quinta-feira, 8 de outubro de 2015

FOI DE LAVADA NÉ CQC .

Dentro da campanha ferrenha que a mídia brasileira vem fazendo contra o Estatuto da Família, o programa CQC, da rede Bandeirantes, tentou acrescentar mais um capítulo. Contudo, a reação do público não foi a esperada.
O humorístico apresentou uma matéria para tentar mostrar o que pensam os deputados federais sobre o tema. Logo em seguida, propôs uma enquete sobre o tema aos seus telespectadores.
A pergunta lançara era: “Que tipos de casais devem ser contemplados no Estatuto da Família?”.  Era possível votar em duas opções 1) ‘Todos os Tipos’ e 2) – ‘Somente os heterossexuais’.
No final do programa, os membros da bancada leram o resultado, embora visivelmente contrariados. Apenas 18% dos internautas responderam que eram “todos os tipos”. A esmagadora maioria, (82%) parece concordar com a comissão especial da Câmara, e ficam com a chamada “família tradicional”, composta de homem e mulher.
Tanto Marco Luque quanto Dan Stulbach ficaram sem saber o que dizer. Certamente estavam esperando outro resultado. Diferentes versões de trecho do programa foram compartilhadas pelas redes sociais.
Comentados e compartilhados por mais de 120 mil pessoas, o que foi postado no perfil do pastor Marco Feliciano mostra que o tema tem chamado atenção em especial dos evangélicos.

O que é o Estatuto da Família

Dia 24 de setembro, a comissão que discute o Estatuto da Família aprovou o texto principal do projeto que define como família a união entre homem e mulher. O projeto é polêmico por não aceitar como família uniões formadas por pessoas do mesmo sexo.
O texto define a família como a união entre homem e mulher por meio de casamento ou união estável, ou a comunidade formada por qualquer um dos pais junto com os filhos. O projeto não é uma criação da bancada religiosa, pois a Constituição Federal já reconhece esses termos para definir família no artigo 226.
Porém o Estatuto da Família busca a preservação da mesma, falando sobre direitos da família e as diretrizes das políticas públicas voltadas para atender a entidade familiar através da saúde, segurança e educação.


GOSPEL PRIME


Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...