domingo, 3 de fevereiro de 2013

Polícia investiga se explosão de um botijão de gás em igreja é criminosa

A Polícia Civil vai investigar se é criminosa a explosão de um botijão de gás que destruiu uma igreja evangélica na manhã de ontem, no Bairro Milionários, Região do Barreiro, em Belo Horizonte.

Parte da fachada do galpão onde funciona a Igreja Batista Santuário da Adoração, o telhado, as paredes e teto da cozinha e do escritório foram destruídos. Por pouco, os destroços não mataram o funcionário de uma operadora de TV a cabo que estava dentro de um carro parado na rua.

Na parede do galpão da igreja está pichada uma ameaça “Matar a igreja”. Segundo o sargento Vinícius Alcântara, do 41º Batalhão, há dois anos começou uma onda de ataques a igrejas do bairro. “Há um terrorismo e várias igrejas foram pichadas com a mesma ameaça. Muitas foram danificadas, tiveram as portas pichadas ou foram furtadas”, disse o militar.

A suspeita de atentado foi reforçada depois da vistoria dos bombeiros. O tenente Paulo Henrique Firme, do 1º Batalhão de Bombeiros Militares, acionou a perícia e a Polícia Civil para abertura de inquérito. “O vazamento por si só não gera explosão. Tem que ter uma fonte de ignição e a igreja estava fechada no momento. Não sabemos realmente o que provocou a explosão”, disse. Segundo ele, um curto-circuito ou um cigarro aceso deixado no local pode ter causado a explosão, que foi de grande intensidade pelo fato de o gás que vazou ficar confinado no ambiente fechado da cozinha.

O estudante Thiago Saraiva mora numa casa em frente. “Eu já estava acordado, no meu quarto, e o barulho foi tão alto que achei que fosse um acidente de carro. Quando fui ver o que era, encontrei a igreja toda destruída e o pessoal correndo na rua, desesperado”, disse Thiago.

Houve um princípio de incêndio que foi controlado pelos PMs antes da chegada dos bombeiros. Os vidros da janela de uma casa que fica a 100 metros de distância foram quebrados. O pastor Luiz Olavo Souza não descarta a possibilidade de atentado. “Uma ameaça como essa deixada na parede sempre assusta”, disse. O pastor Arlen Cleize também estava assustado e não quis comentários.

Fonte: EM Digital

Igrejas evangélicas organizam eventos de evangelização durante o carnaval

Com a aproximação do carnaval, várias denominações evangélicas estão se preparando para realizar eventos de evangelismo durante as festas.

Com blocos carnavalescos ou até mesmo eventos completos no fim de semana e feriado de carnaval, essas iniciativas visam levar a mensagem do evangelho aos jovens durante a tradicional festa.

Em Minas Gerais, uma das iniciativas nesse sentido está partindo da Igreja Batista da Lagoinha, que em parceria com a JOCUM (Jovens Com Uma Missão), está preparando o impacto evangelístico em Ouro Preto, cidade mineira conhecida por receber um dos maiores ajuntamentos de jovens durante o Carnaval.

- Nos últimos dias, o Brasil sofreu um grande luto, em que vivenciamos perdas de muitos jovens, e também em nossa comunidade. E isso nos impulsiona a sair da nossa zona de conforto, a cumprir o IDE – disse o líder da coordenadoria de missões da igreja, Peterson Amicuchi.

De acordo com o site de igreja, o Impacto evangelístico será realizado durante os dias 9 a 13 de fevereiro. Durante o evento acontecerão ministrações na parte da manhã, enquanto os períodos das tarde, noite e madrugada serão dedicados ao evangelismo nas ruas da cidade.

A igreja organiza também na cidade história o bloco “Jesus é Bom à Beça”, onde cada 15 minutos de desfile, os participantes ajoelham-se e intercedem pela salvação dos foliões. Depois retornam a marchinha com o coro “Vem, vem para Jesus também. Ele te ama!”.

- Convidamos a todos a estarem conosco, inclusive outras denominações, pois levantamos a bandeira do nome de Jesus. Precisamos de pessoas que trabalham com teatro, dança, música, circense (circo) ou que estejam envolvidos diretamente na área das artes, lembrando que também precisamos de intercessores, pastores e obreiros engajados conosco no evento – convida Peterson.

Outra denominação com forte apelo entre os jovens a promover um trabalho durante o carnaval é a Bola de Neve, que está realizando a oitava edição de seu Evangelismo de Carnaval em Santos. O evento, que acontece na Baixada Santista, litoral de São Paulo, vai reunir diversos artistas gospel em uma série de shows que acontece no dia 09 de fevereiro.

De acordo com a igreja, o intuito do evento não é acabar com o carnaval, mas transformá-lo em uma gigantesca festa de adoração ao Senhor. Uma festa onde a alegria e a felicidade não estão aliadas a bebidas, drogas ou sexo, mas no Amor incondicional que alcançou, alcança e alcançará a todos.

Fonte: Gospel+

PERSEGUIÇÃO - Autoridades suspendem atividades da Igreja Universal

A Igreja Universal do Reino de Deus teve suas atividades religiosas suspensas por 60 dias após ser responsabilizada pelo incidente ocorrido em dezembro passado, em um estádio na capital angolana, que provocou a morte de 16 pessoas.

As autoridades angolanas suspenderam as atividades da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e interditaram os cultos e demais atividades de outras seis igrejas evangélicas, não legalizadas, segundo um comunicado.

A suspensão das atividades da IURD é uma das conclusões da Comissão de Inquérito nomeada pelo Presidente José Eduardo dos Santos, após tragédia que provocou a morte de 16 pessoas, por asfixia e esmagamento, no dia 31 de dezembro, na capital angolana.

Segundo uma nota dos Órgãos Auxiliares do Presidente da República, “perante a gravidade dos fatos de que resultaram lamentavelmente a perda de vidas humanas o Executivo decidiu que a matéria dos autos seja remetida à Procuradoria-Geral da República para o aprofundamento das investigações e a consequente responsabilização civil e criminal.

Os Órgãos Auxiliares do Presidente da República informaram que a Comissão de Inquérito criada para apurar as causas que deram origem ao incidente ocorrido no Estádio da Cidadela Desportiva constatou que o incidente deveu-se à superlotação no interior e exterior do Estádio da Cidadela, causada pela publicidade enganosa, consubstanciada no slogan: “O Dia do Fim –venha dar um fim a todos os problemas que estão na sua vida; doença, miséria, desemprego, feitiçaria, inveja, problemas na família, separação, dívidas, etc. Traga toda a sua família”.

Diz ainda que esta publicidade enganosa criou no seio dos fiéis uma enorme expectativa de verem resolvidos os seus problemas, tendo por isso atraído para o local do evento um elevado número de pessoas, entre velhos, crianças e doentes.

A comissão ainda afirma que a publicidade utilizada para a mobilização dos fiéis foi criminosa e enganosa pois, tal como estabelecem os artigos 14 e 16 da Lei nº 9/02 –Lei Geral da Publicidade, a mesma continha informações falsas, susceptíveis de alarmar o espírito do público e induzi-lo em erro.

Apurou ainda que em consequência da adesão maciça verificaram-se vários constrangimentos tais como a superlotação do recinto antes da hora marcada para o início da vigília, estacionamento desordenado no interior, exterior e áreas circundantes ao Complexo Desportivo da Cidadela, tendo suplantado a previsão dos organizadores do evento e dificultado a adequação devida das forças de asseguramento, designadamente a Polícia Nacional, Serviço Nacional de Proteção Civil e Bombeiros, Instituto Nacional de Emergências Médicas, Cruz Vermelha e outras.

Constatou também que apesar de ter recebido indicações da Direção do Complexo da Cidadela que o estádio comportava apenas 30.000 pessoas, ainda assim, a Igreja Universal do Reino de Deus acolheu no referido evento um total de 152.600 (Cento e Cinquenta e Dois Mil e Seiscentos fiéis), sendo 35.000 (Trinta e cinco mil) pessoas nas bancadas do 1º anel, 30.000 (trinta mil) por traz da baliza norte, 30.000 (trinta mil) por traz da baliza sul e 57.600 (Cinquenta e Sete Mil e Seiscentas) pessoas na parte exterior, frontal à tribuna, sem contudo comunicar às autoridades a sua previsão de 152 mil e 600 pessoas.

O inquérito apurou que a projeção feita pela Igreja quanto ao número de pessoas para aquele recinto não foi realista e pecou por excesso. Apurou ainda que mesmo na sequência das mortes e desmaios de pessoas, a Igreja não interrompeu a atividade.

A Nota dos Órgãos de Auxiliares do Presidente da República orienta que em virtude de se constatar que as Igrejas Mundial do Poder de Deus, Mundial do Reino de Deus, Mundial Internacional, Mundial da Promessa de Deus, Mundial Renovada e Igreja Evangélica Pentecostal Nova Jerusalém, apesar de não estarem reconhecidas pelo Estado angolano, realizam cultos religiosos e publicidade, recorrendo as mesmas práticas que as da IURD, sejam igualmente interditadas de realizar quaisquer atividades religiosas no país.

Determina ainda, que para as futuras atividades similares, se exija no plano legal a realização de reuniões entre todas as forças e serviços intervenientes no asseguramento e a autoridade administrativa que as autoriza.

O Executivo angolano, face ao exposto, apelou aos fiéis das igrejas que tiveram suas atividades suspensas e a toda a população em geral para se manterem serenos e cumprirem as decisões tomadas.
 
VIA GRITOS DE ALERTA / INF. CP

Centenas de conversões ocorrem em meio à guerra na Síria

Centenas de conversões ocorrem em meio à guerra na Síria                      
“Realmente, só Deus poderia fazer isso”. Essas são as palavras de Tom Doyle, especialista em Oriente Médio da organização missionária E3 Partners . Para ele, o evangelho está atingindo os corações do povo sírio de maneira milagrosa.
Segundo Doyle, “Há cinco tipos de polícia secreta na Síria. Eles observam cada movimento das pessoas. Os convertidos que estão saindo do islamismo [são] questionados continuamente”.
Estima-se que cerca de 20.000 sírios abandonaram o país esta semana fugindo dos conflitos. ”Por causa da guerra na Síria, acreditamos que mais de 300 mil sírios agora estão na Jordânia. Eles foram expatriados, eles não têm nada. Mas na Jordânia eles não têm o governo sírio os vigiando o tempo todo”, ressalta Doyle.
Com a ajuda de parceiros de outras missões e de cristãos jordanianos, a E3 tem conseguido reuniu com mulheres muçulmanas que estão ouvindo o evangelho. ”Elas ficaram muito agradecidas e nos contaram histórias sobre a maneira como os cristãos se aproximaram delas. Basicamente, essas são as únicas pessoas em quem podem confiar agora”
Muitos destes muçulmanos estão conhecendo a Cristo, mas não é possível saber o alcance ainda, Doyle ressalta que o impacto só será visto na próxima geração. ”Muitas crianças estão ouvindo falar de Jesus. Todos sabemos como é importante elas entenderem quem é o verdadeiro Jesus antes de chegar aos 12 anos”.
Por enquanto, a E3 está apoiando cerca de 400 famílias sírias. ”Nossos líderes acreditam que este é o momento para alcançarmos os sírios como nunca conseguiu-se antes. Quem sabe o que pode acontecer amanhã ? [Presidente] Assad, continuará ou ele vai cair? Nós não sabemos. Mas Deus abriu esta porta e sua mão está agindo aqui”.
JoAnn Doyle, esposa de Tom, tem focado em alcançar as mulheres, através do Ministério Selah. Uma equipe de cristãs preparadas irá trabalhar com as mulheres sírias nas questões psicológicas do trauma de guerra.
Os Doyle pedem que os cristãos do mundo todo orem pela Síria, um dos países onde os cristãos sempre enfrentaram perseguição severa. “O país conseguia manter o Evangelho fora daqui, por que tem um governo ditatorial, que controla a polícia secreta. Mas, agora as boas novas estão se espalhando como nunca”, ressalta Tom.
Ele acredita que quando a guerra acabar essas famílias convertidas voltarão para a Síria levando a mensagem consigo, o que pode causar uma enorme mudança na situação espiritual do país. Com informações Charisma News.

VIA GRITOS DE ALERTA / GOSPEL PRIME

Final do mundo - Igrejas começam a mudar o discurso sobre a homossexualidade

Igrejas começam a mudar o discurso sobre a homossexualidade Igrejas começam a mudar o discurso sobre a homossexualidade
Quando o pastor Louie Giglio foi impedido de dar a benção na cerimônia de posse do segundo mandato de Obama, o motivo alegado foi as críticas públicas recebidas devido a um sermão postado na internet em que ele condenava o relacionamento de pessoas do mesmo sexo.
Quando abriu mão do convite, Giglio minimizou a importância dessa questão. Na carta que publicou para explicar sua desistência, afirmou que não tinha mudado suas opiniões sobre a homossexualidade. Mas insistiu que o sermão era antigo e acrescentou: “Claramente, falar sobre esta questão não tem sido uma de minhas prioridades nos últimos 15 anos”.
A partir de então, a mídia americana começou a questionar se havia, de fato, uma mudança na postura dos pastores mais influentes dos Estados Unidos sobre o assunto. David W. Key Sr., da Faculdade de Teologia da Universidade Emory, acredita que os pastores que pararam de dar tanta ênfase ao combate da homossexualidade estão atraindo mais membros.
Algumas denominações, como a Episcopal Anglicana viu surgir uma divisão internacional após um bispo assumidamente gay ter sido aceito. Outras, como os batistas, maior grupo evangélico do país, continua contrária à união gay, mas encontra dificuldade na unificação do discurso sobre o assunto. Várias igrejas independentes assumem posturas moderadas, mas a maioria parece sequer tocar no assunto.
Key ressalta que isso sempre vai acontecer entre as igrejas evangélicas, desde os debates sobre a abolição da escravatura até o consumo de álcool. De uma maneira ou de outra a sociedade chega a um consenso e as igrejas acabam se conformando, acredita o estudioso.
De fato, em 2001, a Convenção Batista do Sul criou um grupo para debater o ministério aos homossexuais, a pedido do pastor Bob Stith. O grupo foi extinto em junho do ano passado e o relatório final da denominação afirma: “Os desafios que enfrentamos são exponencialmente maiores do que eram há dez anos … A homossexualidade pode ser o principal dilema que a Igreja enfrentará nesta geração”. No entanto, nenhuma resposta ‘oficial’ foi dada.
“Esse problema não vai desaparecer”, disse Stith, inconformado. “Há muitas pessoas sentadas nos bancos das igrejas que precisam lidar com isso pessoalmente ou na família e não sabemos o que fazer com elas”.
O pastor Robert Jeffress da Primeira Igreja Batista de Dallas, que possui 11 mil membros, decidiu mudar a forma como trata a homossexualidade no púlpito. Ele continua acreditando que sexo homossexual é pecado, mas não dá mais uma atenção especial ao assunto. Jeffress diz que optou por falar sobre a questão gays dentro de “um contexto maior do plano de Deus, que ensina o sexo entre um homem e uma mulher em o relacionamento chamado casamento… Seria o cúmulo da hipocrisia condenarmos a homossexualidade e ignorarmos o divórcio e o adultério como atitudes antibíblicas”, disse ele, sem deixar o sexo antes do casamento nessa lista.
Jeffress ressalta “Não podemos escolher que partes da Palavra de Deus iremos compartilhar. Deus nos deu [a Bíblia] não para machucar as pessoas, mas para ajudá-las”. Ele ressalta que tem um grupo de gays e lésbicas em sua igreja, que lutam contra isso e recebem acompanhamento.
Mas ele se preocupa que a maioria dos pastores evangélicos hoje deseja se esquivar dessa responsabilidade. “Minha impressão é que as pessoas, de modo geral, estão apenas evitando o assunto”, finalizou.
A pressão para se mudar a maneira como a homossexualidade é tratada pelas igrejas pode ser reflexo da maneira como as novas gerações pensam. Em uma pesquisa de 2011, feita pelo Public Religion Research Institute, mostrou que 62% dos americanos entre 18 e 29 anos apoiam o casamento gay e 71% defendem o direito deles terem uma união civil. Entre os adultos com mais de 65 anos, os percentuais eram de 31% e 51% respectivamente.
Bill Leonard, reitor da Escola de Divindade da Universidade Wake Forest, se diz surpreso como os jovens são mais compassivos que seus pais quando se trata da comunidade LGBT. “Há uma percepção que essa antiga ideia de “ame o pecador, mas odeie o pecado” é algo muito frio”, ressalta. Com informações de News Yahoo.

OS DOIS OPOSTOS BABY X SARAH Sheeva

SEGUE DUAS REPORTAGENS AO MESMO TEMPO  , DA MÃE E DA FILHA .
UMA VOLTOU A CANTAR PARA A GRANDE BABILÔNIA ( MUNDO ) , A OUTRA DIZ QUE JAMAIS VOLTARÁ A CANTAR MUSICAS QUE NÃO SEJAM PARA LOUVOR A DEUS .           
 
Baby do Brasil se compara a Daniel enfrentando a Babilônia
Baby do Brasil se compara a Daniel enfrentando a BabilôniaA revista ÉPOCA desta semana deu destaque à volta da cantora ao repertório “secular” depois de quase 20 anos cantando apenas música gospel. A retomada tem sido um sucesso de público e de crítica.
Depois de levar o show com antigos sucessos ao Rio de Janeiro e Salvador, esta semana ela fará shows em São Paulo. Durante o Carnaval estará em Recife e Fortaleza. Por causa disso, o bloco gospel de Baby foi cancelado este ano.
Ela conta que recebeu o convite do seu filho, Pedro Baby, para voltar a cantar seus antigos sucessos, daí o nome do espetáculo ser “Baby Sucessos”. Depois de orar muito, aceitou o desafio. Segundo ela, “Não foi nada programado. E, da noite para o dia, todo mundo agora quer ver o show. É a mão de Deus. Não tenho dúvida”.
Pedro é guitarrista e cuida da parte musical do espetáculo. Mas pediu que a pastora deixasse de lado, nesse projeto, as canções gospel. A posta deu certo e Baby tem atraído uma multidão de jovens por onde passa. A maioria das canções fez sucesso nas décadas de 1970 e 1980, quando ela fazia parte do grupo Novos Baianos e depois na carreira ao lado do ex-marido Pepeu Gomes. Entre elas estão músicas como Menino do Rio (1979), Telúrica (1981), Todo dia era dia de índio(1981) e Sem pecado, Sem juízo (1985). “Estou indo cada vez mais para algo feliz, alegre, criativo. E essa é uma linguagem da juventude”, afirma Baby.
Baby do Brasil comemora e conta: “Deus já tinha me avisado que eu iria receber um convite. Uma semana depois desse aviso, Pedro me ligou e me convidou para fazer o show. Fui orar para saber de Deus se aquele era o momento. Tive uma palavra vinda de um profeta aí de São Paulo. No meio de um culto, ele me disse: “Deus está procurando os daniéis para entrarem na Babilônia”. É o Daniel da cova dos leões, saca? Isso confirmou que Ele me ungia para entrar novamente nessa babilônia”.
O fato é que ela tem recebido novamente convites para programas de TV e já planeja gravar um DVD .Para ela não há contradição no repertório e o fato de ela ser pastora. “Quando Pedro me mostrou as canções selecionadas, eu percebi que todas elas eram muito espirituais. E ele me disse que queria que as pessoas vissem que eu sempre fui assim. O grande barato é que todas elas, assim como as que compus para o gospel, não têm um cunho religioso que possa setorizar, colocar as pessoas em uma situação religiosa”.
Após completar 60 anos, ela diz que mantém o mesmo pique de antes. “Estou indo cada vez mais para algo feliz, alegre, criativo. E essa é uma linguagem da juventude. Com a idade, a tendência é ficar séria. Eu não. Fico mais brincalhona, mais feliz, justamente por esse meu lado mais espiritual… Eu sempre pedi a Deus para envelhecer bem, com muita energia, cabeça. E muito louca, sempre (risos)”.
Questionada sobre as críticas que recebeu de evangélicos por ter deixado de lado seu ministério por um tempo, ela é enfática “Teve muito susto. Mas, quando eu soube que era de Deus, sabia que todo mundo que estivesse com o Espírito Santo, iria entender. A mensagem iria chegar. Agora, tenho recebido muitos e-mails de pastores me dizendo “é de Deus!”. Deus é dono da parada toda”.




Quando a imprensa começou a anunciar o retorno de Baby do Brasil aos palcos do meio secular a filha mais velha, Sarah Sheeva, que também é pastora evangélica, usou sua página no Facebook para comentar o caso e dizer que ao contrário da mãe ela nunca voltaria a cantar músicas que não sejam de adoração.
Na explicação da líder do “Culto das Princesas” a decisão dela de não voltar a cantar músicas seculares não é só espiritual, como ministerial e profissional. “Eu jamais voltarei a cantar músicas que não sejam de adoração a Deus”.
“Acredito que a música é algo espiritual, é energia pura, algo sobrenatural. Acredito (e também tenho respaldo bíblico) que a música tem o poder de entrar dentro de nós e ministrar a nossa alma e o nosso espírito humano”, escreveu Sarah.
No final do mês de outubro Baby do Brasil realizou um show ao lado de seu filho, o músico Pedro Baby, cantando alguns sucessos antigos da cantora que é uma das principais representantes da Música Popular Brasileira.
Quando comentou o caso, Baby que também é pastora, disse que recebeu a permissão de Deus para voltar para a “Babilônia” e que por isto aceitou o convite do filho.
Ao falar de sua opinião sobre o tema, Sarah não critica a mãe, mas deixa claro que não concorda com o retorno de Baby do Brasil.
Leia:
Alguns assuntos são muito delicados para se comentar, principalmente quando envolvem pessoas que amamos.
Aproveitando algumas notícias da mídia, e já respondendo as perguntas que estão me enviando a respeito, existe algo que vocês podem ter certeza sobre mim:

Eu JAMAIS voltarei a cantar músicas que não sejam de adoração a Deus.
É uma decisão, não apenas profissional, mas espiritual e ministerial.

Acredito no seguinte: podemos ter “amigos” no mundo, podemos andar no mundo, fazer a diferença, sermos a luz do mundo, etc… mas o mundo não pode andar DENTRO de nós.
Ou seja: Não podemos amar as coisas do mundo, os prazeres do mundo. Precisamos amar as PESSOAS do mundo.
Amar, nesse caso, significa sermos usados como instrumento de salvação para os perdidos.

Acredito que a música é algo ESPIRITUAL, é energia pura, algo sobrenatural. Acredito (e também tenho respaldo bíblico) que a música tem o poder de entrar dentro de nós e ministrar a nossa alma e o nosso espírito humano.
(Lembra de como Davi expulsou o espírito imundo de Saul ao ministrar louvor? 1 Samuel 16.23)

Nós somos o TEMPLO do Espírito Santo.
Então pergunte a você mesmo:
O que tem TOCADO aí dentro deste templo?
Dentro de mim só tocam os louvores de adoração ao nosso Deus! Nenhuma música profana ou de simples entretenimento toca dentro de mim.
Porque?
Porque EU SEI que DEUS NÃO CRIOU A MÚSICA PARA DAR PRAZER AO SER HUMANO (essa frase é do Pr.Cirilo), mas Deus criou a música para a adoração a Ele.

Acreditar nisso seria isso um tipo de “religiosidade”?
Não. Como eu sei que não?
Por causa da experiência prática da mudança nas minhas vontades.
Houveram muitos anos (após a minha conversão) que eu continuava com a prática de ouvir e cantar músicas que não eram de adoração a Deus, e enquanto eu não abandonei essa prática, muitas vontades malignas não me abandonavam, e muitas áreas da minha vida continuavam aprisionadas.
Posso testemunhar, e sei que muitos outros Cristãos podem testemunhar que, após deixarem a prática de ouvir músicas profanas, houve mudança em suas vontades, e em muitas áreas de suas vidas.

Precisamos ser um tipo de crente que, se Deus mandar deixarmos algo, deixamos NA HORA!
Precisamos ser um tipo de crente que “põe a mão no arado e não olha mais para trás…”
Porque quem põe a mão no arado e olha para trás (sente saudades do mundo) não é digno de Jesus.
Não foi fácil para mim, não foi fácil deixar certas músicas… Mas eu amo Jesus MAIS.
Eu amo Jesus MAIS do que qualquer prazer deste mundo.

Eu nasci na música do mundo. O preço de renúncia que eu paguei para poder servir ao Senhor foi alto. Por Jesus eu abandonei toda uma carreira. Eu não teria abandonado se Ele não tivesse pedido, e se deixar de obedecer não fosse algo que realmente pudesse comprometer minha caminhada em direção a eternidade.
Mesmo assim, sei que o preço que paguei não se compara com o preço que Ele pagou pela minha vida.
Por isso eu deixei tudo por Ele.
E deixaria de novo.

Lucas 9:62
“E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus.”
Traduzindo:
“Ninguém que começa a fazer a obra de Deus e fica com saudades do mundo, está capacitado para receber o reino de Deus.”
Por isso, quando alguém questiona (ou duvida que valha a pena) o nosso esforço em renunciar as coisas do mundo para seguir a Jesus, eu digo:
“Me mostre as tuas convicções, a tua teologia (ou até o teu ateísmo), que eu te mostro a mudança nas minhas vontades.”
Ser livre não é fazer o que quer, ser livre é conseguir querer o que Deus quer.
Ser livre é obedecer a Deus, e não ao diabo.

Paz,
Pra.Sarah Sheeva”



Gostaria muito de sua opinião sobre essa postagem , pois a Baby esta afirmando que DEUS foi quem a mandou retornar lá .

E VOCÊ O QUE ACHA ?


GRITOS DE ALERTA