quarta-feira, 24 de outubro de 2012

POLITICAGEM SEM CARATER.

O BRASIL ESTA SENDO DESTRUIDO PELO PT , P C DO B E OUTROS . ESTÃO CRIANDO LEIS QUE NOS IMPEDEM DE REPREENDERMOS NOSSOS FILHOS . ESSES MESMOS PARLAMENTARES QUEREM APROVAR OUTRAS COMO A DO ABORTO .
AGORA VEJA A DESCREPÂNCIA .

BATER NO FILHO PARA CORREÇÃO NÃO PODE PORQUE É VIOLÊNCIA , MAS FAZER O ABORTO ELES QUEREM QUE SEJA APROVADO .

REPREENDER NÃO PODE , ABORTAR PODE ?

OUTRA COISA 

.
CRIANÇA FILHOS DE POBRE QUANDO TRABALHA É ABUSO , MAS FILHO DE RICO QUANDO ESTA NAS NOVELAS , COMERIAIS ETC É TALENTO ?.


BANDO DE POLITICOS SAFADOS .

A inveja de Saul contra Davi

“Um caso clássico da atuação da inveja pode ser visto na história de Saul e Davi. Saul era rei, governante de uma nação. Tudo corria a seu favor, mas veio a inveja, e tudo pareceu mudar para ele. A inveja só fez aparecer o que já estava lá dentro de Saul. No princípio seu relacionamento com Davi era harmonioso e cordato. ‘Sucedeu que, acabando Davi de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma. Saul, naquele dia, o tomou e não lhe permitiu que tornasse para casa de seu pai. Jônatas e Davi fizeram aliança; porque Jônatas o amava como à sua própria alma. Despojou-se Jônatas da capa que vestia e a deu a Davi, como também a armadura, inclusive a espada, o arco e o cinto. Saía Davi aonde quer que Saul o enviava e se conduzia com prudência; de modo que Saul o pôs sobre tropas do seu exército, e era ele benquisto de todo o povo e até dos próprios servos de Saul.’ (1 Sam. 18:1-5).”
“As ações de Saul mostram que ele teve uma atitude muito positiva em relação a Davi, a quem ele deu uma posição elevada no exército. Considerando também a atitude de seu próprio filho para com Davi, está claro que Davi teve o favor real.”
A inveja mudou a atitude de Saul mudou que passou a odiar a Davi. “Sucedeu, porém, que, vindo Saul e seu exército, e voltando também Davi de ferir os filisteus, as mulheres de todas as cidades de Israel saíram ao encontro do rei Saul, cantando e dançando, com tambores, com júbilo e com instrumentos de música. As mulheres se alegravam e, cantando alternadamente, diziam: Saul feriu os seus milhares, porém Davi, os seus dez milhares. Então, Saul se indignou muito, pois estas palavras lhe desagradaram em extremo; e disse: Dez milhares deram elas a Davi, e a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão o reino? Daquele dia em diante, Saul não via a Davi com bons olhos.” (1 Sam. 18:6-9).
“O restante do capítulo 18 de 1 Samuel mostra quão prejudicial se tornou a inveja de Saul sobre Davi. Esse sentimento o levou a toda sorte de desvios e artifícios, mas nenhum deles funcionou. As próprias coisas que ele temia em Davi se tornaram cada vez mais evidentes! A inveja gera uma série de emoções negativas: baixa autoestima, ódio, suspeita, medo, culpa e ira. Saul tinha medo de Davi, como o capítulo menciona várias vezes. Ele pode ter sentido medo de perder sua posição real ou medo de que Davi se tornasse o herói absoluto de Israel. Mas sua principal fonte de medo era ‘porque o Senhor era com [Davi] e Se tinha retirado de Saul’ (1Sm 18:12).”
“Ser abandonado por Deus é motivo suficiente para ter medo. Mas o medo de Saul foi agravado pelo fato de que ‘o Senhor… estava com Davi’ (v. 12, NVI). Saul estava impossibilitado de aplicar â situação a lógica simples de Gamaliel: ‘Se [isso] for de origem humana, fracassará; se proceder de Deus, vocês não serão capazes de impedi-los’ (At 5:38, 39). Quando o Senhor abençoa as pessoas, não há motivo para alimentar inveja ou buscar sua destruição. Deus continuará a abençoá-las.”
“Embora a atitude de Saul fosse errada, por que é relativamente fácil entender? Qual é sua atitude imediata para com alguém que você julga ser uma ameaça à sua posição? Você entrega tudo ao Senhor, ou começa a conspirar uma estratégia contrária?”

Aprendendo a Vencer os Gigantes da Vida

Davi carijó usou a camisa listrada para derrotar o gigante Golias (Imagem: www.101macaco.com) I Samuel 17.45-47,49-50,54, “Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens contra mim com espada, e com lança, e com escudo; eu, porém, vou contra ti em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel, a quem tens afrontado. V.46, Hoje mesmo o Senhor te entregará na minha mão; ferir-te-ei, tirar-te-ei a cabeça, e os cadáver do arraial dos filisteus darei hoje mesmo às aves dos céus e às bestas-feras da terra: e toda a terra saberá que há Deus em Israel. V.47, Saberá toda esta multidão que o Senhor salva, não com espada, nem com lança, porque do Senhor é a guerra, e ele vos entregará nas nossas mãos. V.49, Davi meteu a mão no alforje, e tomou dali uma pedra e com a funda lha atirou, e feriu o filisteu na testa; a pedra encravou-se-lhe na testa, e ele caiu com o rosto em terra. V.50, Assim prevaleceu Davi contra o filisteu, com uma funda e com uma pedra, e o feriu e o matou; porém não havia espada na mão de Davi. V.54, Tomou Davi a cabeça do filisteu, e a trouxe a Jerusalém; porém as armas dele pô-las Davi na sua tenda.”
Introdução:
O texto fala de uma grande e poderosa vitória que ocorreu na vida dos israelitas. Após 40 dias de afronta por parte de um gigante filisteu ao exército de Israel sob o comando do rei Saul, David, que fora levar comida para seus irmãos e ao oficial de mil, ouvindo a afronta de Golias e vendo que “todos os homens de Israel, vendo aquele homem, fugiam de diante dele, e temiam grandemente ” (I Sm. 17.11,24) disse: “Que farão àquele homem que ferir a este filisteu, e tirar a afronta de sobre Israel? Quem é, pois, este incircunciso filisteu, para afrontar os exércitos do Deus vivo? (I Sm. 17.26).
Deus deu uma tremenda vitória para o povo de Israel por meio do ousado e valente Davi quando ele matou o gigante Golias. Para derrotar Golias Davi tomou quatro atitudes de fé: Ele disse que derrotaria o inimigo, ele foi ao combate, ele tomou posse da vitória e ele contou como se derrota o inimigo que nos afronta “não com espada, nem com lança”, I Sm. 17.48, mas em nome do Senhor dos Exércitos. Aleluia!
1 – Vejamos as quatro atitudes fé que Davi empregou para derrotar o gigante Golias:
1. Primeira Atitude: Dizer, “Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo porém eu venho a ti em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado”, v.45.
1.1. Depois de presenciar a ameaça de um homem de quase três metros de altura que era guerreiro experiente desde sua mocidade Davi perguntou se havia alguma recompensa para o homem que derrotasse o gigante e depois falou com toda a força: “Quem é, pois, este incircunciso filisteu, para afrontar o os exércitos do Deus vivo?”, v.26.
1.2. Ao chamar Golias de “incircunciso” Davi estava dizendo que o filisteu era inimigo do povo de Deus, que não tinha “aliança” com o Deus de Israel e por isso iria enfrentá-lo e lançar por terra aquela “potestade” diabólica que “pela manhã e à tarde; durante 40 dias” estava amedrontando todo o exército do rei Saul, I Sm. 17.16.
1.3. Davi contou para o rei Saul que com a ajuda de Deus tinha matado um leão e um urso que tinha ameaçado o rebanho do seu pai. Ele disse que o mesmo que passou com o leão e o urso sucederia com o incircunciso filisteu, “porquanto ele tinha afrontado os exércitos do Deus vivo”, v.35.
2. Segunda Atitude: Fazer, “E Davi meteu a mão no alforje, e tomou dalí uma pedra, e com a funda lha atirou, e feriu o gigante na testa, e caiu sobre o seu rosto em terra”, v.49.
2.1. O rei Saul inutilmente tentou convencer Davi que ele não tinha condições dele enfrentar o gigante e ainda tentou emprestar sua armadura para ele lutar, o que também não deu certo. Davi pegou suas armas como guerreiro de Deus. Ele pegou uma funda (estilingue) e cinco pedras.
2.2. Davi disse que enfrentaria o gigante, depois ele tomou suas armas e se preparou para entrar na história do povo de Deus e virar a página da vergonha e desprezo para a página da vitória e abrir uma avenida de oportunidade para ele e seus descendentes.
2.3. O verso 48 diz que “indo o filisteu encontrar com Davi, apressou-se Davi, e correu ao combate, a encontrar-se com o filisteu”, v.48. Davi falou com o rei que lutaria por Israel, se preparou e foi ao combate não confiando em si mesmo, não seguro que tinha matado um leão e um urso, mas ele partiu para cima do gigante “em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel”, v.45.
2.4. Golias veio contra Davi, porém Davi apressou-se em combatê-lo. Davi pôs uma pedra em sua funda, ferindo o filisteu na testa e este caiu com o seu rosto em terra, v.49.
3. Terceira Atitude: Receber, “Pelo que correu Davi, e pôs-se em pé sobre o filisteu, e tomou a sua espada, e tirou-a da bainha, e o matou, e lhe cortou com ela a cabeça.
Vendo então os filisteus, que o seu campeão era morto, fugiram”, v.51.
3.1. Golias veio contra Davi com espada, com lança e com escudo, v.45. Davi tinha um alforje (bornal) cinco pedras e uma funda, v.40.
3.2. Golias desprezou, ameaçou e amaldiçoou Davi em nome dos seus deuses, vs.42-44. Davi veio contra ele em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel”, v.45.
3.3. Golias tinha uma pessoa que levava o seu escudo, v.41. Davi tinha o Senhor como seu escudo, v.46.
3.4. Depois de ver que Golias tinha caído no chão, Davi correu, “pôs-se em pé sobre o filisteu, e tomou a sua espada , e tirou-a da bainha, e o matou, e lhe cortou com ela a cabeça”, v.51.
4. Quarta Atitude: Contar , “Davi tomou a cabeça do filisteu, e a trouxe a Jerusalém; porém pôs as armas dele na sua tenda”, v.54.
4.1. Davi disse que lutaria com o filisteu, enfrentou-o, e depois de ver que Golias tinha caído com o rosto em terra, subiu em cima dele cortando-lhe a cabeça.
4.2. Vemos aqui a fé de Davi por meio de suas atitudes. Ele disse, fez e recebeu o que tinha proposto. Agora, diante de tamanha vitória Davi carregava a cabeça do filisteu como símbolo de uma vitória cabal sobre o seu grande adversário.
4.3. No tempo de Davi quando um guerreiro derrotava o inimigo a forma de contar sobre a façanha era trazer a cabeça do inimigo e depois pendurá-la em um lugar público. Assim pois, Davi estava contando para todos que o Senhor lhe dera vitória sobre um gigante que havia encurralado e amedrontado um exército inteiro e intimidade o rei Saul.
4.4. Entre dizer e contar há uma grande diferença. Davi disse que o Senhor entregaria o filisteu e todos os que com ele estava em suas mãos e ao matar Golias e trazer sua cabeça para o rei Saul ele estava contando que “o Senhor livra, não com espada e nem com lança, porque o Senhor é homem de guerra”,v.47
II – A unção de Deus na Vida de Davi – I Sm.16.1-13
Deus mandou que Samuel ungisse um novo rei para Israel. Jessé reuniu quase todos os filhos para que o profeta
indicasse qual deles seria o escolhido. Davi, porém, foi esquecido.

Todo aquele que é escolhido por Deus tem a unção de Deus, para vencer todos os gigantes da vida.
2.1- Davi foi desprezado.
Davi era o filho mais novo. Era o menor, o último. Seus irmãos eram fortes e faziam parte do exército. Ele ficava cuidando das ovelhas.
Até seu pai, Jessé, desprezou Davi, não imaginando que ele pudesse servir para ser rei de Israel.
Samuel também foi influenciado pela aparência e pela força dos irmãos de Davi. O mundo julga as pessoas por sua aparência, seu nível educacional e suas posses materiais. Uma auto-imagem construída sobre tais conceitos pode trazer sentimentos de inferioridade (ou superioridade).
2.2- Davi foi escolhido.
O nome de Davi significa “amado”. Embora tenha sido desprezado por todos, ele era amado por Deus.
Mesmo que o mundo nos despreze, inclusive nossos amigos ou familiares, somos amados por Deus.
Ele nos aceita com base no seu amor e não na nossa condição. Ele nos vê com base no seu plano para nós e
não com base no que somos hoje.
2.3- Davi foi ungido.
Ele recebeu a unção que o conduziria ao trono. Davi era o último entre seus irmãos, mas, pela unção de Deus, ele se destacou.
Nenhum de seus irmãos conseguiu enfrentar o gigante Golias. Nenhum de seus irmãos chegou a ser rei de Israel.
III – VENCENDO OS GIGANTES QUE DERRUBARAM ADÃO E EVA
Gênesis 3. 6 “E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela”.
Lucas 4. 1-13 (a tentação de Jesus)
1 João 2. 16 “Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo”.
Essa três coisas têm derrubado o homem desde o início dos tempos: os desejos da carne; os desejos que entram pelo olhar; o desejo de querer saber como Deus.
Nosso maior inimigo tem sido nossa própria carne. Em Gálatas 5. 16-17 temos: “Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. – Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis”.
Gálatas 5. 19-21 “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, – Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, – Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus”.
Lascívia – grande inclinação para luxúria, libidinagem, sensualidade;
Porfias – discussão, contenda de palavras, disputa, luta;
Emulações – competição, rivalidade, estímulo;
Pelejas – contendas, brigas, combates;
Dissenções – divergências.
1 Tessalonicenses 4. 3-5 “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição; – Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra; – Não na paixão da concupiscência, como os gentios, que não conhecem a Deus”.
1 Tessalonicenses 4. 7-8 “Porque não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação. – Portanto, quem despreza isto não despreza ao homem, mas sim a Deus, que nos deu também o seu Espírito Santo”.
Venceremos esses desejos profanos alimentando o Espírito com a Palavra de Deus.
Tiago 1. 22-23 “E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos. – Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural”. Repreendendo todo o mau pensamento (evitando os ninhos sobre a cabeça).
Fugindo das armadilhas do inimigo.
Evitar falatórios profanos, porque produzirão maior impiedade. 2 Timóteo 2. 16.
2. Timóteo 2. 19 “Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniqüidade”.
Tiago 3. 6 “A língua também é um fogo; como mundo de iniqüidade, a língua está posta entre os nossos membros, e contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno”.
Manter sempre o coração limpo. Hebreus 3. 12 “Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo”.
Devemos deixar a vaidade e a soberba longe do coração.
Tiago 4. 10 “Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará”.
Quantos não têm caído por causa do olhar? O olhar ao proibido, ao indecente, o olhar adúltero. O olhar a vida alheia…
Jesus nos alerta duramente sobre o olhar: Mateus 5. 28 “Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela”.
Mateus 18. 9 “E, se o teu olho te escandalizar, arranca-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno”.
Mas como vencer a tentação do olhar?
1- devemos sempre evitar a primeira olhada ao profano (tv, Internet, revistas);
2- devemos pedir a Deus para que nossos olhos tenham sempre sede de olhar o sacro, as coisas divinas.
Lembremo-nos da mulher de Ló que olhou para trás em Gênesis 19. 26 “E a mulher de Ló olhou para trás e ficou convertida numa estátua de sal”.
Muitas vezes o olhar para trás é o desejo inconsciente de pecar;
Muitas vezes o olhar para trás é o desejo inconsciente de lembrar como era bom os tempos de pecado.
Devemos vigiar para nunca olharmos com cobiça, com inveja, com despeito, com soberba, com o olhar humilhador, o olhar sensual.
Muitas vezes o olhar revela o profundo da alma.
Que o nosso olhar seja santificado.
Isaías 14. 12-14 “Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações! – tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte. – Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo”.
Estamos no século do conhecimento, a última fronteira humana.
O homem querendo ser um Deus que cria outro homem (clonagem).
Nanotecnologia, a ciência das partículas invisíveis.
O homem está tramando conquistar o universo, planetas, galáxias (Estação Espacial Internacional)
Vejamos o que diz Obadias 1. 4 sobre isso: “Se te elevares como águia, e puseres o teu ninho entre as estrelas, dali te derrubarei, diz o Senhor”.
A humanidade tem dados voltas e mais voltas ao redor da árvore do Éden: Gênesis 3. 6 “E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela”.
O homem está tentando criar sua imagem e semelhança através da robótica e chegará a sua perfeição com o falso profeta. Apocalipse 13. 15 “E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta”.
A nova era diz que somos deuses. É a mesma armadilha lá do Éden: Gênesis 3. 5 “Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal”.
E o homem já está há seis mil anos alimentando esse desejo diabólico.
Mas como nos livrar do desejo de querer ser Deus?
Sendo humilde; Paulo servia ao Senhor com humildade. Atos 20. 19 “Servindo ao Senhor com toda a humildade, e com muitas lágrimas e tentações, que pelas ciladas dos judeus me sobrevieram”.
Filipenses 2. 3 “Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo”.
1 Pedro 5. 5 “Semelhantemente vós jovens, sede sujeitos aos anciãos; e sede todos sujeitos uns aos outros, e revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes”.
Jó 22. 29 “Quando te abaterem, então tu dirás: Haja exaltação! E Deus salvará ao humilde”.
Salmo 138. 6 “Ainda que o SENHOR é excelso, atenta todavia para o humilde; mas ao soberbo conhece-o de longe”.
Salmo 147. 6 “O SENHOR eleva os humildes, e abate os ímpios até à terra”.
Provérbios 11. 2 “Em vindo a soberba, virá também a afronta; mas com os humildes está a sabedoria”.
Provérbios 16. 19 “Melhor é ser humilde de espírito com os mansos, do que repartir o despojo com os soberbos”.
O próprio Senhor declarou-se humilde e provou ser humilde. Mateus 11. 29 “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas”.
Devemos ter a humildade das crianças. Mateus 18. 4 “Portanto, aquele que se tornar humilde como este menino, esse é o maior no reino dos céus”.
Zacarias profetizou o salvador humilde: Zacarias 9. 9 “Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém; eis que o teu rei virá a ti, justo e salvo, pobre, e montado sobre um jumento, e sobre um jumentinho, filho de jumenta”. (Zacarias profetizou 400 anos antes de acontecer).
Muitos homens de Deus se humilharam no lugar de endeusarem-se e assim tiveram vitória.
Quando Ezequias adoece em 2 Reis 20. 3 “Ah, SENHOR! Suplico-te lembrar de que andei diante de ti em verdade, com o coração perfeito, e fiz o que era bom aos teus olhos. E chorou Ezequias muitíssimo”.
Nabucodonosor – Daniel 4. 33-34 “Na mesma hora se cumpriu a palavra sobre
Nabucodonosor, e foi tirado dentre os homens, e comia erva como os bois, e o seu corpo foi molhado do orvalho do céu, até que lhe cresceu pêlo, como as penas da águia, e as suas unhas como as das aves. – Mas ao fim daqueles dias eu, Nabucodonosor, levantei os meus olhos ao céu, e tornou-me a vir o entendimento, e eu bendisse o Altíssimo, e louvei e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é um domínio sempiterno, e cujo reino é de geração em geração”.
Os homens de Nínive – Jonas 3. 6-7 “Esta palavra chegou também ao rei de Nínive; e ele levantou-se do seu trono, e tirou de si as suas vestes, e cobriu-se de saco, e sentou-se sobre a cinza. – E fez uma proclamação que se divulgou em Nínive, pelo decreto do rei e dos seus grandes, dizendo: Nem homens, nem animais, nem bois, nem ovelhas provem coisa alguma, nem se lhes dê alimentos, nem bebam água”. Davi após Natã dá o recado: 2 Samuel 12. 13 “Então disse Davi a Natã: Pequei contra o SENHOR. E disse Natã a Davi: Também o SENHOR perdoou o teu pecado; não morrerás”.
Até Acabe conseguiu misericórdia de Deus porque se humilhou em sua presença: 1 Reis 21. 27-29 “Sucedeu, pois, que Acabe, ouvindo estas palavras, rasgou as suas vestes, e cobriu a sua carne de saco, e jejuou; e jazia em saco, e andava mansamente. – Então veio a palavra do SENHOR a Elias tisbita, dizendo: – Não viste que Acabe se humilha perante mim? Por isso, porquanto se humilha perante mim, não trarei este mal nos seus dias, mas nos dias de seu filho o trarei sobre a sua casa”.
Somos todos destituídos da Glória de Deus: Romanos 3. 23-24 “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; – Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus”.
Precisamos vencer esses gigantes: da carne, do olhar e do saber.
João 9. 4 diz “Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar”.
Só venceremos essa batalha se depositarmos nossa vida nas mãos de Jesus. O salmista já dizia no Salmo 40. 8 “Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração”.
O próprio Jesus nos deu a chave da vitória porque ele mesmo fez a vontade do Pai.
Mateus 12. 50 “Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe”.
Mateus 26. 42 “E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade”.
Lucas 22. 42 “Dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua”.
Romanos 12. 2 “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”.
Quer ter vitória e viver para sempre ao lado de Deus? 1 João 2. 17 nos ensina: “E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre”.
O MELHOR LUGAR PARA ESTARMOS É DEBAIXO DA VONTADE DE DEUS
IV – GIGANTES QUE TEMOS QUE VENCER – I Samuel 17: 24 a 40
01 – MEDO (I Samuel 17:24)
“Quando todos os homens de Israel viram aquele homem, fugiram de diante dele, e temeram grandemente.”
02 – FAMÍLIA (I Samuel 17:28 )
“Ouvindo Eliabe, seu irmão mais velho, falar àqueles homens, acendeu-se sua ira contra Davi, e disse: Por que desceste aqui? E com quem deixastes aquelas poucas ovelhas no deserto? Bem conheço a tua presunção, e a maldade do teu coração; desceste para ver a peleja.”
03 - REJEIÇÃO (I Samuel 17:33)
“Respondeu Saul: Contra este filisteu não poderás ir para pelejar com ele; tu ainda és moço, e ele homem de guerra desde a sua mocidade.”
04 – ARMADURA ERRADA (Efésios 6:11 e 12)
11 – “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.”
12 – “Pois não temos de lutar contra a carne e o sangue, e sim, contra os principados, contra as potestades, contra os poderes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais da maldade nas regiões celestes.”
I Samuel 17:38 e 39
38 – “Então Saul vestiu a Davi com a sua própria armadura, e lhe pôs sobre a cabeça um capacete de bronze, e o fez envergar uma couraça.”
39 – “Davi cingiu a espada sobre a armadura, e tentou andar, porque não estava acostumado a usar essas coisas. Disse Davi a Saul: Não posso andar com tudo isto, pois não estou acostumado. Assim tirou Davi aquilo de sobre si.”
05 – O GIGANTE (diabo) (I Samuel 17:43)
“Disse a Davi: Sou eu algum cão para tu vires a mim com paus? E o filisteu, pelos seus deuses, amaldiçoou a Davi.”
Como Vencer
1 – Reconhecer o poder de Deus (Eu não sou herói). I Samuel 17:37
“O Senhor que me livrou das garras do leão, e das garras do urso, me livrará da mão deste filisteu. Disse Saul a Davi: Vai-te, e o Senhor seja contigo.”
2 – Tomar as armaduras certas. I Samuel 17:40
“Então tomou o seu cajado na mão, escolheu cinco pedras lisas do ribeiro, pô-las no alforje de pastor que trazia e, lançando mão da sua funda, aproximou-se do filisteu.”
3 – Humilhar-se. I Samuel 17:45
“Disse Davi ao filisteu: Tu vens a mim com espada, com lança, e com escudo, mas eu venho a ti em nome do Senhor dos exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado.”
Filipenses 2:6 a 8
6 – “Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,”
7 – “mas a si mesmo se esvaziou, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens.”
8 – “E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.”
4 – Alvo. I Samuel 17:47
“Saberá toda esta congregação que o Senhor salva, não com espada, nem com lança; pois do Senhor é a guerra, e ele vos entregará nas nossas mãos.”
5 – Crer em Deus. I Samuel 17:50
“Assim Davi prevaleceu contra o filisteu, com uma funda e com uma pedra; sem uma espada na mão, feriu-o e o matou.”
Conclusão:
Qual é a vitória que você precisa? Qual é o tipo de desafio que você está enfrentando? Seja qual for a sua necessidade ou qual seja o tipo de inimigo que está te intimidando e fazendo com que você fique num beco sem saída, Deus tem um caminho de vitória para você.
Diante de um guerreiro experiente Davi foi vitorioso porque não olhou para ele, para suas forças ou habilidades. Davi olhou para Deus, confiou nEle e tomou atitudes de Fé. Ele disse que enfrentaria o filisteu, ele foi ao encontro do inimigo, ele o matou e depois contou aquilo que o Senhor tinha feito não somente por ele, mas por todo o povo de Israel.

VIA GRITOS  DE ALERTA

Os atributos de um amigo verdadeiro

O Dr. John Mackay, presidente do Seminário de Princeton, em seu livro “O sentido da vida”, disse que não há relação mais espiritual e sublime que a amizade. A relação de amigos é mais elevada que a de irmãos, noivos ou esposos, pois há muitos irmãos, noivos e esposos que não são amigos. Vamos analisar três aspectos acerca do grande valor da amizade. Como podemos conhecer um amigo verdadeiro?

1. Um amigo é alguém que está do nosso lado ainda quando todos nos abandonam

A Bíblia diz: “Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão” (Pv 17.17). Um amigo é o primeiro a entrar, depois de todos terem abandonado a casa. Ele se aproxima não para tirar-lhe algo, mas para oferecer-lhe tudo, sua amizade. Há duas caricaturas de amizade, que não passam de uma falsa amizade. A primeira é a amizade tabernária. Nenhum liame existe entre os amigos “tabernários” além do desejo comum de matar o tempo, de tomar uns copos, de contar pilhérias um tanto escabrosas, de maldizer o próximo e fazer farra. Esses amigos dispersam-se na hora da angústia, como os amigos do Filho Pródigo fugiram, deixando-o faminto e necessitado. A segunda amizade falsa é a amizade utilitária. É a daqueles para quem todo “amigo” é uma conveniência, um meio atual ou potencial de facilitar-lhes os interesses. Essa amizade é uma espécie de pesca de favores, honras, posições e lucros. Essa espécie de amizade constitui-se numa ameaça para a moralidade pública. Distribuem-se os cargos não pelos méritos pessoais dos candidatos, mas pelo número de “amigos” que possuem. Mas, se há “amizade” falsa, existe também a amizade verdadeira. O amigo verdadeiro ama em todo tempo. O vendaval só conseguirá que os verdadeiros amigos deitem raízes mais profundas, entrelançando-se-lhes as radículas no solo do amor eterno.

2. Um amigo é alguém que não precisa usar máscaras para desfrutar de intimidade

A Bíblia diz: “… há amigo mais chegado do que um irmão” (Pv 18.24). Um amigo verdadeiro não precisa de formalidades e convencionalidades para se aproximar de nós. Ele nos conhece e nos ama não apenas por causa das nossas virtudes, mas também apesar dos nossos defeitos. O verdadeiro amigo é aquele que está perto nas horas de celebração e também nos tempos de choro. Ele é capaz de chorar conosco na dor e cantar conosco nos dias de festa. A verdadeira amizade derruba paredes e constrói corredores; nivela os vales e constrói pontes. A Bíblia destaca a amizade de Davi e Jônatas. Essa amizade foi santa, íntegra e fiel. Esses dois jovens buscavam o bem um do outro. Eles protegiam um ao outro. Um amigo verdadeiro não se nutre de suspeitas nem dá ouvidos à intriga. Não há amizade sem lealdade. A intriga é o verdugo da amizade. A amizade é edificada sobre o fundamento da verdade e cresce com o cultivo da intimidade.

3. Um amigo é alguém que prefere o desconforto do confronto à comodidade da omissão

A Bíblia diz: “Como o ferro com o ferro se afia, assim o homem ao seu amigo” (Pv 27.17). Uma amizade verdadeira não é construída sobre a cumplicidade no erro, mas sobre o confronto da verdade. As feridas feitas pelo amigo são melhores do que as lisonjas do bajulador. Uma amizade leal não se acovarda na hora do confronto. Há circunstâncias em que a maior prova de amizade está em aceitar o risco de perdê-la, em nome da própria amizade. A Bíblia nos ensina a falar a verdade em amor. A Bíblia nos orienta a servir de suporte uns para os outros. A Bíblia nos manda corrigir aos que são surpreendidos na prática de alguma falta, e isso, com espírito de brandura. Não existe amizade indolor. Não existe amizade omissa. Um amigo é alguém que tem liberdade, direito e responsabilidade de exortar, corrigir e orientar seu confrade quando vislumbra a chegada de um perigo ameaçador. Nesse mundo timbrado pela solidão e pelo isolamento, onde florescem as “amizades virtuais”, precisamos cultivar amizades verdadeiras, amizades que glorificam a Deus, edificam a igreja e abençoam a família!

VIA GRITOS DE ALERTA

ESTUDO SOBRE FALSIDADE - Um falso amigo de paulo

“Procura vir ter comigo depressa. Porque Demas me abandonou, amando o presente século (...). Alexandre, o latoeiro, causou-me muitos males (...). Ninguém me assistiu na minha primeira defesa, antes todos me desampararam (...)” (2 Timóteo 4:9,10,14 e 16).


            O apóstolo Paulo foi um dos maiores evangelistas que o mundo já conheceu. Viveu numa época dificílima, onde ser cristão significava pôr em risco a própria vida. Paulo fez extensas viagens missionárias, conheceu diversos povos e culturas, por isso, se tornou um líder destacado do seu tempo. Sua equipe missionária era uma das mais grandiosas. Eram jovens, moços, velhos, mulheres, homens, principalmente. Alguns casados, outros solteiros. Mas todos imbuídos de um só propósito: anunciar a salvação exclusivamente por meio de CRISTO, Aquele que muitos testemunharam dos Seus milagres, enquanto outros só ouviram falar. Os historiadores afirmam que o apóstolo escreveu 13 cartas, denominadas paulinas, tanto dirigidas às localidades como a líderes, além da autoria não comprovada de outros textos. Por amar a obra missionária, sofreu na própria pele inúmeras adversidades, como ele mesmo descreveu na segunda Carta aos coríntios:

“Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um (195 chicotadas). Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de assaltantes, (...) em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos; em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez. Além das coisas exteriores, há o que diariamente pesa sobre mim, o cuidado de todas as igrejas” (2 Coríntios 11:24-28). Também foi várias vezes preso em fortalezas e levado a julgamento.

            Os judeus eram, como lemos no texto anterior, seus inimigos declarados, embora ele próprio fosse judeu, da cidade de Tarso, na região da Cilícia. Outrora, chamado de Saulo, fora perseguidor da Igreja de DEUS e contribuiu para a morte de Estevão, mártire cristão. No caminho de Damasco, perdera a visão e fora arrebatado espiritualmente aos céus, onde teve um encontro poderoso com CRISTO. A partir dali, quando voltou a enxergar, tornou-se não só um amigo da igreja de DEUS, mas seu grande líder. O testemunho de Paulo, lido ao povo em hebraico, está publicado no capítulo 22 do livro de Atos. Vale a pena relê-lo.

            Como afirmei, Paulo tinha inimigos declarados, mas também inúmeros amigos. Alguns deles são citados no início e no fim de algumas cartas escritas pelo apóstolo, cujos nomes são desconhecidos da igreja contemporânea: Febe, servidora da igreja em Cencréia; Priscila; Áquila; Epêneto; Andrônico; Júnia; Amplíato; Urbano; Apeles; Herodião; Asíncrito; Flegonte e tantos outros infinitos nomes, que para nós são também estranhíssimos. Alguns amigos mais próximos; outros, porém, distantes. Quero aqui destacar um nome que aparece em três de suas cartas: Demas.

            Nos versículos de abertura de nosso estudo, Paulo, encarcerado, escreve ao amigo Timóteo em tom de desespero: “Procura vir ter comigo depressa. Porque Demas me abandonou, amando o presente século (...). Alexandre, o latoeiro, causou-me muitos males (...). Diferentemente de Alexandre, judeu, que sempre se posicionava contrário às atitudes de Paulo (o mesmo Alexandre é citado também em Atos 19:33 como agitador do povo), Demas é apresentado, em outras cartas, como cooperador de Paulo, ou seja, aquele que, de alguma forma, contribuía para o crescimento do Evangelho: “Saúda-vos Lucas, o médico e amado, e Demas” (Colossenses 4:14); “Saúdam-te Epafras, meu companheiro de prisão em Cristo Jesus, Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus cooperadores” (Filemom 1:23-24). A grande frustração de Paulo foi ter sido abandonado, nas horas de maior tribulação, por um cooperador próximo. O que levou o “amigo” a abandoná-lo? Demas não suportara tamanhas pressões em ver muitos cristãos sendo perseguidos, presos e mortos. Ele optou por não querer carregar a cruz por amor a CRISTO, como bem nos aconselha o apóstolo Pedro:

“Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre nós para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse. Mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis” (1 Pedro 4:12-14), preferindo o mundo e a aparente e falsa paz que este mundo oferece. Podemos dizer que ele foi um “amigo” que só queria estar perto do apóstolo em momentos de calmaria ou de regozijamento. Por isso, hoje, aparece na história do cristianismo ao lado de nomes que não souberam honrar o Nome de DEUS. Demas trocou seu bom lugar no reino de DEUS e na história pelo salário que é destinado aos traidores, o mesmo que recebera Judas Iscariotes.

Quando Paulo escreveu as palavras de desespero ao seu filho na Fé, Timóteo, fora preso pela segunda vez na Grécia e levado às pressas para Roma, desta feita como criminoso; ou seja, numa enorme possibilidade de ser morto. E, diferentemente da primeira prisão, não tivera tempo de levar consigo seus livros nem capa para se aquecer. Foi nessa circunstância, extremamente adversa, que fora abandonado por Demas. Paulo reforça: “Ninguém me assistiu na minha primeira defesa, antes todos me desampararam”. A postura de Demas nos mostra que um falso amigo não resiste às lutas do dia-a-dia. Ele antever situações dificílimas e desaparece de nossa companhia; deixando-nos sozinhos. Não suporta ouvir palavras diferentes àquelas que massageiam seu ego, ainda que seja para o seu benefício. Ele se faz nosso companheiro apenas quando os momentos forem propícios a seus interesses particulares. Amam aparecer à sombra do sucesso alheio. Enfim, um falso amigo não tem fé suficiente para saber que DEUS é Todo-Poderoso para livrar o homem das garras dos leões, como fizera com Daniel à época do Antigo Testamento; dessa forma, mostra-se um covarde na história, que só vive em busca de uma vida de facilidades.

            A carta de Paulo a Timóteo também nos ensina algo importantíssimo para a nossa conduta cristã: que devemos manter o testemunho firme, mesmo diante dos gigantes que se levantam contra nós e da solidão. Segurar a nossa mão na de DEUS, nos conservará seguros: “Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele e o mais ele fará” (Salmos 37:5).

            Paulo foi o melhor exemplo de cristão que já li em toda a minha vida. Assim, o melhor adjetivo que podemos atribuir a ele é de um velho lutador que não desiste da batalha e em nenhum momento se acovarda frente às adversidades. Antes, mantém a sua fé: “mas o Senhor me assistiu e me fortaleceu para que por mim fosse cumprida a pregação, e a ouvissem todos os gentios; e fiquei livre da boca do leão. E o Senhor me livrará de toda má obra, e me levará para o reino celestial (...)” (2 Timóteo 4:17-18). Imaginemos um velho lutador, marcado por cicatrizes, preso a algemas num recanto sombrio, erguendo os olhos até encontrar uma pequena abertura no telhado, de onde saía uma luz poderosa, e concluir como num último soluço: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada (...)” (2 Timóteo 4:7-8). O combate de Paulo deve ser sempre o combate de todo cristão...

Dedico este estudo a todos aqueles que decidiram me abandonar na caminhada.

FERNANDO CÉSAR – Escritor, autor dos livros “Não Mude de religião: mude de vida!”, “Pódio da Graça” e “Antes que a Luz do Sol escureça”. Também é líder do Ministério Interdenominacional Recuperando Famílias para Cristo.

FALSOS AMIGOS SÃO OS PIORES INIMIGOS

 
Os inimigos ocultos existem e são piores do que os inimigos declarados.
Um falso amigo é pior que um inimigo. O inimigo declarado você se prepara para lutar contra ele e o mantém distante e desinformado sobre a sua vida e seus projetos.  Já um falso amigo se mistura com os amigos verdadeiros e acaba tomando conhecimento de suas conquistas e, movido pela inveja, busca sempre uma forma de prejudicar os seus planos.   O primeiro crime de homicídio que ocorreu no mundo foi cometido por um irmão carnal.   Caim matou Abel por inveja.   Depois que ele havia matado o irmão ele se sentiu dono da razão e absoluto na família.    
Tem “amigo”, que você não sabe que concorre com você como verdadeiro rival.   Você o trata como amigo, mas ele lhe vê como adversário.   
Os inimigos ocultos carregam legiões de espíritos maus que atuam nas regiões espirituais da maldade. Nenhum sofrimento acontece por acaso.
Existe sofrimento que é prova de Deus.
Existem pessoas que morrem por que chegou a hora, mas existem também pessoas que morrem antes da hora.    
A atuação dos espíritos que se escondem atrás das enfermidades, vícios, separações familiares e amarração profissional e financeira, precisa ser analisada a luz da revelação do Espírito de Deus. Na batalha espiritual nós aprendemos a detectar a estratégia do inimigo para antecipar qualquer laço armado ou armadilha.   
O cristão não pode ser ingênuo e acreditar que todas as pessoas são boas e que não há perversidades e nem maldades no mundo. A realidade precisa ser vista de frente.  A inveja existe e a macumba pega. O satanismo, o vodu e a bruxaria estão em plena atividade no Brasil.
A feitiçaria está presente nas palavras negativas que determinam destruição. Tem pessoas praticando feitiçaria sem serem feiticeiras. É preciso ter cuidado.
 
via GRITOS DE ALERTA

ESSE NEGOCIO DO CARA SER HOMOSSEXUAL E FICAR FALANDO QUE É PASTOR É UMA COISA DOS INFERNOS . DEUS NÃO COMPACTUA COM O ATO DE HOMOSSEXUALISMO , POIS DEUS FEZ APENAS HOMEM E MULHER .


Teologia homossexual

Modernamente há um grande esforço em conciliar a teologia bíblica com o homossexualismo. Argumentos e mais argumentos são desenvolvidos para validar posição tão estapafúrdia.
É notório que o sexo foi criado por Deus, porém, Satanás deturpou tão elevado conceito. Logo no início da criação do homem, o Senhor Deus, descreveu a diferença sexual:
. Macho e fêmea;
. Homem e mulher;
. Esposo e esposa.

Dois termos hebraicos (basar e yarek), são usados num sentido eufemístico para denotar os órgãos genitais masculinos e femininos. Estes termos deixam claro que há uma diferença entre um homem e uma mulher.

O escritor sagrado é taxativo: "Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma só carne" (Gn. 2. 24 - ARC). A Nova Tradução na linguagem de hoje grafa: "É por isso que o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher, e os dois se tornam uma só pessoa".

O esforço vai um pouco mais além. A chamada teologia homossexual é defendida não só pelos leigos, mas também, por ministros eclesiásticos.
"Ser um pastor homossexual é ter uma experiência ímpar, uma visão do mundo original e desapegada das tradições".
"Sou livre em Cristo. Então, permito-me o homossexualismo".

"Cabe ao Senhor escolher que tipo de pessoa deve chamar. Agora, se Deus tem vocacionado gays e lésbicas ao sacerdócio, é porque tais pessoas tem uma grande contribuição para dar à igreja".

"Não vejo o porquê de se dizer que gays e lésbicas estão errados na sua maneira de ser. Eu questiono tal atitude, pois que vantagem poderia trazer? Afinal, vida sexual é uma questão que diz respeito à privacidade de cada pessoa".

"A vocação pastoral é divina e está muito acima das discriminações. O problema é que a Igreja tem a genitália no cérebro".
"O que faz um pastor não é a sua orientação sexual, mas o chamado e a vocação, que provêm de Deus".
"Deus não faz acepção de pessoas, por isso, nada impede que um gay ou lésbica seja pastor, padre ou ministro".
"Deus criou Aida, não Adão: "E o Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Aida, e ela dormiu; e ele tomou uma das costelas dela, e fechou a carne em seu lugar; e da costela, que o Senhor Deus tomou da mulher, ele formou outra mulher, e trouxe-a à primeira mulher. E disse Aida: 'Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chamada mulher, porque ela foi tomada de mim. Portanto deixará a mulher a sua mãe, e apegar-se-á à sua esposa, e elas serão uma só carne. E ambas estavam nuas, à mulher e a sua esposa; e não se envergonhavam" (Uma versão da Bíblia, totalmente gay).
"O livro que está mudando o destino de centenas de homossexuais que antes pensavam ser abomináveis para Deus. Ele revela os segredos de Deus para os gays mostrando que a Bíblia realmente não condena a homossexualidade" (A Bíblia sem preconceitos).
Os argumentos acima são inválidos à luz das Sagradas Escrituras:
. "Convém que o bispo (um líder eclesiástico) seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar" (I Timóteo 3. 2- ARC). Paulo não diz "marido de um homem". "Essa história de pastor gay é uma aberração que não pode ser tolerada pela Igreja Evangélica";
. "Portanto, deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher..." (Mateus 19. 5 - ARC). Jesus não disse "se unirá a seu homem";
. O caso de Davi e Jônatas não é um exemplo de união homossexual. A escritora Joyce G. Baldwin comenta que "era um reconhecimento do valor de Davi, por quem Jônatas estava disposto a dar tudo que possuía, até mesmo seu direito ao trono, pois o amava como à sua própria alma" (I Samuel 18. 3 - ARC);
. A expressão "o amava como à sua própria alma", no hebraico, tem o sentido de afeição, nunca de amor sexual;
. O trecho de Mateus 19. 12 (Porque há eunucos que nasceram assim), não é uma referência aos homossexuais. O termo eunuco vem do grego eune que significa cama e echo que significa ter. O sentido é claro: o eunuco era o homem que tinha a responsabilidade de proteger e de cuidar do dormitório do harém oriental. Eram eunucos de nascença, ou seja, homens que nasceram com defeitos físicos ou mentais, incapazes das funções sexuais. O Judaísmo classificava tais homens de eunucos do sol, isto é, pessoas que nunca viram o sol exceto no estado de eunuquismo.
Chega a ser blasfemo. A hermenêutica gay é uma tragédia! Algo totalmente despudorado e desavergonhado!

"Não há nenhum modo de conciliar o cristianismo com a homossexualidade, e isso está claro em várias passagens bíblicas, como Levítico 18.22; 1Co 6.9; 1Tm 1.10-11. O homossexualismo é abominado por Deus e sua prática é proibida pela Bíblia".

Não obstante ser a Bíblia a palavra de Deus, única e verdadeira, todos os dias lemos notícias que contrariam toda e qualquer hermenêutica bíblica:

"Pastores homossexuais, fundadores da Igreja Gay, irão se casar no Rio de Janeiro".

"Pastores gays realizam o sonho de se casar".

"Igreja Luterana tem pastores gay".

"Sou Pastor, Teólogo e sou gay" - é o grito de liberdade de um suposto Pastor e Teólogo. Escrevo suposto Pastor e Teólogo, porque este cidadão não é Pastor, muitos menos Teólogo. É apenas gay!
Além do mandamento bíblico, um líder eclesiástico, tem ética e um ilibado senso de moralidade.
"Quem prega que o homossexualismo é aceitável ao Senhor está debaixo de condenação. Um pastor não pode ser homossexual, a menos que pregue um Evangelho adulterado" sentencia o Pastor João Carlos Xavier.
"Deus não pode ser favorável a esta prática, já que é contrária às ordenanças bíblicas. É preciso que busquem a Deus para alcançar misericórdia para as abominações que praticam" (Pastor Valter da Costa da Igreja Metodista Renovada).
"Fico espantado em ver que é muita gente homossexual, inclusive pastores. Mas uma igreja que permite ao seu pastor viver em pecado sem se arrepender é uma igreja que está em grande erro" (Joe Dallas, autor do livro A operação do erro).
"Todos aqueles que dizem que os evangélicos admitem que seus membros pratiquem certos pecados, estão certos e errados ao mesmo tempo. É fato que há crentes que mentem, que roubaram ou que adulteraram, e alguns o fizeram também depois de cristãos, mas continuam sendo membros de nossas igrejas. Por que razão o permitimos? Porque eles se arrependeram. Um crente pode, sim, ter uma recaída - "aquele que está de pé, cuide para que não caia" - mas o que vai definir se ele realmente é um convertido é a sua capacidade de arrependimento. Um adúltero que se arrepende do seu pecado, pode sim, obter o perdão de Deus. 

O mesmo vale para os mentirosos, ladrões e porque não dizer, para os que praticaram o homossexualismo. 
Um ex-homossexual que tem uma recaída e se arrepende pode ter perdão de Deus, do pastor e dos irmãos e ser reintegrado à sua comunidade de fé. Isso sempre foi assim! O que nós não admitimos, e a Bíblia também não, é que uma pessoa homossexual que não se arrependeu do seu ato e não tem a mínima vontade de fazê-lo, se faça chamar de cristão.
Quero dizer com meu coração aberto e com toda sinceridade, que amo a todos os homossexuais, assim como Deus os ama. Não há em meu coração nenhuma forma de discriminação social homofóbica, mas acrescento que entre a exegese barata do pastor Gladstone, e a Bíblia de Deus, prefiro ficar com a Bíblia" (Leonardo G. Silva).
Não há igreja gay;
Não há teologia gay,
Não há Pastor gay...
Só há a igreja de Deus,
A teologia bíblica,
E o  Pastor que cuida do rebanho de Deus , pastor esse sendo Homem ou Mulher !


VIA  GRITOS  DE ALERTA .
INF. ADD ITAPEVI.

CLÉRIGO IRANIANO INCITA À MATANÇA DE JUDEUS, INCLUINDO CRIANÇAS



O Mal expressa-se de multifacetadas formas, mas quando incarna uma figura humana, vocifera "obrigatoriamente" o seu ódio contra o "povo da aliança", o povo judeu. Assim foi com o faraó do Egito, com Haman da Pérsia, com Herodes, com Estaline, com Hitler...e agora com o mentor espiritual do Irãn (antiga Pérsia). Todos eles visaram a destruição dos judeus, mas acabaram por ser eles próprios a cavar a sua própria sepultura. E assim será também com o regime e os líderes iranianos. A pergunta é até quando irão durar estas provocações, e até quando o mundo chamado "civilizado" continuará a assistir ao fortalecimento nuclear do regime iraniano - obviamente com objetivos nada pacíficos - limitando-se a usar da retórica, como se isso beliscasse de alguma forma a arrogância e a contínua provocação iraniana.
Eis que o Ayatollah revela a sua verdadeira faceta: Este clérigo religioso conhecido por ser o mentor espiritual do presidente Ahmadinejad afirma não só que os ataques contra civis israelitas são permissíveis, incluindo as crianças,  como os suicídios bombistas são um dever muçulmano.
O Ayatollah Mohammad Taghi Mesbah, considerado um dos mais radicais clérigos da República Islâmica, publicou um édito religioso no seu sítio na internet em que os ataques suicidas não são só legitimizados como são um dever de todo o muçulmano.

O clérigo estava respondendo a uma questão de um seguidor relacionada com a diferença entre"morte como mártir" e"suicídio". O homem, que escreveu sob anonimato, notou que "algumas pessoas dizem que os atos de martírio são considerados suicídio e são proibidos por contradizerem o Islãn."                              
Em resposta, Mesbah expressou o seu lamento por este seu seguidor ter sido vítima da "propaganda dos inimigos do Islão". E acrescentou que este seguidor estava a perder o seu tempo, em vez de focalizar-se na "extração do regime sionista".
"Quando na defesa do Islãn e da nação dos crentes muçulmanos através de atos de martírio, estes (ataques suicidas) não são só permitidos, como são um dever" - escreveu Mesbah.
O seguidor apresentou outra pergunta relacionada com a posição do Islão sobre os ataques a israelitas, questionando-se sobre se as ações do Hamas e da Jihad contra cidadãos são proibidos. E acrescentou: "E as crianças mortas nestes ataques?"
O Ayatollah iraniano não viu que houvesse alguma coisa que proibisse a matança de crianças, notando apenas que os israelitas podem ser atacados a menos que expressem abertamente a sua objecção à posição do seu governo. E acrescentou que mesmo em casos desses atacar civis é permissível "se eles constituirem um escudo humano ou quando a guerra contra os opressores depende de se atacar esses civis."Para os seguidores de Mesbah, as suas palavras são consideradas um édito religioso vinculatório. Em várias ocasiões no passado, o presidente iraniano Ahmadinejad falou também a favor de "atos de martírio".
Esta é a verdadeira face do Islãn. Não tenhamos ilusões!
Shalom, Israel!

PASSANDO A PERNA NO PRÓXIMO - UM DEFEITO NO CARÁTER DE QUEM FAZ ISSO.

Eu estava procurando por alguns temas e me deparei com isso aqui .
A ATITUDE DE PASSAR A PERNA EM OUTRA PESSOA PARA OBTER ALGUM LUCRO COM ISSO .

Primeiro fui buscar nos dicionários o que é que realmente significa esse termo , PASSAR A PERNA  .

 ENGANAR TODO MUNDO.

Tem pessoas que se mostram tão boazinhas , solidárias , amigas .
MAS POR DETRÁZ DESSA ATITUDE TEM  DIABO FALANDO .
CONTINUA ASSIM , ELES ESTÃO ACREDITANDO QUE SUAS VISITAS É DE DEUS , QUE SUAS ORAÇÕES SÃO DE DEUS , E TAMBÉM QUE VOCÊ É DE DEUS .

A muitos anos passados eu fazia parte de um ministério muito grande , conhecido no Brasil , e o que me levou a sair de lá foi justamente o fato de não aceitar que se passe a perna em ninguém .

ELES FALARAM O SEGUINTE EM UMA DAS REUNIÕES.

INVISTA NAQUELAS PESSOAS QUE TIVEREM BASTANTE RECURSOS , MAS AQUELAS QUE NÃO TIVEREM DEIXE DE LADO .

Não podemos ser porta vós de DEUS E do diabo ao mesmo tempo .
Não tem como servir a Deus e ao mesmo tempo estar sentado no altar do capeta , e dando uma de santinho.

Me lembro de uma situação em que eu presenciei , de um certo pastor que era liderado por um outro líder .

E esse pastor do nada começou a visitar todos os membros da igreja , com o pretexto de ser bonzinho e estar cumprindo seu chamado .
MAS NÃO FOI DE ESTRANHAM QUE UNS 30  DIAS APÓS O INICIO DE SUA MARATONA DE VISITAS , ESSE DITO PASTOR PASSOU A PERNA NO SEU LÍDER , FAZENDO COMO CORÁ FEZ .


A REBELIÃO DE CORÁ


" Aí deles! Pois seguiram o caminho de Caim, buscando o lucro caíram no erro de Balaão, e foram destruídos na rebelião de Corá". Jd 1.11
Esta foi uma rebelião promovida por um levita, Corá. Bisneto de Levi, ele sem dúvida tinha muita influência e autoridade, pois conseguiu reunir atrás de si duzentos e cinqüenta homens de renome, líderes do povo.
Inflado pela sua posição, Corá promoveu uma demonstração de força diante de Moisés e Arão a fim arrancar-lhes a autoridade, exclamando que Moisés e Arão se exaltavam indevidamente sobre o povo, onde todos eram iguais. Sem dúvida Corá ambicionava tomar o lugar deles, colhendo para si e para a sua família vantagens políticas e financeiras. Ele e os seus comparsas, Datã e Abirão, insuflaram o povo alegando que Moisés e Arão haviam feito Israel subir de uma terra que mana leite e mel (o Egito) para fazê-los morrer no deserto e ainda por cima queriam fazer-se príncipes entre eles!
O que alegavam era mentira, sem qualquer fundamento: Moisés não estava assumindo a liderança por vontade própria. Ele relutou bastante antes de aceitar a missão que o SENHOR lhe confiara, e Arão foi também nomeado pelo SENHOR porque Moisés queria alguém que o ajudasse. O povo já teria entrado na terra de Canaã não fosse a sua incredulidade. Moisés nada queria para si, ao contrário de Corá, que provocou esta rebelião por inveja.
O SENHOR havia definido a posição e o ministério de cada um, inclusive o de Corá, um coatita (Êxodo 6:16,18; Números 3:17,28,29,31; 4:36; 26:57,62). Uma rebelião como esta era coisa muito séria, e era necessário tomar medidas drásticas.
Ainda hoje, as igrejas continuam a ser perturbadas pela inveja que surge entre alguns dos seus membros, resultando em rebelião contra seus líderes e mesmo na divisão da igreja.


Passando a perna .


Tem também um certo tipo de mulher que começa a visitar a casa de alguma amiga com o simples pretexto de amizade , mas na realidade essa suposta amiga esta apenas querendo espaço para dar em cima do marido daquela que era chamada de amiga .

Tem também aquele certo tipo de amigo que quer se aproveitar de sua amizade para lhe tomar seu emprego , seus projetos , seus sonhos ,  os invejosos , que por serem incapazes de conseguirem algo , enganam tudo e todos para alcançarem alguns objetivos na vida .

Vemos levitas que na primeira oportunidade pisam em seus lideres somente para assumirem o posto de lideres do grupo de louvor da igreja.

Vemos homens e mulheres , que levados por sentimentos dos infernos não respeitam suas lideranças , e passam por coma mesmo , sem se preocupar com o estrago que poderiam causar .

A MARIDOS PASSANDO A PERNA NA ESPOSA , A PASTORES ENGANANDO O REBANHO , A LIDERES LIDERANDO REBELIÕES EM NOME DE UMA FALSA MORAL .
QUEREM APENAS PASSAREM A PERNA PARA SE DAREM BEM AM ALGUMA COISA NA VIDA , POIS SÃO FRACASSADOS .

Veja isso .
 Quem nunca entrou em um comercio , pagou e recebeu troco a mais ?
E sai de lá com ar de esperteza .
São tão hipócritas que saem falando que foram abençoados por  DEUS .


ME RECORDO DE UMA IRMÃ QUE ESTAVA COM AS CONTAS TODAS ATRASADAS , E CERTO DIA ACHOU UMA CARTEIRA REPLETA DE DINHEIRO  E COM TODOS DOCUMENTOS DA PESSOA  QUE TINHA PERDIDO .

ELA PEGOU O DINHEIRO E SAIU TESTEMUNHANDO QUE DEUS TINHA ABENÇOADO ELA.
TODA FORMA DE ENGANO NÃO É ACEITA POR DEUS .



JACÓ ENGANA ISAQUE


Deus havia anunciado a Isaque que Esaú serviria a Jacó (capítulo 25:23) e Jacó havia adquirido o direito à primogenitura de Esaú (capítulo 25:33); neste capítulo, vemos a maneira como Jacó iludiu Isaque a fim de ser abençoado por ele.
De uma maneira geral, uma bênção consiste em expressar desejos de boas coisas para outrem, ou, melhor ainda, uma oração a Deus a seu favor. Ninguém tem poder para melhorar o futuro de outro mediante a sua bênção, ou de piorá-lo com sua maldição: só Deus tem esse poder. Todavia, Deus usou seus servos, geralmente profetas, no passado, para transmitir sua mensagem de bênção ou maldição; o SENHOR separou a tribo de Levi para abençoar em Seu nome (Deuteronômio 10:8) e deu-lhes as palavras exatas, que consistem em desejar que o SENHOR lhes seja propício (Números 6:23-27).
A bênção de Isaque, neste caso, só teria valor se procedesse de Deus. Mesmo no caso de seu pai Abraão, Deus prometeu: "abençoarei os que te abençoarem (te desejarem o bem) e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem (te desejarem o mal)..." (capítulo 12:3): nunca "abençoarei os que abençoares".
Isaque estava já velho - tinha uns 135 anos de idade, e seus filhos, uns 75 - e estava cego, decerto com cataratas. Sem esperar a direção de Deus, e sem levar em conta o que Deus já lhe havia dito, julgando erradamente que estava para morrer (ele viveria mais 45 anos, até os 180), ele resolveu abençoar seu filho preferido, Esaú, fazendo-o seu herdeiro.
Como Isaque apreciava comer o produto da caça, ele pediu a Esaú que fosse caçar alguma coisa e a preparasse para ele comer, após o que ele lhe abençoaria.
Rebeca ouviu, e imediatamente contou a Jacó e ordenou que ele pegasse dois cabritos, que ela cozinharia para ele levar ao seu pai e receber a bênção ele próprio. Até aí, tudo bem.
Mas pela resposta de Jacó vemos que a intenção era de fazer Isaque, cego, pensar que Jacó era Esaú pois Isaque não pretendia abençoar Jacó nessa oportunidade. Jacó não parecia hesitar em enganar seu pai: o que o preocupava era a possibilidade de ser apanhado no ato.
Jacó lembrou sua mãe que ele era liso, enquanto Esaú era cabeludo, e seu pai poderia descobrir a diferença e amaldiçoá-lo pelo que estava fazendo. Rebeca, então resolveu o problema colocando peles de cabritos nas mãos e no pescoço de Jacó, e vestindo-o com a melhor roupa de Esaú. Rebeca assumiu toda a responsabilidade pela maldição se o logro fosse descoberto.
Feita a comida saborosa, Jacó se apresentou ao pai como sendo Esaú.
Isaque estava desconfiado: primeiro por causa da rapidez, mas Jacó explicou que o SENHOR, Deus de Isaque, havia mandado a caça ao seu encontro (outra mentira!); segundo, porque a voz era de Jacó, mas ao sentir a pele peluda (do cabrito) e o cheiro da roupa (de Esaú) ele se deixou convencer que era Esaú mesmo.
Depois de comer e beber, Isaque abençoou seu filho (sem mencionar seu nome, portanto valia para Jacó!), desejando que o SENHOR lhe desse prosperidade, ascendência sobre povos e nações bem como sobre seus irmãos, reverência dos filhos, maldição a quem o amaldiçoasse, e benção a quem o abençoasse. O teor era diferente da bênção que Deus lhe havia dado (capítulo 26:2-5, 24), tratando-se, portanto, de uma bênção própria de um fazendeiro riquíssimo e independente como ele era, para o seu herdeiro (à qual Jacó já havia obtido o direito por abdicação de Esaú).
Logo depois que Jacó saiu, chegou Esaú com a sua caça, que ele preparou (ninguém lhe disse nada) e levou para seu pai, pedindo-o para comer e abençoá-lo.
Isaque então descobriu que fora logrado, mas que nada podia fazer: não podia voltar atrás! Decerto percebeu que, sem querer, havia feito a coisa certa.
Esaú se sentiu defraudado do seu direito à bênção que seu pai queria lhe dar, e ficou muito amargurado. Apesar disso, ainda intercedeu com Isaque para que ele o abençoasse.
Parece que Isaque não havia pensado em reservar nada para Jacó, pois em sua bênção estava seu testamento, deixando para o herdeiro o senhorio sobre toda a família e propriedades. Jacó agora ficava com isso, e nada sobrava para Esaú. Mas Isaque amava muito a Esaú, e vendo-o chorar, abençoou-o da forma que ainda melhor podia: ele iria viver em lugares áridos, longe das terras férteis, vivendo da espada e servindo ao seu irmão; mas um dia livrar-se-ia dele.
Por causa disso, Esaú resolveu assassinar Jacó assim que Isaque morresse.
Rebeca descobriu o que Esaú pretendia fazer, chamou Jacó e mandou que ele saísse de casa e fosse até Harã ficar com seu irmão Labão por alguns dias, até que passasse o furor de Esaú. Ela então mandaria chamá-lo.
Para Isaque, ela justificou a saída de Jacó com o fato que ele precisava achar esposa para si, e não convinha que ele a procurasse entre os cananeus: ela já estava aborrecida com as duas esposas cananeias de Esaú, e não queria mais uma nora desse tipo!
Mediante essa tramóia, Jacó obteve a bênção desejada, mas algumas das conseqüências foram penosas para ele:
  • depois que ele partiu, nada mais lemos sobre Rebeca, a não ser que foi sepultada na caverna de Macpela (capítulo 49:31). Talvez eles não se encontraram mais.
  • Esaú enfureceu-se tanto que planejou matá-lo, obrigando-o a fugir de casa.
  • enganado pelo seu tio Labão, foi obrigado a trabalhar para ele por 20 anos.
  • seus filhos brigavam entre si.
  • Esaú deu origem a uma nação inimiga.
  • Jacó ficou no exílio por muitos anos.

O hipócrita é um enganador , que nada mais é do que um passador de pernas.



“Ajuntaram-se, entretanto, muitos milhares de pessoas, de sorte que se atropelavam uns aos outros, começou a dizer aos seus discípulos: Acautelai-vos, primeiramente, do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia.
Mas nada há encoberto que não haja de ser descoberto; nem oculto, que não haja de ser sabido” (Lucas 12.1-2).


Nestes versículos, Jesus condena a hipocrisia dos fariseu e adverte seus discípulos a se precaverem contra esse pecado na sua própria vida e ministério.
Hipocrisia é a pessoa fingir ser aquilo que não é, por exemplo, fingir em público ser cristão piedoso e fiel, enquanto, na realidade, acalenta pecados ocultos de imoralidade, cobiça, concupiscência e outros mais. O hipócrita é um enganador, em se tratando da retidão prática.
Uma vez que o hipócrita envolve viver a mentira, isso faz do hipócrita um cooperador e aliado de satanás, o pai da mentira (João 8.44). Quem não tem a verdade, revela a real condição do seu coração, se opõe a Deus e permanece fora do Reino dos céus.
Jesus adverte seus discípulos de que toda a hipocrisia e pecado oculto serão descobertos; se não for nesta vida, certamente o será no dia do juízo.
Aquilo que é feito secretamente, será revelado abertamente em alguma ocasião. A hipocrisia é um sinal de que a pesoa não teme a Deus, nem possui o Espírito Santo com sua graça regeneradora. Quem permanecer nessa condição revela que ainda não nasceu da água e do Espírito (João 3.3-5) e está sob a influência de satanás, como seu pai espiritual e não pode entrar no Reino de Deus.
E VOCÊ ?
JÁ PAROU PARA PENSAR ?

VIA  GRITOS DE ALERTA .



Pastor diz que igreja está aberta para Naldo, se ele quiser

Jaime Soares, pastor da Assembleia de Deus de Bonsucesso, igreja da Zona Norte do Rio que era frequentada por Naldo Benny desde antes da...