domingo, 29 de novembro de 2015

Após presença de pastor em hotel da Seleção, CBF demite chefe de segurança


A entrada não autorizada de um pastor para a realização de culto religioso na concentração da seleção brasileira fez com que a CBF demitisse o chefe de segurança do time comandado por Dunga. Nomeado pelo ex-presidente José Maria Marin, o coronel Moacyr Alcoforado acabou perdendo seu cargo após o mal-estar gerado na comissão técnica.

O incidente aconteceu durante os amistosos da equipe nos Estados Unidos, ainda em setembro.

Na ocasião, o pastor Guilherme Batista, de 25 anos, postou fotos e vídeos nas redes sociais rezando com os jogadores e agradeceu em suas postagens a David Luiz e Kaká pelo convite para oração no hotel em que estavam hospedados.

Nas imagens do missionário de Goiânia, também aparecem Alisson, Douglas Santos, Douglas Costa, Fabinho, Jefferson, Lucas Moura, Marcelo Grohe e Lucas Lima. Ele chegou a posar ainda ao lado do técnico Dunga, que explicou posteriormente ter pensado se tratar apenas de um torcedor comum.

O tetracampeão mundial ficou indignado com Batista, que, em sua avaliação, teria tentado se promover.

Aliado a isso, pesou na decisão de troca da chefia de segurança a reunião religiosa sem o conhecimento de qualquer membro da CBF, deixando de lado o seu veto a manifestações dessa natureza dentro do ambiente do time. Foi a gota d'água para a mudança e o 'puxão de orelha' nos atletas.

"Não permiti. Nem eu, nem o Gilmar (Rinaldi) e nem a seleção. Dentro da seleção, as coisas são feitas com transparência. Nós temos uma sala onde os jogadores podem receber seus familiares ou pessoas mais perto. Não é que nada é proibido, mas na seleção brasileira não é local de exposição religiosa, política. Ali nós temos que nos concentrar no que estamos fazendo, que é jogar futebol apenas", afirmou Dunga, logo após o episódio.

Aloísio Rocha Júnior esteve à frente da segurança da equipe em seus compromissos nestas Eliminatórias.


Fonte: ESPN

Nenhum comentário: