sexta-feira, 10 de abril de 2015

Obama evita falar em cristianismo ou islamismo, ao comentar o massacre no Quênia e gera divergências


Barack Obama emitiu uma declaração escrita, condenando os ataques e afirmou que "homens e mulheres inocentes foram descarada e brutalmente massacrados".

Após o massacre que matou cerca de 147 cristãos em uma universidade de Garrisa (Quênia), o presidente Barack Obama emitiu um comunicado em resposta ao ataque, mas não identificou as vítimas como os cristãs e também não citou o grupo extremista como tendo motivações islâmicas.

Na quinta-feira passada (2), militantes do grupo terrorista Al Shabaab invadiram o campus da "Garissa University College", separando muçulmanos dos não-muçulmanos e mataram cerca de 147 cristãos, além de deixarem 79 feridos.

Na sexta-feira (3), Obama emitiu uma declaração escrita, condenando os ataques e afirmou que "homens e mulheres inocentes foram descarada e brutalmente massacrados".

"Michelle e eu reunimos o povo americano para expressar nosso horror e tristeza com os relatos que nos chegam de Garissa, no Quênia. Palavras não podem condenar de forma adequada as atrocidades terroristas que ocorreram em 'Garissa University College', onde homens e mulheres inocentes foram descaradamente e brutalmente massacrados", declarou o presidente norte-americano. "Juntamo-nos ao mundo em luto por eles, muitos dos quais eram alunos que buscam uma educação e uma vida melhor para si e para seus entes queridos".

A declaração de Obama passou a explicar que, após o povo do Quênia sofrer com o ataque, os Estados Unidos vão "ficar lado a lado" com o país africano, contra o "flagelo do terrorismo."

Assim como Obama citou os 21 cristãos coptas na Líbia que foram degolados por ISIS em fevereiro deste como "cidadãos egípcios", A declaração de Obama na sexta-feira (3) deixou de mencionar o fato gritante que as vítimas foram mortas apenas por confessarem a fé cristã.

Daveed Gartenstein-Ross, um membro sênior da Fundação para a Defesa das Democracias, disse ao The Christian Post na última terça-feira (7) que a recusa de Obama para rotular grupos extremistas e suas vítimas martirizados por afiliação religiosa é simplesmente para evitar ser acusado de sectarismo.

"É um padrão em termos de comunicações administrativas", explicou Gartenstein-Ross. "Basicamente, é uma estratégia de remover a religião da retórica e não é sem mérito... mas, ao mesmo tempo que é contrário à realidade da situação. As pessoas em Garissa foram mortas porque eram cristãs. Os coptas na Líbia foram mortos porque eram cristãos. É um dispositivo retórico excruciante".

Embora Gartenstein-Ross suponha de que a recusa de Obama mencionar fé cristã das vítimas do terrorirsmo 'faça parte de uma retórica de comunicação mais ampla', Nina Shea, diretora do Instituto Hudson para a Liberdade Religiosa, disse ao Christian Post que a administração de Obama nem sempre omite a filiação religiosa quando se discute as vítimas de ataques e deu a entender que poderia haver alguma hipocrisia na omissã da fé cristã das vítimas por parte de Obama.

"Em um ataque na Síria, no final de semana passado, a administração não teve problemas para expressar condolências aos alauítas e ismaelitas que foram assassinados", disse Shea. "Isso está em contraste gritante com o presidente Obama e a falha do Departamento de Estado de mencionar que os cristãos foram perseguidos e executados no Quênia durante o mesmo período. Este é um padrão típico para a administração. Pode ser que a administração tenha sido informada pelo seu conselheiros muçulmanos que os muçulmanos ficariam ofendidos pela crítica da ideologia violentamente intolerante do Al-Shabaab, um grupo extremista islâmico".

O presidente do Conselho de Pesquisa da Família, Tony Perkins também observou comentários de Obama sobre cristãos na tradicional oração matinal de Páscoa da última terça-feira.

"Quando se trata de cristãos perseguidos, não só não temos ação, raramente temos palavras. Como vimos esta manhã no na oração matinal de Páscoa, parece que o presidente e seu governo só trazem os cristãos à pauta quando querem ataca-los", disse Perkins.

Continuando com seu padrão de recusar-se a rotular grupos extremistas como islâmicos, Obama mais uma vez, não mencionou o fato de que a organização terrorista Al-Shabaab, um ramo da Al-Qaeda, é inspirado para realizar seus ataques mortais por causa do apelo de sua doutrina islâmica extrema para a jihad.

Kyle Shideler, o diretor do Centro de escritório de informações de ameaças da Política de Segurança disse ao Christian Post que a incapacidade de Obama para identificar grupos extremistas mortais como o Al-Shabaab, ISIS e Boko Haram como tendo intenções islâmicos poderia ser uma indicação de que o presidente não tem uma estratégia para derrotar tais grupos islâmicos.

"Se não temos uma compreensão clara da doutrina do inimigo, torna-se muito difícil de desenvolver estratégias para derrota-lo. Quando o presidente indica que ele não entende por que é que as pessoas realizam esses ataques [interesses], é indicativo de que o governo não tem uma estratégia que possa ter sucesso", disse Shideler. "Enquanto ele não reforçar ou enfraquecer a Al-Shabaab de uma forma ou de outra, isso enfraquece os Estados Unidos e sua capacidade de lidar com as ameaças, quando não falamos sobre eles de forma honesta e clara".

Fonte: Guia-me

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...