domingo, 29 de junho de 2014

MINISTÉRIO APOSTÓLICO GERAÇÃO GRAÇA E PAZ

INFORMAÇÕES  -   019 9  9137-1059   COM   BISPO   ROBERTO

Sinal da TV analógica começará a ser desligado em 2015 para liberar frequência para 4G

No dia 29 de novembro de 2015, os quase 200 mil habitantes do município de Rio Verde, em Goiás, ficarão sem sinal analógico de TV. A cidade é a primeira do cronograma do Ministério das Comunicações, publicado no Diário Oficial da União, para o fim desse tipo de transmissão.

As datas se estendem até o final de 2018. A faixa de 700 MHz será liberada para o 4G — a proposta do edital já foi publicada e a previsão é de que o leilão ocorra em agosto.

Este primeiro será um desligamento-piloto. Os outros devem começar mesmo a partir de 2016, começando pelas capitais –elas foram as primeiras a receber o sinal digital–: Brasília, no dia 3 de abril; São Paulo, em 15 de maio; Belo Horizonte, 26 de junho; Goiânia, 28 de agosto; e Rio de Janeiro, 27 de novembro.

Em 2017, Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis, Salvador, Fortaleza, Recife e Vitória se juntam a essa lista, bem como algumas regiões do interior, como Campinas, Ribeirão Preto, Vale do Paraíba, Santos, São José do Rio Preto, Bauru, Presidente Prudente e Interior. A última data da lista (que pode ser vista aqui, neste arquivo PDF) é 25 de novembro de 2018, quando o sinal da TV analógica desaparecerá do país — esta decisão já havia sido anunciada em abril do ano passado, mas faltava uma data específica.

No entanto, o documento do Ministério das Comunicações ainda precisa ser melhor esclarecido, como aponta o Teletime:

"A publicação do cronograma gera algumas dúvidas entre empresas de radiodifusão. Em primeiro lugar, cidades economicamente importantes, que dependem do switch off para a entrada do 4G, ficaram para a última etapa, como é o caso de Uberlândia/MG. Outra dúvida é em relação ao desligamento das cidades cuja transmissão depende de outras. É o caso de Formosa/GO, por exemplo. Não se sabe se o desligamento de Formosa deve ser feito junto com Brasília, ou se ficaria para 2018."

Seja como for, o fato é que o sinal da TV analógica está com seus dias contados.

Fonte: Gizmodo

Pastor é preso suspeito de estuprar e agredir a filha de 12 anos em MT

Adolescente era vítima de abuso sexual há mais de um ano, segundo a PM. Último estupro ocorreu na noite de terça-feira, de acordo com a vítima.

Um pastor evangélico de 36 anos foi preso nesta quarta-feira (25) suspeito de estuprar a própria filha, de 12, na cidade de Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. De acordo com informações do boletim de ocorrência da Polícia Militar, o crime ocorria há mais de um ano e a adolescente era ameaçada constantemente caso revelasse o abuso.

A situação foi registrada no Bairro Nova Esperança, na residência do suspeito, que fica nos fundos da igreja ao qual ele pertence. Segundo a PM, a vítima relatou que sofria abuso sexual desde que tinha 11 anos. Ela contou que quando negava as relações acabava agredida pelo suspeito.

A vítima disse aos policiais que na noite de terça-feira (24) teria sofrido o último abuso até que resolveu procurar ajuda de uma mulher que frequentava a mesma igreja que ela e o pai. Foi essa testemunha que denunciou o caso à PM. A adolescente foi levada para prestar depoimento na Central de Flagrantes de Várzea Grande.

Algumas horas depois a polícia foi chamada novamente no bairro já que o suspeito estava sendo agredido por moradores que descobriram o abuso. Conforme a Polícia Civil, o pastor foi preso e levado para a delegacia, onde confessou que realmente estuprava a filha.

Fonte: MT Agora

Sudanesa cristã é solta e vai para embaixada dos EUA

Meriem Ibrahim havia sido condenada a morte por se converter ao cristianismo, foi solta e presa novamente ao tentar deixar o país.

A sudanesa cristã Meriem Yahia Ibrahim Ishag, de 27 anos, foi libertada nesta quinta-feira (26) da delegacia que estava detida em Cartum e buscou abrigo na embaixada americana na mesma cidade, informou seu advogado.

"Ela está na embaixada americana neste momento", declarou o advogado Muhanad Mustafa à AFP.

A agência não informa se o governo dos EUA confirma o fato.

Meriem havia sido presa e condenada à morte por abandonar a religião islâmica e depois teve sua sentença cancelada. Ela foi solta na última segunda (23), depois de dar à luz a sua filha na prisão, e detida de novo na terça (24), enquanto tentava deixar o país no aeroporto de Cartum com o seu marido e os dois filhos.

Desta vez, Meriem foi acusada de apresentar documentos falsos e fornecer informações erradas ao tentar sair do país.

Segundo a Reuters, Meriam foi solta com a condição de que continue no Sudão.

O caso dessa jovem mulher revelou o problema da liberdade de culto no Sudão, e sua condenação à morte em 15 de maio provocou indignação dos governos ocidentais e de grupos de defesa dos direitos Humanos.

Filha de pai muçulmano e mãe cristã, Ishag foi condenada pela lei islâmica que proíbe as conversões, depois de ter se casado com um cristão.

Como em muitos países muçulmanos, mulheres muçulmanas no Sudão são proibidas de se casar com não muçulmanos, apesar de que os homens muçulmanos podem se casar com mulheres de outras religiões. Por lei, as crianças devem seguir a religião de seu pai.

Ela também foi condenada a 100 chicotadas por adultério, já que, segundo a interpretação sudanesa da sharia, as uniões entre uma muçulmana e um não-muçulmano são consideradas traição conjugal.

Fonte: G1

Vaticano excomunga arcebispo por pedofilia

O arcebispo polonês Jozef Wesolowski foi considerado culpado das acusações de pedofilia e terá que deixar a Igreja Católica.

Os casos de pedofilia aconteceram quando Wesolowski serviu como núncio do Vaticano – cargo equivalente a embaixador– na República Dominicana. Ele viveu no país entre janeiro de 2008 e agosto de 2013.

"A Congregação para a Doutrina da Fé condenou à demissão de sua função clerical o ex-núncio apostólico na República Dominicana, Josef Wesolowski", indica um comunicado do Vaticano desta sexta-feira (27).

"O acusado tem dois meses para apelar da decisão", afirma o comunicado.

Após o fim do processo canônico –segundo as leis da igreja–, ele deverá ainda enfrentar um processo criminal justiça vaticana por ser cidadão do Vaticano.

Se for considerado culpado, Wesolowski corre o risco de extradição para a República Dominicana, país que também investiga Wesolowski, embora não o tenha acusado.

Esse será o primeiro julgamento por abusos sexuais no Vaticano após as emendas no código penal da Santa Sé implementadas no ano passado.

No ano passado, as leis do Vaticano foram intensificadas punindo com até 12 anos de prisão os atos sexuais com crianças, a prostituição e a pornografia infantil.
COMBATE À PEDOFILIA
A expulsão acontece seis meses depois de o Comitê sobre os Direitos da Criança da ONU ter apresentado o caso Wesolowski como exemplo da falta de iniciativa do Vaticano para resolver os episódios em que padres abusam de menores.

Há uma década a Igreja Católica enfrenta inúmeros escândalos de abusos sexuais contra menores por parte de seus religiosos em várias partes do mundo.

Em janeiro, a ONU criticou duramente a Igreja por não castigar com a devida contundência a pedofilia e, inclusive, acobertar os casos.

As autoridades vaticanas informaram no início do ano, em uma reunião com a ONU, que os fiscais do Código de Direito Canônico haviam tratado de 3.420 casos de abusos sexuais com menores na última década.

Desses julgamentos, 848 padres foram obrigados a largar a batina e os 2.572 restantes tiveram de optar por "uma vida de oração e penitência" em um mosteiro.

O papa Francisco prometeu acabar com os abusos na Igreja Católica e reiterou, como seus antecessores, que haveria tolerância zero.

Wesolowski foi ordenado em 1972 pelo arcebispo de Cracóvia, o cardeal Karol Wojtyla, que posteriormente foi proclamado papa João Paulo II.

Fonte: Folha de São Paulo

STF autoriza trabalho externo para Bispo Rodrigues

Com a decisão do ministro do STF, já são seis os mensaleiros – incluindo o ex-ministro José Dirceu e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares – com o benefício.

O relator do mensalão do PT no STF (Supremo Tribunal Federal), Luís Roberto Barroso, autorizou o trabalho externo do ex-deputado Bispo Rodrigues, condenado no processo por corrupção e lavagem de dinheiro.
Open in new windowRodrigues já havia sido autorizado a trabalhar em janeiro na rádio antena nove, ligada a igreja universal, mas o benefício havia sido revogado em maio por decisão do presidente do STF, Joaquim Barbosa.

Na avaliação de Joaquim, Rodrigues e outros presos do mensalão, como o ex-ministro José Dirceu, não teriam direito ao trabalho externo porque eles ainda não haviam completado um sexto da pena, requisito da Lei de Execuções Penais para o benefício.

Todavia, no caso de Dirceu a maioria da corte entendeu que o STF deveria seguir uma jurisprudência consolidada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), que desde 1999 autoriza presos em regime semiaberto a trabalharem fora do presídio antes do cumprimento de um sexto das penas.

Antes de reiniciar o trabalho na radio, o bispo será transferido do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP), presídio destinado a detentos que podem sair para trabalhar durante o dia. Na parte da noite, todos retornam ao local para dormir.

Rodrigues cumpre pena de 6 anos e 3 meses de prisão.

Fonte: Folha de São Paulo

Pastor presbiteriano contesta artigo do Bispo Rod

O pastor Paulo Roberto, da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil, criticou o artigo do Bispo Robson Rodovalho(foto) onde defende a candidatura do pastor Everaldo à presidente do Brasil.

Paulo Roberto Pedrozo Rocha, pastor da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil de Jundiaí (SP), criticou o artigo que o Bispo Robson Rodovalho escreveu para a Folha de São Paulo. Confira a crítica do pastor abaixo:

"Com todo o respeito ao bispo Robson Rodovalho, é preciso observar que ele não representa os evangélicos, como o artigo "Antes Pedintes, hoje negociadores" leva a crer. Soa fora de ordem a defesa que faz de um candidato à Presidência [pastor Everaldo (PSC)] que bem pode representar seus valores pessoais e congregacionais, mas nem de longe faz jus à totalidade dos evangélicos. Sou evangélico e identifico os valores de minha confissão em candidaturas mais à esquerda. Nós, evangélicos de esquerda, teremos também um espaço para a defesa de um candidato socialista com valores cristãos?"

Confira abaixo o artigo do Bispo Robson Rodovalho:
"Antes pedintes, hoje negociadores

Já faz parte do calendário dos ministérios evangélicos o cortejo de candidatos nos anos de eleições. Da mesma forma, também já nos acostumamos, tão logo definidos os eleitos, vermos esquecidos compromissos firmados conosco em busca dos milhares de votos dos fieis que partilham de nossa fé cristã. Em 2014, no entanto, o cenário mudou.

O fundamental é que, neste ano, os evangélicos têm a opção de uma candidatura que chega ao pleito comprometida com as bandeiras da vida e da família. Por sua fé cristã, o candidato traz como pressuposto disposição para torná-las realidade. Então, qualquer compromisso que se faça pelo apoio do nosso segmento será com "além disso", e não "pelo menos por isso".

A candidatura do pastor Everaldo (PSC) nasceu de seu próprio partido, não de um consenso entre líderes evangélicos e suas denominações. E é fato que, ao menos nessa antessala do pleito, a opção do eleitorado por seu nome tem sido discreta, conforme as mais recentes pesquisas.

Mas a discussão que aqui se propõe independe da sua viabilidade. A candidatura do pastor Everaldo revela clara mudança de posição do segmento evangélico como "player" do jogo político. Suas lideranças ganham mais força e respeito para colocar os pleitos dos fieis no programa de ação dos candidatos que decidirem apoiar. Não é mais pedir. É negociar, compromissar.

É ingênuo quem pensa o mundo evangélico como multidões informes, conduzidas por líderes que mantêm seu rebanho em cabrestos. Desde sua formação, nos anos 80, a igreja Sara Nossa Terra, que tenho a honra de conduzir e representar, prima pelo respeito ao outro, fundamentalmente pensar para o próximo nada diferente do que buscamos para nós mesmos. E é com esse espírito que nós, líderes cristãos, devemos apresentar aos membros de nossas igrejas quais as nossas opções em cada eleição. Não há relação de ordem, apenas de colaboração para que, no seu livre-arbítrio, o eleitor cristão faça sua escolha com maior conhecimento de causa.

O número de evangélicos cresce a cada dia. Segundo o censo de 2010, éramos 22,2% da população naquele ano. Se projetarmos esse percentual para o universo do eleitorado existente em julho de 2013, o dado mais atualizado disponível, estamos falando em cerca de 31 milhões de votos entre 141 milhões de votantes. Com esse capital, mesmo dispondo de um nome natural, mas não obrigatório, como opção de voto para o segmento, mais do que nunca estamos dispostos a debater, a participar do processo eleitoral. Só que agora reconhecidos pela efetiva representação que temos na sociedade, respeitados como cidadãos, não como número de votos.

O nome do pastor Everaldo vai entrar em trajetória ascendente ao longo do embate. Essa projeção fará amplificar o significado dos princípios que seguimos e da perseverança com que buscamos sua realização. Eis aí a essência que precisamos fazer florescer nos cidadãos. Somente esse tipo de alicerce permite reunir as forças necessárias para recolocar o Brasil no rumo do desenvolvimento e da prosperidade, uma rota da qual o país está visivelmente distante –e se distancia cada vez mais.

O Brasil de hoje precisa e merece ter uma gestão que vá além da ampliação de programas assistenciais e da ascensão da classe D ao mercado de consumo. O país clama por projetos de logística, de uma efetiva política industrial, de reestruturação da saúde, de medidas para conter a inflação sem frear o crescimento, de estratégia e força para o cidadão de bem viver em segurança.

Terá a preferência dos evangélicos aquele que, além desse acerto para a vida fora de casa, também tenha e se comprometa com valores que permitam rever a vida dentro de casa. Não é possível seguir uma rotina em que, como revelou a Folha em 13 de junho, a cada dois dias três pessoas são assassinadas em brigas de família, como tem ocorrido no Estado de São Paulo."

ROBSON RODOVALHO, 58, físico, é bispo e presidente da igreja evangélica Sara Nossa Terra


Fonte: Folha de São Paulo

Pastor é sequestrado e queimado vivo com as mãos amarradas, na África

Martin Beneke, de 45 anos, era pastor sênior e fundador da Life in Christ Network. O corpo de um pastor sul-africano foi encontrado tot...