sábado, 24 de janeiro de 2015

Extremismo islâmico e perseguição aos cristãos ganham força no Iêmen


Extremismo islâmico e perseguição aos cristãos ganham força no Iêmen
Ontem (22), pressionado por milícia xiita, o presidente do Iêmen renunciou ao cargo. 14º país mais opressor aos cristãos, a Constituição declara que o islã é a religião oficial do Estado e a Sharia (lei islâmica) é a fonte de toda a legislação.
Segundo informações publicadas pelo jornal Estado de S.Paulo, o presidente do Iêmen, Abd-Rabbu Mansour Hadi, renunciou ao cargo nesta quinta-feira, horas depois de um acordo para dividir o poder com milícias xiitas que tentavam derrubá-lo. 
No país, há certa liberdade religiosa para os estrangeiros, mas o evangelismo é proibido e os iemenitas que deixam o islã podem enfrentar a pena de morte – isso faz o Iêmen um dos países menos evangelizados do mundo. 
A violência anticristã é promovida, principalmente, pela família e autoridades do país. Atividades missionárias realizadas por expatriados já resultaram em uma série de detenções e deportações. Além disso, acredita-se que os cristãos estejam sob vigilância constante e a insegurança causada pelos movimentos islâmicos extremistas torna o país muito instável.
Diante das novas reviravoltas que têm acontecido no país, ore para que esses eventos não piorem, ainda mais, a situação dos cristãos. 
Conheça mais sobre a perseguição aos cristãos no Iêmen aqui.

Nenhum comentário:

Pastor é sequestrado e queimado vivo com as mãos amarradas, na África

Martin Beneke, de 45 anos, era pastor sênior e fundador da Life in Christ Network. O corpo de um pastor sul-africano foi encontrado tot...