sábado, 9 de junho de 2012

FINAIS DOS TEMPOS , UM SURTO DE ABERRAÇÕES - O novo apóstolo do Brasil

Vire e mexe um novo apóstolo surge no Brasil. O mais novo nasceu em Pernambuco, mas foi na Rua Leais Paulistanos, no Ipiranga (SP) que Walter Sandro Pereira da Silva encontrou o caminho do sucesso. Filho de um mestre de obras e mais velho de três irmãos, Walter Sandro fundou a Igreja Templária de Cristo na Terra 26 anos após um “encontro” com o Arcanjo Miguel.

Foi em uma igreja “evangélica” - por ocasião de uma visita a sua terra natal, em 1985, aos 13 anos – que o arcanjo lhe apareceu e revelou sua chamada. Acabou se convertendo. Nos dez anos seguintes se dedicou ao trabalho, desenvolvendo habilidades que anos mais tarde utilizaria em sua empreitada da fé. Na Rádio Mundial e em diversas palestras em São Paulo, Walter chamava a atenção de centenas de ouvintes com palestras motivacionais, com temas que iam desde os perigos do tabagismo a conquista de um novo amor. Ficou conhecido.

Apesar da fama, o pernambucano nascido em Pesqueira dizia ouvir do Arcanjo Miguel que lhe faltava algo. Ouvia com atenção. Assim continuou pelos anos seguintes. Ao mesmo tempo em que se dedicava a Psicologia, Walter dava início aos estudos esotéricos. Reiki. Ioga. Sessões espíritas. Sociedades Secretas. Uma mistura de crenças e práticas reunidas em um mesmo caldeirão. Em 2010, adere à política. Concorre ao cargo de Deputado Federal pelo PSB, recebendo 6.879 votos. Não foi eleito. Um ano depois, enquanto se preparava para entrar no ar pelo canal 58 UHF, tem um novo encontro com o Arcanjo Miguel. “O Arcanjo Miguel materializou-se e disse para eu abrir a igreja. Foi tão forte que tive uma crise de cálculo renal. Fui ao banheiro e ele veio e disse pra botar a mão na urina. Eu pus. E saiu uma pedra do tamanho de meio grão de feijão”, declarou Walter Sandro ao jornalista Willian Viera, da Carta Capital. Segundo Viera, à meia-noite o programa foi ao ar já com o nome de Igreja Templária.

Seis meses após sua fundação, a Igreja Templária de Cristo na Terra já conta com dez igrejas, cinco das quais no Estado de São Paulo, duas no Rio de Janeiro, uma em Belo Horizonte e outra em Recife. O número de adeptos (ou “templários”) gira em torno de 10 mil, segundo informação da ITCT. A sede mundial (uma megaigreja com capacidade para 5 mil pessoas, e composta por 44 salas e 2 auditórios) exemplifica a diversidade de credos professados pelos fieis. Além do púlpito, no formato da Cruz Templária, há figuras de budas, faraós e santos católicos. No escritório do fundador, um quadro e imagem do Arcanjo Miguel destacam-se em meio às mobílias. Nas reuniões conduzidas por Walter Sandro e equipe de obreiros, louvores evangélicos e campanhas inspiradas nas igrejas neopentecostais imergem multidões em transes espirituais. Na campanha do Vale de Sal, adeptos enfileirados passam por cima de toneladas de sal onde recebem orações e passes do apóstolo, muitos dos quais acabam “exorcizados”. Ao realizar um exorcismo, Walter faz sucessivos sinais da cruz, que, segundo ele, livra a vítima da possessão. O credo doutrinário da Igreja Templária é composto por crenças como “maldição hereditária”, “reencarnação”, “espiritualismo,” além de crenças oriundas do cristianismo. Os adeptos são incentivados a não ingerir café, carne ou açúcar (com exceção de mascavo).

Nas igrejas e nos meios de comunicação, Walter Sandro conclama fieis a aderirem ao “Carnê da Gratidão”, através do qual podem contribuir com o valor de R$ 33,00. A contribuição destina-se, segundo o site oficial da Igreja Templária, a manutenção dos programas televisivos, estrutura da Igreja e ao cuidado dos animais tirados das ruas – sim, a ITCT afirma ter como principal missão resgatar e cuidar de animais em estado de abandono. No “solo sagrado” do apóstolo (sua residência em São Bernardo do Campo), sua mãe e nove apóstolos cuidam de 80 cães e gatos. No Carnê da Gratidão, além de uma foto do fundador e uma cruz templária, ao fundo destacam-se dois golfinhos. Mas os animais não são os únicos alvos da Igreja. Na sede mundial e nas demais igrejas da ITCT, “hospitais de cura” oferecem tratamento espiritual a enfermos.

Ao jornalista da Carta Capital, Walter Sandro confessou sofrer constantemente ameaças de morte. “Já cansei de sofrer ameaça de morte, por telefone, pela internet.” Embora indiretamente, o apóstolo templário – antes de sua consagração nacional como fundador da ITCT – teve sua passagem pela justiça. No dia 24 de março de 2004, Walter Sandro Pereira da Silva foi acusado de Estelionato e Outras Fraudes (Arts. 171 e 179, do CP), pela Justiça Pública. Concluído o processo, Walter Sandro foi absolvido das acusações. Segundo certidão emitida por ocasião de seu registro como candidato a Deputado Federal, em 2010, nada que desabone sua conduta foi encontrada. Os dados aqui apresentados foram fornecidos pela Justiça Federal e divulgados no blog do jornalista Fernando Rodriguez, do UOL. Acesse a ficha de Walter Sandro e as certidões criminais aqui.






Johnny Bernardo é jornalista, pesquisador da

religiosidade brasileira e colaborador do Genizah


VIA GRITOS DE ALERTA .
FONTE . GENIZAH

Ex-bispo da Igreja Universal afirma que Edir Macedo usou dinheiro do narcotráfico na compra da TV Record e diz que o bispo é “depravado sexual”. Leia na íntegra

Ex-bispo da Igreja Universal afirma que Edir Macedo usou dinheiro do narcotráfico na compra da TV Record e diz que o bispo é “depravado sexual”. Leia na íntegra
O ex-bispo e líder nacional da Igreja Universal do Reino de Deus, Carlos Magno de Miranda, concedeu entrevista recentemente contando detalhes de sua passagem pela denominação, a quem se refere como “seita”.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Na entrevista concedida ao blogueiro Vini Silva, Miranda conta detalhes de sua ascensão na IURD e bastidores da compra da TV Record, além das alianças políticas e reuniões de liderança na igreja.
Carlos Magno de Miranda conta que na época da compra da TV Record, que pertencia em partes iguais ao apresentador Silvio Santos e à família Machado de Carvalho, ainda hoje proprietária da rádio Jovem Pan, houve até dinheiro do cartel de drogas colombiano envolvido, e que o negócio só pode ser concluído devido à pressão do então recém-eleito presidente Fernando Collor de Melo.
-A Record foi comprada pelo valor de 45 milhões de dólares, e a igreja assumia as dividas, sabendo que o patrimônio tecnológico era zero. Tudo sucateado, o que implicava em ter que comprar tudo novo. Foi dado um sinal de 15 milhões de dólares e o saldo restante deveria ser pago em 10 parcelas mensais de 4,5 milhões de dólares. Entretanto, antes de começar a pagar as parcelas, a IURD deveria em 90 dias apresentar fiança bancaria de um banco de primeira linha, e o contrato dizia que se isso não fosse cumprido a venda estaria desfeita, e pasmem os senhores, até o sinal de 15 milhões de dólares seria perdido – relata.
O ex-bispo conta ainda que a cúpula da denominação nessa época era formada pelos bispos Honorilton Gonçalves, Paulo Roberto Guimarães e Rodrigues (que mais tarde protagonizaria o escândalo “sanguessuga”), além de Edir Macedo, e que a disputa por poder entre os apoiadores do bispo era grande.
Miranda afirma ainda que o bispo Edir Macedo é um “pervertido sexual” e que nas reuniões da liderança da Igreja Universal, eram apresentados filmes pornográficos para os pastores e suas esposas. O ex-bispo afirma também que Macedo sempre induzia aos pastores o assunto sexo, e como forma de agrado ao líder, esses pastores contavam detalhes íntimos de suas relações com suas esposas.
Sobre a origem da Igreja Universal, Miranda afirma que a denominação surgiu após Macedo, que era obreiro de R. R. Soares na Igreja da Bênção, aplicar um golpe no missionário. “Macedo era apenas o obreiro do R.R Soares e logo adiante numa jogada politica, conseguiu passar a perna no missionário e assumiu o movimento, que nesse momento já havia sido trocado o nome para Universal”, afirma.
Carlos Magno de Miranda ainda afirma que Renato Suhett, ex-bispo da Universal que era considerado um dos mais próximos a Edir Macedo, se “prostituiu”, e que anteriormente, já havia abandonado a IURD por ambição. “Na realidade ele sempre foi um dissimulado, hipócrita, se envolveu em escândalos sexuais, adulterou”, e emenda dizendo que após sua primeira tentativa fracassada de fundar um ministério próprio, retornou à Universal: “O império desabou, fechou todos os templos, e um dia aparece dando testemunho na sede da IURD em São Paulo, dizendo estar arrependido, que o Edir Macedo é que era o verdadeiro profeta de Deus e ainda fazendo apelo para que os pastores que saíram da IURD voltassem que seriam muito bem recebidos”.
O ex-bispo se refere também a grandes líderes evangélicos nacionais e afirma que são todos iguais: “Edir Macedo, Waldemiro, Silas Malafaia, R. R. Soares, Estevam Hernandes, Rodovalho e outros menos votados são todos da descendência da serpente, lobos vestidos de ovelhas, falsos mestres que movidos por avareza fazem comércio com o povo de Deus”.
Confira abaixo a íntegra do relato feito por Carlos Magno de Miranda, sobre sua passagem pela Igreja Universal:
Quem é Carlos Magno de Miranda?
Eu nasci num lar católico, fui praticante da religião católica, a ponto de me tornar coroinha e ajudar em todas as missas do colégio Salesiano em Natal, isso nos anos de 1966-69. Mudei-me para o Rio de Janeiro e continuei católico praticante. Um dia fui convidado pelo namorado (bispo Renato maduro) da prima da minha namorada (atual esposa) a ir num culto da Igreja da Bênção (atual Universal). Era o primeiro templo. Gostei demais de ver aquele homem se mostrando poderoso para enfrentar os guias, ressalve-se que frequentei também umbanda e Kardecismo e nutria respeito e medo pelas entidades.
Aquilo me fascinou. Observe que não foi a Palavra que me encantou. Na época o Edir Macedo era apenas o obreiro do R.R Soares e logo adiante numa jogada política, conseguiu passar a perna no missionário e assumiu o movimento, que nesse momento já havia sido trocado o nome para Universal.

Comecei a frequentar as correntes, e como sempre fui voltado para as coisas espirituais sentia um desejo muito grande de ser um pastor. Isso só veio ocorrer quatro anos depois quando eu já trabalhava na Nuclep, subsidiária da Nuclebras em Itaguaí, estado do Rio. Larguei tudo, um emprego onde eu tinha um alto salário e fui ser pastor ganhado um salário mínimo e o pagamento do aluguel de um pequeno apartamento.
Eu fui um fiel imitador do Edir Macedo, que era meu ídolo, e o resultado foi espetacular, eu me tornei uma maquina de arrecadar dinheiro. Em um ano fui mandado para o Nordeste para liderar o estado de Pernambuco. Na época em todo nordeste só existia a IURD em Recife com três pequenos templos. Vendo o sucesso que eu fazia em conseguir atrair multidões, logo fui colocado como bispo do Norte e Nordeste. Ingloriamente o confesso, acabei abrindo cerca de 108 templos em toda região.
Diante disso tudo, quando o Edir decidiu ir para Nova Iorque, para surpresa de todos, fui o escolhido para substituí-lo como bispo do Brasil. Fui para São Paulo, e tão logo cheguei fui responsável em conduzir toda compra da Tv Record. Eu conheço todos os detalhes dessa negociação imoral onde a política e as religiões dos homens se misturam e acabaram dando todo esse poder que o Edir possui hoje. Poder financeiro e político.
No momento que estava no auge da ascensão na seita, Deus começa a me tirar das trevas para luz. Foi um processo muito rápido, em quatro meses eu passei a tomar conhecimento de coisas que jamais imaginei existir num lugar que se denominava igreja de Jesus. Filmes pornográficos sendo exibidos para pastores líderes e esposas.
Compra de imóveis de um milhão de dólares quando todos os pastores ficaram sem salario devido à compra da Record. Envolvimento com o mundo sujo da politica (Collor, Quércia, Renan Calheiros etc..) A remessa semanal de dinheiro para o exterior via doleiros. O ouro derretido e transformado em barras e levado pessoalmente para ser entregue na casa do Edir nos estados unidos. Finalmente o pote encheu com a ida a Colômbia para pegar dinheiro sujo de sangue do narcotráfico.
Bom, hoje eu sei que foi Deus que me tirou, na época achava que eu era que havia saído. Ledo engano, pois ninguém, humanamente falando, renuncia ao poder politico e financeiro que eu desfrutava. Tem que ser uma ação sobrenatural de Deus. Hoje sei que tudo isso faz parte dos desígnios de Deus para minha vida. Minha profissão secular é Técnico especializado em Fabricação Nuclear. Meu ministério atual teve inicio com a minha saída da IURD quando veio à revelação do Evangelho da Graça de Deus que é o único para a igreja, e que foi revelado a Paulo e está nas suas quatorze epistolas. Somos uma igreja reformada.
A minha conversão se deu quando sai da IURD e ao ouvir uma pregação sobre a verdade de que Deus é soberano, cri e me converti e Deus me tornou aquilo que ele já havia designado desde o ventre materno, um pregador do Evangelho da Graça de Deus. Temos 16 anos de pregação desse evangelho, e apenas três templos, sendo um em Natal, outro em Recife e outro em Fortaleza. Um ministério pobre financeiramente, mas rico em conhecimento e verdade.
É coisa muito difícil ter pastores segundo o coração de Deus. O único titulo que possuo é o de pastor. Diploma apenas o do primeiro grau, o segundo não completei. Nunca cursei nenhum seminário e nenhuma faculdade teológica. Tudo que sei e prego foi absoluta Graça de Deus que ele me revelou e iluminou os meus olhos espirituais.
O senhor foi um bom tempo Bispo da Universal, conte como era sua relação com seus Líderes e outros Bispos e como foi sua entrada na Universal?
Acima já contei a minha entrada na IURD. Minha relação com os outros bispos era muito boa enquanto eu não fui ordenando bispo. A partir do momento que me fizeram bispo o relacionamento já não era o mesmo. Havia muita inveja, disputa pelo poder e isso me enojava. Na época a cúpula era formada por Bispo Paulo Roberto Guimarães, bispo Rodrigues (aquele deputado do sangue suga), bispo Honorilton Gonçalves e o próprio Edir Macedo. Pra mim foi uma surpresa descobrir que havia disputa entre eles. É realmente de causar nojo o puxa saquismo.
Mas exatamente por não ter esse comportamento pequeno, servil, foi que acabei me tornando uma pessoa próxima do Edir. Ele mesmo dizia que eu era o único amigo que ele tinha, pois tinha a coragem de lhe falar a verdade. Realmente, falei da minha indignação com os filmes pornô, me posicionei contra o envolvimento político, e tomei muitas outras atitudes que não sei por que agradaram a ele. É bem verdade que quando assumi a liderança Nacional ele tentou me corromper com dinheiro, exigindo minha mudança de pensamento, alegando que agora eu fazia parte da cúpula, que agora eu não podia mais pensar como antes, como nordestino tinha que pensar grande.
O senhor declarou em site de relacionamento que o Bispo Macedo era um homem depravado, e que cometia atos ilícitos, o senhor confirma?
Confirmo sim. Digo que ele era imoral porque era comum nas reuniões de liderança ele provocar assuntos que falasse de sexo. Os bispos para lhe agradar contavam o que faziam com suas esposas, suas preferências pessoais etc. Filmes pornôs eram passado para os Pastores e esposas. Como eu nunca abri a boca para falar nada era chamado pelos demais de Santa Madre Teresa de Calcutá. Eu não me incomodava. Mas mantinha minha dignidade, pois mesmo no tempo de catolicismo nunca vi nada igual.
O senhor também afirmou que foi um dos Bispos que foi a Colômbia trazer dinheiro do Tráfico para compra da rede Record. Como foi isso? Quais eram os outros Bispos que trouxeram dinheiro? Como se dava a relação do Edir Macedo com o narcotráfico?
Não só afirmei como dei depoimento de mais de 12 horas na policia federal apresentado todas as provas. Infelizmente, a IURD teve todo apoio do governo Collor e não deu em nada as minhas denuncias
Fizemos uma viagem à Colômbia, éramos uns cinco casais, e a justificativa para a viagem era de conhecer a cidade para colocar um templo da seita. Só no hotel em Bogotá foi que o bispo Gonçalves nos reuniu e contou a verdade. Segundo ele um traficante que estava foragido no Rio de janeiro por ter assassinado um coronel na Colômbia, assistiu o programa de Tv, se sensibilizou com a campanha da compra da Record, e se ofereceu para emprestar um milhão de dólares e uma quantia que não sei calcular em pedras de diamante. Neguei-me categoricamente a participar e isso causou um mal estar muito grande.
Edir tentou me convencer pelo telefone argumentando que para Jesus “até gol de mão vale”. Não adiantou. Fui o único a ficar fora do esquema. Minha esposa participou alegando que se estava errado, ele daria conta a Deus. Veja, eu podia esconder esse detalhe, todavia, mesmo no meu depoimento na Federal eu o expus.
Conte realmente como se deu a compra da TV Record pela Universal.
Eu vou gravar um vídeo contando a verdade sobre a compra da Record que foi feita pessoalmente por mim, que na época era o “bispo” que liderava toda seita Universal no Brasil. Em primeiro lugar o Edir Macedo estava morando nos Estados Unidos quando iniciei as negociações com o Grupo Silvio Santos e a família Machado de Carvalho, que detinham cada um deles 50% das ações da Record.
A Record foi comprada pelo valor de 45 milhões de dólares, e a igreja assumia as dividas, sabendo que o patrimônio tecnológico era zero. Tudo sucateado, o que implicava em ter que comprar tudo novo. Foi dado um sinal de 15 milhões de dólares e o saldo restante deveria ser pago em 10 parcelas mensais de 4,5 milhões de dólares. Entretanto, antes de começar a pagar as parcelas, a IURD deveria em 90 dias apresentar fiança bancaria de um banco de primeira linha, e o contrato dizia que se isso não fosse cumprido a venda estaria desfeita, e pasmem os senhores, até o sinal de 15 milhões de dólares seria perdido.
Eu tentei em todos os bancos a fiança, e mesmo a IURD possuindo patrimônio para garantir a divida, nenhum banco se prestou a financiar. Fiquei então sabendo que era regra na época as instituições bancarias não serem fiadoras de instituições como igrejas, creches, asilos e outros semelhantes a essas. Depois de passado os noventa dias, tivemos uma reunião na sede do SBT em São Paulo, onde estava presente Eu, Edir Macedo, Honorilton Gonçalves, Sandoval que era o braço direito do Grupo do Baú da Felicidade e o próprio Silvio Santos.
A reunião foi rápida e objetiva. O Silvio iniciou dizendo: “Edir eu tenho aqui o contrato, vocês não apresentaram a fiança bancaria, e o contrato diz que vocês perdem o sinal dado e o negócio está desfeito. Mas eu não vou fazer isso, eu nunca fiquei com nada de ninguém, mas o problema é que já gastamos os 15 milhões de dólares. Então vocês vão ter que esperar aparecer outro comprador para Record e aí nós devolvemos esse dinheiro.
O Edir Macedo ficou branco, e só dizia tudo bem, tudo bem, nós aguardamos. Eu falei com ele baixinho e perguntei se ele me dava carta branca para negociar essa situação e ele disse: TUDO BEM CARLOS, METE BRONCA. Eu pedi a palavra e fui direto e contundente: “Silvio, eu não sou advogado, mas tenho certeza que em nenhum lugar do mundo alguém possa perder um sinal de 15 milhões de dólares. Eu sou o líder da IURD no Brasil e posso afirmar que isso é um golpe do Baú. Só que amanhã eu vou convocar o povo e vamos colocar cem mil pessoas na frente do SBT gritando “queremos nosso dinheiro, isso é golpe do baú”.
O Silvio Santos empalideceu e disse: ”Calma rapaz, você não é louco de fazer uma coisa dessas”. Eu disse: “Vou fazer sim porque esse dinheiro é de Deus (eu ainda acreditava nisso), é dinheiro do povo sofrido, isso é o sangue da igreja”. Falei com voz alta, bastante nervoso e irritado. O Silvio teve medo e disse: “Os ânimos estão alterados, vamos esfriar a cabeça e faremos uma reunião na segunda feira junto com os Machado de Carvalho”. Era uma quinta feira por volta das 16 horas. E assim ficou combinado.
Saímos dali e na sexta de manha e eu disse: Se a IURD apoiou o Collor, por que não pedir ajuda a ele? Eu mesmo liguei para Brasília, falei com Renan Calheiros, expus a situação e pedi ajuda. Ele disse: ”O presidente tem hoje uma recepção para os governadores eleitos que lhe apoiaram aqui na casa da Dinda, e meia noite ele vai para um jantar na casa de Paulo Otávio, Procurem chegar aqui antes de ele sair”.
Parece incrível, mas não havia passagem em avião comercial para Brasília, os vôos lotados.
Procuramos alugar um jato particular e por incrível que pareça não havia nenhum disponível. Isso mostra a Grandeza dessa metrópole que é São Paulo. Só no final da tarde foi que o Sr. Demerval, um dos diretores da Record representante de Silvio Santos, conseguiu com um empresário amigo o aluguel de um jatinho.
Partimos para Brasília, eu Edir Macedo, Honorilton Gonçalves, Alberto Hadad ( que foi quem trouxe a Record para ser comprada), e seu primo Jorge Hadad. Na frente da casa da Dinda uma multidão de curioso e muita imprensa. Falamos com a segurança que por sua vez contatou Renan Calheiros, e a ordem dada foi para entrar apenas Edir Macedo. Edir recusou e disse que só entraria se entrassem todos. Meia hora depois veio a autorização para todos entrarem e entramos.
Havia uma grande festa nos jardins da casa da Dinda. Ficamos em pé na varanda esperando e sendo ciceroneados pelo Claudio Humberto, o porta voz do Collor. Conversou bastante e deu uma dica: “Quando vocês cumprimentarem o presidente, somente aperte sua mão, não dêem tapinhas nas costas, pois ele detesta”. Depois de mais de 1 hora de espera, finalmente vem o Collor cercado de uma dúzia de pessoas e parou cumprimentando a todos nós depois da apresentação do Claudio Humberto, identificando cada um de nós.
Collor disse: “Muito obrigado pelo apoio de Vocês. Inclusive eu vi na Veja o bispo na igreja com a minha camiseta de campanha e vi como voces tem apanhado do PT”. Nesse momento o Edir Macedo disse: “Presidente, o senhor poderia nos atender particular por cinco minutos?”. O Collor hesitou por uns segundos, e disse: Tudo bem, cinco minutos.
Entramos na sala e durante uns 10 minutos ouvindo o presidente falar dos seus planos e em seguida foi abordado o problema da Record. O presidente disse: Eu ainda não tomei posse mesmo que tivesse tomado não sei se poderia usar o banco do Brasil para dar essa fiança.
Pensou e pediu a sua esposa que estava numa mesa em uma sala ao lado com a Claudia Raia que chamasse o PC Farias. Para nós era um ilustre desconhecido. Veio aquele senhor baixinho, usando sandálias e o Collor disse: “PC o pessoal do SBT está querendo passar a perna neles, Resolva isso pra mim”. O PC perguntou: “Agora?”. O presidente retrucou: “Não, amanhã você resolve. E assim nos despedimos.
Saímos da casa da Dinda para o aeroporto revoltados, achávamos que aquele foi uma maneira do presidente nos descartar. Na segunda feira as 11 da manhã fomos a reunião no SBT e lá estavam todos , esperando apenas o Silvio chegar. Silvio chega e o sobrinho Guilherme Estoliar diz: “Silvio, preciso falar com você antes de começar a reunião. Silvio disse: Fale logo, pode falar aqui mesmo”.
Para surpresa de todos o Guilherme Estoliar diz: “O PC me ligou no sábado e disse que a Record é do Presidente, que o bispo é apenas o testa de ferro. Silvio arregala os olhos e diz: “Edir Macedo, porque você não me disse isso? Rapaz, se eu contrariar o presidente ele me cassa a concessão do SBT, esse pessoa é uma máfia”.
Edir Macedo entendeu de imediato o que estava acontecendo e disse: “Silvio, você me desculpe mais o presidente queria segredo, eu não podia revelar nada”. Silvio se dirige aos demais e diz: “Então está tudo resolvido, não precisa fiança nenhuma”. Edir Macedo aproveita e mentindo diz: “Outra coisa, ele pediu para dividir o saldo em mais vezes”. Resultado, o que era para ser pago em 10 parcelas ficou de ser decidido parcelar em mais vezes.
Essa é a verdade da compra da Record. Fico enojado ao ver o Edir Macedo enganando as pessoas e contando uma versão mentirosa, fantasiosa, e os bestas dizendo amém. E o que é pior, ainda dizendo que foi um milagre de Deus. Deus não usa dinheiro de tráfico, não sonega impostos e não faz negócios com homens impuros.
Só Edir Macedo Bezerra mesmo para contar suas pilantragens e roubos como se fosse testemunho. O que ele se esqueceu de dizer foi que foram buscar dinheiro de tráfico de drogas na Colômbia e que os membros da IURD faziam sacrifícios sem igual para arranjarem dinheiro para pagar as prestações da Record, pessoas deram todo o seu dinheiro, venderam casas, móveis, eletrodomésticos, aliança, bicicleta, carro e etc. para dar o dinheiro na IURD, pois o safado do Edir Macedo e seus comparsas mentiam e diziam que a RECORD ia ser da igreja e seria usada para pregar o Evangelho de Jesus Cristo 24 horas por dia.
Ele se esqueceu de dizer que os pastores pequenos, os auxiliares e suas famílias passavam fome, porque não recebiam salários. Naquela época só os grandalhões continuavam na vida boa, sem lhes faltar nada.
O que Edir Macedo se esqueceu foi de dizer que ele aplicou o maior golpe e a maior fraude já acontecida em uma igreja dita evangélica. Comprou Canais de TV e rádio com dinheiro suado que o povo, sob pressão e manipulação doava para a igreja, pois acreditavam nas mentiras do Macedo, depois ele surrupiou tudo passando para o nome dele e da sua esposa. Hoje a TV Record é usada para divulgar o “evangelho¨ de satanás 24 horas por dia.
Como é que pode ainda haver gente que acredita neste Edir Macedo e sua quadrilha?
Quais foram às ordens mais escusas que o senhor recebeu de seus líderes?
Bom ele tinha um respeito muito grande por mim, sabia do meu caráter, e costumava dizer a minha esposa que eu era o único pastor que ele pisava em ovos antes de falar qualquer coisa. Recusei-me, por exemplo, a obrigar os pastores do Norte e Nordeste a fazerem cinco reuniões diárias para aumentar a arrecadação. Eu achei uma desumanidade. Só deixei que fizessem três, e as outras duas o pastor auxiliar fazia.
Recusei-me a trazer material para radio e TV dos Estados unidos, mesmo sabendo que havia um acordo com a alfandega em São Paulo para a entrada de tais equipamentos. Só numa viagem foram trazidas 32 malas. Parece conto de fadas, mas é verdade.
Os Bispos são “sócios” do Edir Macedo, participam do “lucro” da Igreja?
O esquema é de comissão. Os lideres de estado tem uma comissão sobre o liquido da arrecadação que for enviada para ele. Os pastores de cada templo têm uma comissão sobre o que for arrecadado. É muito dinheiro a comissão dos bispos, eu, por exemplo, ganhava 5% do liquido que arrecadava todo Norte e Nordeste.
Algo na época, algo em torno de 100 mil reais. Achei um absurdo, e ele sugeriu que fizesse uma retirada de 10 mil reais e o restante ficavam como uma poupança para quando quisesse comprar uma casa na Europa ou em outro lugar. Quando sai tinha aproximadamente um milhão de dólares na “poupança”. Saímos com uma mão na frente e outra atrás, e um dia minha esposa ligou e pediu para ele liberar esse dinheiro e a resposta dele foi: “Isso é para quando está na igreja, saiu não tem direito a nada.
Veja como Deus é bom, ele não permitiu que eu usufruísse disso, hoje tenho orgulho de dizer que não tenho nenhum palito de fósforo comprado com o dinheiro sujo da IURD.”
O senhor falou neste mesmo site de uma maneira muito contundente sobre o ex Bispo Líder no Brasil da Universal, Renato Suhett hoje Padre, o que o senhor teria a revelar sobre ele e seus atos?
O Renato sempre foi um indivíduo extremamente puxa saco do Edir. Aliás, observe que a característica de todos esses falsos pastores é se cercar de gente sem personalidade, gente servil, pois assim ele os manipula com muita facilidade.
Saiu da IURD depois que sai e dizia pregar o Evangelho da Graça de Deus. Uma deslavada mentira, ele pregava um evangelho pervertido, logo abriu mais de 5º templos no Brasil e para quem prega a verdade isso é inconcebível. Na realidade ele sempre foi um dissimulado, hipócrita, se envolveu em escândalos sexuais, adulterou, se prostituiu, o império desabou, fechou todos os templos, e um dia aparece dando testemunho na sede da IURD em São Paulo, dizendo estar arrependido, que o Edir Macedo é que era o verdadeiro profeta de Deus e ainda fazendo apelo para que os pastores que saíram da IURD voltassem que seriam muito bem recebidos.
Um nojo! Isso está no YouTube. Foi enganado pelos homens perversos e maus, que como Paulo disse seguiriam enganando e sendo enganados. Depois disso o colocaram numa igrejinha do interior e não era essa a recompensa que ele esperava. Qual foi o resultado? Saiu outra vez e agora está ai em outro puleiro.
Renato Suhett foi quem consagrou o ex Bispo Valdemiro Santiago, hoje líder da IMPD, o que o senhor tem a falar sobre Valdemiro Santiago?
Ele foi meu subordinado em São Paulo, a primeira coisa que fiz foi proibi-lo de fazer as extravagâncias que fazia tipo distribuir o sabonete ungido, a arruda da vitória, e outras barbaridades mais. Depois foi mandado para o Nordeste e fez um grande sucesso com essas praticas. Um dia resolveu se rebelar e abrir a sua própria seita, e como bom aluno, está aí uma réplica do Edir Macedo no seu inicio. Tal pai, tal filho. Um cafajeste espiritual!”
O senhor o considera um homem de Deus ou mais um enganador que olha para o dinheiro do povo, como disse Silas Malafaia que ele e Edir Macedo são farinha do mesmo saco?
Edir Macedo, Waldemiro, Silas Malafaia, R. R. Soares, Estevam Hernandes, Rodovalho e outros menos votados são todos da descendência da serpente, lobos vestidos de ovelhas, falsos mestres que movidos por avareza fazem comércio com o povo de Deus (1 Pe 2:1-3).
Malafaia durante muito tempo foi um empregado do Edir, encarregado de agenciar os programas da IURD em todo brasil. Claro que ele ganhava das emissoras 10% como contato publicitário. Ele ganhava mensalmente em torno de 100 mil reais. Com a compra da Record, a IURD decidiu cancelar os programas, ele fez um apelo ao Edir para deixar pelo menos um ano para ele se preparar, mas não foi atendido. O resultado foi o rompimento, as brigas, e hoje são desafetos. Tudo por grana.

Como o senhor vê esses líderes televisivos e a briga por espaço entre eles na televisão? A briga é só por espaço? Em sua opinião existe algum líder sério?
Deve haver alguns lideres sérios sem dúvida nenhuma, o problema é que não tive o prazer de conhecer nenhum até hoje. Desses que aí estão se digladiando por espaço na televisão, nenhum deles é sério, são todos lobos vestidos de ovelhas, a briga por espaço é porque isso aumenta a possibilidade de atrair incautos para suas arapucas, o que traduzindo significa o aumento assustador da arrecadação. Por favor, leia Jeremias 5:26-28 que é o retrato fiel dessa gente. Líder sério nunca estará com uma visão mercantilista, não terá como alvo enriquecer nem tão pouco induzir as pessoas a quererem ficar ricas, esse perfil faz parte obrigatória do caráter de um líder sério.
Como o senhor vê o momento atual das Igrejas Evangélicas? Na sua visão o que precisa ser mudado?
Há 15 anos que deixei de ser evangélico para ser cristão. Ser evangélico se tornou como ser católico, todo mundo é. Virou moda. Ninguém apresenta o fruto do Espírito o que é a prova de que tem o Espírito de Cristo, e não esqueça que a Bíblia diz que se alguém não tem o Espírito de Cristo esse tal não é dele. O que temos visto é um povo nascido da carne, gente que se acha convertido porque atendeu a um apelo, ou porque batizou nas águas, e isso é contrario a Bíblia.
Tem que nascer da água (a palavra) e do Espírito. Quando isso ocorre não se apresenta mais as obras da carne, não se fanatiza por denominação, mas abraça a verdade da Palavra e nada mais.
O sistema religioso que está ai estabelecido em nada difere daquele sistema religioso judaico do tempo de Jesus. Hoje espiritualidade é medida por números, pela quantidade de membros e pelo valor arrecadado. Na verdade o que vejo é um movimento onde há animais limpos e animais impuros e isso é coisa da arca de Noé, nunca da Igreja de Jesus. Não há crescimento qualitativo e sim quantitativo, um anomalia, um inchaço. Só há um jeito de reverter isso, à volta a Palavra, a verdade sendo proclamada como Deus quer que ela seja.
*Carlos Magno de Miranda, professor do seminário teológico da graça de Deus, pastor presidente da Igreja Cristo é Vida com filiais em Natal, Fortaleza e Recife.
Procurada,  a assessoria de imprensa da Igreja Universal do Reino de Deus para obter um posicionamento da denominação a respeito das afirmações do ex-bispo Carlos Magno de Miranda. Porém, até o fechamento dessa matéria, não conseguimos contato com a assessoria.
Entramos em contato com o pastor Paulo Cézar, que não se posicionou a respeito da existência ou não de vínculo de Carlos Magno de Miranda com a denominação. Paulo Cézar também ressalta que a liberdade de expressão garante a todos o direito de falar o que pensam, porém “todos serão julgados por Deus”.
Abaixo a íntegra da nota enviada pelo pastor Paulo Cézar:
É fato, é óbvio, é lógico e todos os sinônimos que esse texto está completamente equivocado e manipulado pelo ódio de alguns contra um trabalho honesto dirigido pelo Espírito Santo.
Vivemos num país onde qualquer um pode falar o que quiser. Mas acredite, haverá um momento que todos serão julgados por Deus por suas palavras e atos.
A boca fala o que está cheio o coração. Você consegue realmente perceber algo bom e honesto nesse texto? Tenho certeza que as pessoas já estão mais do conscientes em relação a tudo isso, ser um engodo, um fermento dos fariseus que só cresce e ganha força na mente de pessoas que trazem dentro de si o mesmo causador de todo esse ódio.
Fonte: Gospel+

Namorada do “canibal de Miami” diz que eles estudavam a Bíblia juntos

Namorada do “canibal de Miami” diz que eles estudavam a Bíblia juntos
A namorada de Rudy Eugene, conhecido como o canibal de Miami, disse durante uma entrevista coletiva que eles estudavam a Bíblia juntos deixando os presentes ainda mais assustados.
Yovonka Bryant, 27 anos, contou que eles estavam namorando há quatro meses e que ele nunca teria se drogado ou falado de canibalismo com ela durante esse período. “Me sentia protegida por ele”, afirmou a jovem. “Rudy e eu nunca falamos sobre canibalismo nem vodu, estudávamos a Bíblia juntos”.
Eugene foi morto pela polícia de Miami no dia 26 de maio quando foi visto comendo a cabeça de morador de rua de 65 anos. O crime aconteceu em plena luz do dia e o jovem de 31 anos estava possivelmente sobre efeito de alguma droga.
A advogada de Bryant, Gloria Allred, expressou sua preocupação com o tema “canibalismo”, pois nos últimos dias diversos casos foram noticiados em outros estados americanos e também em outros países.
“Estamos muito preocupadas por este tema e com o número de casos que estão sendo noticiados em estados como Alabama, Maryland e também em outros países como Canadá, Japão e Suíça”, disse.
A polícia trabalha com a hipótese de que Eugene consumiu uma droga sintética chamada de “sais de banho” que tem a capacidade de alterar a capacidade mental de quem a consome. Além disso, essa droga também faz com que o usuário tenha uma força extraordinária causando efeitos parecidos com o do LSD.
Com informações Notícia Cristiana

Miqueias , um profeta que faz suas denúncias.

Há em Miquéias 2.1-5, uma denúncia com relação aos que “planejam a maldade” e “tramam o mal” e que quando tem a oportunidade “executam, por que isso eles podem fazer”. E qual é o mal que esses aos quais Miquéias está denunciando?
Podemos identificar segundo o texto do profeta que eles são os que “cobiçam terrenos e se apoderam deles e cobiçam casas e as tomam.
 Fazem violência ao homem e à sua família; a ele e aos seus herdeiros”.
Podemos perceber que neste momento o profeta Miquéias está colocando como alvo de suas denúncias alguns homens que tem um certo poder dentro da estrutura política judaíta. Eles estão atrás de tomar as casas e a terra dos pequenos do povo de Israel e o fato é que eles podem fazer isso, como o próprio profeta nos informa no versículo 1.
É importante ressaltar que as terras eram as propriedades mais importantes que os judeus tinham pois era através delas que conseguiam obter o seu sustento.
Se uma família não possuía terra então não poderia produzir nada e, por conseguinte não poderiam se sustentar tendo que trabalhar para outros como escravos ou servos.

O que nos importa aqui é notar que dentro de uma estrutura política que em nosso caso é a da cidade é possível encontrar pessoas que tem o poder de tramar e executar o mal contra os menores dessa sociedade.

 O profeta esta nos alertando que devemos buscar formas de denunciar esse abuso de poder.
Os poderosos queriam as terras, a forma de sustento das famílias judaicas e quando tivessem uma oportunidade, eles as tomavam, as terras e as casas dessas famílias.
Então o profeta anuncia ou ameaça os opressores e acumuladores de terras com um castigo de Deus que da mesma forma que eles esta planejando e tramando o mal contra eles.
O profeta nesse momento utiliza um critério da lei de talião, olho por olho e dente por dente, quando determina que os acumuladores de terras perderão os seus campos expressada no versículo 4 da capitulo 2.
Logo após isso há um discurso dos opressores e acumuladores de terra dando a idéia de um dialogo colocado pelo narrador do texto.
 Os opressores reclamam acerca da pregação dos profetas do campesinato que denunciam e ameaçam os acumuladores de terras, principalmente expressa no v. 6 e mais ainda se consideram como os retos e que isso é um bem que Deus tem feito para eles.
Podemos identificar aqui claramente a presença de dois discursos teológicos bem distintos encontrados no texto de Miquéias e que podem ser colocados em oposição um ao outro.
 O primeiro é a teologia do estado, ou dos opressores, que são acusados por acumular e roubar a terra das famílias do campo, e o segundo discurso teológico é o do próprio campesinato, representado pelo profeta Miquéias e corresponde a uma teologia do povo oprimido de Israel.
Pois então Miquéias coloca em confronto direto os discursos em busca de uma maneira de demonstrar como a teologia imposta pelo estado é de má índole e com maus objetivos, não busca o bem comum da nação de Israel, mais sim o seu próprio bem e justiça.
Com isso quero insinuar que a teologia do estado comentada por Miquéias pode facilmente ser identificada como a teologia pregada pela cidade nos dias atuais e por isso servir de base para uma crítica da própria estrutura estatal e pública.
O conflito entre os discursos continua quando Miquéias coloca uma realidade imposta pelo estado que é a dos impostos que segundo o profeta “além da túnica, arrancam a capa” e “tiram as mulheres do meu povo de seus lares agradáveis”.
 Ele coloca assim que a cidade sobrecarregava a população a tal ponto de perderam suas próprias vestes e seus lares, que são as mais básicas necessidades para a sobrevivência.
Por fim Miquéias faz uma dura crítica aos profetas e pregadores que legitimam essa opressão que o estado exercia e diz assim “Se um mentiroso e enganador vier e disser: Eu pregarei para vocês fartura de vinho e de bebida fermentada, este será profeta deste povo”. Com isso Miquéias caracteriza uma pregação triunfalista no meio estatal que precisava ouvir sobre prosperidade mesmo sendo à custa do próprio povo que sofria com os abusos impostos pela estrutura política.
Miquéias então coloca em conflito uma nova categoria de discursos, uma que é expressa pelos opressores no versículo 4 e pelos oprimidos nos versículos 12 e 13. O que está em jogo aqui é quem realmente faz parte do povo de Deus. Tanto um quanto o outro clamam para si tal status político e Miquéias fala duramente acerca disso quando diz que Deus está para reunir o remanescente de Israel, o campesinato, e Javé será o rei deles, em resposta à monarquia onde Deus não reinava e sim uma dinastia de homens.
Logo no início do capítulo 3 Miquéias tematiza mais um aspecto da estrutura estatal do povo judeu, os tribunais, e tece uma dura critica a eles. Em uma lógica bastante simples acontecia assim, o campesinato que era prejudicado pelos acumuladores de terras se sentia no direito de procurar meios legais da justiça ser executada e procuravam os chefes da casa de Jacó, ou seja os tribunais, e estes corrompidos e subornados davam parecer injusto para favorecer os próprios acumuladores. 
Miquéias fala diretamente aos chefes de Jacó e aos governantes de Israel fala duramente que eles deveriam conhecer a justiça, mas ao contrario disso, odeiam o bem e amam o mal. Miquéias esta destacando a corrupção do estado judeu que já aderia ao sistema de acumulação de terras em detrimento às pequenas famílias do campo. A partir disso Miquéias destaca o efeito que essa injustiça causa no povo.
Utilizando uma linguagem metafórica vindo da culinária, Miquéias diz que os chefes e governantes estão arrancando a pele do povo e a carne dos seus ossos, e os comem como se fossem carnes de panela. Essa linguagem dura e cruel significa o mal que os governantes, por sua corrupção, tem feito ao povo. As conseqüências desses atos acontecerão quando clamarem a Deus por socorro e Deus virar a cara para eles.
Vejam que vai se formando todo um ambiente de legitimação do sistema estatal onde nem mesmo aqueles que seriam os responsáveis pela justiça não a exercem. Os próximos alvos da denúncia de Miquéias são os profetas que legitimam o sistema estatal e monárquico de Judá. Os profetas tinham como função na nação de Israel o de educadores, ou disseminadores da ideologia da corte, pelo menos os que eram ligados ao templo.
Os profetas pregavam paz aos que mantinham as suas bocas cheias e pregavam guerra àqueles que não traziam nenhum tipo de beneficio financeiro para eles. Devemos entender que ser profeta nesse momento se tinha tornado uma profissão, e os que se declaravam como profetas viviam das ofertas que recebiam pelas suas profecias. Por isso podemos ver como os profetas pregavam prosperidade aos que eram de boa condição financeira e pregavam para os que não tinha boas condições, que estes estavam em guerra com Javé.
Miquéias faz uma dura crítica aos que são responsáveis pela educação do povo que está oprimido pelos acumuladores de terras e de recursos. É necessário se fazer essa crítica, pois estes deveriam ensinar o povo que estes estão sendo enganados e que deveriam de alguma forma se levantar contra a opressão do estado. Ao invés disso, esses profetas, desviam o povo, ou seja, dão ensinos deturpados e que favorecem exclusivamente os que fazem parte dessa classe de acumuladores de terras.
E mais faz um contraste entre esses profetas e ele mesmo como anunciador da parte de Javé. Ele se coloca como padrão de profeta quando diz que está cheio do Espírito de Javé e com força, justiça, e fortaleza, anuncia a mensagem da parte de Javé. Isso é de extrema importância, pois como esta sendo tratado aqui, dois discursos teológicos estão em confronto, e Miquéias vem para trazer à tona a tradição dos campesinos que está sendo massacrada e deturpada pelos profetas do estado. Os profetas se vendem e profetizam, ou ensinam a ideologia dos ricos e opressores, em troca de dinheiro. Dessa forma a injustiça social é pregada e ensinada ao povo como se fosse da parte de Javé.
Por fim para terminara essa seqüência de denuncias e ameaças ao sistema injusto de Israel e ao discurso político e teológico que legitimam esse sistema, Miquéias levanta uma denúncia contra os chefes da descendência de Jacó, aos governantes da nação de Israel, aos sacerdotes e aos profetas. Miquéias aqui faz um apanhado de toda a estrutura governamental e daqueles que a apóia.
O grande ponto deste bloco de denuncias que englobam o livro de Miquéias nos capítulos 2 e 3, é o fato de que este sistema está sendo construído com o sacrifício do povo. O sangue do povo esta sendo derramado e o governo está usando um discurso para tentar encobrir isso. Esse discurso é que o estado precisa se libertar de uma nação opressora, a saber, a assíria, e para isso os sacrifícios são precisos, porem o sacrifício dos mais fracos e menos favorecidos.
O fato é que Miquéias vem para representar uma linha teológica de que não se deve sacrificar seu povo para que o estado esteja livre de uma outra nação. Por fim o povo acaba morrendo de qualquer forma, e Javé vem em defesa do seu povo que não importa por quem esteja sendo oprimido precisa ser libertado. Há um conflito de idéias novamente quando esses opressores utilizam a fórmula, “O Senhor está no meio de nós”. Miquéias rebate essa idéia utilizando o discurso de que Javé somente está no meio daqueles que fazem o bem e aplicam o direito no meio do seu povo.
É importante extrair de Miquéias elementos que fundamentam os aspectos condenatórios da cidade. Podemos reconhecer como cidade toda a estrutura criticada por Miquéias que utilizam de seu poder para oprimir o povo e acumular as riquezas da terra. Nestes dois capítulos foram denunciados não só os próprios acumuladores de terras, mais como todo o sistema que legitima tais atos. Em troca de dinheiro, o ensino, os tribunais, e a administração estatal são deturpados.



VIA GRITOS DE ALERTA

A DENÚNCIA DO PROFETA


Gosto de ler o livro de Amós. É significativo evocar o profeta Amós, camponês que se tornou autor bíblico. "Sou vaqueiro e plantador de sicômoros", definia-se ele (7,14). Viveu há vinte e oito séculos, em Técua, num sítio próximo a Belém da Judéia.
Israel era governado pelo rei Jeroboão II (786-746 a.C.), cuja política econômica consistia em aumentar a carga tributária, extorquindo sobretudo os assalariados e diaristas, para favorecer as importações, endividando o país.
 
 O Estado era rico e o povo, pobre. Pesquisas arqueológicas revelam que, quanto mais endinheirada a nobreza, mais suntuosos os palácios da Samaria, em contraste com a miséria dos casebres da população.

Versado em política e relações internacionais
, graças ao trabalho de comercializar queijos, lã e couro nos principais mercados da região, Amós deixou o reino do Sul, onde vivia, e dirigiu-se ao Norte.
 
 Indignado frente a tanta desigualdade, denunciou os que "vendem o justo por dinheiro e o necessitado por um par de sandálias" (2,6), ou seja, juízes e fiscais que aceitavam subornos para aplicar multas que resultavam no confisco da terra dos camponeses.
"Pai e filho dormem com a mesma mulher" (2,7), vociferava o profeta contra os patrões que transformavam suas empregadas em prostitutas. Os governantes "em seus palácios entesouram violência e opressão, e não sabem viver com honestidade" (3,10).
O tempo e os recursos que as mulheres ricas perdiam no cuidado da vaidade levaram Amós a apelidá-las de "vacas de Basã", que "vivem em casas de marfim nos montes da Samaria, oprimem os fracos e maltratam os necessitados" (4,1).
As autoridades e os juízes "transformam o direito em veneno e atiram a justiça por terra" (5,7), "odeiam os que defendem o justo no tribunal e têm horror de quem fala a verdade" (5,10). Os trabalhadores "pagam pesados impostos, constroem casas de pedras lavradas nas quais nunca irão morar e plantam vinhas de ótima qualidade sem jamais saborearem o vinho" (5,11).
Primeiro profeta a assinar um livro da Bíblia, Amós não fazia rodeio com as palavras. Denunciava os abastados que "deitam-se em camas de marfim, esparramam-se em cima de sofás, comendo cordeiros do rebanho e novilhos cevados em estábulos, cantarolam ao som da lira, bebem canecões de vinho e usam os mais caros perfumes" (6,4-6). No comércio, "diminuem as medidas, aumentam o peso e viciam a balança" (8,6).
 Os agiotas, "no templo de seu deus bebem o vinho dos juros" (2,8).
Ainda assim, a elite revestia-se de uma religiosidade exuberante.
O profeta, entretanto, não se deixava iludir e Deus falava por suas palavras: "Detesto as festas de vocês, longe de mim o ruído de seus cânticos, nem quero escutar a música de suas liras. Eu quero, isto sim, é ver brotar o direito como água e correr a justiça como riacho que não seca" (5,21-24).

Amós criticava aqueles que enchiam a boca de discursos políticos e religiosos e, no entanto, permaneciam indiferentes ao sofrimento do povo.
 Para ele, tudo aquilo era "tão absurdo como arar o mar com bois ou encher de pedras a pista e esperar que os cavalos corram" (6,12).

Como se vê, a mensagem do livro do Profeta Amós, continua atual.
 
VIA GRITOS DE ALERTA

Com ataque à Globo, Domingo Espetacular debate a arte com apologia à pedofilia

Programa Domingo Espetacular, na Record TV O debate sobre as exposições de arte com apologia à pedofilia e outros temas no Brasil marc...