quinta-feira, 14 de abril de 2016

Pastor é assassinado após tentar evangelizar membros de uma gangue, na Nigéria


A polícia da Nigéria prendeu quatro integrantes de uma quadrilha, que confessaram ter assassinado brutalmente um pastor, simplesmente porque ele estava pregando sobre Jesus a eles e teria lhes dito que eles deviam se arrepender de seus pecados.
"A quadrilha também confessou ter sido a responsável pelo sequestro do pastor Chukwu Ekere, da comunidade Ohigha e ter assassinado o evangelista, simplesmente porque o homem de Deus os 'perturbou' com sua pregação, que os chamava ao arrependimento e também por ter proposto que eles deixassem de praticassem as suas atividades nefastas e aceitassem a Deus", informaram as autoridades em um comunicado à mídia local.
A polícia do estado de Rivers (Nigéria) disse que inicialmente prendeu os membros da gangue da região de Ohigha em Ogba e em Diobu, descobrindo a ligação dos homens com crimes, como o seqüestro, estupro e assassinato de uma mulher identificada apenas como Sra. Igila, da vila Ohigha. O crime ocorreu no dia 07 de janeiro.
Os membros da gangue foram identificados como: Henry Ajie, 23 anos; Bright Ajie, 22, Dadison Ogadima, 22 e Sampson Dibia, 30.
Comentando o crimes do estupro e assassinato de Igila, o comando da polícia disse que "os suspeitos confessaram as acusações de sequestro da vítima, e também o estupro e o estrangulamento dela".
Rivers é um dos 36 estados da Nigéria e o sexto mais populoso do país, com uma população de 5.185.400.
Perseguição religiosa
De acordo com um relatório da Missão Internacional Portas Abertas - uma organização que serve aos cristãos perseguidos em todo o mundo - e da Associação Cristã da Nigéria, a matança de cristãos no país aumentou 62% em apenas um ano.
O relatório que avalia o impacto da violência persistente sobre a Igreja no norte da Nigéria, mostra que em 2015 houve 4.028 mortes e 198 ataques contra igrejas. Estatísticas do ano anterior mostram que os assassinatos totalizaram 2.484, enquanto houve 108 ataques a igrejas. Estima-se que 30 milhões de cristãos no norte da Nigéria formam o maior grupo das chamadas "minorias religiosas" em um ambiente de maioria muçulmana.
"Este relatório mostr quea a extensão e o impacto da violência persistente sobre a Igreja no norte da Nigéria é muito mais grave que o esperado anteriormente. Mesmo que o Boko Haram seja derrotado, o problema não será resolvido", diz parte do relatório.
"Os cristãos que vivem sob a lei sharia estão enfrentando discriminação e marginalização e têm pouco ou nenhum acesso aos direitos federais", disse um diretor parceiro da Missão Portas Abertas na África Ocidental. "Esperamos que este relatório solicite que o governo nigeriano e a comunidade internacional se sensibilizem com o sofrimento real dos cristãos perseguidos seriamente e aja em seu nome. Junto a isso, espero que nigerianos cristãos se envolvam mais com os seus irmãos e irmãs e que eles estejam 'na brecha' uns pelos outros".

CPAD

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...