sábado, 11 de maio de 2013

FELIZ DIA DAS MÃES


As Marcas de Um Valente



 

“Depois dele, Eleazar..., entre os três valentes que estavam com Davi..., ele se levantou e feriu os filisteus, até lhe cansar a mão e ficar pegada à espada...”(II Samuel 23:9,10)
ubpes@yahoo.com.br

Davi foi um homem segundo o coração de Deus. Como guerreiro, conquistou territórios e não experimentou derrota – “... E o senhor dava vitórias a Davi, por onde quer que ia” (II Sm.8:6). Mas, ao seu lado, teve homens que lhe apoiavam o tempo todo. Outrora foram homens sem perfil algum. Quando fugia de Saul, Davi os encontrou na caverna de Adulão: “Ajuntaram-se a ele todos os homens que se achavam em aperto, e todo homem endividado, e todos os amargurados de espírito, e ele se fez chefe deles; eram com ele uns quatrocentos homens”. (I Sm.22:2). Davi se tornou chefe deles e os formou. Tornaram-se valentes debaixo de uma liderança forte. 

Eles se sobressaíam, eram homens valorosos – “Tinham por arma o arco e usavam tanto da mão direita como da esquerda em arremessar pedras com fundas e em atirar flechas com o arco... Dos gaditas passaram-se para Davi à fortaleza no deserto, homens valentes, homens de guerra para pelejar, armados de escudo e lança; seu rosto era como de leões, e eram ligeiros como gazelas sobre os montes... Estes, dos filhos de Gade, foram capitães do exército; o menor valia por cem homens, e o maior, por mil” (I Cr.12:2, 8, 14). 


Todo valente é reconhecido e tem uma marca. Todos aqueles que se destacam têm um sinal em sua vida. Os valentes são chamados para conquistar e nunca se intimidam.

Davi tinha uma equipe que se sobressaía como guerreira. A respeito de alguns foi registrado o que fizeram. Eleazar foi um deles e a seu respeito se registrou: “Feriu os filisteus, até lhe cansar a mão e ficar pegada à espada” (II Sm.23:10). Eleazar tinha algumas características, pelas quais ficou conhecido como um dos três maiores valentes de Davi.
Fidelidade

“... Entre os três valentes que estavam com Davi...” (v.9). Eleazar não era um problema, mas uma solução. Antes de se encontrar com Davi, sua situação era crítica, mas depois se tornou uma bênção. Isto é ser discípulo. Ele estava com Davi. Um dos segredos para a vitória e que destaca um valente é a fidelidade ao seu líder. Muitos são ingratos, desprezam o que receberam, e cedo se esquecem de quem eram. Alguns dizem: “Eu te amo, mas não quero mais andar com você”, como se isso tivesse algum cabimento. Eleazar tinha uma aliança com Davi e uma gratidão por ter sido Davi um instrumento de Deus para resgatá-lo da situação que vivia. Fidelidade é característica de alguém fiel, digno de fé. Ele era confiável. A pior insegurança para um líder é a infidelidade ou deslealdade. Quando temos uma aliança com Deus, honramos nossos líderes e passamos estar com eles. A conquista de Davi se deu por ter se cercado de homens valentes, não apenas fortes, mas fiéis.
Disposição para se cansar

Eleazar cansou a mão – “... Até lhe cansar a mão...”. Não existe guerra que não canse. Alguns ainda pensam que podem se tornar guerreiros e vencedores sem qualquer cansaço. O cansaço físico é natural naqueles que se esmeram, se envolvem e se dedicam ao trabalho. O valente não tem preguiça, não se esconde, não foge, não escapa quando vê algo por fazer. O valente não fica preso dentro de sua casa preocupado com suas próprias coisas. Paulo diz a Timóteo: “Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque seu objetivo é satisfazer àquele que o arregimentou” (I Tm.2:4). Ele dá tudo de si, não tem “tempo ruim”. Tem uma mente excelente, uma visão de conquista; sabe qual é a sua função e não se desvia nem para a direita nem para a esquerda. 

Fomos chamados para uma conquista. Davi é uma figura de Jesus. Os que se acham em aperto, endividados, amargurados de espírito... são chamados à restauração para uma conquista. Quando Davi entendeu que fora Deus quem o tirou de detrás das malhadas e o colocou como príncipe sobre Israel, deu o melhor de si (II Sm.7:8). Seus discípulos seguiram seu exemplo, porque era modelo de valente.  Cansaço físico não é nada de mais. Noites mal dormidas e outras renúncias são comuns aos valentes. Mas a recompensa sempre vem, e estes colherão seus frutos.
Perseverança

“... Até lhe cansar a mão e ficar pegada à espada”. Eleazar não parou. Lutou tanto que a espada se tornou a sua própria mão. Que tremendo! Não desistir é outra característica do valente. Ele persevera, não pára, vai até o fim, custe o que custar. De vez em quando ouço alguns dizerem que querem “dar um tempo”. Dizem que estão cansados, pretendem descansar um pouco para retornar mais tarde. Este é um dos maiores enganos de Satanás! Jesus nunca parou, por mais difícil que fossem as circunstâncias. Um atleta não pode parar de correr, pois perderá o ritmo e não chegará ao final. Diminuir a marcha é possível, mas parar, nunca! Paulo diz: “... Sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão” (I Co.15:58). A constância na guerra é um desafio para todos nós, mas é o que nos garante a vitória.
Apega-se à espada

Sua mão não se separou mais da espada. Paulo nos ensina que devemos tomar a espada do Espírito nessa guerra espiritual. É a palavra de Deus (Ef.6:17). Ele se apegou à espada, de tanto lutar! Ler e meditar na palavra, simplesmente, não surte efeito e não nos faz valentes. Valente é aquele que vive a palavra e a usa contra o inimigo. Ele profetiza, evangeliza, ensina, fala em tempo e fora de tempo. A espada derrota o inimigo sempre. De tanto usá-la, fica pegada à mão. A mão fala de nossas ações e atitudes. O valente tem a palavra de Deus como estilo de vida. Ele considera os princípios e tem temor de Deus. Eleazar não conseguia mais abrir a mão e soltar a espada. Sua mão ficou pegada à espada. 

Todo valente tem a espada, que é a palavra de Deus, pegada a sua mão e sua mão pegada à palavra. Dela não se desvia nem para direita nem para a esquerda. Pela palavra profética as trevas se dissipam, os demônios fogem, as maldições são quebradas, a salvação brota, a vida se estabelece... Paulo diz:“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (II Tm.2:15). Manejar bem é ser adestrado na espada, saber responder com sabedoria e usar a palavra com autoridade.
Toma a causa de todos

Eleazar, o valente de Davi, guerreou como se tudo dependesse dele. Essa é a postura de um guerreiro. Ele sabe que cada um tem sua parte, que somos uma equipe; tem consciência de que somos um corpo e que a conquista é sempre coletiva, porém não descuida de sua parte. Eleazar lutou como se tudo dependesse dele e, ao mesmo tempo, tudo dependesse de Deus. Assim pensa e age um valente. Ele não espera pelos outros, mas age, tem iniciativa, assume sua responsabilidade, independente da atitude dos outros. 

“... E o povo voltou para onde Eleazar estava somente para tomar os despojos” (v.10). O valente disponibiliza os recursos, dá alimento, pensa na coletividade e não em si mesmo. Todos puderam usufruir do despojo, pois o valente é altruísta e não egoísta. 

Aquele foi um dia de grande livramento do Senhor. O Senhor honrou a atitude de Eleazar. Ele fez a sua parte, Deus fez a dEle. Foi porque Eleazar não desistiu, não parou, perseverou até o fim, que o livramento se manifestou. Muitos querem livramento sem guerra, sem esforço, sem dedicação. Livramento é a resposta de Deus a um coração cheio de fé, convicto de que vale a pena lutar.
Só os libertos são valentes e alcançam o livramento. Libertação acontece no interior, livramento é exterior. Os libertos já alcançaram, pela fé, a vitória; tomam a causa da coletividade e combatem até alcançar o livramento! 
Conclusão
Deus levantou Davi para tomar o lugar de Saul. Saul havia falhado como rei e por isso foi rejeitado. Era preciso retomar o propósito da conquista. Davi foi chamado para conquistar. Por ser valente, sua equipe era valente. Só valentes conquistam. A escolha é nossa.  Permaneceremos em nossas limitações e mediocridade, ou avançaremos para novas conquistas? Como Igreja, vamos continuar sendo apenas evangélicos, ou vamos transformar uma nação? Tudo depende da visão que temos do reino – “... O reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele” (Mt.11:12). É tempo de renunciar o medo, a covardia, a passividade, a letargia... 

O Senhor está selecionando os Seus valentes. Jesus escolheu doze valentes; estes revolucionaram o mundo. Agora é nossa vez. Está tudo em nossas mãos. Nossa postura determinará o que seremos como cidade e nação nos próximos anos.
Que registro ficará da sua existência? Qual feito extraordinário marcará sua trajetória de vida aqui na terra? Os valentes estão sendo gerados. É a sua vez. Valentes nasceram para vencer, conquistar e fazer história. Amém!
 
 
 
 
                            Pastor Wagner Geraldo Tscherne
                  

O PRAZER DE TER CONQUISTADO O TOPO DA MONTANHA SUPERA A DOR QUE SOFREMOS PARA SUBI LA . TENHA UM DIA DE MUITA PAZ. Bispo Roberto Torrecilhas

Requerimento quer saber o real interesse da misteriosa visita do Rei à Amazônia

 

Interesse nas riquezas Amazona pode ter motivado visita de Rei da Noruega (Foto: Época Negócios)
O rei Harald V da Noruega, de 76 anos, passou quatro dias com índios da tribo ianomâni em uma aldeia na Amazônia entre os dias 22 e 25 de abril. A visita, entretanto, não foi comunicada às autoridades brasileiras e só foi confirmada pela casa real no último sábado, 4. A Fundação Nacional do Índio (Funai) também confirmou a presença do monarca, mas disse desconhecer o motivo da visita.
 
O deputado federal Arolde de Oliveira mostrou preocupação com a soberania do território nacional após o incidente. “O maior problema é que esta reserva é binacional (Venezuela e Brasil) e são 15 milhões de hectares. Uma viagem de um chefe de Estado a toda essa área tem que ser avisada”, disse, em entrevista ao programa “Direto de Brasília”, da Rádio 93 FM.  Na semana passada o parlamentar subiu ao Plenário e se revoltou com a inércia do governo. “Ali temos uma nação com milhares de índios com cultura própria e território predeterminado. Falta apenas aparecer um Rei da Noruega e proclamar a independência por meio de um indígena local”, bradou.
 
O parlamentar do PSD já preparou um requerimento de informações pedindo detalhes sobre a visita real e subiu o tom em relação à FUNAI. “O interesse são as riquezas minerais, a biodiversidade brasileira, que está sendo levada daqui. Eu acredito que a FUNAI tem parte nisso. Por que não informaram a Nação? Por que não alertarmos o Governo para a necessidade de acompanhar essas missões estrangeiras?”, questionou. Além do requerimento, Arolde sugeriu a criação de uma CPI das ONGs, além do seu projeto de lei que obriga as ONGs a prestarem contas ao governo.
 
A Noruega tem sido um dos principais financiadores da agenda indigenista no Brasil, tanto por meios oficiais como privados. Entre os principais doadores de recursos, estão a embaixada em Brasília, e as ONGs Rainforest Foundation of Norway (RFN) e Ajuda da Igreja da Noruega (AIN). “É bom saber qual é a ONG que faz investimento, saber como esses recursos entram no Brasil. Passam pelo Banco Central ou vêm direto para a nação indígena? Há muito a ser explicado”, revoltou-se. Só no ano passado, uma das principais ONGs beneficiárias, o Instituto Socioambiental (ISA), recebeu de órgãos noruegueses mais de R$ 12 milhões em investimentos.

http://www.aroldedeoliveira.com.br/noticias/requerimento-quer-saber-o-real-interesse-da-misteriosa-visita-do-rei-a-amazonia/

Chuva de dinheiro para os ativistas gays de São Paulo

A Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, a ser realizada em 2 de junho na Av. Paulista, está com sua sorte garantida: A prefeitura petista sob Fernando Haddad vai dar R$ 1,6 milhão para o evento, o dobro do que o PSDB deu no ano passado.


A prefeitura petista também prometeu patrocínio financeiro para a Feira Cultural LGBT no Vale do Anhangabaú, a Caminhada Lésbica na Avenida Paulista e show de encerramento.

A Caixa Econômica Federal, a Petrobras e o Sindicato dos Comerciários de São Paulo também patrocinam o evento, garantindo um apoio de R$ 280 mil.

Os ativistas gays de São Paulo não poderiam estar mais felizes. Se o PSDB na prefeitura lhes dava um monte de dinheiro, o PT lhes dá dois montes!

O sucesso financeiro deles está garantido, graças ao PT e a custa dos cidadãos que pagam impostos.

São Paulo sofre com enchentes e outros problemas que exigem investimentos, mas o PT envergonha a cidade e seus cidadãos investindo pesadamente nas inúteis e anti-higiênicas farras anais de uma minoria anarquista e sem moral.

E se o cidadão que paga a conta disso abre a boca para se queixar da imoralidade de tantos gastos e dos eventos, a lei de São Paulo, feita pelo PSDB para punir a chamada “homofobia,” cai em cima dos inocentes.

Meu blog é exemplo disso.

Em 2006, se sentindo ofendida, a Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo recorreu ao Ministério Público Federal contra meu blog, porque meus textos sobre homossexualismo deixam claro que a prática homossexual — seja por base bíblica ou médica — não é normal.

Com informações do site homossexual A Capa. E Julio Severo   VIA GRITOS DE ALERTA /