domingo, 29 de novembro de 2015

Autobiografia de ex-pastor da Igreja Universal revela bastidores de terror psicológico, fraude e prostituição

Lançado em 1995, este livro durou pouco mais de 20 dias nas estantes das livrarias brasileiras. Por determinação judicial, obtida mediante a ação do poderoso departamento jurídico da Igreja Universal do Reino de Deus, todos os exemplares ainda não vendidos na época foram recolhidos.
Imagem redimensionada“Nos Bastidores do Reino – A vida secreta na Igreja Universal do Reino de Deus” é uma autobiografia de Mário Justino, ex-pastor da igreja fundada por Edir Macedo e protagonista de uma ascensão meteórica dentro da organização neopentecostal mais famosa do país.

O autor se apresenta como um adolescente triste e pobre que, certo dia, zapeando pelas estações de rádio do interior do Rio de Janeiro, ouviu uma retumbante “bênção da água” e se sentiu atraído a conhecer pessoalmente aquela igreja. Os hinos de louvores e os supostos exorcismos o fascinaram e o jovem largou a família e a bolsa de estudos para, com apenas 15 anos, trabalhar sem receber nada além de três refeições diárias no templo que passou a frequentar: ela era faxineiro, porteiro e vigilante. Aos poucos, foi mostrando talento para ser pastor. Ele mesmo explica o que se entende por “talento” neste caso: a habilidade para enganar pessoas e fazê-las doar dinheiro.

Para crescer na “carreira” dentro da igreja, que funciona como uma franquia empresarial, basta ser um bom arrecadador de dinheiro e manter uma vida discreta. As aparências de virtude do pastor são cruciais para o sucesso do projeto, embora, nos bastidores, Mário Justino afirma serem normais os casos de adultério, fornicação e práticas homossexuais. Ele próprio conta que a sua primeira experiência sexual foi com outro pastor.

O autor acabou se tornando pastor titular de uma das igrejas da rede e, para manter o cargo, precisava bater as metas mensais de arrecadação. O maior medo de todos os pastores era terminar o mês com resultado negativo, tragédia que implicaria pesadas represálias e poderia acarretar seu pior pesadelo: ser expulsos da congregação. A cúpula sabia que muitos de seus pastores não tinham capacitação para exercer outros ofícios no mercado de trabalho e empregava com eficácia o terror psicológico para garantir o êxito das franquias. Como contraponto, as regalias para os que cumpriam as metas envolviam bônus em dinheiro, escola para os filhos, plano de saúde para a família, carro e viagens com direito a hotéis cinco estrelas.

Para um rapaz de 17 anos, de infância miserável e coração doído de tanto ver sofrer a pobre mãe lavadeira, aquela chantagem era poderosa. Mas não o suficiente para evitar que Mário Justino fosse tragado pela depressão profunda. Ele se tornou refém dos remédios controlados e não tardou a se viciar em drogas pesadas. Foram inúmeros os cultos que dirigiu, segundo seu próprio relato, depois de fumar maconha misturada com comprimidos de tarja preta. Ele se desligou da organização para trabalhar como servente num aeroporto de São Paulo.

Ainda mais viciado em drogas, Mário Justino passou a se prostituir, vendendo-se para homens e mulheres. Em paralelo, tinha esposa e dois filhos e, para sustentá-los, se viu forçado a recorrer aos seus antigos chefes e suplicar que o aceitassem de volta na Universal. Seu retorno aos púlpitos, porém, foi breve. A cúpula o enviou no começo da década de 1990 para os Estados Unidos, onde a igreja tentava se estabelecer. Em carta privada a um suposto amigo, Justino confidenciou que tinha contraído aids. O suposto amigo o traiu e denunciou a Edir Macedo, que expulsou o pastor, depois de 11 anos de serviços, sem nenhum direito trabalhista.

Abandonado pela família e sem condições de voltar ao Brasil, Mário Justino não apenas voltou a se prostituir, como ainda passou a atuar como traficante. Muito debilitado pelo HIV, terminou internado num hospital público no qual um travesti brasileiro, Danusa, fazia trabalho voluntário. Foi Danusa quem ajudou o ex-pastor a superar a depressão, aprender inglês e encontrar trabalho.

A obsessão de Mário Justino passou a ser a vingança. Sua meta de vida era matar Edir Macedo. As tentativas aconteceram, todas em vão. Quando, tempos depois, o ex-pastor encontrou Danusa em pele e osso num leito de hospital, também vítima do HIV, inconsciente e apertando-lhe a mão quase sem forças em seus últimos suspiros, Mário Justino enxergou a pequenez da vingança. Decidiu que as tragédias da morte dos pais, da separação da esposa e da morte de Danusa, por quem tinha nutrido a única amizade verdadeira em toda a sua vida, precisavam ser superadas para encarar uma vida nova.

A autobiografia de Mário Justino é devastadora.
Fonte: Aleteia

Nenhum comentário: