludidas.

“Até as repúblicas desaparecerão no outono de 1920. Todos os reinos da terra passarão, serão tragados pela anarquia” (O Mistério Consumado, pg. 258). Nada disso aconteceu.

Fim do mundo adiado para 1925

“Este período de tempo principiando 1.575 anos antes da era cristã, naturalmente terminará no outono do ano de 1925. Desde que outras escrituras definitivamente estabelecem o fato, de que Abrahão, Isaac e Jacó ressuscitarão e outros fiéis antigos, e que estes seriam os primeiros favorecidos, podemos esperar em 1925 a volta desses homens fiéis de Israel, ressurgindo da morte e completamente restituído à perfeição humana,os quais serão visíveis e reais representantes da nova ordem das cousas da terra. Uma vez restabelecido o Reino do Messias, Jesus e sua igreja glorificada...estes ministrarão as bênçãos ao povo... Como previamente temos demonstrado, o grande ciclo de júbilo deve principiar em 1925. Nesta data a parte terrestre do Reino será reconhecida. Podemos seguramente esperar que 1925 marcará a volta às condições de perfeição humana, de Abrahão, Isaac, Jacó e os antigos profetas fiéis, especialmente esses mencionados pelo Apóstolo no capítulo onze de Hebreus. Baseado nos argumentos até aqui apresentados, isto é, que a ordem velha das coisas, o velho mundo está se findando e desaparecendo, e que a nova ordem ou organização está se iniciando, e que 1925 será a data marcada para ressurreição dos anciãos dignos e fiéis, e o princípio da reconstrução, chega-se á conclusão razoável de que milhões dos que vivem agora na terra, ainda estarão vivos no ano de 1925. Então, baseados nas promessas encontradas nas palavras divinas, chegamos à positiva e indiscutível conclusão de que, milhões que agora vivem jamais morrerão” (Milhões que Agora vivem Jamais Morrerão (mencionado no livro Proclamadores, página 78), lançado pela Sociedade em 1920, foi publicado no Brasil em 1923, fragmentos extraídos das páginas 110, 111, 112, 122). Mais um fiasco. Alguém viu Abraão, Isaque, Jacó e outros andando por aí?

“A data de 1925 é ainda mais distintamente indicada pelas Escrituras porque foi fixada pela lei que Deus deu a Israel” (A Sentinela, 01.09.1922, pg 262). “1925 está definitivamente estabelecido pelas Escrituras, marcando o fim dos jubileus típicos´(A Sentinela, 01.04.1923, pg. 106). Onde na Bíblia está fixada essa data? Como pode uma meia dúzia de homens enganar tantos por tanto tempo e ainda conseguir milhões de seguidores em todo o mundo? Uma coisa é certa: os mais novos seguidores dessa seita não conhecem a história das falsas profecias, ou, as conhecem mas têm medo de serem considerados apóstatas e perderem o “amparo” da Sociedade. É possível que muitos fiquem em silêncio pelo temor de enfrentar a tortura das “audiências judicativas” , com seus métodos inquisitoriais,

“Devemos, portanto, aguardar para pouco depois de 1925 assistir o despertar de Abel, Enoque, Noé, Abraão, Isaque e Jacó, Melquisedeque, Jó, Moisés, Samuel, Davi, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel, João Batista, e outros mencionados no capítulo de Hebreus” (The Way to Paradise (O Caminho Para o Paraíso), pg 224, publicado pela Sociedade em 1924). Explicam Cid Miranda e William Gadelha que esse livro, “apesar de pouco conhecido atualmente, é mencionado no Anuário de 1987, página 140).

O Corpo Governante dessa organização sabe conceituar os falsos profetas. Vejam o que ele escreveu no livro Raciocínio à Base das Escrituras, de 1985, pg. 158: “Falsos Profetas – Definição: Indivíduos e organizações que proclamam mensagens que atribuem a uma fonte sobre-humana, que, porém, não se originam do verdadeiro Deus e não estão em harmonia com a sua vontade revelada”. Qual a organização que profetiza mentiras em nome de Deus?

Tentativas de explicar o fracasso da profecia

“O povo de Deus teve de ajustar seu modo de pensar sobre 1925. Pensava-se que então o restante dos seguidores ungidos de Cristo iria para o céu, e que os fiéis homens da antiguidade, tais como Abraão, Davi e outros, seriam ressuscitados como príncipes para assumir o governo da terra como parte do reino de Deus. Veio e foi-se o ano de 1925. Os seguidores ungidos de Jesus ainda estavam na terra como classe. Os homens fiéis da antiguidade não foram ressuscitados. 1925 foi um ano triste para muitos irmãos. Alguns deles tropeçaram; suas esperanças foram despedaçadas. Ao invés de isso [ressurreição dos antigos] ser considerado uma probabilidade, leram que era uma certeza” (Anuário das Testemunhas de Jeová de 1976, pg 146). Observem a tática de eximir-se de qualquer responsabilidade pelo fiasco da profecia. As profecias de 1914 e 1925 foram apresentadas como certeza, e não como probabilidade. Agora dizem que seus seguidores leram mal. Eles atropelam a Bíblia e se apresentam como ungidos do Senhor. Vejam o que disse Jesus: “Não vos pertence saber os tempos ou as épocas que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder” (At 1.7). Sem nenhuma cerimônia nem receio de enfrentar o Justo Juiz nos tempos do fim, eles declaram que as datas anunciadas foram estabelecidas por Deus.

“Os fatos inquestionáveis, portanto, mostram que o “tempo do fim” começou em 1799; que a segunda presença do Senhor começou em 1874...” (A Sentinela, de 01.03.1799, traduzido do inglês). “Os fatos mostram que se trata de um período limitado, com um princípio definido e um fim definido. Começou em 1914, quando Jesus Cristo foi entronizado como rei nos céus” (Livro A Verdade Que Conduz à Vida Eterna, 1968, pg 94). Nota-se que a Sociedade se perdeu num labirinto de datas. Não sabe mais quem, quando, como, onde e porque. Estão perdidos nas masmorras que eles mesmos cavaram. Vejam mais:

“A profecia bíblica mostra que o Senhor devia aparecer pela segunda vez no ano de 1874. A profecia cumprida mostra além de dúvida que ele de fato apareceu em 1874. As profecias cumpridas podem também ser chamadas de fatos físicos; e estes fatos são incontestáveis. Todos os observadores sinceros estão familiarizados com estes fatos, conforme estabelecidos nas Escrituras e explicados na interpretação pelo servo especial do Senhor” (A Sentinela, em inglês, de 01.11.1922). Profecia cumprida? Ninguém viu, ninguém sabe. E mais profecia sobre 1914: “A evidência bíblica mostra que nos ano de 1914 E.C. o tempo de Deus chegou para Cristo voltar e começar a dominar. Visto que a volta de Cristo é invisível...” (Livro Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, 1983, pg. 147). Vejam que a Sociedade agora garante que a profecia foi cumprida, mas que a vinda de Jesus foi invisível. Se foi invisível, como souberam? Antes, a Sociedade afirmava que “o ano de 1878 assinala o tempo para a verdadeira tomada do poder [de Cristo] como Rei dos reis pelo nosso presente, espiritual e invisível Senhor...” (Livro The Time is at Hand (O Tempo Está Próximo), 1889, pg 129. Menos de um século depois essa data foi alterada para 1914: “Isto significa que Jesus Cristo começou a dominar qual rei do governo celestial de Deus em 1914” (Livro Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, 1983, pg 141). As Testemunhas de Jeová teimam em estabelecer uma data para o início do reinado do Senhor Jesus. “O deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos para que não lhes resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus” (2 Co 4.4).

Todas as profecias até aqui registradas são extravagantes e inverídicas, mas a que você verá a seguir supera tudo em termos de heresia. O Corpo Governante declararou recentemente que “em 1918, o entronizado Rei Jesus Cristo encontrou um pequeno grupo de cristãos que haviam abandonado as igrejas da cristandade... Depois de refiná-los como que com fogo, Jesus conferiu aos seus escravos, em 1919, uma autoridade ampliada, e designou-os sobre todos os seus bens” (A Sentinela, 15.03.1990, pg 15). Dizem, portanto, que os membros da Sociedade possuem o domínio, a posse e o controle de todos os bens de Cristo. Eles possuem desde 1919 um poder ampliado. É possível que haja pessoas na plena posse de suas faculdades mentais que acreditem nisso?

A profecia para 1975

O Corpo Governante não pára de fixar datas. Continuam alimentando com falsas esperanças e vãs expectativas milhões de seguidores. Essas datas fazem parte da teologia do medo. Se o tempo está próximo, então se preparem, estejam unidos a nós, a única organização confiável e ungida por Cristo. A Bíblia adverte seriamente para não nos envolvermos com adivinhos: “Não deis ouvidos aos vossos profetas, aos vossos adivinhos, aos vossos sonhos, aos vossos agoureiros e aos vossos encantadores...” (Jr 27.9). Se nenhuma das profecias da Sociedade foi cumprida; se nenhuma delas apóia-se na Bíblia Sagrada, é o caso de perguntarmos se os membros que governam a Sociedade torre de Vigia são profetas de Deus ou do diabo. Deixemos que Deus responda: “Quando o tal profeta falar em nome do Senhor, e o que disse não acontecer nem se realizar, essa palavra não procede do Senhor. Com soberba a falou o tal profeta. Não tenham temor dele” (Dt 18.22). Jesus arremata: “Vós pertenceis ao vosso pai, o diabo, e quereis executar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, pois não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, pois é mentiroso e pai da mentira” (Jo 8.44). “Mas, quanto aos medrosos...e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, que é a segunda morte” (Ap 21.8). “A única organização na Terra que compreende as coisas profundas de Deus” inventou que no ano de 1975 algo extraordinário aconteceria. Vejam:

“Segundo esta cronologia bíblica fidedigna, os seis mil anos desde a criação do homem terminarão em 1975 e o sétimo período de mil anos da história humana começará no outono (segundo hemisfério setentrional) do ano de 1975. Assim, seis mil anos da existência do homem na terra acabarão em breve, sim, dentro desta geração. Dentro de poucos anos em nossa própria geração atingiremos o que Jeová Deus poderia considerar como o sétimo dia da existência do homem” (Vida Eterna na Liberdade dos Filhos de Deus, publicado pelo Corpo Governante em 1966, páginas 27-29). Notem como esses adivinhos fazem especulações em torno de datas e com isso alimentando seus fiéis seguidores. Nada de extraordinário aconteceu na década de 70. E continuam:

“Em que ano, então, terminariam os primeiros 6.000 anos do dia de descanso de Deus? No ano de 1975. Isso significa que dentro de relativamente poucos anos testemunharemos o cumprimento das profecias restantes que têm que ver com o “tempo do fim” (Despertai! De 22.04.1967, pg. 20, artigo com o título “Quanto Tempo Ainda Levará?”, e o subtítulo “Os 6.000 Anos Terminam em 1975”). “Em vista do curto período de tempo que resta, desejamos fazer isso tão amiúde quanto as circunstâncias o permitam. Apenas pensem, irmãos, restam menos de noventa meses até que se completem os 6.000 anos da existência do homem na terra” (Ministério do Reino, informativo interno da organização, de maio/1968, pg. 4). “Devemos presumir, à base deste estudo, que a batalha do Armagedom já terá acabado até o outono de 1975 e que o reinado milenar de Cristo, há muito aguardado, começará então? Possivelmente...” (A Sentinela, 15.02.1969, pg.115).

Agora vejam os conselhos do Corpo Governante aos jovens para que intensifiquem o trabalho gratuito em favor da Sociedade, de venda de revistas e “evangelização”: “Em vista do pouco tempo que resta, a decisão de seguir uma carreira neste sistema de coisas não só é sábia, mas também extremamente perigosa. A muitos jovens irmãos e irmãs se ofereceram bolsas de estudos ou empregos que prometiam bons ordenados. Todavia, eles os rejeitaram e puseram em primeiro lugar os interesses espirituais” (Ministério do Reino, dezembro, de 1969, pg. 3). Entenda-se como “interesses espirituais” os altos interesses da Sociedade. “Depois que 1975 veio e passou, muitos dos que rejeitaram empregos e estudos (em prol do que o Corpo Governante considerava que estava em primeiro lugar) sentiram como estes lhes faziam falta. Deixaram-se levar por uma falsa expectativa criada por humanos e sofreram as conseqüências. Suas amargas experiências jamais foram publicadas em A Sentinela, Despertai! E Ministério do Rein” (A Verdade sobre as Testemunhas de Jeová, pg 67). Em sucessivas publicações, por anos seguidos, a Sociedade tentou manter a chama da falsa expectativa sobre o ano de 1975. O mesmo método foi utilizado com relação às datas anteriores de 1914, 1918, 1920 e 1925. Faltando 15 meses para o início do trágico 1975, a sociedade informou:

“Receberam-se notícias a respeito de irmãos que venderam sua casa e propriedade e que planejam passar o resto dos seus dias neste velho sistema de coisas empenhados no serviço pioneiro. Este é certamente um modo excelente de passar o pouco tempo que resta antes de findar o mundo iníquo” (Ministério do Reino, julho/1974, páginas 3 e 4). Tenho a impressão que esses registros já seriam forte motivo para uma ação judicial contra a Sociedade por perdas e danos. Transcorria o ano de 1975 e a Sociedade ainda alimentava seu rebanho com a falsa profecia: “E agora, neste ano crítico de 1975, pode-se perguntar: Será que o Deus Altíssimo da profecia fez para si um nome? A resposta é óbvia: Sim! Por meio de quem? Não pela cristandade, nem pelo judaísmo, mas pelas testemunhas cristãs de Jeová” (A Sentinela, 15.03.1975, pg. 189).

Tentativa de explicar o fracasso da profecia

“Pode ser que alguns daqueles que têm servido a Deus planejaram sua vida de acordo com um conceito errôneo do que é que deveria acontecer em determinada data ou em certo ano... Mas, eles desperceberam o ponto das advertências bíblicas a respeito do fim deste sistema de coisas, pensando que a cronologia bíblica revelasse uma data específica. Mas não é aconselhável que fixemos a vista em certa data... Caso alguém tenha ficado desapontado...deve agora concentrar-se em reajustar seu ponto de vista, por não ter sido a palavra de Deus que falhou ou o enganou e lhe causou desapontamento, mas, sim, seu próprio entendimento baseado em premissas erradas” (A Sentinela, 15.01.1977, pg. 56-57).

Quem se baseou em premissas erradas? Foram os fiéis seguidores? Quem disse que a cronologia bíblica era fidedigna e que a infalível profecia para 1975 somente foi revelada por Deus às “testemunhas cristãs de Jeová”? Como aconteceu das vezes anteriores, mais uma vez o Corpo Governante procura esquivar-se da responsabilidade pelas mentiras publicadas. Em nenhum momento assume o erro. Nem pedem desculpas aos milhões que foram enganados. Vejam mais como funciona a tática de culpar os outros:

“Criou-se muita expectativa sobre o ano de 1975... publicaram-se outras declarações que davam a entender que tal cumprimento da esperança até aquela ano era mais uma probabilidade do que mera possibilidade”. (A Sentinela, 15.09.1980, páginas 17 e 18).

Desculpas pelas falsas profecias

Diante dos fatos, a Sociedade declarou: “As Testemunhas de Jeová, devido ao seu anseio pela segunda vinda de Jesus, sugeriram datas que se mostraram incorretas Por isso, há quem as chame de falsos profetas. No entanto, nunca nesses casos presumiram que suas predições eram feitas no nome de Jeová” (Despertai!, 22.03.1993, páginas 3 e 4). O Corpo Governante não “sugeriu” datas. As datas foram anunciadas como fato incontestável. Vamos relembrar o que acima foi dito:

A Sociedade declarou que é o canal de Deus para profetizar com acerto:

“Por meio desta agência [da Sociedade], Jeová revela suas verdades, e faz com que se cumpra o profetizar em escala intensificada e sem paralelo” (A Sentinela, 15.12.1964, pág. 749). Portanto, o corpo Governante é o único capaz de profetizar com acerto. “Tem Deus algum profeta para declarar as coisas futuras? Tem. São as testemunhas cristãs de Jeová” (A Sentinela, 01.10.1972, página 58).

A profecia sobre 1914 era uma verdade estabelecida:

“Em vista desta forte evidência bíblica concernente aos Tempos dos Gentios, consideramos como uma verdade estabelecida que o final definitivo dos reinos deste mundo, e o pleno estabelecimento do Reino de Deus estarão cumpridos em fins de 1914 A.D.”

A profecia sobre 1925 era verdade indiscutível:

“Então, baseados nas promessas encontradas nas palavras divinas, chegamos à positiva e indiscutível conclusão de que, milhões que agora vivem jamais morrerão”.


A profecia sobre 1975 decorria de cronologia bíblica fidedigna:

“Segundo esta cronologia bíblica fidedigna, os seis mil anos desde a criação do homem terminarão em 1975”.

Qual será a próxima data?

www.palavradaverdade.com

Cientistas apontam que origem da vida pode estar no barro

Cientistas apontam que origem da vida pode estar no barroA Bíblia afirma no Livro de Gênesis que Deus formou o homem do pó da terra. Este evento pode agora ser confirmado por um estudo realizado por cientistas da Universidade de Cornell, em Nova York.

Liderados pelo professor de engenharia biológica e ambiental Dan Luo, o estudo indica que alguns tipos de argilas facilitaram a formação de moléculas orgânicas que tornam possível a vida no planeta. Essa argila contém uma série de minerais, como alumínio, silício e oxigênio, e sua composição forma uma substância chamada “hidrogel”.
Trata-se de um polímero que forma um conjunto de espaços microscópicos capazes de absorver líquidos, tais como uma esponja, em que são produzidas as reações químicas para a síntese de proteínas, DNA e as células vivas.
O material sugere que “nas origens da história geológica, o hidrogel exerceu a função de contenção de biomoléculas que catalisam reações bioquímicas”. Para testar a sua hipótese, os pesquisadores usaram hidrogéis sintéticos. Ficou comprovado que o material celular formou as proteínas que codificam o DNA.
Hidrogéis de argila poderiam ser um lugar seguro e protegido para as moléculas orgânicas longas, evitando a sua degradação por influência externa, até a membrana que envolve as células vivas foi desenvolvida para criar a chamada “sopa primordial”, onde a vida apareceu, afirmam os pesquisadores.
Esse tipo de barro (argila) mostrou-se um caminho promissor para as biomoléculas, que tendem a aderir à sua superfície, quando ele se comporta como um hidrogel. O professor Luo garante que o hidrogel de argila protege melhor seu conteúdo das enzimas “nucleases” (consideradas prejudiciais) que podem desmantelar o DNA e outras biomoléculas.
Colabora para isso os relatos de eventos geológicos, que coincidiriam com os eventos biológicos. Ainda é preciso estudar como essas máquinas biológicas evoluíram, reconhece Luo. Com informações Telegraph e CBN.

Ao tirar de pauta PLC 122 para não perder voto evangélico PT mostra desrespeito e intolerância

Ao tirar de pauta PLC 122 para não perder voto evangélico PT mostra desrespeito e intolerânciaAo tirar de pauta PLC 122 para não perder voto evangélico PT mostra desrespeito e intolerância
    O PT viu que não será possível ter sua própria igreja até as eleições de 2014. Só até lá, pois assim que passar as eleições pretendem trazer a pauta e aprovar o projeto de lei 122/2006. Como não conseguiu acordo com a bancada religiosa no Senado, o partido decidiu suspender a votação do texto polêmico para não criar inimizade com as igrejas às prévias das eleições.
    Em janeiro de 2012 durante o Fórum Social de Porto Alegre, o ministro Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência, considerado o homem mais importante no PT depois de Lula e seu provável futuro presidente, disse que o partido deveria se preparar para fazer “uma disputa ideológica com as lideranças evangélicas para conquistas a classe C”.
    Pois bem! O PT passou a confrontar os evangélicos. O governo permitiu a imposição do casamento gay. Sim, chamo de imposição, pois legalizado não foi. Para ser legalizado é preciso que haja legislação e não cabe ao Supremo legislar. Lembro que Dilma havia prometido em 2010, quando corria risco de não se eleger, que não tomaria iniciativa de enviar ao Congresso projetos de lei que permitam o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Leia um trecho:
    “Eleita presidente da República, não tomarei a iniciativa de propor alterações de pontos que tratem da legislação do aborto e de outros temas concernentes à família e à livre expressão de qualquer religião no País”.
    “Sou pessoalmente contra o aborto e defendo a manutenção da legislação atual sobre assunto”, continua Dilma, defensora, no passado, da descriminalização da prática e a discussão do tema como questão de saúde pública.
    Dilma também prometeu que, se aprovado pelo Senado o projeto que torna crime a homofobia no País, sancionará apenas “os artigos que não violem a liberdade de crença, culto e expressão e demais garantias constitucionais individuais existentes no Brasil”.
    Ora, caros leitores, mesmo que não tenha agido pessoalmente em favor dos temas polêmicos, Dilma Rousseff seguiu a agenda do partido. E que tenha a agenda que quiser, mas não tente fazer dos evangélicos massa de manobra. Afinal, mesmo que não tenha se manifestado favorável às matérias, também não se manifestou contra.
    Afinal, caros leitores, a decisão do ministro Joaquim Barbosa, através do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que obriga os cartórios de todo o país a celebrar o casamento civil e converter a união estável homoafetiva em casamento, poderia ter sido contestada pela presidente. Mas nem ela, nem o partido se manifestaram contra o que impôs o ministro.
    Ocorre que o partido passou a atacar lideranças evangélicas. Criticou Silas Malafaia em São Paulo por ser contra a candidatura do ex-ministro da educação Fernando Haddad, que havia pautado sua estada no ministério promovendo ações para doutrinar as crianças das escolas a praticarem a homossexualidade. Em seguida miraram seus holofotes para o pastor Marco Feliciano, que em 2010 havia apoiado a candidatura de Dilma, enquanto tentavam livrar os mensaleiros de serem punidos.
    Mas como se nota, o PT parece ter se dado por conta que igreja não é partido político. Por isso, a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, ligou para senadores da base do governo pedindo que o texto só volte a ser debatido depois das eleições. Não porque o partido decidiu ser conservador, continua progressista, mas porque os evangélicos podem influenciar muito nas eleições de 2014. Arriscar pra que?

    FONTE.

    Disfarçados de policiais, dupla rouba e mantém pastor refém

    Um pastor de 21 anos foi assaltado no último domingo (15) no Rio Grade do Sul por dois criminosos que se vestiram com roupas de policiais.
    O crime aconteceu na BR-386, em Paverama, a 72 km de Porto Alegre, os dois homens se aproximaram do pastor e simularam uma abordagem policial.
    Eles conseguiram convencer o jovem a parar o carro e logo em seguida anunciaram o assalto.
    De acordo com o depoimento da vítima, os falsos policiais estavam fortemente armados com pistolas e coletes a prova de balas com a escritura da polícia na frente, o que fez com que ele acreditasse que se tratava mesmo de policiais.
    O pastor foi feito refém e forçado a ficar no banco de trás do carro enquanto os assaltantes fugiam. O jovem foi deixado em uma estrada na zona rural de Paverama e o veículo foi roubado. Com informações G1.

    Se a sua igreja vende voto por tijolo, ela é corrupta, diz Rubens Teixeira

    O teólogo e doutor em Direito Rubens Teixeira participou do programa “Antenados”, da Rede Super, e fez alguns alertas ao povo evangélico sobre o pedido de votos feito por alguns líderes evangélicos.
    O primeiro alerta se refere aos motivos pelos quais esses líderes estão pedindo votos. “Se você não souber o porquê, me desculpe, mas é porque você está sendo alienado”, disse. Teixeira pede cuidado aos eleitores, pois ao votar só pela indicação do pastor o fiel está ajudando a construir um “país alienado”. “Você tem que saber por que você vota”.
    A indicação só vale se o religioso souber explicar o que tal candidato fez de bom para o país. “Deus te dá o livre arbítrio de votar, o Estado brasileiro também dá pela democracia e aí você se deixa enganar por um show”.
    Rubens Teixeira afirmou também que aceitar promover um político em troca de favores é se corromper. “Se a sua igreja vende voto por tijolo, a sua igreja é corrupta e você também. Se a sua igreja pede dinheiro para político de onde ele vai tirar dinheiro?”, questiona.
    O teólogo se refere aos acordos entre líderes e candidatos. Muitas vezes as igrejas abrem espaços para pedir votos e em troca recebe benefícios que acabam saindo dos cofres públicos, caso o candidato ganhe a eleição.
    “Vamos parar com esta patifaria”, diz ele dizendo que o direito ao voto não pode ser tirado por ninguém, independente do título eclesiástico.

    GP