sexta-feira, 6 de setembro de 2013

L' SHANAH TOVA! FELIZ ANO NOVO!



Começa ao pôr do sol de hoje o NOVO ANO JUDAICO, o "Rosh Hashanah", que no calendário dos judeus será o ano 5774.
Que trará este Novo Ano a Israel? Certamente muita inquietação, para já. O mais que provável ataque à Síria pelos norte-americanos poderá ter consequências imprevisíveis, deixando Israel em estado de alerta máximo, tendo em conta especialmente as ameaças reais dos terroristas do Hezbollah, apoiantes do governo sírio e ansiosos por atacar Israel.
Oremos para que a Paz seja assegurada nas fronteiras a Norte e também a Sul, com o evoluir da crise no Egito.
Bom Ano Novo para todos os nossos fieis leitores!
Shalom, Israel!

ISRAEL PREPARADO PARA QUALQUER ATAQUE SÍRIO


Apesar de se encontrar em plena celebração das Festas judaicas do Ano Novo e em breve o próprio Dia da Expiação - Yom Kippur - Israel está preparado para a eventualidade de uma "loucura" por parte dos sírios, como retaliação ao provável ataque norte-americano contra a Síria e que deverá acontecer nos próximos dias. 
Havendo já ameaças do governo sírio de que qualquer ataque vindo do exterior levará a represálias contra a Turquia e Israel, os habitantes do Norte de Israel começaram já a selar e vedar as janelas das suas casas com fitas adesivas adequadas e impermeáveis a qualquer ataque químico, fazendo-se testes às máscaras e outros equipamentos necessários para uma ocasião destas, infelizmente algo a que Israel já se habituou.
ENSAIANDO AS MÁSCARAS
Ninguém pode prever que tipo de retaliação - se alguma - poderá surgir não só da Síria, mas especialmente da parte dos terroristas do Hezbollah, na posse de uma grande quantidade de mísseis capazes de atingir Tel Aviv e outras cidades israelitas. Para além dos mísseis, poderá surgir um ataque com armas químicas ou bacteriológicas, pelo que Israel prepara-se para o pior dos cenários, esperando que nada passe de uma ameaça.
Israel encontra-se no meio de 2 graves problemas: a Síria a Norte, em plena guerra civil e a caminho de sofrer um ataque de forças externas contra o seu governo e instalações militares, e o Egipto a Sul, numa fervescente instabilidade, ainda que o atual exército tem demonstrado um sentido de cooperação nunca visto com as autoridades israelitas no que concerne ao controle da questão no Sinai, onde grupos e células terroristas se movimentam, tentando infiltrar-se em Israel e causar instabilidade no Egipto, tendo sido prontamente combatidos pelo exército egípcio.
Agora que estamos muito próximos de celebrar os 40 anos da Guerra do Yom Kippur (Outubro de 1973), vencida por Israel mas com imensas dificuldades iniciais e perda de muitas vidas, é importante que nos lembremos de orar por Israel, num dos momentos mais sensíveis da sua história recente, dando o nosso apoio e compreensão tão necessários neste período festivo em que muitos judeus se lembram e trazem à memória dos seus filhos os grandes feitos de Deus a favor do Seu povo em épocas passadas.
Shalom, Israel!

PELA PRIMEIRA VEZ, AO FIM DE QUASE 2 MIL ANOS, PREPARAM-SE AS OFERTAS PARA O NOVO TEMPLO DE JERUSALÉM


Jerusalém, 20 de Agosto de 2013: ao fim de quase 2 mil anos após a destruição do Segundo Templo, várias organizações judaicas lideradas pelo "Instituto do Templo" realizaram um "ensaio" oficial para a preparação da reinstalação do "sacrifício diário perpétuo" tal como está registado no Livro de Levítico.

PELA PRIMEIRA AO FIM DE QUASE 2 MIL ANOS...
Esta é a primeira vez que tal evento é realizado depois do ano 70 d.C., ano em que o Templo foi destruído pelos invasores romanos. 
Foi instituída pela primeira vez em 2 mil anos uma escola para o treinamento de coatitas - judeus pertencentes à tribo sacerdotal de Israel - na qual são estudadas todas as implicações relacionadas com a administração do serviço no Templo.
Na semana passada um grupo de coatitas reuniu-se em Jerusalém para aprender como envergar as roupagens especiais criadas pelo Instituto do Templo há alguns anos atrás segundo os requisitos bíblicos e como realizar os "sacrifícios perpétuos" tal como o sacerdócio levítico realizava há muitos anos atrás...

TERCEIRO TEMPLO
O Instituto do Templo tem feito inúmeras preparações para a reconstrução do Terceiro Templo no Monte Moriá, em Jerusalém, apesar da constante oposição da polícia israelita que teme violentas reações por parte dos muçulmanos que dominam a esplanada do Templo, presente ocupado pela mesquita de Al Aqsa e pelo Domo da Rocha.
O grupo tem mesmo assim continuado os preparativos e já iniciou a construção das fundações para o altar, tendo já completado a fabricação das lâmpadas, da bacia, da coroa de ouro, tendo também iniciado os projetos para uma câmara especial reservada para o Sinédrio dentro do espaço do Templo. 
Os coatitas têm andado ativos na preparação para a reconstrução do Terceiro templo, tendo em 2007 recitado já a primeira bênção sacerdotal no Monte do Templo ao fim de mais de 1900 anos.

Nesse mesmo dia 20 de Agosto juntamente com um grupo de 38 pessoas, dirigimo-nos ao Instituto do Templo, tendo estranhado encontrar a porta fechada...mas imaginávamos que nesse mesmo dia se estava a desenrolar tão importante evento, oculto aos nossos olhos curiosos, mas visível no coração de todos quantos aguardam a vinda do Messias...

Shalom, Israel!

ONG da Igreja Católica é acusada de desvio de dinheiro

A ONG Centro de Atendimento ao Trabalhador (Ceat), sob suspeita de desvios de R$ 18 milhões, tem origem na Igreja Católica.

A Arquidiocese de São Paulo informou ter ficado "surpresa" com a investigação da Polícia Federal que coloca a ONG Centro de Atendimento ao Trabalhador (Ceat) como carro chefe de desvios de R$ 18 milhões em convênios de R$ 47,5 milhões firmados com o Ministério do Trabalho. A ONG tem origem na Igreja Católica, inicialmente denominada "Centro Arquidiocesano do Trabalhador".

A Arquidiocese se disse "surpresa com as informações que circulam e deseja que se faça plena luz sobre todos os fatos e que as responsabilidades sejam assumidas por quem as deve assumir". A operação da PF prendeu sete gestores da ONG e um assessor do Ministério do Trabalho, Gleide Santos Costa, exonerado do cargo na terça-feira, 3. De acordo com as investigações, o valor foi desviado por meio de contratos fraudulentos com oito empresas prestadoras de serviços cujos sócios fazem parte do quadro de gestores da ONG.

A Cúria assinalou que não vai adotar nenhuma providência com relação ao padre Lício de Araújo Vale, alvo da Operação Pronto Emprego. Ele é diretor administrativo da ONG e foi preso na terça feira, 3, pela Polícia Federal, sob suspeita de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e peculato.

"Do ponto de vista civil, padre Lício deverá responder por si, inclusive com amplo direito à defesa. Do ponto de vista canônico, ele pertence à Diocese de São Miguel Paulista", destacou a Arquidiocese, por meio de sua assessoria de imprensa.

Com relação à ONG Ceat, a Cúria anotou que também não pode tomar medida. "O Ceat nasceu na Arquidiocese de São Paulo como 'Centro Arquidiocesano do Trabalhador', em dezembro de 2012. Mas há vários anos transformou-se numa Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, passando a se chamar 'Centro de Atendimento ao Trabalhador', com personalidade jurídica, vida, gestão e responsabilidades de gestão próprias. Depois disso, a Arquidiocese de São Paulo deixou de ter qualquer responsabilidade administrativo-financeira sobre a entidade."

Em seu site, a ONG destaca que no dia 1.º de agosto, a presidente Dilma Rousseff, acompanhada do prefeito Fernando Haddad (PT) "visitou a sede do Sindicato dos Comerciários e conheceu a Unidade Dom Claudio Hummes do Ceat".

Dilma participava de uma solenidade na Prefeitura de São Paulo, onde anunciou a liberação de R$ 8,1 bilhões para infraestrutura, moradia e obras de mobilidade urbana. "Após a cerimônia, Ricardo Patah, presidente do Sindicato dos Comerciários, convidou a presidenta para visitar a sede que fica próximo à prefeitura", informa o site da ONG.

"Chegando ao Sindicato a presidenta caminhou pela Unidade Dom Claudio Cardeal Hummes do Ceat, conversou e tirou fotos com colaboradores e pode conhecer as atividades e serviços prestados pelo Ceat aos trabalhadores diariamente", informa o site da ONG sob suspeita da Polícia Federal.

Fonte: Estadão

Pastor desmascara bandido que tentava aplicar golpe

Open in new windowUm pastor evangélico da cidade mineira de Varginha desmascarou a tentativa de um criminoso de aplicar o golpe do falso sequestro.

Ele gravou a conversa para alertar outras vítimas em potencial. O pastor Marcos Fernando recebeu a ligação de um homem afirmando ter sequestrado sua filha e, ao perceber se tratar de um golpe “deu corda” ao bandido para ver até onde a conversa chegaria.

- Deu para perceber que era um falso sequestro porque a minha filha estava em casa, mas imaginei que poderia ser uma brincadeira de mau gosto. Quando eu prolonguei a conversa, vi que era algo mais sério e aí tive o instinto de apertar o “REC” do celular e gravar a conversa – contou o pastor, em entrevista concedida à EPTV.

Na conversa, o bandido tenta extorquir R$ 10 mil do pastor, pedindo para que ele faça um depósito bancário do valor para libertar sua filha. Ao fim da ligação, o pastor frustra o bandido, afirmando só ter deixado a conversa se estender para mostrar que “nem todo mundo é otário”.

- Eu não vou fazer depósito nenhum. Eu só dei corda porque nem todo mundo é otário – disse ele ao criminoso ao final da ligação.

Segundo o pastor, sua intenção inicial era enviar a gravação à polícia, mas que desistiu de fazer isso porque não acreditou que o caso fosse levado à frente. Porém, ele afirma que decidiu apenas enviar a conversa à imprensa, para alertar outras famílias.

- Tinha o desejo de passar isso para as autoridades, para tomarem uma providência, mas entendendo que essas autoridades têm outras preocupações mais importantes, eu sabia que isso não seria levado à frente. Mas sei que divulgando, serve de alerta às outras famílias.

Veja a transcrição da conversa:

Voz de mulher: “Pai”
Vítima: “Oi minha filha, onde você tá?”
Criminoso: “Você que é o pai doutor?”
Vítima: “O que que tá acontecendo meu amigo?”
Criminoso: “É assalto meu camarada!”
Vítima: “Solta a minha filha, que negócio é este?”
Criminoso: “Pra mim soltar a sua filha, eu queria uma pequena recompensa financeira em dinheiro de R$ 10 mil. Quanto você tem?”
Vítima: “Rapaz, eu acho que devo ter, sei lá, uns quatro, quatro e pouco”
Criminoso: Não quero machucar ninguém, não quero fazer nenhum mal a ninguém. Eu só quero o dinheiro e soltar ela. E você vai anotar uma conta e vai jogar na conta do meu advogado, entendeu?”
Vítima: “Calma aí, calma aí. Vou arrumar uma caneta. Por favor não faz nada com ela não”.
Criminoso: “Faz o depósito pra mim lá”
Neste momento, em outra ligação, a vítima simula estar no banco:
Vítima: “Tem umas cinco pessoas na fila”
Criminoso: “Cinco? Tá bom”
Vítima: “É o seguinte. Eu não vou fazer depósito nenhum. Eu só dei corda, porque nem todo mundo é otário!”

Fonte: Gospel+

Pastor é baleado na frente de igreja

Um pastor evangélico foi baleado na frente de uma igreja no bairro de Jardim Primavera, em Camaragibe, no Grande Recife, na noite dessa quarta-feira (4)

Bento José de Santana, 64 anos, estava no carro saindo do culto em que também se comemorava o seu aniversário, quando foi surpreendido por dois homens em uma moto. Eles fizeram quatro disparos; três atingiram o pastor.

Os fiéis e amigos que estavam na Igreja Batista não acreditam em uma tentativa de assalto.

Para eles, a intenção dos bandidos era matar Bento. O carro onde o pastor estava foi levado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para ser periciado.

Já a vítima foi socorrida para Unidade de Pronto Atendimento da Caxangá (UPA) e depois transferida para o Hospital Getúlio Vargas, no Cordeiro, Zona Oeste do Recife. Bento está internado, em estado grave.

Fonte: NE10

Campanhas evangélicas ganham adeptos defendendo a virgindade até o casamento


A abstinência sexual, a pureza emocional e sexual fazem parte da mensagem desses grupos de jovens, que crescem pelo país e já chamam a atenção da mídia não cristã.

Milhares de jovens têm se reunido em vários pontos do Brasil para discutir um assunto que interessa a todo mundo: sexo. Mas não da maneira como a maioria das pessoas está acostumada. No último dia 1º de maio, feriado do Dia do Trabalhador, mais de 1,5 mil deles encontraram-se em Manaus (AM). Apesar do preço do ingresso, de 15 reais, cerca de 500 pessoas tiveram de ser dispensadas por excesso de lotação. O agito chamou a atenção da imprensa, inclusive do portal G1.
E olha que não era balada, não era rave, não era farra – a moçada se reuniu no templo da Assembleia de Deus de Madureira para celebrar algo meio impensável nos dias de hoje: a pureza sexual.

Organizado pela Missão Confins da Terra, o encontro atraiu evangélicos e também católicos, além de gente que não está muito ligada em religião mas sentiu-se interessada pelo tema. A idealizadora do movimento é a jovem Marjorie Bindá Leite, de 22 anos, estudante de Engenharia que, por opção pessoal, nunca namorou, nem beijou na boca. Acredite – ela tem esperado o que chama de "tempo de Deus" para o namoro, o casamento e, por consequência, o sexo. "Entendo a necessidade de esse assunto ser abordado em igrejas e instituições sociais, defendendo a família, que começa nos relacionamentos. Por esta razão, a escolha da pessoa com quem iremos casar é muito importante e merece atenção e orientação", advoga. Na raiz de compromisso tão radical está a fé em Deus e o desejo de viver em santidade nessa delicada área da vida.

O seminário reuniu os líderes dos movimentos Eu Escolhi Esperar e Entre Príncipes e Princesas. Este último agrega mais de 2 mil adeptos na Região Norte, todos com a mesma intenção: permanecer castos até o casamento. Já o movimento Eu Escolhi Esperar nasceu em Vitória (ES). Idealizado pelos pastores Nelson Junior e Victor Vieira, o grupo promove os valores do Reino de Deus para a família e a construção de relacionamentos em pureza e santidade.

A dupla criou também a Rede Mobilizando o Brasil (MOB). A história do próprio Nelson foi o ponto de partida. "Desde muito cedo, já com 11 anos de idade, estava determinado a me guardar para o casamento", conta. O primeiro e único namoro começou aos 18 anos. Durante três anos, ele e Ângela Cristina, hoje sua mulher, mantiveram o firme propósito de levar a virgindade para o altar. "Através do meu testemunho, posso dizer que valeu a pena esperar. A sociedade prega liberdade sexual e as pessoas que optam por se guardar são vistas como infelizes, mas isso não é verdade. Queremos mostrar que aqueles que sabem lidar com a sua sexualidade não perdem nada, mesmo que estejam abrindo mão do sexo numa época em que o desejo está mais aflorado", explica o pregador, casado há 14 anos e pai de duas meninas.

A abstinência sexual é o principal alvo da campanha, mas não o único. A pureza emocional e sexual, incluindo posicionamentos claros contra a pornografia, vícios sexuais e imoralidade, também fazem parte da mensagem desses grupos, que crescem pelo país e já chamam a atenção da mídia não cristã. A mobilização tem tido enorme repercussão nas redes sociais e alcança números expressivos de adeptos. Hoje, o twitter @escolhiesperar tem 150 mil seguidores. No Facebook, o movimento já é curtido por mais de um milhão de internautas – destes, 500 mil estão falando sobre o assunto.
"Queremos passar uma mensagem que tenha aplicação prática", explica Victor Vieira. "A ideia é influenciar a sociedade. Nosso investimento acontece a longo prazo, visando tanto à construção de famílias fortes e saudáveis quanto à redução da prostituição e tantos outros efeitos da promiscuidade", diz Nelson Junior. Ele realizou evento semelhante na Igreja Presbiteriana Renovada, em Aracaju (SE), com participação de mais de 1.200 jovens. Veio gente de Alagoas, Bahia e Pernambuco. Com a agenda lotada, o movimento já realizou sua primeira incursão pela América do Norte, com congressos em Nova York, Nova Jersey, Boston e Flórida. "Também recebemos o convite de uma igreja de Goiânia para um tour no mês de agosto, em países onde eles mantêm igrejas: Irlanda, Inglaterra, Espanha e Portugual", enumera o pastor, que estuda ainda a realização de eventos do gênero na América do Sul, África, Ásia e Oceania.

COMPROMISSO PÚBLICO
A defesa da castidade pré-conjugal, uma antiga bandeira evangélica já bastante esfarrapada pelo tempo, é polêmica certa. É que as duas últimas gerações de crentes já incorporaram ao vocabulário termos como ficar e pegar. "Isso acontece porque o discurso evangélico, antes contundente na reprovação à fornicação e à irresponsabilidade na área do sexo, anda muito diluído, e até mesmo ausente de muitos púlpitos", aponta o pastor Jaime Kemp, cujo ministério é voltado à família cristã e ao aconselhamento. Ele organizou uma ampla pesquisa, alguns anos atrás, sobre o sexo entre os jovens evangélicos, segundo a qual mais da metade – 52% – já tinha experiência sexual antes do casamento. Não há sinais de que esse número tenha diminuído, ainda mais porque a defesa da virgindade até o casamento tem sido deixada de lado por muitas lideranças, que preferem deixar quieto e só agir em último caso, diante de um escândalo como uma gravidez entre adolescentes da igreja. A mesma pesquisa mostrou que 17% das garotas crentes que já haviam transado engravidaram ao menos uma vez.

A novidade é que diversos movimentos e campanhas em favor da abstinência pré-conjugal têm encontrado mais apoio entre os jovens evangélicos. São iniciativas de pastores ou grupos cristãos que apregoam um tipo de comportamento que requer força de vontade, compromisso espiritual e responsabilidade, mas cujo preço, garantem os que o adotam, compensa o esforço. A estudante Lizzie Moretti, 23 anos, e seu namorado, Leandro Behr, 22, que trabalha como agente de orientação empresarial no Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), estão nessa onda. Quando começaram o namoro, há dois anos, fizeram um propósito: deixar o sexo para depois do casamento, na contramão da maioria dos jovens de sua idade. Mesmo namorando à distância – Lizzie é membro da 1ª Igreja Batista de Maringá (PR) e o rapaz congrega na Comunidade Cristã Reviver em Curitiba –, os dois têm mantido o voto na certeza de que é a escolha certa, apesar da avalanche de apelos sexuais por todos os lados e da pressão dos amigos que não seguem a mesma fé. "Sempre pedi a Deus uma pessoa que também tivesse esse desejo no coração", diz Lizzie. "E, como o Senhor tem o melhor para aqueles que nele esperam, comigo não foi diferente. Tenho ao meu lado uma pessoa que busca viver em santidade", revela, referindo-se a Leandro, que é seu primeiro namorado.

Ela cresceu ouvindo na igreja que o certo é esperar a pessoa que Deus lhe preparou e se guardar para o casamento, algo que adotou como princípio de vida. O namoro só começou depois de três meses de oração e da aprovação dos pais. Na faculdade de Odontologia, algumas amigas têm curiosidade de saber como é viver de forma tão diferente. Essa é a oportunidade de Lizzie falar sobre os valores que a norteiam. "Tento mostrar que crente não é careta", diz. Ela quer provar, com seu exemplo, que Deus tem algo além daquilo que parece ser tão bom e que se guardar para a pessoa certa é a melhor escolha. "Além disso, poder se casar sem marcas do passado é a melhor recompensa da espera", garante.

Viver em pureza sexual em um mundo pautado pela liberalidade comportamental é, no mínimo, um testemunho de vida com Cristo. E muita gente tem seguido esse caminho, por mais que o sexo sem compromisso, casual, esteja na moda, inclusive entre a turminha que frequenta a igreja. Nos Estados Unidos, o primeiro movimento do gênero começou em 1987, quando o ministério LifeWay lançou o True Love Waits (Quem ama espera), através do qual a decisão de se casar virgem era assumida publicamente pelos participantes, através da assinatura de um cartão de compromisso. Outra maneira de demonstrar a adesão à causa e que virou até objeto cult é o chamado anel de pureza, espécie de aliança que o jovem passava a usar como testemunho de que escolheu esperar a hora certa para o sexo.

Logo em seguida, no Brasil, a ideia foi acolhida pela Junta de Mocidade da Convenção Batista Brasileira. Nos anos 90, a entidade enviou às igrejas filiadas um programa do projeto para ser desenvolvido de acordo com a realidade local. O assunto foi tema do Congresso Despertar, e durante um bom tempo jovens crentes solteiros participaram de estudos bíblicos sobre a pureza e a abstinência sexual. Mais tarde, a iniciativa se descentralizou, semeando a ideia entre diversos outros grupos cristãos. "Quando a igreja olha para o jovem, só vê o pecado sexual. Nosso foco é pregar a integridade, o relacionamento com Deus", destaca Gilciane Abreu, diretora-executiva da Juventude Batista Brasileira.

A campanha pela pureza nos moldes do Quem Ama Espera, ganhou, em 2008, a adesão da Igreja Renascer em Cristo. Direcionado aos solteiros e aos integrantes do grupo jovem da denominação, hoje chamado O2, o ministério levanta a bandeira de que sexo somente após o matrimônio é o plano de Deus e o início de um casamento feliz. O movimento ficou muito conhecido através do craque Kaká, guindado ao posto de paladino da castidade pré-conjugal. Membro da Renascer, na qual chegou a presbítero, o atleta fazia questão de deixar clara sua opção pela espera do momento certo para a primeira transa. Com isso, virou alvo de curiosidade e de uma nada disfarçada ironia por parte de colegas das quatro linhas e de setores da mídia. Contudo, sua posição firme em nome dos princípios que resolveu abraçar, mesmo vivendo e trabalhando em ambiente de tantos apelos e oportunidades, também granjeou muita simpatia e admiração. Kaká garante que manteve a virgindade até dezembro de 2005, quando se casou com a modelo Carol Celico, também evangélica. Hoje, o casal e seus dois filhos não estão mais na Renascer e vivem na Espanha, onde o atleta defende as cores do Real Madrid.

O pastor Daniel Tenuta, líder geral do O2, lembra que o sexo é uma relação de intimidade profunda, que envolve contato físico, e defende que só é válido quando há um compromisso entre os parceiros através do casamento. "Segundo a Palavra de Deus, quando fazemos sexo possuímos o parceiro. Assim, é como se um passasse a ser 'dono' do outro", defende. "Sem casamento, não existe um acordo de fidelidade sobre isso. As pessoas passam a possuir umas às outras, sem responsabilidade". De acordo com Tenuta, um comportamento libertino em relação ao sexo pode deixar marcas, como o desejo sexual incontrolado e a dificuldade em manter relacionamento apenas com uma pessoa. "Adultério, ciúmes doentios, traições conjugais, brigas e prejuízos à vida emocional são problemas que podem decorrer disso", enumera. "A Bíblia diz, em Gálatas 6.7, que de Deus não se zomba; o que plantarmos, colheremos. Eis o princípio espiritual e simples para tudo". Mas, para aqueles que consumaram o ato sexual antes do matrimônio, o pastor garante que há um caminho de restauração. "Mesmo assim, é possível construir uma família saudável e um casamento bem sucedido, com base na graça de Deus."

"TENTAÇÕES"
Foi exatamente o que aconteceu com o pastor Junior Meireles, da Comunidade Vivo por Jesus, em Vargem Alegre (MG). Sua história é comum a muitos jovens nascidos em lares evangélicos: veio a adolescência e as tentações o desviaram da fé. "Lutei muito para permanecer puro, mas por um período fui escravo do sexo. Transava quase todos os dias com minha namorada e, não satisfeito, procurava outras mulheres. Se eu pudesse, faria tudo diferente. Arrependo-me por não ter casado virgem", confessa. Devido à sua experiência, ele encontra legitimidade para falar aos jovens, hoje, sobre como evitar o que considera um erro. Em seu retorno à igreja, Junior começou a namorar a garota que se tornaria sua esposa. Nos primeiros seis meses, apenas buscaram do Senhor a confirmação daquele relacionamento. "Foi um tempo maravilhoso", lembra. "Todos os sinais foram dados; os pais dela aceitaram, o pastor aceitou, minha mãe sentia paz e nós tínhamos convicção no nosso coração. Então, resolvemos namorar". Junior percebeu, no entanto, que logo cairia se não tomasse uma atitude radical. "Não me continha nos beijos. Então, a escolha era parar de beijar ou terminar o namoro. Preferíamos perder um ao outro do que nos afastar da presença de Deus". Então, o casal voltou a orar, interrompendo todo tipo de contato físico até o dia do casamento, um ano depois. "Aceitei bem a proposta de Cristo para o novo nascimento, pois estava decidido a não cometer os mesmos erros do passado. Foi como se eu tivesse tido uma segunda chance", conta.

Sob a ótica de que o melhor para o crente é deixar o sexo para o momento certo, o pastor Junior criou o Namoro com Propósito (NCP), página no Facebook que visa a ensinar aos solteiros a maneira de ter um relacionamento de acordo com os princípios bíblicos. "Os jovens estão começando a se relacionar cada vez mais cedo, namorando apenas por namorar. A coisa fica sem um propósito cristão, bíblico, desprovida de compromisso ou respeito mútuo", aponta. Segundo ele, existe um grupo grande de jovens cristãos que querem namorar sério, mas não sabem como fazer isso. "O NCP surgiu para orientá-los". Ao longo desse tempo, o pastor percebeu que as cidades do interior do Brasil estavam carentes de informação nessa área. Seu ministério tem procurado fechar esta lacuna. "Acredito que a virgindade é uma forma de glorificar a Deus até o dia em que um homem e uma mulher deixam seus pais para assumir um compromisso abençoado pelo Senhor, unindo-se em uma só carne", recita. "Tudo que esteja fora disso é pecado e rebeldia contra a vontade de Deus."

Em suas palestras pelo Brasil, o pastor tem presenciado centenas de confissões de jovens crentes – inclusive ministros de louvor, pastores e líderes de mocidade – que relatam vida sexual ativa fora do casamento. "Uma coisa terrível que está acontecendo entre as meninas cristãs é a homossexualidade", adverte. "Muitas garotas estão enveredando por esse caminho por causa da liberdade e empatia que têm umas com as outras. Por outro lado, muitos jovens cristãos estão praticando sexo oral e outras modalidades de relação achando que apenas a penetração vaginal é pecado. Eles não sabem o que fazer, e os pastores deveriam estar mais atentos quanto a isso."

MEDOS E MITOS
Neste contexto, o diálogo entre pais e filhos é fundamental. A sexualidade não deve ser tratada como tabu: quanto mais clara a informação, menor será a curiosidade e mais fácil, lidar com os impulsos. A psicóloga e especialista em Sexualidade Humana pela Laureate International Universities – IBMR, Viviane Varial, diz que falar sobre sexo com os filhos é fundamental e necessário para o seu desenvolvimento. "Mais do que cumprir uma função fisiológica, a sexualidade na adolescência caracteriza-se por demarcar a fronteira entre a infância e a idade adulta, focalizando-se em uma validação da capacidade genital. O que podemos observar é que meninos e meninas, por motivos diversos, tornam-se sexualmente ativos num período da vida em que as dúvidas ainda não estão totalmente esclarecidas na mente deles". Viviane explica que, através da orientação sexual, o indivíduo passa a refletir sobre seus valores, distinguindo o conceito de certo e errado diante do mundo em que vive, aprendendo a respeitar a individualidade e a opção sexual de cada um. "Ainda no século 21 existem muitas dúvidas, medos e mitos. Porém, virgem nada mais é do que alguém que ainda não teve uma relação sexual. É mais simples do que se imagina. É uma escolha íntima e pessoal, que precisa ser respeitada".

O professor de música Felipe Eubank, 22 anos, membro do Ministério Pão da Vida, resolveu esperar e afirma que a decisão, compartilhada pela agora esposa, Ana Carolina, valeu à pena. Após um ano e quatro meses de namoro, o casal subiu ao altar em abril deste ano. Eles garantem que foi uma bênção. "A santidade é um princípio que o Senhor nos deixou. Não tivemos dúvida disso quando começamos a namorar, e agora colhemos os frutos disso no nosso casamento", diz Felipe. Por sua posição, ele conta que foi e ainda é muitas vezes procurado por outros rapazes para aconselhamento. Houve, também, quem o tivesse ridicularizado, mas ele garante que nunca ligou para isso. "Obedecer a Deus é um princípio que não se negocia."

Esperar o tempo do Senhor para desfrutar as delícias do sexo é a principal recomendação que a missionária e pastora Sarah Sheeva, 38 anos, dá às frequentadoras da Igreja Celular Internacional (ICI), que se reúne na badalada Copacabana, bairro boêmio da zona sul carioca. Nas poltronas, mulheres jovens, muitas com jeito de executivas, ouvem atentamente as pregações de Sheeva, filha primogênita dos cantores Pepeu Gomes e Baby do Brasil. Hoje separados, os dois artistas fizeram fama em todo o país com músicas de grande sucesso e suas posturas, digamos, inusitadas. Sarah e seus irmãos cresceram em meio às loucuras dos pais, que iam do visual excêntrico ao envolvimento com drogas e esoterismo. Mas Baby rompeu com tudo em 1999, quando anunciou sua conversão ao Evangelho, dois anos após a conversão de Sarah. O bom testemunho influenciou a irmã Nãna Shara a também seguir a Cristo.

Autora do livro Defraudação moral, Sarah realiza por todo o país congressos de santificação, nos quais fala, entre outros temas, sobre libertação e pureza sexual. Em sua pregação, a pastora diz às solteiras que elas não devem correr atrás de homem e explica as consequências de quem decide esperar por um relacionamento nos padrões bíblicos. "Quando você não ouve a direção do Senhor, pode se casar da maneira equivocada ou com a pessoa errada", ensina. Segundo ela, a pessoa certa tem as qualidades que a pretendente deseja e os defeitos que é capaz de aguentar. Ela garante que tudo está escrito na Bíblia. "Nas Escrituras, não aparecem histórias de mulher procurando homem. Isso é coisa do mundo moderno; nos princípios bíblicos, quando a mulher é escolhida de Deus, nunca toma a iniciativa. O homem procura, a mulher espera", pontifica.

O conselho de Sarah para aqueles que iniciam um relacionamento é o de manter-se em santidade, seguindo algumas regras. Primeiro, os pretendentes ao namoro devem permanecer em oração durante seis meses, apenas como amigos. Findo este período, a sugestão é de que o contato físico seja superficial – nada além de mãos dadas e um ou outro selinho, "para evitar cair em tentação". "Quando a pessoa ama a Jesus, entende que foi comprada por alto preço e que precisa glorificar a Deus através do seu corpo. No entanto, se este princípio é quebrado, quando a pessoa faz sexo ou tem um relacionamento que vai além do superficial, ela está declarando que não precisa da bênção de Deus e, assim, que abre mão de sua proteção". Pelo menos uma vez por mês, Sarah Sheeva realiza o chamado culto das princesas, paralelamente ao culto dos príncipes, liderado por seu cunhado Claudio Brinco. Criado em 2011, esse tipo de reunião é uma campanha interdenominacional para mulheres e homens solteiros, que acontece na ICI de Copacabana e também em igrejas que já tenham participado dos seminários de santificação. No evento, muitas palavras de ordem e expressões de fé são repetidas, sempre defendendo que o crente em Jesus deve ter um compromisso com a pureza e restringir o sexo aos sagrados limites do matrimônio.

O universitário Matheus Mojon, de 21 anos, admite que vive "bombardeado" pela sociedade quando o assunto é sexo. Evangélico, ele e a namorada, Juliana, 20, conversaram sobre o assunto e chegaram à conclusão de que o melhor é deixar a vida sexual para quando se casarem. "Apesar do pensamento dominante que banaliza o sexo, essa escolha vai muito além do medo de ir para o inferno ou do receio acerca do que os membros da igreja possam pensar", diz, convicto. O jovem admite as dificuldades de se manter nessa posição – "Não sou hipócrita, é uma situação que vai de cada um", frisa –, mas entende que não deve haver conformismo com o pecado. Quando entrou para a faculdade, ele teve de deixar clara sua posição diante de uma brincadeira mais picante feita pelos veteranos com os calouros. "Um deles até veio me pedir desculpas, depois", conta. Para Matheus, a decisão pela castidade glorifica a Deus. "É um voto que fizemos para agradá-lo."

Fonte: Site da Revista Cristianismo Hoje

Terceiro Templo pode ser construído em breve em Jerusalém


Abdul Salam Abadi, ministro jordaniano de lugares islâmicos, acusou Israel de planejar a divisão do espaço onde está a mesquita de Al-Aqsa, no Monte do Templo, em Jerusalém. O motivo seria o projeto de reconstrução do Terceiro Templo.
A Jordânia tem um acordo de soberania sobre a porção Oriental de Jerusalém e da Cisjordânia desde 1950, e continua administrando os locais sagrados islâmicos no Monte do Templo e o Domo da Rocha. Jordânia e Israel assinaram um acordo de paz em 1994. Os judeus são proibidos de fazer orações no Monte do Templo.
Abadi disse que seu ministério atualmente emprega 600 funcionários e supervisiona 40 escolas de Jerusalém. Ele afirma ter recebido instruções da “liderança Hachemita” para proteger a identidade árabe e islâmica de Jerusalém, informou a imprensa.
De acordo com o jornal jordaniano Al-Ghad, Abadi destacou a necessidade de apoiar os moradores de Jerusalém “com firmeza diante dos repetidos ataques israelenses à mesquita sagrada de Al-Aqsa e aos locais islâmicos sagrados em Jerusalém.”
O plano de Israel é ter o projeto em construção a médio prazo, mas nenhuma data foi revelada. Jerusalém é o terceiro local mais sagrado do Islã, depois de Meca e Medina. Rumores sobre a reconstrução do templo existem há décadas entre os ultra ortodoxos judeus, que já teriam os fundos necessários para restaurar a adoração conforme descrita no Velho Testamento. Com informações de Times of Israel.

Suingue Gospel? Site de relacionamento reúne casais "supostamente cristãos” que desejam fazer sexo grupal


Suingue Gospel? Site de relacionamento reúne casais “cristãos” que desejam fazer sexo grupalUm site de relacionamentos está causando uma enorme polêmica no Brasil e nos Estados Unidos por ser focado apenas em casais cristãos que querem fazer “suingue” com outros casais cristãos, ou seja, sexo grupal entre eles.
O Swingers Christians é como qualquer outro site de relacionamento para cristãos, com a diferença de que ao invés de encontrar uma pessoa para se relacionar, ele facilita através da internet o “troca-troca” de casais. 
O serviço estampa em sua primeira página a foto de um suposto casal cristão que realiza suingue, e um texto afirmando que o Swingers Christians foi feito para “casais cristãos devotos que ainda querem ter uma vida amorosa ativa e compartilhá-la com outros, de boa fé!”. Parece piada, mas não é. O site, já prevendo a grande quantidade de críticas que receberia, cita ainda o Livro Sagrado para defender a si e seus usuários: “a Bíblia nos ensina: não julgueis para que não sejais julgados. E há o verso sobre a primeira pedra”.
O site possui cadastro gratuito, mas cobra para que o usuário realize uma série de atividades consideradas “premium”. Apesar do serviço ser em inglês, diversos casais do mundo inteiro já se registraram, geralmente em anonimato. Segundo a página de “quem somos” do serviço, o “Swingers Christians é a mais crescente cooperativa de sites de encontros on-line do mundo”.
Diferente do informado por uma notícia no site Yahoo, o Swingers Christians não foi criado por cristãos. O registro do domínio foi feito pela empresa Infinite Connections Inc, especializada na criação de sites de relacionamentos adultos voltados para pessoas que praticam fetiches e/ou homossexualismo.
Revolta
O site vem sendo recebido como piada por cristãos e até por pessoas não ligadas ao cristianismo. A proposta, que claramente fere a doutrina pregada nas igrejas e na Bíblia, é vista como “anti-bíblica e pecaminosa”, segundo o Louise Nielsen, profissional de saúde mental do ministério At The Crossroads Inc, nos Estados Unidos.
Em entrevista ao site americano Christian Post, Nielsen afirmou que o comportamento dos swingers não é “de maneira nenhuma apropriado para os cristãos ou para qualquer outra pessoa”, e completou, “sinto-me triste pelas pessoas que estão envolvidas nisso. Nunca vi isso resultar em outra coisa a não ser dor no casamento”, enfatiza.
Na página do serviço no Facebook é possível encontrar diversos cristãos indignados com a proposta do Swingers Christians, a maioria cita o versículo 1 Corintios 6:9-10 que diz que os “adulteros não herdarão o reino dos céus”.


 

G+

Pastor recusa batismo a filho de lésbicas e é afastado da igreja


Nesta terça-feira (6) uma polêmica envolveu o reverendo George Gebauer, pastor da Igreja da Inglaterra [anglicana] em Hook e Warshash, que recusou-se a realizar o batismo de uma criança. O motivo é que o menino era filho de um casal de lésbicas. Aimi Leggett, 25, e sua parceira civil Victoria, 22, queriam que o filho Alfie fosse recebido na igreja com um batismo tradicional.
Como ambas queriam ser chamadas de “mãe”, o pastor disse que não faria o batismo. Declarou que “sentia muito” pelos gays e lésbicas, pois eles são mentalmente desequilibrados e que poderia ser “ilegal” fazer o que elas estavam pedindo.
Pastor recusa batismo a filho de lésbicas e é afastado da igrejaAs duas ouviram isso durante uma conversa com o pastor que deveria discutir os detalhes da cerimônia. No final, ele sugeriu que Victoria poderia, no máximo, ser a madrinha, pois a certidão de batismo só tem espaço para o nome de uma mãe e um pai. Como Aimi gestou a criança poderia ser vista como “mãe solteira”. “A alma da criança é mais importante que tudo, mas temos um impasse aqui”, concluiu.
“Você quer que Alfie tenha vergonha de sua família? Ele não é gay, nós somos, o que fazemos é problema nosso”, foi a resposta das duas. O caso repercutiu na imprensa inglesa como “preconceito” e “homofobia”. Gebauer que tem 87 anos acabou afastado da igreja, o Arquidiácono Gavin Collins, do distrito de Meon, interveio e o menino foi batizado na igreja por outro pastor, como as mães queriam. Com informações Daily Mail.

Governo de Israel muda discurso sobre construção do Terceiro Templo




Enquanto o mundo olha para o Oriente Médio na expectativa da intervenção militar americana na Síria, que pode resultar numa guerra contra o Irã, outras questões acabam perdendo força na imprensa.
Em 2009, o então deputado e hoje premiê Benjamin Netanyahu afirmou: “Alguns políticos estão tentando diminuir a importância do Monte do Templo para o povo judeu, referindo-se a ele como a “Bacia Sagrada”. Nós, como judeus, sabemos quem edificou o Monte do Templo”.
Conflitos e desabamentos podem acelerar a retomada judaica do Monte do TemploO termo “Bacia Sagrada” inclui os locais mais importantes da Jerusalém antiga, como a área do Monte do Templo, o Monte das Oliveiras, o Monte Sião e outros locais considerados sagrados por cristãos e judeus. Durante o governo do ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, surgiu uma proposta que a região deveria ser administrada sob um “regime especial”.
Durante os primeiros anos do governo de Barack Obama, o assunto voltou a surgir, dessa vez encabeçado pela então Secretária de Estado, Hilary Clinton (esposa de Bill). Na época, o primeiro-ministro israelense era Ehud Olmert. Ele chegou a propor que “esse setor, incluindo a parte de Jerusalém considerada santa para as três religiões monoteístas, e a Cidade Velha, fossem colocado sob a tutela de cinco países: Arábia Saudita, o Reino Hashemita (Jordânia), o Estado Palestino, Israel e os Estados Unidos”.
Nos últimos meses, várias dessas questões foram retomadas por causa das declarações de Uri Ariel, ministro da Habitação e Construção de Israel. Ele é membro do partido religioso nacionalista Lar Judeu. No início de julho, ele defendeu: “precisamos construir um Templo judaico no Monte do Templo”.  Isso mostra uma clara mudança no discurso do governo de Israel que normalmente evita falar publicamente sobre o assunto.
Em 5 de julho, falando em uma conferência arqueológica na Cisjordânia, o ministro exigiu que o Terceiro Templo fosse construído no local que hoje abriga o Domo da Rocha e a Mesquita de al-Aqsa, considerado sagrado para o islamismo.
“Nós construímos muitos templos pequeninos” disse Ariel, referindo-se às sinagogas, “mas precisamos agora construir um templo de verdade”. No discurso de hoje (4/9), ele foi além “O Monte do Templo é o lugar mais sagrado para o povo judeu, e deve ser aberto a qualquer hora para todos os judeus. Vou continuar apoiando o Estado para termos plena soberania sobre o local santo de Israel. Esta é uma questão inegociável, sem espaço para discussão”.
De fato, ele só estava lembrando uma proposta que está na mente de muitos judeus, mas acabou ecoando a declaração feita em 2012 pelo deputado Zevulun Orlev, do seu partido. Mesmo sabendo do perigo, desafiou: “isso significaria que um bilhão de muçulmanos do mundo certamente fariam uma guerra mundial. No entanto, tudo que é político é temporário e não gera estabilidade” e que “ultimamente estamos testemunhado as dramáticas mudanças políticas que ocorreram em muitos países árabes”.
Recentemente, Abdul Salam Abadi, o chefe do Ministério jordaniano de bens alienáveis islâmicos (Wakf), que também administra a esplanada das mesquitas no Templo no Monte, acusou o governo de Israel de forçar a construção do Terceiro Templo, contrariando um acordo feito em 1994. O governo de Israel negou.
Contudo, os rumores sobre uma tentativa não oficial de financiar a construção do templo foi fortalecido quando um relatório foi publicado pela Rádio do Exército de Israel. Apenas no ano passado o Ministério da Educação e o Ministério da Cultura e do Esporte de Israel, doaram mais de 80 mil euros (200 mil reais) para o Instituto do Templo.
O controverso apoio foi anunciado poucos dias antes de o Instituto mostrar que todos os preparativos para a retomada dos sacrifícios no Templo estão prontos, incluindo a preparação dos “novos levitas”.
O jornal Israel Today noticiou ainda que no final do mês passado, houve um colapso de parte do platô do Monte do Templo (que totaliza 14 hectares). Desde 2001 autoridades israelenses vem alertando que a estrutura, que não é uma formação natural, mas foi construída séculos atrás, tem sérios problemas estruturais.
Desde que a Autoridade Palestina começou a influenciar no controle administrativo do Monte do Templo, foram feitas mudanças na sua estrutura. Nos últimos cinco anos, é o segundo colapso perto da Mesquita de Al Aqsa, criando um grave risco à segurança e uma ameaça real para a estabilidade da estrutura islâmica. Já se detectou em uma área de 190 metros quadrados do muro que cerca o local, uma inclinação de cerca de 70 centímetros.
monte do templo Conflitos e desabamentos podem acelerar a retomada judaica do Monte do Templo
Além disso, o diretor-geral do Ministério para Assuntos Religiosos de Israel anunciou que deseja rever a proibição dos judeus de orarem no Monte do Templo. Embora a lei atual permita que os judeus subam ao Monte e orem, a polícia veta quaisquer visitas para impedir manifestações contrárias por parte dos muçulmanos, que costumam atacar com pedras os que tentam.

Na comemoração do ano novo judaico, ontem (4/9) ocorreram novos conflitos no local durante a tentativa de um grupo de 50 judeus subirem até o local. A polícia foi chamada e prendeu cinco muçulmanos que atiraram pedras contra a polícia e contra os visitantes do local.
Com informações de Jerusalem Post, Uol, Times Israel, Israel Nation News e Israel Today. GP

TJ manda juiz tirar quadro com PM atirando em negro crucificado

Open in new windowO juiz da 1ª Vara de Órfãos e Sucessões do TJ do Rio tirou o quadro que acabou acolhido na sala do desembargador Siro Darlan.

O Órgão Especial do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) determinou nesta quarta-feira (4) que o juiz da 1ª Vara de Órfãos e Sucessões, João Damasceno, retire da parede de seu gabinete um quadro com uma gravura assinada pelo cartunista Carlos Latuff --a imagem mostra um policial fardado atirando contra um homem negro crucificado.

O magistrado não se opôs e retirou a imagem. O quadro, porém, foi acolhido também nesta quarta pelo desembargador Siro Darlan, que o afixou na parede de sua sala. E lá ficará, pois o Órgão Especial do TJ não tem ingerência sobre o gabinete de Darlan.

Em sua página na Facebook, Damasceno disse que a charge recebeu um "asilo artístico". A assessoria do tribunal informou estar "verificando" se o desembargador Siro Darlan acolherá ou não a obra.

A decisão do Órgão Especial foi tomada a partir de uma solicitação do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP) encaminhada à presidente do TJ, a desembargadora Leila Mariano. O deputado contestou o fato de que a charge estava na sala da 1ª Vara de Órfãos e Sucessões durante uma audiência pública realizada "sob o pretexto da desmilitarização da política de segurança".

Para ele, a imagem "retrata uma cena de cunho difamatório não somente à instituição", em referência à Polícia Militar, "mas inclusive à sua própria honra objetiva e subjetiva".

Em seu site, Bolsonaro divulgou um modelo de ação indenizatória para os policiais militares do Rio que eventualmente se sentirem ofendidos com a charge de Latuff. O parlamentar, que é filho do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), sugere que a ação indenizatória seja protocolada contra artista e magistrado.

"No quadro vislumbra-se a imagem de um policial militar sendo autor de um disparo de arma de fogo em um homem preso à uma cruz, fazendo alusão à crucificação de Jesus Cristo. (...) A obra pretende fazer crer que todos os policiais militares são pessoas que vestem suas fardas para cometer os mais perversos crimes contra a humanidade, em referência, ainda que indireta, à morte de Jesus Cristo", afirma a petição.

O deputado estadual propõe ainda que o valor a ser pago por uma hipotética condenação dos réus seja de R$ 28 mil.

Em sua página no Facebook, Latuff defendeu a livre exibição da charge e relatou supostas ameaças que teriam sido feitas por policiais militares, também na rede social, contra Damasceno. "Juiz João Batista Damasceno já recebe ameaças de morte por pendurar quadro com minha charge sobre a violência policial em seu gabinete", escreveu ele.

Já o magistrado, em artigo publicado pelo jornal "O Dia", afirmou que "a obra do cartunista Carlos Latuff, retratando um homem negro pregado numa cruz e alvejado no peito pelo disparo do fuzil de um policial, colocada na sala de audiências da 1ª Vara de Órfãos e Sucessões do Fórum Central, evoca a violência do Estado contra o povo ao longo da história".

Damasceno também se disse favorável ao conceito de desmilitarização. "A política de segurança pública militarizada tem como alvo os pobres e excluídos, 'inimigos eternos' sujeitos ao extermínio", afirmou.

Fonte: UOL

ATENÇÃO - Policial que investigou pastor Marcos Pereira é coordenador do AfroReggae

Open in new window
Novos fatos que comprometem a investigação feita pela Delegacia de Combate às Drogas contra o pastor Marcos Pereira (foto), foram revelados pelo jornal O Dia.

Um dos policiais que fazem parte da equipe do delegado Márcio Mendonça, titular da DCOD, é coordenador de um projeto social desenvolvido pelo AfroReggae, que tem como coordenador-geral José Júnior, o principal desafeto de Marcos Pereira.

O policial Roberto Chaves de Almeida, conhecido como Beto Chaves, coordena o Projeto Papo de Responsa desde 2009, época do lançamento. O projeto envolve a ministração de palestras em escolas públicas sempre em parceria de um policial e um ex-traficante que tenha sido ajudado pelo AfroReggae.

O jornal publicou a foto acima como prova da ligação do grupo de José Junior com Beto Chaves. Na imagem, aparecem o policial (de barba e cabelo comprido), o pastor Rogério Menezes (ex-braço direito de Marcos Pereira e funcionário do AfroReggae) e José Junior (de boné).

A matéria do jornalista João Antonio Barros classifica a proximidade dos envolvidos na acusação e investigação como “conflito de interesses”, e lança dúvidas sobre o fato de cinco das testemunhas de acusação contra o pastor Marcos Pereira serem funcionárias do AfroReggae.

O jornalista ainda questiona a forma como as investigações foram concluídas pelo delegado Mendonça: “O inquérito contra o pastor foi aberto em 2012 pela ex-diretora Valéria Aragão. Mas foi com Mendonça que, em apenas dois meses, foi finalizado a toque de caixa e sem que todas as diligências tivessem sido feitas, o que gerou suspeitas do advogado Silva Neto, defensor de Marcos Pereira”, escreve Barros em sua reportagem.

Disputa de verbas
O mesmo jornal chama atenção para o grande investimento feito nas comunidades carentes onde tanto Marcos Pereira quanto José Junior atuam. Segundo O Dia, a somatória de verbas públicas e privadas destinadas às áreas dos rivais chega a R$ 20 milhões por ano, e isso teria motivado a rixa entre os dois.

Fonte: Gospel +

Ex-freira se casa com companheira após seis meses de namoro no RN


Lúcia Janaína Pinheiro e Francineide Moura oficializaram união estável em julho (Foto: Arquivo Pessoal)
Lúcia Janaína Pinheiro e Francineide Moura oficializaram união estável em julho (Foto: Arquivo Pessoal) Foi um longo tempo de dedicação às orações até que a freira Maria Francineide Silva de Moura, de 43 anos, decidisse tomar um novo rumo na vida. No entanto, a decisão de deixar o mosteiro na cidade paulista de Marília para voltar ao Rio Grande do Norte só ganhou sentido de revelação quando há seis meses ela começou um relacionamento amoroso com a vendedora Lúcia Janaína Pinheiro, de 37 anos. Nesta sexta-feira (6), a nova fase será oficializada com o casamento das duas na cidade de São José de Mipibu, na Grande Natal.

"Ninguém se torna assim. Você já nasce com isso", afirma a ex-freira, que agora dá aulas a alunos do ensino fundamental de uma escola de São José de Mipibu. Potiguares de Natal e Mossoró, Francineide e Janaína se conheceram na adolescência. Porém, a paixão entre as duas só foi descoberta quando elas se encontraram na casa de uma amiga em comum.  "A minha família foi aceitando com naturalidade depois de um tempo. Na dela, o impacto foi maior. A sociedade diz que não é preconceituosa, mas o preconceito aparece quando acontece dentro de casa ", relata.

Para a professora, a religião serviu como refúgio na juventude. "Foi uma forma de esconder minha sexualidade. Não me sentia atraída por meninos", explica. Francineide começou a se preparar para os serviços religiosos aos 16 anos. Com 29, o caminho foi o mosteiro de Marília, onde ficou em clausura por três anos se dedicando às orações. "Uma hora vi que aquilo não tinha nada a ver comigo", conta Francineide, que deixou a vida de freira há pouco mais de uma década.

A decisão, segundo ela, foi dolorosa. Assim como o processo para assumir a homossexualidade, o que só veio a acontecer neste ano, quando reencontrou a amiga Janaína. Tema tabu quando se trata de Igreja Católica, Francineide explica que a homossexualidade não abalou suas crenças. "Acredito nos dogmas, mas não posso viver me anulando. Só busco a minha felicidade", diz.

Para o casamento desta sexta, os planos são simples. "Vamos casar no cartório e depois haverá uma comemoração com salgados e refrigerante", diz, animada, a ex-freira.


FONTE . G1