quinta-feira, 1 de agosto de 2013

A Antiga Serpente


Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e o amarrou por mil anos

Apocalipse 20:2

A “antiga serpente”, o segundo animal deste versículo, aparece pela primeira vez na Bíblia em Gênesis 3:1... “Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais do campo, que o Senhor Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?
A serpente, víbora, áspide, basilisco ou cobra que conhecemos hoje é mencionada quarenta e nove vezes na Bíblia, inclusive alegoricamente. É ainda comum em todo o mundo, em um surpreendente número de variedades, e é usada como objeto de adoração ou simples símbolo, figura na mitologia através dos tempos, nas lendas e nas estórias. São poucos os que nunca viram ou ouviram falar sobre uma serpente. Figura na grande maioria dos vocabulários falados e escritos.
Em hebraico a serpente é chamada “naás”, “nashak”, “tsefa”, “tsifone” e em grego é “ophis”, “herpeton”. Mais de quarenta espécies são encontradas na Síria e Arábia. Isaías fala de uma “serpente voadora” (“saraf uf”) (Isaías 14:29, 30:6). Simbolicamente um inimigo mortal, sutil e malicioso é chamado de "serpente" (Lucas 10:19).
A “antiga serpente” tomou uma posição que a destacou de todos os animais que Deus havia criado: “era o mais astuto de todos os animais do campo, que o Senhor Deus tinha feito” (Gênesis 3:1). Assim ela influiu decisivamente sobre a natureza e destino dos seres humanos, e, com eles, toda a criação. Tudo era muito bom antes dessa serpente intervir, mas depois veio a maldição de Deus sobre ela e a sua descendência, junto com toda a criação.
A Bíblia não descreve como era a “antiga serpente” quando se apresentou a Eva. É provável que fosse semelhante a um grande lagarto, pois é chamada dragão não só em Apocalipse 20:2, mas também em Isaías 27:1, e um dos castigos que recebeu de Deus foi andar sobre o seu ventre e comer pó todos os dias da sua vida. Em vista dos magníficos desenhos em cores existentes sobre o corpo da maioria das serpentes encontradas hoje, suas descendentes, não é improvável que a “antiga serpente” fosse também um animal vistoso, coberto com escamas coloridas formando lindos desenhos.
Bela e cativante, essa “antiga serpente” não teve dificuldade em se comunicar com Eva no jardim do Éden, e de convencer Eva da mentira que lhe disse. Um animal falante? Salvo o papagaio, que sabe repetir o que ouve, mas sem saber do que se trata, nenhum outro animal que conhecemos atualmente pode se comunicar conosco assim. Não obstante, naquela ocasião a “antiga serpente” falou e Eva entendeu. Ao ser castigada e transformada no animal que hoje conhecemos, ela perdeu essa habilidade e ao que saibamos o único som que ela e seus descendentes produzem desde então não passa de um sibilo e, no caso da cascavel, um chocalho na extremidade da sua cauda.
Depois do acontecimento relatado no capítulo 3 de Gênesis a palavra “serpente” e as outras aplicáveis ao mesmo animal aparecem várias vezes, algumas em conexão com suas mordidas, seu veneno e sua língua bifurcada, ilustrando o cumprimento do destino que Deus deu ao relacionamento entre ela e a mulher: “Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e a sua descendência; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gênesis 3:15). A primeira vez que aparece novamente é em Gênesis 49:17... “Dã será serpente junto ao caminho, uma víbora junto à vereda, que morde os calcanhares do cavalo, de modo que caia o seu cavaleiro para trás”: nesta profecia de Jacó a serpente é usada como símbolo dos que indiretamente praticam ações maléficas para prejudicar alguém. Foi a tribo de Dã que introduziu a idolatria que eventualmente destruiu a nação de Israel.
Deus algumas vezes fez uso de serpentes: transformou a vara de Arão em uma serpente para impressionar o faraó do Egito com um milagre (Êxodo 7:10); mandou entre o povo serpentes abrasadoras, que o mordiam e morreu muita gente em Israel (Números 21:6), depois mandou Moisés fazer uma serpente de bronze e levantá-la numa haste para que quem fosse mordido pudesse olhar para ela e fosse curado (Números 21:8).
O Senhor Jesus mencionou serpentes várias vezes: recomendou aos discípulos que fossem prudentes como as serpentes (Mateus 10:16), chamou os escribas e fariseus do Seu tempo de “serpentes, raça de víboras” por causa da sua hipocrisia e iniquidade (Mateus 23:29-33). Talvez mais famosamente Ele usou a figura da serpente de bronze feita por Moisés e levantada numa haste como exemplo de como Ele seria também levantado para que todo aquele que nEle crê tenha a vida eterna (João 3:14).
Essas observações sobre esse animal nos levam à conclusão que, embora seja nocivo por causa da sua natureza agressiva, seus ataques inesperados e seu veneno mortal, resultantes da maldição pronunciada sobre ele no Éden, ele não personifica o Diabo ou Satanás.
Também a “antiga serpente”, uma espécie de “dragão”, foi apenas um instrumento usado por aquele inimigo de Deus para enganar Eva fazendo com que ela, e seu marido depois dela, desobedecessem à ordem que Deus lhes havia dado. Que Satanás foi o tentador e usou a antiga serpente apenas como seu instrumento é evidente:
Embora a serpente fosse “o mais astuto dos animais do campo”, capaz até de falar, ela não tinha as elevadas faculdades intelectuais requeridas para ser o tentador. De toda a criação na terra, só o homem foi feito à imagem de Deus e assim dotado de intelecto, bem como espírito.
No Novo Testamento somos informados, ou é assumido de várias maneiras, que o responsável direto pela sedução dos nossos primeiros antepassados foi o próprio Satanás (João 8:44; Romanos 16:20; 2 Coríntios 11:3, 11:14; Apocalipse 12:9, 20:2).
A “antiga serpente” era “o mais astuto de todos os animais do campo, que o Senhor Deus tinha feito”. Era apenas um animal do campo, mas o mais astucioso de todos e fez a obra do adversário tentando prejudicar a obra-prima da criação. (A palavra “adversário” é a tradução correta para o português do original hebraico “satã”. Esta continua figurando nas traduções da Bíblia para o português como no original ou modificado ligeiramente para “satanás”, para indicar o maior adversário de Deus, que é um anjo rebelde).
Eva inutilmente procurou justificar-se pela sua desobediência ao mandado de Deus, dizendo: “A serpente enganou-me, e eu comi.” (Gênesis 3:13). Contudo Deus não eximiu a “antiga serpente” totalmente de culpa. O castigo que a “antiga serpente” recebeu de Deus foi a humilhação de se arrastar pelo chão, de ser maldita dentre todos os animais domésticos e selvagens, e de sua descendência ser inimiga da descendência da mulher.
O relato bíblico sobre a “antiga serpente” não é apenas uma parábola, ou ficção alegórica como querem alguns. A Bíblia nos diz nas palavras de Paulo, em 2 Coríntios 11:3... “Mas temo que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos entendimentos e se apartem da simplicidade e da pureza que há em Cristo”. Se o relato não fosse um fato, não serviria como exemplo.
Toda mentira e engano, é fazer a obra do Adversário, que é “o pai da mentira” como nos ensina o Senhor Jesus (João 8:44). A Bíblia nos diz: “Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor” e “quanto a... todos os mentirosos, a sua parte será no lago ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte”. (Provérbios 12:22 e Apocalipse 21:8).

A experiência que Eva teve com a malignidade da “antiga serpente” nos serve de alerta contra as “serpentes humanas”, que também se apresentam formosas e persuasivas e nos desviam dos caminhos de Deus para desobedecer a Sua vontade. Será um desastre para nós se forem corrompidos os nossos entendimentos por uma delas para nos apartarmos da simplicidade e da pureza que há em Cristo.


Estejamos sempre apegados à verdade, a Palavra de Deus, para escapar à possibilidade de sermos utilizados pelo Adversário para divulgar suas mentiras, teorias sem fundamento na realidade e falsas interpretações do que a Bíblia diz. Estas são tão abundantes atualmente e concorrem para que os incrédulos não alcancem a salvação das suas almas mediante o único Caminho que Deus nos abriu: a fé na obra redentora do nosso Salvador e Senhor Jesus Cristo.

VIA  GRITOS  DE ALERTA

ME EMPRESTA A SUA CRUZ ?

    
Sempre queremos conquistar coisas, cargos, salários, riquezas e poder. Na vida secular, se mede um homem por suas vitórias materiais. Todo mundo sabe que é errado julgar pelo ter e não pelo ser, mas também todos sabem que esta é a regra da vida e dela ninguém foge.
Se você chegar num fusca, ninguém lhe chama de “doutor”, mas se chegar numa Hilux, aí a coisa muda de figura, você passa a ser “doutor” ainda que não tenha concluído o primeiro grau, não é assim?
Aparência é o único critério de julgamento que o mundo conhece e muitas vezes, nós, cristãos de boa vontade, nos deixamos seduzir pela aparência das pessoas e das coisas, mas está errado.
Jesus é o Senhor da Glória, mas nasceu pobre, foi abrigado junto com os animais e durante toda Sua vida, nada teve de Seu. Eram as mulheres que serviam Jesus com seus bens. Ele próprio refletiu sobre isso: E disse Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.” (Mateus 8:20). Jesus não tinha nada de Seu.

Quando Jesus chegou próximo a Jerusalém com Seus discípulos, Ele mandou alguém pedir emprestado um jumentinho (Mc.11:2 e 3), porque Ele precisava entrar em Jerusalém de forma oposta ao que os fariseus esperavam, posto que esperavam um grande rei montado num cavalo branco, com espada em punho e pronto a libertar os judeus do jugo romano, mas Jesus entrou humilde, montado num jumentinho, que aliás nem era Dele, era emprestado.

Da mesma forma foi na última ceia. Era a páscoa e a tradição rezava que naquela noite, tal como todos os judeus, Jesus e Seus discípulos deveriam compartilhar dos pães asmos com ervas amargas, em memória à libertação dos hebreus da terra do Egito, mas Jesus não tinha casa, não tinha onde reunir Seus discípulos.

Jesus resolveu o problema de forma inusitada: “E enviou dois dos seus discípulos, e disse-lhes: Ide à cidade, e um homem, que leva um cântaro de água, vos encontrará; segui-o. E, onde quer que entrar, dizei ao senhor da casa: O Mestre diz: Onde está o aposento em que hei de comer a páscoa com os meus discípulos? E ele vos mostrará um grande cenáculo mobilado e preparado; preparai-a ali.” (Marcos 14:13-15).

Os discípulos encontraram tudo como Jesus havia instruido. Seguiram o homem do cântaro, entraram na casa e o dono da casa disponibilizou uma grande sala mobiliada, provavelmente no andar superior da casa e alí os discípulos prepararam a ceia.

Jesus não tinha casa para preparar a ceia de páscoa, mas um homem ajudou e o Mestre ceiou no cenáculo emprestado.

Nada tendo de Seu, Jesus caminhava com Seus discípulos de aldeia em aldeia e onde chegavam, Jesus pedia alguma coisa emprestada. Foi assim na praia, quando a multidão o apertava (Jesus não gostava disso), Ele pediu um barco emprestado para falar à multidão.

Quando Jesus morreu, José de Arimateia pediu o corpo Dele a Pilatos e tirou o Mestre da cruz, o envolveu em lençois e depositou Seu corpo num sepulcro cravado na rocha e que nunca tinha sido usado por ninguém. O túmulo foi emprestado para Jesus.

 Os soldados romanos espancaram Jesus, cravaram uma coroa de espinhos em Sua cabeça, cuspiram no rosto de Jesus e deram a Ele a única coisa que Ele teve na vida:

Acontece que aquela cruz não era de Jesus, Ele não fez nada para merecer aquela cruz, não havia pecado Nele, Jesus ofereceu Sua vida como sacrifício vivo a Deus para remissão, para perdão de todos os nossos pecados.
 

O ALCORÃO PERMITI MENTIR. A BÍBLIA DIZ QUE O PAI DA MENTIRA É SATANÁS, AFINAL QUEM É O DEUS DO ALCORÃO?


São os muçulmanos autorizados a mentir?
  

 Os líderes Muçulmanos ensinam que os Muçulmanos devem ser verdadeiros para si, a não ser que o objetivo da mentira seja “suavizar as diferenças”.
 Existem duas formas de mentir para os nãos Muçulmanos que são permitidos a Taqiyya (dizer algo que não é verdade) e kitman (mentir por omissão). São as mentiras que incentivam o avançar da propagação do Islã, isto que dizer que para ganhar a confiança dos cristãos e judeus é permitido mentir, a fim de tirar sua vulnerabilidade e derrota-los.
 
O ALCORÃO
  
Alcorão 16:106 – Estabelece que há circunstâncias que podem “obrigar” a um muçulmano para dizer uma mentira.
Alcorão 3:28 – Este versículo diz aos muçulmanos a não tomarem aqueles que estão fora da fé islâmica como amigos, a não ser que seja para precaver-se e resguardar.
 
Alcorão 9:3 – “Deus não vai chamá-lo para dar conta leviandade em seus juramentos, mas para a intenção em seus corações”. O contexto desta observação é o casamento, o que explica a Sharia que permite aos conjugues mentir para o outro para o bem maior.
 
Alcorão 66:2Deus vos permitiu a dissolução dos vossos juramentos, porque é vosso Protetor e é o Sapiente, o Prudentíssimo”.

Alcorão 3:54
“E eles (os descrentes) planejou, e Deus planejou (contra eles): e Deus é o melhor dos planejadores”. A palavra árabe usada aqui para o esquema (ou trama) é Makara, que literalmente significa engano. Se Deus é enganoso para com os incrédulos, então há pouca base para negar que os muçulmanos estão autorizados a fazer o mesmo.
 
OS HADITHS:
Bukhari 49:857 “Aquele que faz a paz entre as pessoas por inventar uma boa informação ou dizer coisas boas, não é um mentiroso.” – Mentir é permitido quando o fim justifica os meios.
Bukhari 84:64-65 – Falando de uma posição de poder na época, Ali confirma que a mentira é permitida, a fim de enganar um “inimigo”.
Muçulmano 32:6303 – "... ele não ouviu que a isenção foi concedida em nada o que as pessoas falam como mentira, mas em três casos: na batalha, para trazer a reconciliação entre as pessoas e a narração das palavras do marido para sua esposa, e a narração das palavras de uma mulher ao marido (de forma distorcida, a fim de trazer a reconciliação entre eles).”
 
Bukhari 50:369 – narra o assassinato de um poeta, Ka'b Bin Al-Ashraf, por insistência de Maomé. Os homens que se voluntariaram para o assassinato usado desonestidade  para ganhar a confiança Ka'b's, fingindo que eles se voltaram contra Muhammad. Isso chamou a vítima para fora de sua fortaleza, ao que ele foi brutalmente abatido, apesar de colocar-se uma luta feroz para sua vida.
 
LEI ISLÂMICA
Dependência do viajante p.746-8,2 – Falar é um meio para alcançar objetivos. Se um objetivo louvável é atingível através tanto a dizer a verdade e a mentira, é ilegal realizar através da mentira, porque não há necessidade para isso. Quando é possível alcançar tal objetivo, mentindo, mas não dizendo a verdade, é permitido mentir se for para atingir o objetivo, sendo assim admissível (N: ou seja, quando o propósito da mentira é para contornar alguém que está impedindo um de fazer algo permitido).
“Devem-se comparar as más consequências acarretadas por mentir para alguém, pois se dizendo a verdade, as consequências são mais prejudiciais, então se tem o direito de mentir”.

 
BÍBLIA
 
ÊXODO 20:16 –   Não dirá falso testemunho contra o teu próximo.
 
 
SALMOS 101:7O que usa de fraude não habitará em minha casa; o que profere mentiras não estará firme perante os meus olhos.
 
 
PROVÉRBIOS 12:22Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor; mas os que praticam a verdade são o seu deleite.
 
 
EFÉSIOS 4:25Pelo que deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo, pois somos membros uns dos outros.
 
 
COLOSSENSES 3:9-10Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do homem velho com os seus feitos, e vos vestistes do novo, que se renova para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou;
 
TIAGO 3:14Mas, se tendes amargo ciúme e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade.
 
 
APOCALIPSE 22:15Ficarão de fora os cães, os feiticeiros, os adúlteros, os homicidas, os idólatras, e todo o que ama e pratica a mentira.
 
VIA GRITOS DE ALERTA

AS CONTRADIÇÕES DOS ENSINOS DOS MORMOS - MENTIRAS TEM QUE SER DESMASCARADAS.


 

O mormonismo foi fundado por Joseph Smith Jr., tendo por base a sua primeira visão, segundo a qual, após orar pedindo a Deus por sabedoria a fim de saber a qual igreja deveria se unir, o próprio Deus Pai, acompanhado pelo Senhor Jesus, lhe apareceram e declararam que todas as igrejas haviam apostatado e estavam corrompidas. Disse ele certa vez, acerca de seus ensinos: "Quando vos ensinei algo errado desta tribuna? Alguma vez já me viste confuso?".


Com este artigo, pretendemos que o leitor chegue às suas próprias conclusões, ou seja, se os ensinos do fundador do mormonismo são ou não confusos. Depois, temos a sugestão dos próprios mórmons para desmascarar o fundador dessa seita, caso seus ensinos não correspondam à verdade.


Este desafio, feito pelos próprios mórmons, foi lançado nos seguintes termos: "O mormonismo, como é chamado, tem que resistir ou cair com a história de Joseph Smith . Se Joseph Smith foi um impostor que tentou deliberadamente induzir o povo ao erro, ele deve ser desmascarado, refutadas suas asseverações e provada a falsidade de suas doutrinas, pois é impossível fazer que as doutrinas de um impostor concordem em todos os pormenores com a verdade divina. Se suas afirmativas e declarações fossem baseadas na fraude e impostura, apareceriam muitos erros e contradições, fáceis de averiguar. As doutrinas dos falsos mestres não resistem à prova quando confrontadas com os padrões de medida comprovados, as Escrituras" .


Assim, nos baseamos nestas declarações dos mórmons, através deste artigo, mostrarmos a confusão que impera no mormonismo, uma vez que Deus não é Deus de confusão, como aparenta ser o deus dos mórmons.

A seguir, algumas contradições encontradas nos escritos mórmons, para que possamos avaliar se a sua doutrina é ou não confusa.

1. Deus é um homem exaltado?


Os mórmons declaram que não, afirmando que Ele é Espírito: “E disse-lhe Amon: Este é Deus. E disse-lhe mais: Crês tu que este Grande Espírito, que é Deus, criou todas as coisas que estão no céu e na terra?” (Alma 18.28).


Em outras publicações, declaram que sim, como podemos ver: “Sim, o próprio Deus já foi como somos agora - Ele é um homem exaltado, entronizado em céus distantes!” , “O Pai possui um corpo de carne e osso tão tangível como o do homem” .


Em contraste com esta segunda afirmação, a Bíblia declara que Deus não é homem: “Deus não homem para que minta” (Nm 23.19a); ao contrário, afirma claramente que Deus é Espírito (Jo 4.24).


2. O Pai, o Filho e o Espírito Santo são um só Deus ou existe uma pluralidade de deuses?


Os mórmons declaram que os três são um só Deus: “O Pai, o Filho e o Espírito Santo são um Deus, infinito e eterno, sem fim. Amém”, “E cantar louvores eternos ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, que são um Deus” (Mórmon 8.7).


Mas se contradizem quando afirmam haver uma pluralidade de deuses: “Eu sempre declarei que Deus é um personagem distinto, que Jesus Cristo é um personagem separado e distinto de Deus, o Pai, e que o Espírito Santo é outro personagem distinto, e é Espírito; são três distintos e três deuses. Se essa posição concorda com o Novo Testamento, olhai! Vede! Temos três deuses” . “Muitos homens dizem que há um Deus: o Pai, o filho e o Espírito são apenas um Deus. Que Deus estranho – digo eu - três em um e um em três! Que curiosa organização!” .


A Bíblia declara que há um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo: “Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um” (I Jo 5.7). Ver também Gn 1.1,26, 2 Pe 1. 17, 1 Jo 5.20 e At 5.3,4.


3. Deus é eterno?


Declaração mórmon afirmando que sim: “Pois sei que Deus não é um Deus parcial, nem variável; ao contrário, é imutável de eternidade a eternidade” (Moroni 8.18).


A contradição, alegando que não: “Temos imaginado e suposto que Deus é Deus desde todo o sempre. Eu refutarei esta idéia e retirarei o véu” .


A Bíblia nos ensina que Deus é eterno: “O Deus eterno é a tua habitação, e por baixo estão os braços eternos" (Dt 33.27). “Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, mesmo de eternidade a eternidade, tu és Deus” (Sl 90.2).


4. Deus é um ser mutável?


Não, afirmam os mórmons: “Por meio destas coisas, sabemos que há um Deus nos céus, que é infinito e eterno, de eternidade em eternidade, o mesmo Deus imutável, o criador dos céus e da terra, e de todas as coisas que neles há” , “Porque eu sou o Senhor e não mudo" (3 Nefi 24.6).


Sim, declaram os mórmons: “O próprio Deus já foi como somos agora” , “Vou contar-lhes como Deus veio a ser Deus” .


A despeito das dúvidas lançadas pelos mórmons, o próprio Deus diz na Bíblia que Ele não muda: “Porque eu, o Senhor, não mudo” (MI 3.6).


5. Podem os homens tornar-se deuses?


Declaração dos mórmons afirmando que não, pois não existe mais de um Deus: “Disse então Zeezrom: Existe mais de um Deus? E ele respondeu: Não” (Alma 11.28,29). Mas se contradizem quando dizem que sim: “Então serão deuses, porque terão todo o poder e os anjos lhe serão sujeitos” , “Como o homem é, Deus foi; como Deus é, o homem poderá vir a ser” .


A Bíblia diz que os homens não podem se tomar deuses, e quanto a isso afirma: “Antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá” (Is 43. 10).


6. Deus criou o homem?


Declaração mórmon: “E eu, Deus, criei o homem a minha própria imagem" (Moisés 2.27 - Pérola de Grande Valor). Contradição: “O homem também no princípio estava com Deus. Pois o homem é espírito” .


Segundo a infalível Palavra de Deus, Deus criou homem: “E Formou o Senhor Deus o homem do pó terra” (Gn 2.7).


7. Jesus nasceu de uma virgem?


Sim, dizem eles: “E eis que nascerá de Maria, em Jerusalém, que é a terra de nossos antepassados. Ela será virgem, um vaso precioso e escolhido, o Espírito Santo a cobrirá com sua sombra e ela conceberá pelo poder dele e gerará um filho, sim o próprio Filho de Deus” (Alma 7.10). Não, dizem eles: “Cristo não foi gerado pelo Espírito Santo. Dizem que o Livro de Mórmon afirma que Jesus foi gerado Espírito Santo. Eu desafio tal afirmação. O livro de Mórmon não ensina isso! Tampouco a Bíblia” .


A Bíblia declara que Jesus nasceu de uma virgem: “Ora, o nascimento de Jesus foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo” (Mt 1. 1 8).


8. Jesus é o caminho da salvação?


Os mórmons dizem que sim: “Eis que Jesus Cristo é o nome dado pelo Pai, e não há outro nome pelo qual o homem se possa salvar” . “E não haverá nenhum outro caminho ou meio pelo qual os filhos dos homens possam obter sua salvação, que não seja em nome de Cristo, e através de Cristo, o Senhor Onipotente” (Mosiah 3.17). Contradição: “Não há salvação sem aceitação de Joseph Smith. Nenhum homem pode rejeitar esse testemunho sem incorrer nas mais terríveis conseqüências, pois não poderá entrar no reino de Deus” .


A Bíblia, no entanto, é clara ao dizer: “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo 14.6).


9. O sangue de Jesus nos purifica de todo pecado?


Declaração mórmons dizendo que sim: “Os homens bebem condenação para suas próprias almas, a não ser que se humilhem e se tornem como as criancinhas, e acreditem que a salvação foi, é e há de ser pela expiação do sangue de Cristo, o Senhor Onipotente” (Mosiah 3.18). “Lembrai-vos de que não há nenhum outro caminho ou meio pelo qual o homem possa salvar-se, senão por meio do sangue expiatório de Jesus Cristo” (Helamã 5.9). Contradição: “Estais cientes de que existem certos pecados que o homem pode cometer para os quais o sangue expiador de Cristo de nada vale? Não sabeis também que esta doutrina é ensinada no Livro de Mórmon?” . A Bíblia declara que o sangue de Jesus nos purifica de todo o pecado: "O sangue de Jesus Cristo, seu filho, nos purifica de todo o pecado" (1 Jo 1.7).


10. Podemos orar a Jesus?


Declaração mórmon: “E eis que eles começaram a orar; e oravam a Jesus, chamando-o seu Senhor e seu Deus” (3 Nefi 19.18). Contradição mórmon: “Outro perigo é esses envolvidos muitas vezes começarem a orar a Jesus por sentirem uma amizade toda especial por ele” .


A Bíblia declara que devemos orar a Jesus: "Como todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso" (1 Co 1.2).


11. A salvação é pela graça ou pelas obras?


Declaração mórmon: “E sabemos também que a justificação pela graça de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo é justa e verdadeira” . Contradição: “Para que, guardando os mandamentos, pudessem ser lavados purificados de todos os seus pecados” . “Cremos que, por meio do sacrifício expiatório de Cristo, toda a humanidade pode ser salva pela obediência às leis e às ordenanças do evangelho” .


A Bíblia declara que a salvação é pela graça, não por obras: "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras para que ninguém se glorie" (Ef 2.8,9).


12. Existe salvação após a morte?


Os mórmons dizem que não: “Porque se protelares o dia do vosso arrependimento para o dia da vossa morte, eis que vos tereis submetido ao espírito do diabo, que vos selará como coisa sua, é este o estado dos ímpios” (Alma 34.35). Os mórmons dizem que sim: “E agora, meus queridos e amados irmãos e irmãs, eu vos asseguro que estes são princípios referentes aos mortos e vivos que não podem ser encarados com descuido, no que diz respeito à nossa salvação. E eis que, qual é o assunto? É o batismo pelos mortos. Pois nós, sem eles, não podemos ser aperfeiçoados, nem podem eles, sem nós, ser aperfeiçoados” , “A maior responsabilidade neste mundo que Deus nos impôs é a de buscar nossos mortos” .


A Bíblia declara que não existe salvação após a morte: "E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo" (Hb 9.27). Como vimos, o mormonismo é uma crença cheia de contradições e, baseados em suas próprias afirmações, chegamos à conclusão de que seus ensinos são falsos. O mormonismo não é cristianismo. 

 

 

VIA GRITOS DE ALERTA 

Resposta Bíblica aos Mórmons

Testemunhar a um mórmon é como tentar escalar uma montanha de gelatina: difícil encontrar um ponto de partida. Mas, se você está interessado em saber sobre o que o Mormonismo ensina, já está no caminho certo. Veremos a seguir alguns modelos básicos de testemunho que poderão lhe ajudar a testemunhar aos mórmons. Embora nenhum deles seja infalível, esses modelos lhe darão o suporte básico necessário para capacitá-lo a testemunhar. Caberá a você utilizar este aprendizado, desenvolver mais suas habilidades de testemunho e aperfeiçoar seu método enquanto pratica. Lembre-se, a melhor maneira de aprender a testemunhar é testemunhando.
Existem duas coisas importantes que você precisa saber antes de começar a evangelizar mórmons. Primeiro, você precisa entender os significados que eles dão aos mesmos termos bíblicos que você utiliza: Trindade, Jesus, salvação, céu, etc. Segundo, você tem quer ser capaz de demonstrar que eles acreditam em um falso Jesus. Isto é muito importante, pois somente o verdadeiro Jesus dá vida eterna (João 10:28), revela o Pai (Mateus 11:27 ) e envia o Espírito Santo (João 15:26).
Para começar, você precisa estudar com afinco A Terminologia dos Mórmons e das Testemunhas de Jeová. Uma vez que tenha entendido o que eles estão dizendo, estará muito mais capacitado para testemunhar.
Para testemunhar você precisa ensinar. Para ensinar, você precisa entender. Para entender, você precisa não somente saber o que você acredita, mas também o que eles acreditam.
  1. Terminologia
    1. Quando um mórmon diz que acredita na Trindade, não quer dizer que acredita na Trindade ortodoxa e histórica, na qual Deus existe em três pessoas. Trindade, para o mórmon, é uma posição exercida por três deuses distintos: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.
      1. Lembre-se, a doutrina correta da Trindade é que existe somente um Deus, o qual tem existido por toda a eternidade. Este único Deus existe em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Eles não são três deuses distintos, mas somente um Deus.
    2. Quando o mórmon diz que acredita em Deus, não está falando do Deus verdadeiro, o criador de todas as coisas, aquele que sempre existiu. Ele quer dizer que acredita em um deus que já foi um homem em outro planeta, que seguiu as leis e ordenanças do deus daquele planeta até que foi exaltado à posição divina. E, para completar, ele tem uma esposa-deusa.
    3. Quando estiver testemunhando a um mórmon, você pode estar usando as mesmas palavras que eles, mas não estará falando a mesma língua. Por isso, é uma boa ideia estudar as Diferenças de Terminologia, onde os significados dos termos mórmons (e das Testemunhas de Jeová) são explicados e confrontados com suas verdadeiras definições.
  2. Eles têm um Testemunho
    1. Os mórmons serão firmes em dizer que têm um testemunho, e lhe dirão que sabem que a Igreja Mórmon é verdadeira e que Joseph Smith foi realmente um profeta de Deus.
    2. Você pode abordar essa questão de duas formas:
      1. Pergunte a eles onde está esse testemunho.
        1. "No meu coração", responderão.
        2. Pergunte de volta: "Você sabia que a Bíblia diz para não confiarmos no nosso coração porque ele é enganoso?"
        3. "Quem pode entendê-lo?" (Jeremias 17:9).
      2. Segundo, pergunte como eles obtêm esse testemunho. Eles dirão que foi por meio do Espírito.
        1. Então pergunte: "Quem é que dá testemunho da verdade?
        2. Eles responderão que é o Espírito Santo.
          1. Demonstre gentilmente que o Espírito Santo testemunha a respeito de Jesus (João 15.26) e que Jesus envia o Espírito Santo (João 15.26).
          2. Uma vez que tenha mostrado que o Espírito Santo é enviado por Jesus, pergunte se um falso Jesus poderia enviar o Espírito Santo verdadeiro. A resposta, claro, é não.
          3. A questão é que somente o Jesus da Bíblia pode enviar o Espírito Santo. Assim, se eles não têm o verdadeiro Jesus não podem ter o verdadeiro Espírito Santo, e o testemunho deles é inválido.
  3. Orando sobre o Livro de Mórmon
    1. Os Mórmons acreditam que se alguém ler o Livro de Mórmon e orar perguntando a Deus se ele é verdadeiro, receberá um testemunho do Espírito Santo confirmando sua veracidade. Se o livro for verdadeiro, então Joseph Smith é verdadeiro e também o Mormonismo. Muitos mórmons alegam ter este testemunho.
      1. Primeiro, Deus nunca disse para orarmos perguntando se algo é verdadeiro. Ele nos diz para buscarmos a verdade nas Escrituras (Atos 17.11; 2 Timóteo 3.16).
        1. Então, o que os mórmons estão fazendo não é bíblico.
      2. Segundo, o que você sente não importa. Pois, se o que você sente contradiz a Bíblia, então o que sente é errado.
      3. Terceiro, pergunte se eles já tiveram que orar a respeito da Bíblia para saber se ela é verdadeira. É claro que eles não fizeram isso! Então, por que precisam orar sobre o Livro de Mórmon?
        1. Eles responderão que o Livro de Mórmon ensina que eles orem sobre isso.
        2. Ainda assim, a Bíblia nos diz para estudarmos a Palavra para encontrarmos a verdade, não diz para orarmos sobre ela.
    2. Um versículo conhecido que os mórmons usam para defender o que acreditam a respeito de se orar sobre o Livro de Mórmon encontra-se em Tiago 1.5: "Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida." Eles usam este versículo pois, uma vez que acreditam que são sinceros, Deus irá respondê-los.
      1. Primeiro, o problema com a sinceridade é que ela se transforma em ato de justiça (Tito 3:5), pois o que a pessoa está dizendo com isso é: "Por causa da minha sinceridade, Deus me ouvirá". Em outras palavras, por causa da condição da pessoa, Deus olhará para ela com aprovação. Deus não olha para dentro de uma pessoa e encontra ali algo bom, porque ninguém é bom (Romanos 3:10-12; Efésios 2:3).
      2. Segundo, este versículo é sobre sabedoria, não sobre orar para saber se o Livro de Mórmon é verdadeiro.
      3. Tiago 1:1 diz: "Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos dispersas entre as nações:  Saudações." Vemos aqui, que o livro de Tiago foi escrito para aqueles que eram crentes e que já tinham a verdade. É por isso que Tiago os chama de "irmãos" no verso 2.
    3. Terceiro, a sabedoria é o uso próprio do conhecimento, não da aquisição de conhecimento. Adquire-se verdadeiro conhecimento espiritual por meio da Bíblia, não seguindo o coração. Não ore sobre o Livro de Mórmon, ore sobre as verdades que aprendeu com a Bíblia e peça a Deus para que lhe ensine mais e lhe mostre como aplicar propriamente o que Ele já revelou.
  4. O que é o Evangelho?
    1. A próxima abordagem é curta e direta. Às vezes é necessário ser direto e franco para ganhar a atenção deles. Pergunte ao mórmon: "O que é o evangelho?".
      1. Ele dirá algo parecido com: "O evangelho são as leis e ordenanças da Igreja Mórmon".
      2. Pergunte de novo e fique atento para ouvir qualquer menção sobre o perdão de pecados dado gratuitamente por meio do sacrifício de Jesus na cruz. Você geralmente ouvirá uma resposta que falará sobre obras, obediência, fazer algo, etc.
      3. Depois que a pessoa tiver respondido, explique que de acordo com a Bíblia, é o evangelho que nos salva, que nos purifica de nossos pecados e que nos permite entrar na presença de Deus o Pai. Explique que a Bíblia define especificamente o que é o evangelho, e que é o evangelho que nos torna cristãos; depois, pergunte novamente: "O que é o evangelho?"
      4. Depois que ouvir uma resposta recheada de "atos de justiça", abra a sua Bíblia em 1 Coríntios 15:1-4 e leia:  "Irmãos, quero lembrar-lhes o evangelho que lhes preguei, o qual vocês receberam e no qual estão firmes. Por meio deste evangelho vocês são salvos, desde que se apeguem firmemente à palavra que lhes preguei; caso contrário, vocês têm crido em vão.  Pois o que primeiramente lhes transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia, segundo as Escrituras."
        1. Explique que o evangelho é a morte, o sepultamento e a ressurreição de Jesus... pelos pecados!
      5. Depois abra em 2 Coríntios 4:3-4 e leia: "Mas se o nosso evangelho está encoberto, para os que estão perecendo é que está encoberto. O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus."
        1. Responda desta forma: "Você claramente não compreendeu a mensagem do evangelho de Jesus o Salvador, e a Bíblia mostra claramente o porquê. É porque a sua mente foi encoberta."
  5. A Apostasia
    1. O Mormonismo defende que a mensagem do evangelho se perdeu na Terra logo após a morte dos apóstolos.
      1. O apóstolo mórmon Orson Prat disse: "Jesus (...) estabeleceu seu reino na Terra (...) os reinos deste mundo guerrearam contra o reino de Deus estabelecido há dezoito séculos, e eles prevaleceram, e o reino de Deus deixou de existir. (Journal of Discourses. Vol. 13, página 125).
      2. Porém Jesus disse: "Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela." (Mateus 16:18, ACF).
      3. Como você pode ver, o Mormonismo contradiz o que Jesus disse. É por isso que eles precisam dizer que a Bíblia não é confiável. Quer dizer, não é confiável apenas quando discorda do Mormonismo.
  6. A Autoridade e os Sacerdócios Mórmons
    1. Como não bastasse o Mormonismo alegar ser a restauração do evangelho, também afirma ter a autoridade de exercer funções sacerdotais e, desta forma, ser a própria representação de Deus aqui na Terra.
    2. Todos os ofícios da Igreja Mórmon desenvolvem-se a partir dos sacerdócios.
      1. Melquisedeque - o sacerdócio maior. Consiste em vários ofícios:
        1. Élder, setenta, sumo sacerdote, patriarca ou evangelista e apóstolo.
        2. Aarônico - parte do sacerdócio de Melquisedeque.
      2. Sacerdócio Aarônico - o sacerdócio menor
        1. É sinônimo de sacerdócio levítico (D.&C. 107:1,6,10)
        2. Administra as ordenanças (D.&C. 107:13-14)
        3. Diácono, mestre e depois sacerdote.
    3. De maneira simples e direta, a Bíblia contradiz o que os mórmons acreditam a respeito do sacerdócio.
      1. Jesus é o único sumo sacerdote após a ordem de Melquisedeque (Hebreus  3:1; 5:6,10; 6:20; 7:11,15,17,21,24,26; 8:1; 9:11).
        1. "Onde Jesus, que nos precedeu, entrou em nosso lugar,  tornando-se sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque." (Hebreus 6:20).
        2. "O que acabamos de dizer fica ainda mais claro quando aparece outro sacerdote semelhante a Melquisedeque, alguém que se tornou sacerdote, não por regras relativas à linhagem, mas segundo o poder de uma vida indestrutível."(Hebreus 7:15-16).
      2. O sacerdócio de Melquisedeque é permanente e intransferível
        1. "mas, visto que vive para sempre, Jesus tem um sacerdócio permanente."(Hebreus 7:24).
  7. Vários deuses
    1. Um marco verdadeiramente divisor entre o Cristianismo e o Mormonismo é a doutrina da pluralidade de deuses.
      1. O Mormonismo ensina que existem vários deuses. (Bruce McConkie, Mormon Doctrine, página 163; Teachings, páginas 348-349).
      2. Buscando parecerem legítimos, eles até citam 1 Coríntios 8:5 para dizer que a Bíblia também ensina sobre a existência de vários deuses. 1 Coríntios 8:5 diz: "Pois, mesmo que haja os chamados deuses, quer no céu, quer na terra (como de fato há muitos "deuses" e muitos "senhores").
        1. Eles dirão, "Veja, a Bíblia também ensina que existem muitos deuses."
        2. Você pode responder: "Ela diz que existem muitos "chamados deuses". Não diz que são realmente deuses. O texto apenas diz que são chamados de deuses. As Escrituras reconhecem a existência de falsos deuses (Gálatas 4:8).
        3. Além disso, a Bíblia absolutamente nega a existência de outros deuses.
          1. "Vocês são minhas testemunhas", declara o Senhor, " (...) Antes de mim nenhum deus se formou, nem haverá algum depois de mim". (Isaías 43:10).
          2. "Assim diz o Senhor, o rei de Israel, o seu redentor, o Senhor dos Exércitos: Eu sou o primeiro e eu sou o último; além de mim não há Deus (...) Não, não existe nenhuma outra Rocha; não conheço nenhuma". (Isaías 44:6,8).
          3. "Eu sou o Senhor, e não há nenhum outro; além de mim não há Deus." (Isaías 45:5).
  8. Erros no Livro de Mórmon
    1. Salvo pela graça depois de tudo o que pudermos fazer? (2 Néfi 25:23)
    2. Como pode Morôni ter "lido" Hebreus 13:8 e Tiago 1:17 se o Novo Testamento não havia chegado na América? (Mórmon 9:9).
    3. Helamã 12:25-26, escrito em 6 a.C., diz "Lemos", uma referência a 2 Tessalonicenses 1:9 e João 5:29  noventa anos antes de serem escritos.
    4. Jesus, um filho de Deus (Alma 36:17).
    5. Mosias 21:28 diz que o Rei Mosias tinham um dom de Deus, mas nos manuscritos originais do Livro de Mórmon lê-se "Rei Benjamim".
    6. Jesus nasceu em Belém (Miquéias 5:1-2; Mateus 2:1). O Livro de Mórmon (Alma 7:9-19) diz que foi em Jerusalém.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              ESPALHE ESSE ESTUDO , E  ASSIM VAMOS AJUDAR ESSAS PESSOAS A SAIREM DESSE ENGANO CHAMADO DE IGREJA DOS SANTOS DOS ÚLTIMOS DIAS.

A VERDADE - Dúvidas sobre a religião levam líderes a deixarem a igreja mórmon

Estudos divulgados na internet têm feito com que muitos membros passem a desacreditar na denominação.

Uma reportagem do The New York Times traduzida pela Folha de São Paulo conta que a igreja mórmon tem enfrentado uma onda de dúvidas e decepção entre seus membros, já que a internet oferece materiais que confrontam os ensinamentos da denominação.

O fato tem se proliferado em todo o mundo de acordo com entrevistas realizadas com dezenas de mórmons. Até mesmo uma das principais autoridades da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias na Europa, Hans Mattsson, já revelou ter dúvidas sobre o que ele foi levado a acreditar durante toda a sua vida.

Mattsson passou a ser questionado por crentes suecos que encontraram informações na rede mundial de computadores que contradiziam a história da igreja onde ele era uma autoridade regional. A princípio ele rejeitou as afirmações, mas depois resolveu pesquisar pessoalmente já que seus superiores não lhe deram respostas concretas.

Ao encontrar evidências de que o fundador da igreja, Joseph Smith, foi um polígamo e que o Livro de Mórmon e outras escrituras usadas na igreja continham anomalias históricas, o religioso ficou muito abalado psicologicamente.

“Tudo o que haviam me ensinado e tudo o que eu me orgulhava de pregar e testemunhar simplesmente desmoronou sob meus pés. Foi um trauma psicológico terrível, quase físico”, revelou Hans Mattsson.

Para o historiador mórmon, Greg Prince, que é empresário em Washinton, as dúvidas que Mattsson levou a público fez com que outros mórmons passassem a ter dúvidas sobre suas crenças. “Considere um cardeal católico que, de repente, fala à mídia sobre sua própria igreja: ‘Eu não acredito em muitas dessas coisas’”, exemplificou.

Mas para o professor de inglês, literatura e religião na Universidade de Richmond, na Virgínia, Terryl L. Givens, a religião mórmon é muito nova e por isso tem muito tempo ainda para solucionar os lapsos de sua história.

O porta-voz da denominação, Eric Hawkins, disse que resposta para essas dúvidas “não é tentar calar os críticos, mas fornecer tanta informação e tanto apoio quanto possível para aqueles que podem ser afetados”.

Mattsson, porém, se mostra preocupado com o fato, já que no ano passado uma pesquisa realizada com 3.300 descrentes mórmons revelou que mais da metade dos homens e 40% das mulheres que não são mais da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ocupavam cargos de liderança.

Fonte: Gospel Prime

Marco Feliciano manda prender ativistas gays que tumultuaram culto

O pastor Marco Feliciano estava pregando quando pediu para que um grupo de ativistas gays fosse retirado e presos.

O pastor Marco Feliciano (PSC-SP) novamente foi alvo de protestos de ativistas gays durante um evento realizado pela Igreja Assembleia de Deus da cidade de Santarém, no Pará.

Na última segunda-feira, um grupo de manifestantes protestava contra Feliciano, que estava no município para participar de um evento em comemoração aos 85 anos da Assembleia de Deus, e o pastor pediu à Polícia Militar que fizesse cumprir a proteção da lei à liberdade de crença e ao local de culto, e pediu a prisão dos manifestantes: “Essas pessoas podem sair daqui presas, algemadas, agora. Semana passada eu já prendi dois. Isso aqui não é casa da mãe Joana. Isso aqui é uma igreja. Respeitem essa igreja”, gritou o pastor, usando o microfone.

Pessoas que estavam no evento filmaram o tumulto e gravaram a indignação do pastor com a manifestação durante o culto: “Eu convidei vocês pra receberem uma oração e pra participar do culto. Pra fazer baderna, vá fazer na sua casa. Vá fazer baderna lá no antro de prostituição. Vá fazer baderna lá nos quintos dos infernos”, berrou Feliciano.



O tumulto cresceu e os manifestantes foram levados à delegacia, acompanhados de alguns dos seguranças contratados pela igreja organizadora do evento, para prestar esclarecimentos.

De acordo com informações da TV Liberal, afiliada à Rede Globo, os manifestantes se queixaram de agressões: “A polícia embargou a gente depois que um cara que estava fazendo a segurança do evento tirou o colete para agredir um dos meninos”, relatou a estudante Ingrid Brasil.

A advogada dos manifestantes declarou que foi “acionada diante de uma denúncia de truculência” por parte da polícia e dos seguranças: “Houve o evento na orla da cidade em que as pessoas, pela liberdade de expressão, tentaram se manifestar contrariamente a uma pessoa que é conhecida nacionalmente”, disse a advogada Juliane Fontele.

Eyceila Menezes, advogada da Assembleia de Deus, justificou a ação da Polícia contra os manifestantes dizendo que eles se recusavam a deixar o local, mas ressaltou que a igreja não prega violência: “Realmente não é a intenção da igreja fazer nenhum tipo de procedimento contra os jovens”.

Repercussão na Região
O blog do J Campos publicou informações sobre o tumulto, e os internautas comentaram o ocorrido. Márcio Albuquerque incentivou Feliciano em sua postura: “Esses ativistas querem ter respeito mais não sabe ter! Algemas neles Feliciano ‘futuro presidente do brasil’”, escreveu.

A reação contrária também foi registrada: “Só Jesus pode nos salvar do Feliciano, de sua maldade e da sua perseguição contra quem não aceita a viver de acordo com seus dogmas… Povo de Deus diga não às injustiças e as maldades que este homem faz a quem não segue a ele e sua religião…”, escreveu Francisco Lima.


folha gospel

Advogado cristão luta para "anular" julgamento de Jesus por romanos

A condenação de Jesus por Pôncio Pilatos provavelmente é o veredito de um julgamento mais famoso de todos os tempos. E, claro, suas consequências são a base da fé cristã: a morte de Jesus Cristo na cruz.
Dois milênios depois, o advogado queniano Dola Indidis, está pedindo ao Tribunal Internacional de Justiça, com sede em Haia, que anule a condenação de Jesus e sua condenação à morte. Ele diz que isso não muda sua fé, mas é uma questão de justiça.
“A acusação parcial e maliciosa (de Jesus) violou seus direitos humanos”, disse Indidis, que está pedindo ao Tribunal Internacional de Justiça, que anule a condenação de Jesus e a sentença de morte.
Indidis, ex-porta-voz do Ministério da Justiça do Quênia, acusa Pilatos, então governador romano da Judéia, de “má conduta judicial, abuso de poder, preconceito e injúria”.
Segundo muitos teólogos e advogados, isso é verdade. Porém, esperar que um tribunal se pronuncie sobre um caso de 2.000 anos de idade, envolvendo um império extinto acabou sendo tratado como piada por órgãos da imprensa mundial.
Advogado cristão luta para “anular” julgamento de Jesus por romanosIndidis iniciou seu longo processo legal, apelando ao Tribunal Superior do Quênia, em Nairobi em 2007. Porém, o tribunal recusou-se a levar isso adiante, pois simplesmente não tinha jurisdição.
O advogado não desistiu e desde então tenta outros caminhos. Finalmente decidiu apelar para o Tribunal de Justiça da ONU, muitas vezes chamada de Tribunal Mundial, conhecido por decidir disputas territoriais entre os membros das Nações Unidas.
Os funcionários que trabalham na sede do Tribunal, em Haia, Holanda, não confirmaram que tenham recebido a petição e nem se o processo seria aceito.
O processo movido por Indidis surpreendeu os líderes cristãos do Quênia. Maloba Wesonga, porta-voz da Arquidiocese de Nairóbi, declarou que o esforço era inútil, pelo menos do ponto de vista teológico. “Como sabemos, esse julgamento tinha que acontecer”, explica Wesonga. “Devemos entender que Jesus não era vulnerável e ninguém pode querer fazer justiça a Deus”.
Este parece ser mais um na lista de processos curiosos que de cunho religioso. Ernie Chambers, Senador pelo Estado de Nebraska, Estados Unidos, tentou processar a Deus, acusando-o de ser o causador de “desastres devastadores” no mundo, que resultaram em mortes e destruições. Ele pedia que o Réu cessasse essas atividades prejudiciais.
Já o romeno Mircea Pavel, processou Deus. Sua alegação é que, quando foi batizado, Deus prometeu protegê-lo do Diabo. Como o seu crime foi obra do demônio, Deus não teria cumprido sua parte no “contrato”.
Mais recentemente, o pastor chileno Gustavo Vergara, tentou processar Deus por causa dos “terremotos, tsunamis, pragas e doenças”, que seriam punições pelos pecados dos homens.
Como Deus não se manifestou à corte, a ação passou a ser movida contra “o deus que existe na alma da maioria dos representantes da igreja evangélica no Chile”. Com informações Religion News.  GP

“Muito carisma e pouca mudança”, diz Abner Ferreira sobre papa Francisco

O pastor Abner Ferreira, presidente da Assembleia de Deus em Madureira, Rio de Janeiro, publicou um artigo em sua coluna no Gospel Prime criticando a postura do papa Francisco durante a Jornada Mundial da Juventude.
O líder assembleiano disse não acreditar que o pontífice seja capaz de promover uma reforma da Igreja Católica, pois não acredita que o papa tenha a intenção de transformar a instituição em uma “igreja cristocêntrica”.
“Muito carisma e pouca mudança”, diz Abner Ferreira sobre papa Francisco
O pastor evangélico destacou que à Igreja Católica precisa de uma reforma teológica e apontou que o catolicismo estará fadado ao fracasso até que tenha como prioridade não a proximidade dos líderes com o povo, como apontam alguns analistas, mas a mudança nas doutrinas da instituição.
Abner foi enfático e afirmou que o catolicismo não é cristianismo, pois não segue os ensinamentos de Cristo. “Alguém pode declarar-se budista sem acreditar em Buda? Logo, alguém que se declara cristão e não segue os ensinamentos de Cristo, pode até ser católico, mas não cristão”, escreveu o líder.
O pastor apontou cinco pontos que Francisco deveria ter se posicionado: A Mediação, a homossexualidade como pecado, a idolatria e o culto a imagens e a doutrina do purgatório.
“Francisco não corrigiu nenhum destes erros doutrinários, não citou qualquer referência bíblica ou condenou qualquer prática”, concluiu Abner.

GOSPEL PRIME

Faltou ao Papa firmeza de dizer que a prática homossexual é pecado

O pastor Silas Malafaia comentou as declarações do Papa Francisco sobre não julgar os homossexuais e recebê-los na igreja. A declaração do líder católico repercutiu mundialmente já que Jorge Mario Bergoglio sempre se manifestou contra a prática homossexual.
Enquanto voltava para Roma, o papa falou aos jornalista que “se uma pessoa é homossexual e procura Deus e a boa vontade divina, quem sou eu para julgá-la?”. Francisco que permaneceu no Brasil por seis dias para participar da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, afirmou que “os homossexuais não devem ser marginalizados por causa de o serem, mas que devem ser integrados à sociedade”.
Faltou ao Papa firmeza de dizer que a prática homossexual é pecado, diz MalafaiaMas para o pastor Silas Malafaia o papa deveria ter sido mais firme ao tocar no assunto, pois deu a entender que ele cedeu ao chamado lobby gay que existe no Vaticano.
O pastor evangélico acredita que enquanto a Igreja Católica não se posicionar contra o pecado ela vai continuar perdendo fiéis para as igrejas evangélicas. “Faltou ao Papa a firmeza de dizer que a prática homossexual é pecado. Uma maneira subjetiva e covarde de não assumir uma posição firme que a Bíblia não negocia”, escreveu.
precise ler mais a Bíblia para aprender o que Jesus disse sobre julgar as outras pessoas. Citando João 7.24 ele lembra que a advertência de Cristo é para não julgar segundo a aparências, mas de acordo com a reta justiça. No artigo postado no site Verdade Gospel, Malafaia diz que está desconfiado que o Papa
“Não temos autoridade para colocar ninguém no céu ou no inferno, mas temos autoridade, segundo a palavra de Deus, para dizer se a prática de alguém é pecaminosa ou não. Não temos autoridade para julgar ninguém que vai a Deus, mas temos autoridade de dizer que uma prática de vida é pecado segundo a luz da Bíblia”, disse Silas Malafaia.

GP