domingo, 19 de outubro de 2014

VATICANO X GAYS

As alterações sinalizaram as tensões vivas entre bispos conservadores e progressistas na assembleia.

O Vaticano fez mudanças cruciais na tradução em inglês de passagens sobre homossexualidade em um documento polarizador nesta quinta-feira, amenizando uma mensagem que vinha sendo vista como uma grande mudança de tom em relação aos gays.

As alterações sinalizaram as tensões vivas entre bispos conservadores e progressistas na assembleia a portas fechadas, conhecida como sínodo, na qual se debatem temas voltados à família como homossexualidade, divórcio e controle de natalidade.
Entre as mudanças estão a substituição da frase "acolher estas pessoas (homossexuais)" pela nova versão "prover para estas pessoas".

A palavra "fraternal" em uma passagem que clamava a necessidade de “um espaço fraternal” para homossexuais na Igreja foi apagada da tradução do italiano para o inglês sem explicação.

O documento provisório emitido na segunda-feira, meio termo do sínodo de duas semanas com cerca de 200 bispos de todo o mundo, foi saudado por grupos de direitos gays e progressistas da Igreja como um avanço, mas causou o repúdio dos conservadores.

Exibindo uma mudança de tom dramática, o documento declarou que os homossexuais têm “dons e qualidades a oferecer” à comunidade católica e indagou se o catolicismo pode aceitar os gays e reconhecer aspectos positivos do casamento do mesmo sexo. Não houve alterações na tradução destas passagens.

Os conservadores haviam prometido mudar a linguagem na versão final, a ser divulgada depois do fim do encontro, no domingo.
publicidadeUm porta-voz do Vaticano disse na sexta-feira que as mudanças foram feitas depois que alguns participantes apontaram erros na primeira tradução em inglês, a única alterada.

Mas repórteres presentes a uma entrevista coletiva questionaram a nova tradução, dizendo que ela não é fiel ao texto em italiano, que não foi modificado e que o Vaticano considera como o texto oficial.

“Sou italiano, e isso não é uma tradução. É uma falsificação”, tuitou Massimo Faggioli, teólogo e historiador que está escrevendo sobre a assembleia.

A versão italiana mantém a palavra “accogliere”, que significa “acolher”, e não “prover”.

A Igreja Católica ensina que as tendências homossexuais não são um pecado, mas os atos sim, e se opõe ao casamento gay.

Sumários de dez grupos de discussão separados por idioma divulgados nesta quinta-feira indicaram que muitos bispos querem mudanças na versão final do documento, que ainda trata de temas como coabitação, divórcio e controle de natalidade.

Fonte: Portal Terra

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...