sábado, 16 de julho de 2016

Não de seu dízimo por medo de maldição. Seja dízimista por amor .

Vladimir Putin aprova lei que proíbe o evangelismo na Rússia; igrejas intensificam jejum

Imagem redimensionada

O presidente russo, Vladimir Putin assinou uma lei na semana passada como medida de punir qualquer tipo de evangelização religiosa que seja feita fora das igrejas. Tal ato tem sido classificado como “um dos movimentos mais restritivos da história pós-soviética".

"Esta nova situação tem muita semelhança com a União Soviética, em 1929. Naquela época , a confissão de fé era permitida apenas na igreja", disse Hannu Haukka, presidente da grande comissão de mídia ao “National Religious Broadcasters”.

"Em termos práticos, estamos de volta na mesma situação. Essas leis anti-terroristas estão ficando como algumas das leis mais restritivas na história pós-soviética", comentou.

A lei, que supostamente seria dirigida contra a propagação do terrorismo e do extremismo, também foi aprovada pela Alta Câmara do Parlamento Russo. O movimento bloqueia a partilha de fé em qualquer lugar que não seja uma casa sancionada pelo governo de culto.

O site “Charisma News” informou que milhares de igrejas na Rússia estão se unindo em oração e jejum contra a medida, com base em informações compartilhadas por Haukka. "A igreja está chocada com a notícia da nova lei. Cerca de 7 mil igrejas evangélicas estão em jejum e oração no momento sobre a notícia", disse Haukka.

Outro site, o “The Christian Post”, informou no início deste mês que vários grupos cristãos na Rússia se manifestaram contra as medidas, afirmando que é quase "impossível" que os cristãos possam cumprir os requisitos.

"Se esta legislação for aprovada, a situação religiosa no país vai se complicar consideravelmente e muitos crentes vão se encontrar em estado de exílio e sujeito a represálias por causa de sua fé", disse o porta-vez de um dos grupos de cristãos antes da assinatura de Putin.

A nova lei também impede que os missionários estrangeiros falem em igrejas, a menos que eles tenham uma autorização de trabalho por parte das autoridades russas. Qualquer tipo de discussão sobre Deus com os não-crentes seria considerado uma atividade missionária e por isso punível por lei. Além disso, não serão permitidas atividades religiosas, mesmo em casas particulares.

"Isso pode parar a atividade missionária de qualquer pessoa, exceto os representantes, organizações e grupos registrados. Será necessário que todo missionário tenha documentos com informações específicas, provando ligações a um grupo religioso registrado pelo governo", disse Joel Griffith da Associação Evangelística 'Slavic' à agência 'Mission Network News'.

Além disso, qualquer pessoa de 14 anos de idade que seja encontrada pregando, estará sujeita a processo e cada cidadão será obrigado a informar a atividade religiosa às autoridades, ou enfrentar uma punição. Haukka pediu aos cristãos ao redor do mundo para participar da oração pelas igrejas russas pelo fato deles enfrentarem um tempo tão desfavorável.

"A Rússia está nos cercando de uma maneira horrível. A nova lei está em total conflito com o propósito e a tarefa dada à igreja pelo Senhor. A lei irá enviar a igreja de volta à perseguição comunista da era soviética", disse.

"Mesmo em uma casa particular, a adoração e a oração só serão permitidas se não houver incrédulos presentes", descreve a organização cristão 'Fundo Barnabé'. "As igrejas também serão consideradas responsáveis ??pelas atividades de seus membros. Assim, se, por exemplo, um membro da igreja mencionar sua fé em uma conversa com um colega de trabalho, não só o membro da igreja, mas também a própria igreja dele poderão ser punidos ..."

Os infratores podem ser multados em até 780 dólares (para o indivíduo) ou 15.500 dólares (para uma organização). Os missionários estrangeiros poderão enfrentar a deportação, caso violem a lei e / ou falem em igrejas sem uma autorização do governo.

"[Conforme a lei] É obrigação de cada crente, ter uma autorização especial para compartilhar suas crenças, bem como distribuir literaturas e materiais religiosos fora dos locais de culto e estruturas utilizadas. Isso não é só absurdo e ofensivo, mas também cria uma base para a perseguição em massa de crentes, pela violação dessas disposições", afirma a carta.

O Fundo Barnabé acredita que a lei é simplesmente está "usando a desculpa da legislação anti-terrorista para reprimir quaisquer outras igrejas que não sejam filiadas à Igreja Ortodoxa Russa - que está intimamente ligada ao nacionalismo russo".

Griffith diz que, neste ponto, não há como dizer como a lei será aplicada. Os cristãos estão orando para que o texto da legislação seja alterada ou que ela revogada.

Fonte: Guia-me

Cristão é jogado em cela com animais ferozes e sai ileso


Um ex-muçulmano egípcio foi preso e torturado após se converter a Cristo. Milagrosamente, escapou de ser morto por animais ferozes, num relato que lembra a história bíblica do profeta Daniel.
Segundo foi noticiado pela Christian Today, o advogado egípcio Majed El Shafie entregou sua vida a Cristo depois de ser evangelizado por um amigo e estudar a Bíblia com ele. El Shafie era um homem influente em sua comunidade. Nascido e criado em família muçulmana, após sua conversão foi proibido de advogar e acabou preso por apostasia. Enviado para Abu Zaabel, no Cairo, passou meses na penitenciária conhecida como “Inferno na Terra”.
Enquanto estava na prisão, El Shafie foi submetido a várias formas de tortura, incluindo ser espancado, queimado, cortado e amarrado a uma cruz por dois dias inteiros. O tempo todo, seus agressores exigiam que confessasse quem eram os cristãos com quem ele se reunia.
Certo dia, durante uma sessão de tortura, cães ferozes foram colocados pelos guardas na sala onde ele estava. O advogado temeu ser devorado vivo, pois os animais estavam famintos, mas permaneceu em oração e viu uma cena que lembra a história bíblica de Daniel na Cova dos Leões. Os cães ficaram calmos e sentaram perto de El Shafie, sem feri-lo. Seus captores ficaram irritados e trouxeram outros cães, mas aconteceu a mesma coisa.
No quarto dia de sua tortura, o ex-muçulmano decidiu confessar: “Eu vou dizer quem é o nosso líder, e se vocês puderem pegá-lo, ele poderá dizer os nomes de todos os membros. O nome do nosso líder é Jesus Cristo”. Isso deixou os guardas ainda mais nervosos.
Apanhou tanto que, dias depois, foi levado para um hospital para se recuperar de seus ferimentos. Desidratado por ter ficado dias sem comida nem água, conta que recebeu uma visita de Jesus, que lhe ofereceu água.
Foi quando soube que tinha sido condenado à morte. Com a ajuda de amigos, ele conseguiu fugir para Israel. De lá, foi para o Canadá, onde foi aceito como refugiado. Estou teologia e se tornou pastor. Há anos vem trabalhado para ajudar os cristãos perseguidos. Fundou a One Free World International uma ONG que luta pelos direitos humanos, sobretudo a liberdade religiosa.
“Nossos inimigos têm um exército muito forte, tem armas muito fortes, mas nós temos o Senhor Todo-Poderoso. Eles podem matar o sonhador, mas ninguém pode matar o sonho”, ensina.
Recentemente, recebeu o prêmio “Raoul Wallenberg Citation for Moral Courage”. Quando dá seu testemunho, menciona a história dos cães. “Eles são treinados para ouvir seus mestres, mas não há maior mestre que o Senhor Jesus Cristo”, comemora.

O AMOR ISLÂMICO - Primeiro-ministro francês diz que ataque está ligado a islamismo radical

O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, fala à imprensa após encontro com o presidente François Hollande, em Paris, na sexta (15) (Foto: Thomas Samson/AFP)O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, fala à imprensa após encontro com o presidente François Hollande, em Paris, na sexta (15) (Foto: Thomas Samson/AFP)
O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, disse na sexta (15) que o autor do atentado em Nice“sem dúvida tem ligações com o islamismo radical”. Ele falou sobre o assunto durante participação em um jornal do canal de TV France 2. O homem, identificado por fontes da polícia francesa como Mohamed Lahouaiej Bouhlel, de 31 anos, era da cidade tunisiana de Msaken, segundo a Reuters.

O primeiro-ministro disse na entrevista que a França irá ganhar a guerra contra o terrorismo, mas admitiu temer que “novas réplicas aconteçam”.

“Os terroristas procuram nos dividir”, prosseguiu, criticando políticos que “não estão à altura do momento”, sem no entanto deixar claro a quem se referia.

Valls também voltou a dizer que não houve falha de segurança e destacou que “quinze planos de atentados foram frustrados nos últimos três anos, incluindo um particularmente importante na primavera”.

Ele assegurou que a coalizão internacional que combate o Estado Islâmico será reforçada, promessa feita na quinta pelo presidente François Hollande em seu pronunciamento na TV.

Segundo Valls, na próxima semana haverá uma reunião “muito importante” em Washington, nos EUA, da qual participará o ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian. “Vamos reforçar a capacidade da coalizão


G1

FINAL DOS TEMPOS - Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia

Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia Segundo relato da vítima à políc...