sábado, 27 de abril de 2013

DIVULGUEM POR FAVOR . 05 DE JUNHO 2013 - BRASILIA - Evangélicos se preparam para nova manifestação em Brasília contra a ‘agenda gay’

protesto brasíliaNOVA MANIFESTAÇÃO MARCADA EM BRASILIA - NÃO FIQUE PARADO . LEIA E DIVULGUE .RT INF. 019 9137 1059 8292 7812
Mais uma manifestação dos evangélicos em Brasília deve acontecer em maio, desta vez contra o ativismo gay, informou o bispo Roberto Torrecilhas, mesmo organizador da manifestação em favor da fé que ocorreu no final de março.


  • (Foto: Divulgação)
    Evangélicos protestam em Brasília contra a Lei que visa criminalizar a homofobia, PLC 122.
Torrecilhas, do movimento Grita Brasil, afirmou ao The Christian Post pelo seu Twitter que a próxima manifestação será para cobrar uma postura correta dos governantes diante da agenda gay do país.
“A igreja não pode ficar parada diante de tão grande perigo. A ONU tem colocado a agenda gay como uma das suas principais metas para todos países”, disse ele ao CP.
“Vamos mostrar que os cristãos brasileiros não aceitam essa agenda gay, buscaremos segundo a constituição os nossos direitos.”
Roberto afirmou que diversos cristãos têm recebido ameaças dos “gayzistas”, como os chama, e até mesmo grupos ligados a ONU, pedindo para que “fiquemos calados”.
Roberto ainda denunciou que pessoalmente também recebeu ameaças. Segundo ele, um grupo de moto veio à noite em sua casa e riscou o seu portão com uma faca.
Em declarações anteriores ao The Christian Post, bispo Roberto explicou que a fé cristã está sendo constantemente alvo de ataques.
“Esses ataques orquestrados por pessoas que estão usando o movimento gay para nos atacar”, disse o bispo Roberto ao CP, na época.
Roberto Torrecilhas falou ainda que os esquerditas brasileiros querem trazer desunião para o povo evangélico.
“A esquerda, sabedora que os cristãos evangélicos caminham para a maioridade, tenta trazer ao nosso meio essa desunião, impedindo nosso crescimento.”
“Esse movimento que iniciamos, é para mostrar que a igreja de Jesus caminha unida, embora com diferentes correntes teológicas, nossa Bíblia é a palavra de Deus, e deve ser respeitada”.
Torrecilhas não citou nomes, entretanto, sua iniciativa vem dentro do contexto de inimizade criada pelo movimento gay contra evangélicos, após a eleição do deputado Marco Feliciano à presidência da Comissão de
Direitos Humanos e Minoria na Câmara.
Jean Wyllys, maior opositor de Marco Feliciano na Comissão, tem sido também um dos principais incentivadores da mobilização contra os cristãos na mídia, alegando que eles promovem a homofobia e fundamentalismo religioso.
Entretanto, nada até o momento foi confirmado sobre atos que constassem ser homofóbicos de fato por parte dos cristãos, os quais ele se refere.
Jean Wyllys já chegou a chamar a Bíblia de “mito” e “texto alegórico” e é acusado de denunciação caluniosa contra a psicóloga cristã Marisa Lobo.
Outros líderes do movimento gay também têm proferidos discursos ameaçadores contra cristãos. Em um vídeo divulgado na internet, o Márcio Retamero, que se auto denomina pastor, aparece dizendo que se for preciso pegará em armas para colocar em prática suas ideologias de defesa.


FONTE . http://portugues.christianpost.com/news/evangelicos-se-preparam-para-nova-manifestacao-em-brasilia-contra-a-agenda-gay-15776/

A BÍBLIA EM 100 MINUTOS

Em "A Bíblia em 100 Minutos", o reverendo Michael Hinton seleciona as passagens mais importantes das Escrituras e as explica de maneira didática. Da Gênesis ao Apocalipse, o livro, estruturado em 50 capítulos curtos, traz linguagem moderna para os que desejam conhecer a trajetória de Jesus e os fundamentos do cristianismo. Abaixo, leia um trecho de "A Bíblia em 100 Minutos".

PREFÁCIO
Embora a Bíblia seja o livro mais popular do mundo, é também o menos lido. Além de bastante extensa, é sem dúvida muito complexa: seus 66 livros foram escritos ao longo de mais de 16 séculos, por uma grande quantidade de escritores, cada um com um estilo diferente e numa linguagem que remete a uma época antiga.
Mesmo assim, é a história suprema do amor, a biografia do próprio Deus. A Bíblia em 100 minutos reúne os pontos principais desses relatos em uma narrativa acessível, destinada às pessoas que não têm muito conhecimento da fé cristã, mas desejam saber por que a Bíblia é tão popular, e também àquelas que pretendem ter acesso fácil aos elementos centrais da história do cristianismo.
É um livro claro, sucinto e de leitura simples. No entanto, preciso fazer uma advertência: não deixe de lê-lo por causa da violência revelada nos primeiros capítulos. Esse era o contexto social da época, ao qual Deus enviou o próprio Filho, para que Ele pudesse nos mostrar uma nova maneira de viver.
Diferentemente do texto bíblico tradicional, porém, cuja maior parte é dedicada aos séculos anteriores a Cristo, este livro se concentra na vida de Jesus e no impacto que ele teve sobre a sociedade. A razão disso é que Jesus Cristo é o personagem principal para a compreensão das Escrituras.
É como se ele fosse a grande explosão que aconteceu no centro da história - e a Bíblia, o relato desse impacto. Para compreender plenamente o cristianismo, é preciso entender o contexto no qual a Bíblia foi escrita, os textos em si e o significado das Escrituras para aqueles que as leram pela primeira vez. E é isso que A Bíblia em 100 minutos nos oferece de forma tão simples e prática.

Bispo John Pritchard
Oxford, Inglaterra

1. NO PRINCÍPIO No início, Deus criou o céu e a terra em seis dias. Primeiro, Ele criou a luz e a separou das trevas. Depois, fez a abóbada celeste, apartando a água acima e embaixo dela. Então, fez a terra seca e tudo o que nela cresce. No quarto dia, Deus criou o Sol, a Lua e as estrelas; no quinto, as criaturas do mar e as do céu, e, no sexto, os seres da terra, inclusive a humanidade. No sétimo dia, descansou.
Deus fez o primeiro homem, Adão, do pó da terra, e soprou vida nele. Colocou-o no bonito e fértil jardim do Éden, proibindo- o de comer da árvore do conhecimento do bem e do mal que ali crescia. Por não querer que o homem ficasse só, Deus criou a primeira mulher da costela de Adão e a chamou de Eva. Cedendo à tentação da serpente, a mais astuta das criaturas, Eva provou parte do fruto da árvore proibida e deu um pedaço ao companheiro. Como punição, Deus expulsou os dois do jardim, condenou o homem ao trabalho árduo e a mulher à dor do parto e à submissão ao marido.
Adão e Eva tiveram dois filhos: Caim, que era agricultor, e Abel, pastor de ovelhas. Caim ofereceu a Deus o fruto da terra; Abel ofereceu-Lhe as partes gordas das primeiras crias do seu rebanho. Deus preferiu a oferta de Abel à de Caim, que então ficou irado e assassinou o irmão. Como punição, Deus sentenciou Caim a tornar-se para sempre um fugitivo errante. Adão e Eva tiveram mais filhos. E assim a raça humana se espalhou e se multiplicou.
Nas gerações seguintes, como a humanidade se tornou cada vez mais perversa, Deus decidiu que seria necessário um novo começo. Então escolheu Noé, o único homem íntegro da época, e lhe ordenou que construísse uma arca grande o bastante para abrigar sua família e um par de cada espécie das criaturas vivas. Depois, Deus enviou o dilúvio, com o qual destruiu todos os demais seres viventes. Quando as águas baixaram, o Senhor criou o arco-íris como um sinal de que jamais destruiria sua criação outra vez.
Depois que o mundo foi repovoado, houve um tempo em que todos falavam a mesma língua. Os povos migraram para a planície fértil de Sinear, entre os rios Tigre e Eufrates. Lá, decidiram construir uma cidade chamada Babel e uma torre que chegaria ao céu. Para impedi- los, Deus confundiu a língua que falavam, a fim de que não entendessem mais uns aos outros, e dispersou-os por toda a terra.

Gênesis 1-11

"A Bíblia em 100 Minutos"
Autor: Michael Hinton
Editora: GMT
Páginas: 112
Livraria da Folha

O POVO JUDEU: PASSADO, PRESENTE E FUTURO GLORIOSO


Ao estudarmos as profecias da Bíblia, veremos facilmente que os judeus são um tema principal de toda a revelação profética bíblica.
As Escrituras revelam que os judeus são "a menina dos olhos de Deus" (Zacarias 2:8), a sua terra é descrita como "santa" (Zacarias 2:12), e a sua cidade - Jerusalém - é considerada "o centro das nações" (Ezequiel 5:5).
Os judeus são também apresentados na Bíblia como uma infiel esposa de Deus (Ezequiel 16 e Livro de Oséias), objectos da ira de Deus (Jeremias 30:7), mas também da Sua graça (Zacarias 13:1) nos finais dos tempos.
O panorama profético relativo aos judeus é impressionante: aplica-se ao passado, ao presente e ao futuro! E esse panorama demonstra o amor e graça de Deus como nada mais consegue fazer a não ser a Cruz de Cristo.
O próprio apóstolo Paulo ficou tão sobrepujado pela paciente determinação de Deus em trazer à salvação um remanescente dos judeus, que exclamou em êxtase: "Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os Seus juízos, e quão inescrutáveis os Seus caminhos!" (Romanos 11:33).
Vejamos então as incríveis profecias que pertencem ao povo judeu, iniciando com aquelas que já se cumpriram:

PROFECIAS JÁ CUMPRIDAS:

1 - DISPERSÃO - Os judeus foram repetidamente avisados de que seriam dispersos por todo o mundo caso não fossem fiéis à sua aliança com Deus. Consideremos as palavras de Moisés: "O Senhor vos espalhará entre todos os povos, desde uma extremidade da terra até à outra..." (Deuteronómio 28:64). Ver também Levítico 26:33.


2 - PERSEGUIÇÃO - O Senhor avisou também os judeus de que eles seriam perseguidos para onde quer que fossem. Uma vez mais as palavras de Moisés são claras a este respeito: "E nem ainda entre estas nações descansarás, nem a planta de teu pé terá repouso; porquanto o Senhor ali te dará coração agitado, e desfalecimento de olhos, e desmaio da alma." (Deuteronómio 28:65).

3 - DESOLAÇÃO - Deus prometeu que depois da dispersão a terra dos judeus se tornaria "desolada", e que as suas cidades se tornariam "desertas" (Levítico 26:33). Moisés acentuou ainda mais a questão desta forma: "...o estrangeiro que virá de terras remotas...dirá: 'Toda a sua terra abrasada com enxofre e sal, nada produzirá nem nela crescerá erva alguma.' " (Deuteronómio 29:22-23).

4 - PRESERVAÇÃO - Mas Deus na Sua maravilhosa graça prometeu que iria preservar os judeus como povo separado durante as suas peregrinações pelo mundo inteiro (Ver Isaías 66:22; Jeremias 30:11; 31:35-37). Isaías coloca-o de forma bem expressiva. Ele diz que o Senhor não pode esquecer Israel da mesma forma que uma mãe o seu bébé recém nascido (Isaías 49:15). E depois ainda acrescenta que Deus não pode esquecer Israel porque tem o Seu povo gravado nas palmas das Suas mãos! (Isaías 49:16).

Deus cumpriu todas estas quatro profecias nos últimos 2 mil anos. No ano 70 d.C. os romanos destruíram a cidade de Jerusalém e levaram a nação judaica ao cativeiro, deixando a terra desolada e espalhando o povo judeu pela face da terra. Tal como havia sido profetizado, onde quer que foram eram perseguidos, com a sua perseguição culminando no Holocausto nazi da 2ª Guerra Mundial.

Mas Deus também preservou os judeus, e o cumprimento desta profecia tem sido um dos mais marcantes milagres da História. Nenhum outro povo foi tão dispersado e contudo sido capaz de reter a sua identidade como nação.

PROFECIAS ACTUAIS

Somos privilegiados por vivermos numa época em que Deus está cumprindo muitas profecias relacionadas aos judeus. Quão grande é esse testemunho para a realidade de que Deus está bem vivo, que está assentado no Seu trono e em controle, e de que Deus é fiel às Suas promessas!

1 - REAJUNTAMENTO - Os profetas do Velho Testamento prometeram repetidamente que chegaria o dia em que Deus irá reunir o Seu povo judeu na Terra da promessa (ver Isaías 11:10-12 e Ezequiel 36:22-28). Este assinalável reajuntamento dos judeus desde os quatro cantos da terra tem ocorrido durante o nosso período de vida.

A Primeira Guerra Mundial preparou a terra para o povo, quando o controle da Palestina foi transferido de uma nação que odiava os judeus (os turcos) para uma nação que favorecia o seu retorno (Grã-Bretanha). O Holocausto da Segunda Guerra Mundial preparou o povo para a terra, motivando-o a regressar.

2 - NAÇÃO - Os profetas afirmaram que quando o povo fosse ajuntado, a nação de Israel seria restabelecida. Isso ocorreu em 14 de Maio de 1948 (Ver Isaías 66:7-8; Zacarias 12:3-6). Este é o evento profético fundamental da nossa época. É um acontecimento que os estudiosos das profecias têm apontado desde há 400 anos a meio de muito escárnio e ridicularização por parte daqueles que não acreditavam que Israel voltasse alguma vez a existir como nação.

3 - RECUPERAÇÃO - Deus prometeu que com o restabelecimento da nação, a terra iria florescer (Isaías 35:1-7; Joel 2:21-26). Nas palavras de Ezequiel: "Esta terra assolada ficou como o jardim do Éden!" (Ezequiel 36:35). E é isso exactamente que as pessoas expressam quando visitam Israel, pois é uma vez mais uma terra de leite e mel. Mais de 300 milhões de árvores já foram plantadas neste século. As chuvas aumentaram 450 por cento. Os antigos pântanos infestados de malária foram convertidos em terra cultivável. A água do Mar da Galiléia está sendo canalizada para os desertos, fazendo com que eles floresçam.

4 - LÍNGUA - Quando os judeus foram dispersos por todo o mundo no primeiro século, deixaram de falar a língua hebraica. Os judeus que se estabeleceram na Europa desenvolveram uma língua chamada Yiddish (uma combinação de hebraico e alemão). Os judeus na bacia do Mediterrâneo misturaram o hebraico e o espanhol, produzindo uma língua chamada Ladino. O profeta Sofonias anteviu um tempo em que a língua hebraica seria revivificada (Sofonias 3:9). E assim foi. Os israelitas falam agora o hebraico bíblico. É o único exemplo na História da ressurreição de uma língua morta. O homem que Deus usou para revivificar a língua foi Eliezer ben Yehuda (1858-1922).

5 - JERUSALÉM - Jesus disse que um dos sinais mais claros do Seu iminente retorno seria a reocupação de Jerusalém pelos judeus (Lucas 21:24). Isso ocorreu durante a Guerra dos Seis Dias, em Junho de 1967.

6 - PODER MILITAR - Zacarias profetizou que quando os judeus fossem restabelecidos na sua terra, o seu poder militar seria impressionante - como "um facho de fogo entre molhos" - e que eles "consumiriam" todos os povos à sua volta (Zacarias 12:6). Será que alguma coisa precisa de ser acrescentada sobre o cumprimento desta esta profecia?

7 - PONTO FOCAL - Israel é sempre retratado como o ponto focal das políticas mundiais dos últimos dias (Zacarias 12:3; 14:1-9). Isto tornou-se real desde o boicote árabe ao petróleo em 1973. O Ocidente reconheceu de um dia para o outro a sua dependência do petróleo árabe e começou a alinhar-se atrás da obsessão árabe de aniquilar Israel.

PROFECIAS FUTURAS

1 - TRIBULAÇÃO - Deus colocará o povo judeu no meio de um período de tribulação sem paralelo (Deuteronómio 4:30), durante o qual dois terços dos judeus irão perecer (Zacarias 13:8-9). O propósito será amolecer os corações de um remanescente para que possam receber Jesus como seu Messias.

2 - SALVAÇÃO - Um remanescente dos judeus irá "olhar para Ele, a Quem trespassaram"  e o receberão como Senhor e Salvador (Zacarias 12:10; Romanos 11:1-6; 25-29).


3 - PRIMAZIA - Deus irá então ajuntar todos os judeus crentes em Israel onde serão estabelecidos como a nação de primazia no mundo durante o reino milenar de Jesus (Deuteronómio 28:1, 13; 2 Samuel 7:9; Isaías 60-62; Miquéias 4:1-7).

O INFINITO AMOR DE DEUS

Deus deixou os judeus e colocou-os sob disciplina por causa da sua desobediência, mas não os cortou da Sua graça.
Ele tenciona trazer de volta a casa a Sua esposa rebelde: "Porque os filhos de Israel ficarão por muitos dias sem rei, e sem príncipe...Depois tornarão os filhos de Israel, e buscarão ao Senhor seu Deus...e temerão ao Senhor, e à Sua bondade, no fim dos dias." (Oséias 3:4-5).
A bondade e fidelidade de Deus em manter as Suas promessas ao povo judeu deveriam ser uma fonte de encorajamento para todos os cristãos. Ao vermos Deus a cumprir as Suas promessas que Ele fez ao povo judeu há milhares de anos, podemos estar absolutamente certos de que Ele será fiel para cumprir todas as promessas que Ele fez à Igreja.

Shalom, Israel!

Maioria dos evangélicos não se preocupa com a espiritualidade dos outros

 
Maioria dos evangélicos não se preocupa com crescimento espiritual dos outrosQuase três em cada quatro fiéis (74%) dizem ter relações significativas com as pessoas que frequentam a mesma igreja, mas menos da metade pretendem ajudar os outros crentes a crescer na fé. Esta é a conclusão de um estudo sobre discipulado divulgado pela LifeWay Research.
O levantamento identifica “Construir Relacionamentos”, como um dos oito atributos do discipulado que estão presentes na vida dos cristãos espiritualmente maduros. Essa pesquisa faz parte de um estudo amplo sobre o que se espera do discipulado nas igrejas evangélicas.
Os resultados revelam uma aparente despreocupação dos fiéis em exercer influência na vida de outros cristãos. Por exemplo, apenas 53% dos entrevistados afirmaram que concordam com a declaração “Eu realmente tento conhecer as novas pessoas que encontro na igreja”.
Além disso, apenas 42% dizem que intencionalmente passam tempo com os outros crentes com o objetivo de ajudá-los a crescer em sua fé. Já 28% reconhecem que não ajudam os outros membros da igreja a crescer.
Scott McConnell, diretor da LifeWay Research, explica que, “Os publicitários sabem que é necessário expor uma pessoa várias vezes à mesma coisa para chamar a atenção delas. Infelizmente, um visitante na igreja acaba precisando voltar de cinco a seis vezes em uma igreja antes que alguém se importe o suficiente para oferecer ajuda”.
A pesquisa confirma que a melhor maneira de se construir relacionamentos na igreja é participar de pequenos grupos de estudo nas casas ou classes bíblicas no templo com poucos alunos.  De acordo com a LifeWay, 33% dos fiéis frequentam as reuniões desse tipo em média quatro vezes por mês. Uma parte menos, 14%, participa duas ou três vezes por mês. Enquanto 12% afirmam comparecer apenas uma vez por mês. Por outro lado, 40% dizem que não frequentam nenhum grupo.
“A Bíblia coloca o bom relacionamento entre os cristãos como um investimento no Reino”, disse McConnell. ”Na verdade, Hebreus 10:24 refere-se à necessidade de os cristãos serem estimulados mutuamente a praticar o amor e as boas obras.” Com informações Urban Christian News.GP

Gideões 2013: Pastor Abner Ferreira pede santificação aos fiéis


Gideões 2013: Pastor Abner Ferreira pede santificação aos fiéis Pastor Abner Ferreira pede santificação aos fiéis nos Gideões
Na manhã deste sábado (27) o pastor Abner Ferreira, presidente da Assembleia de Deus em Madureira, um dos principais líderes evangélicos do país, foi recebido no 31º Congresso Internacional de Missões dos Gideões Missionários da Última Hora como um dos preletores.
O líder voltou a manifestar apoio ao deputado federal, pastor Marco Feliciano (PSC/SP), e pediu compromisso e humildade ao parlamentar à frente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados.
Abner Ferreira foi um dos primeiros a pedir a permanência de Feliciano diante das críticas de ativistas de movimentos gays. O líder também é um dos responsáveis pela mobilização que pretende reunir milhares de evangélicos em Brasília, no dia 5 de junho, para marcar posição contra o casamento gay, o aborto e o Projeto de Lei 122, que criminaliza a opinião contra a prática homossexual.
Na mensagem ministrada no Congresso dos Gideões, Abner Ferreira pediu mais santificação das autoridades evangélicas e dos pregadores conferencistas, que segundo ele, não tem levado cartas de recomendação nem participado da Santa Ceia há anos, “não congregam e não participam de cultos de doutrina”.
O líder também alertou para a humildade dos cristãos e ilustrou dizendo que a vida é uma roda gigante; “um dia você está por cima, outro esta por baixo”, falou Abner.
Milhares de evangélicos vindos de diversas partes do Brasil estarão na cidade catarinense para acompanhar as reuniões.

GOSPEL PRIME

SEGUE OS PREPARATIVOS PARA A MANIFESTAÇÃO DO GRITA BRASIL EM BRASILIA

Nós do movimento GRITA BRASIL estamos em pleno trabalho para a realização da manifestação em Brasília em favor da liberdade de expressão e da fé cristã.
Não podemos ficar calados e deixar que uma dúzia de parlamentares sem escrúpulos ditem regras para ferir  toda uma nação  CRISTÃ .

JUNTE SE A NÓS .GRITE TAMBÉM

DIGA NÃO AOS CRISTOFOBICOS .
DIGA NÃO AO HITLERIALIZMO GAY  QUE QUEREM IMPLANTAR NO BRASIL.
 

05/ JUNHO  / 2013  / A PARTIR DAS 15  HORAS / EM FRENTE AO CONGRESSO NACIONAL - BRASÍLIA -
INF. 019 9137 1059 - 019 8292 7812

Rubens Teixeira ganha quadro no Programa Reencontro na TV Brasil

Rubens Teixeira ganha quadro no Programa Reencontro na TV Brasil
O pastor Rubens Teixeira vai estar todos os sábados no Programa Reencontro, na TV Brasil, dando dicas para profissionais que querem ter sucesso na carreira.
A atração apresentada por William Douglas vai ao ar a partir das 7h45 e dentro do programa Teixeira vai comandar o quadro “O Reencontro e o Sucesso”.
As dicas serão direcionadas para quem está com problemas no trabalho, na profissão, está desanimado ou tem passado por demissões constantes. Todas as dicas estão baseadas no livro “As 25 Leis Bíblicas do Sucesso”, o mais novo livro de Rubens Teixeira que tem como co-autor o apresentador do Reencontro.
Os telespectadores poderão aprender como alcançar o sucesso profissional e a excelência através de experiências que os próprios autores tiveram.
Serviço:
Programa Reencontro – TV Brasil
Todos os sábados às 7h45
Saiba como sintonizar o canal:
tvbrasil.ebc.com.br.

ANGOLA SUSPENDE ATUAÇÃO DE IGREJAS EVANGELICAS BRASILEIRAS EM SEU TERRITÓRIO.

A reação do governo de Angola à morte de 16 pessoas em um culto da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) na capital Luanda, em 31 de dezembro, põe em xeque a expansão de igrejas evangélicas brasileiras em um dos países africanos em que elas têm maior influência.
Após uma comissão de inquérito concluir, no domingo, que a superlotação no estádio da Cidadela, onde as pessoas morreram pisoteadas ou asfixiadas, foi causada por "publicidade enganosa", o Executivo angolano ordenou que a IURD suspenda suas atividades por 60 dias.
Segundo a comissão, 152 mil pessoas se dirigiram para um estádio com capacidade para 30 mil atraídas pelo slogan "O Dia do Fim: venha dar um fim a todos os problemas que estão na sua vida: doença, miséria, desemprego, feitiçaria, inveja, problemas na família, separação, dívidas etc".
O governo incumbiu a Procuradoria Geral da República de investigar o incidente, que deixou outras 120 pessoas feridas. Em resposta, a igreja informou que tomará as medidas cabíveis para restabelecer suas operações e lamentou a "detenção de pastores da IURD em diversas localidades de Angola, bem como a presença de viaturas policiais em nossos templos".
A suspensão se estendeu a outras seis igrejas evangélicas - ao menos três das quais brasileiras, como a Igreja Mundial do Poder de Deus, do pastor Valdemiro Santiago - por, segundo o governo, recorrerem "às mesmas práticas que as da IURD" e operarem sem licença no país.
Embora a suspensão seja temporária e não se saiba quais serão os resultados da investigação, a decisão tem sido interpretada como uma possível mudança na relação do governo angolano com a Universal e outras igrejas neopentecostais.
Segundo observadores, a nova postura, além de responder à cobrança popular pela responsabilização dos culpados, reflete a percepção de que essas igrejas cresceram de forma descontrolada nos últimos anos. A posição sinalizaria também a intenção do governo de se aproximar da Igreja Católica, uma das maiores críticas da gestão do presidente José Eduardo dos Santos, no poder desde 1979.
História
Ex-colônia portuguesa e uma das maiores economias africanas, Angola entrou na órbita da Universal em 1992. Desde então, outras denominações neopentecostais brasileiras cruzaram o Atlântico para se instalar no país e em outras nações africanas. A Universal, a maior delas em número de fiéis, hoje está presente em 35 dos 48 países da África Subsaariana.
Em Angola, um dos seus maiores palcos no continente, ao lado da África do Sul, ela diz contar com 500 mil seguidores, o equivalente a 2,7% da população. Desde a suspensão, moradores de Luanda relataram à BBC Brasil que alguns fiéis têm se dirigido ao principal templo da igreja na cidade, no bairro do Alvalade. Ao encontrar as portas fechadas, eles se ajoelham e oram do lado de fora do imponente edifício neoclássico, acompanhados por auxiliares da igreja.
A influência da Universal em Angola, porém, vai muito além de seu número de seguidores: a Record, canal controlado pela igreja, é uma das sete emissoras veiculadas pela TV angolana. Como no Brasil, parte da programação da emissora é ocupada por cultos da IURD.
A igreja também distribui em Angola seu diário Folha Universal e tem uma rádio no país.
A IURD conta ainda com uma agência de caridade, a Associação Beneficente Cristã Angola, e está representada na política local. O governador da província de Luanda, Bento Francisco Bento, é tido como um dos principais porta-vozes da igreja no MPLA, o partido governista.
Seus 230 templos estão presentes em todas as províncias e, em 2012, a igreja abriu em Luanda sua primeira unidade voltada às dezenas de milhares de operários chineses que vivem no país. Em setembro, a igreja celebrou seu primeiro matrimônio de um casal chinês em Angola.
Santa Maria
Muitos dos que apostavam que as relações da Universal com o governo angolano eram inabaláveis se surpreenderam com a suspensão da igreja e das outras denominações.
Blogueiros e sites independentes angolanos sugeriram possíveis razões para a decisão: a pressão nas redes sociais pela responsabilização dos culpados, turbinada pela grande repercussão em Angola da tragédia de Santa Maria; a insatisfação com o crescente poder de igrejas estrangeiras; o desempenho ruim do partido governista na eleição de 2012 em algumas áreas onde essas denominações têm grande número de fiéis; e o desconforto com a remessa de valores arrecadados por algumas igrejas para seus países-sede.
Acredita-se, ainda, que o governo aproveitou o episódio para exercer maior controle sobre a criação de novas igrejas no país. Em 2011, a ministra angolana da Cultura disse que cerca de 1,2 mil igrejas aguardavam por legalização no país. Já têm licença para operar em torno de 80 igrejas, entre as quais a Universal.
Uma das últimas denominações a expandir sua atuação para Angola foi a Missão Evangélica Shammah, que tem o jogador de futebol brasileiro Rivaldo como patrono. Em 2012, enquanto atuava por um time angolano - o Kabuscorp - ele financiou a construção de um templo da igreja, inaugurado em outubro.
Outros analistas, porém, se dizem céticos quanto à reação do Executivo à tragédia. Em entrevista à rede alemã Deutsche Welle, o jurista David Mendes classificou a suspensão da IURD como uma "ação de charme" do governo, que não terá efeitos maiores.
Sotaque brasileiro
Ainda que a Universal esteja em Angola há 20 anos, muitos angolanos continuam a associá-la ao Brasil. Isso se deve, em parte, ao sotaque brasileiro empregado por seus pastores (inclusive angolanos), motivo de piadas entre humoristas locais.
Em outros círculos, como em universidades e na imprensa privada, a igreja enfrenta maior resistência. Como no Brasil, entre antropólogos e estudiosos de religiões, é comum a crítica de que a Universal e outras igrejas neopentecostais estigmatizam crenças africanas.
Essas crenças mantêm grande influência em Angola, embora o cristianismo seja considerada como a principal fé do país. Segundo estudiosos, muitas igrejas neopentecostais contribuem para que essas crenças sejam tão discriminadas que ser chamado de "feiticeiro" ou "macumbeiro" é considerado muito ofensivo para boa parte dos angolanos.
Já a igreja diz que busca desmistificar apenas crenças nocivas, como as que estigmatizam albinos, e exalta suas atividades beneficentes no país, como campanhas de combate à Aids.
Outra crítica comum à Universal diz respeito a seus métodos para arrecadar recursos, por meio de dízimos.
Alguns acadêmicos, porém, condenaram a decisão do governo de suspender a igreja. Em entrevista à Rádio França Internacional, o cientista social Nelson Pestana disse que a atitude do governo violou a liberdade de religião e de culto resguardada pela Constituição do país.
A IURD não respondeu a um pedido da BBC Brasil para comentar queixas sobre sua atuação no país. Em nota sobre a suspensão, a igreja diz que tem colaborado com autoridades locais para esclarecer as causas da tragédia e que "prestou o apoio possível aos feridos e aos familiares das vítimas".
A igreja afirma ainda que não foi comunicada oficialmente pelo governo angolano sobre a suspensão e que respeita as leis nos mais de 180 países onde atua. As outras igrejas suspensas não comentaram a decisão.
O Itamaraty disse à BBC Brasil que não foi procurado pelas igrejas e que não tem notícias sobre brasileiros afetados pela medida. Porém, se o clima entre as denominações e o Executivo angolano piorar ainda mais - o que muitos consideram improvável - espera-se que o ministério seja acionado para esfriar os ânimos e evitar que o conflito contamine outros campos da relação Brasil-Angola, considerada estratégica por Brasília.

FONTE . BBC BRASIL / TERRA

CHINA QUER ACABAR COM TODAS IGREJAS EVANGÉLICAS NO PAÍS.

O governo da China está lançando uma campanha de três fases para erradicar todas as igrejas evangélicas do país. Esse foi o teor do comunicado divulgado em abril pela Associação de Ajuda à China, ONG que envia missionários para solo chinês.
A estratégia do governo foi claramente delineada em um documento divulgado em setembro passado, durante uma aula de treinamento gerido pela Administração Estatal para Assuntos Religiosos da China.
De janeiro a junho deste ano, o documento revela que as autoridades locais estão conduzindo uma investigação completa, para listar as igrejas de todo o país que funcionam nas casas chinesas, e fazer dossiês completos sobre cada uma delas.
Na fase dois, nos  dois anos seguintes, as autoridades irão encorajar as “igrejas não registradas” para se filiar ao Movimento Patriótico da Tríplice Autonomia, que monitora tudo o que acontece nos templos. A fase três, a ser concluída em até 10 anos, as igrejas que se recusam a seguir as regras seriam fechadas e os líderes condenados.
Os funcionários do governo também devem banir as palavras “igreja nos lares” de todos os relatórios sobre igrejas em sites e outros meios de comunicação. Agora, só podem usar o termo “reuniões em casas”, um termo que remete aos grupos reunidos em sites afiliados ao MPTA.
Em uma pesquisa recente, conduzida em várias províncias chinesas, mais de 95% dos líderes de igrejas caseiras disseram que já sentiram o impacto dessas investigações, enquanto 85% disseram que investigadores  já haviam feito um dossiê sobre seu grupo.
“Desde o início de 2012, temos notado um aumento na freqüência da perseguição”, disse a Associação de Ajuda à China em um comunicado de imprensa.  “Além da perseguição contínua das igrejas em Pequim, o número de casos semelhantes aumentou 20% em comparação ao  ano passado e se espalhou para outras áreas, incluindo ações contra educação, publicação e livrarias cristãs.”
A campanha foi lançada em dezembro de 2010 através de um documento intitulado “Operação Repressão”, emitido pelo Comitê Central do Partido Comunista.  Esta diretriz pedia às autoridades de todos os níveis para “levar” os cristãos das igrejas nos lares a freqüentar  somente as igrejas registradas e aprovadas pelo governo e acabar com igrejas grandes que se reúnem também em  grupos menores.
A Igreja Shouwang, que reúne mil membros, viu a pressão aumentar muito nos últimos meses.  ”No ano passado … a nossa experiência com o Senhor era diferente a cada semana. Foi  Sua graça e paz que nos protegeram e nos sustentaram até agora “, declara um líder da igreja
Essa operação também irá registrar todos os pastore, como uma maneira de continuar controlando o crescimento cristão e o surgimento de novas igrejas. Esse  processo deverá estar concluído até o final de 2012, segundo um comunicado oficial.
Segundo o documento divulgado em setembro passado, o governo planeja usar “medidas humanas da lei de execução” para alcançar a erradicação total de igrejas nos lares.  Ou seja, pastores que se negarem a cumprir a lei serão mortos por desobedeceram a lei.
Traduzido e adaptado de Charisma News

Igrejas evangélicas brasileiras crescem em Moçambique

Maputoigreja (Moçambique) – De bata africana prateada com detalhes em azul, Santiago sai do carro e sobe no palco em meio a seguranças vestidos de preto, gritos e acenos. Quando ele aparece, a multidão – formada em sua maioria por jovens – abre faixas com seu nome, agita bandeiras e manda beijos. Ele agradece e sorri de volta. Luzes e música completam o cenário.
Não se trata de ídolo sertanejo, astro de novela ou vencedor de reality show. Valdemiro Santiago é o líder da Igreja Mundial do Poder de Deus. Como faz anualmente, ele veio a Moçambique para um culto de Natal e para se reunir com bispos, pastores, obreiros e seguidores da igreja, fundada em 1998 em Sorocaba (SP), depois que ele decidiu deixar a Igreja Universal do Reino de Deus, da qual foi pastor e bispo por quase 20 anos.
“Somos filhos da África e eu já morei aqui”, diz Santiago à reportagem da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), carregando uma grande Bíblia na mão direita e acompanhado da mulher. “Tenho impressão de que, quando nos juntamos, é como se as nossas raízes começassem a se manifestar. Estou muito feliz de estar aqui. Glória a Deus! Obrigado Jesus”, diz, lembrando que também irá passar pela África do Sul e por Angola.
Minutos depois, o mineiro de Palma, de 47 anos, começa o culto: “Deus vai fazer milagres hoje aqui. Você vai ver gente curada agora. Paralítico vai andar, as dores vão sumir”. Gritos são ouvidos pela plateia, que ocupa boa parte do gramado da Praça da Paz, em Maputo. Pastores acodem quem passa mal e muletas são erguidas no ar. Exatamente como na TV, nos cultos transmitidos diariamente em uma emissora moçambicana (KTV) e várias brasileiras.
A Igreja Mundial é só uma das várias denominações evangélicas brasileiras que cresceram muito na África nos últimos anos. Pelas ruas de Maputo - e de outras cidades africanas, como Joanesburgo (África do Sul), Luanda (Angola) e Praia (Cabo Verde) - é possível ver várias construções com o coração vermelho e a pomba branca que identificam a Igreja Universal do Reino de Deus (ou Universal Church of the Kingdom of God, nos países de língua inglesa). Placas nas calçadas mostram onde se reúnem os seguidores da “Deus É Amor” em Maputo, “fundada em 1962 pelo missionário David Miranda”, como indica o letreiro.
O cristianismo chegou à África com os colonizadores europeus. Em Moçambique, a religião foi trazida pelos portugueses católicos. De acordo com o 3º Censo da População (2010), 5,7 milhões dos 20,2 milhões de moçambicanos são cristãos. Cerca de 3,1 milhões são protestantes de igrejas tradicionais e 2,9 milhões são evangélicos pentecostais. O islamismo chegou antes à região, principalmente, na parte Norte do país e, atualmente, cerca de 3,6 milhões de pessoas se declaram muçulmanas. Se declaram seguidores de crenças africanas, 3,7 milhões de moçambicanos. Mas, como no Brasil, vários adeptos de uma religião não deixam de ir ao curandeiro ou de pedir proteção aos espíritos.
Durante os anos de governo socialista, o Natal foi oficialmente substituído no calendário moçambicano pelo Dia da Família. Mas, hoje em dia, árvores coloridas e bonecos de Papai Noel (chamados de Pai Natal, à moda portuguesa) vestidos para o frio voltaram a ocupar as vitrines das lojas, em meio aos 40 graus Celsius comuns nesta época do ano.
O Jesus Cristo das igrejas evangélicas chamadas neopentecostais é o mesmo; a Bíblia também. Mas cada pastor tem seu rebanho. Algumas igrejas pedem abertamente a contribuição do dízimo, obrigação de que nem mesmo os habitantes dos países mais pobres do mundo parecem estar isentos. Outras fazem questão de indicar que o foco é outro. “Aqui não se vende milagre”, diz o apóstolo Santiago, durante pregação na última terça-feira (22) em Maputo. “E quem faz milagre é Deus, não é punhado de sal grosso”.
Mesmo tentando marcar diferenças, em pelo menos um aspecto as denominações evangélicas vindas do Brasil parecem estar de acordo: o combate ao que chamam de “feitiçaria, magia negra, coisas do demônio”, que acabam associadas às práticas de curandeiros e médicos tradicionais, tão comuns em toda África.
“Não há choque de culturas”, assegura o bispo da Mundial em Maputo, Leonardo Germano, nascido no Rio de Janeiro. “Para nós, estar aqui é uma grande alegria. Não queremos comparar ou dizer qual é melhor. Só queremos levar a palavra de Deus aos que sofrem”, diz, também de bata africana, branca com elefantes azuis desenhados no tecido.
Para Fernando Mathe, porta-voz da Associação Moçambicana de Médicos Tradicionais (Ametramo), o relacionamento podia ser melhor. “Os médicos tradicionais ficam até revoltados”, afirma. “Eles não gostam de ver suas práticas, cultura de tanto tempo, serem chamadas de lixo”. Ele acredita que é possível melhorar essa situação com mais de diálogo. “Eu quero propor a eles uma grande reunião, uma conversa. Eles [as igrejas evangélicas] fazem bem ao povo, todos veem isso”, afirma, citando o trabalho social que as igrejas realizam no país. “Mas é preciso melhorar essa parte [relacionamento] conosco”.
Fernando conhece bem as diferenças entre evangélicos e médicos tradicionais: o pai dele é pastor há 40 anos. Romão Mathe passou a seguir a Igreja Cristã Zion – surgida nos anos 20 na África do Sul – depois de, segundo ele próprio, ter sido curado de uma inflamação na barriga. Como o filho, o pai de Romão também era médico tradicional. E, segundo Romão, nunca houve problemas na convivência.“Um salva com a imposição da mão; outro salva com o espírito. Mas é a mesma coisa – todos querem fazer o bem”, afirma.
“A igreja cristã tem um 'deus ciumento', mas, até agora, esse cruzamento de culturas tem sido positivo”, acredita Silvério Ronguane, chefe do Departamento de Ciências Aplicadas do Instituto Superior de Relações Internacionais de Moçambique. “É preciso manter um entendimento.”
Ele acredita que as “igrejas brasileiras” ajudam a reorganizar a vida social de muita gente que saiu do interior do país sem a família (vários empurrados pela Guerra Civil, que acabou em 1994) e perdeu suas referências. “A cultura africana funciona com base na família, clã, tribo. Os expatriados, ao vir de sua aldeia para cidade, já não têm esse conforto. Então acabam por ser as religiões de espírito pentecostal que fazem o papel que a tradição fazia, de cobertura comunitária.”
Estudioso das crenças tradicionais, Ronguane diz que os próprios curandeiros estão sendo influenciados pelas igrejas evangélicas. “Antes não se via anúncio de médico tradicional nas ruas; agora, eles existem”, afirma. “Estão bebendo do marketing agressivo [das igrejas].”
Essa “agressividade” já se reflete até no português falado na África. “Erres” e “esses” puxados, expressões no gerúndio e voz gutural são comuns nas pregações na televisão e no rádio. É preciso prestar atenção para notar se o pastor é brasileiro ou moçambicano. “Não há dúvida que as novelas e a música brasileiras [muito difundidas no país] contribuem, mas já há uma influência linguística indiscutível também por meio da religião”, diz o especialista.
Correspondente da EBC na África