terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Gráfica da SBB faz Bíblia em 30 línguas e tem até versão perfumada; veja produção

Imagem redimensionada

Um dos livros mais antigos e lidos do mundo, a Bíblia não só resistiu ao tempo, como evoluiu seu processo de produção. Enquanto até a Idade Médias as cópias eram transcritas manualmente, hoje são impressos cerca de 18,6 mil exemplares por dia na gráfica da SBB (Sociedade Bíblica Brasileira), em Barueri (30 km a oeste de São Paulo).

Com 6.000 metros quadrados e mais de 200 funcionários, a unidade é a maior gráfica dedicada exclusivamente à impressão de Bíblias na América Latina. Um dos funcionários até leva uma Bíblia sempre junto com ele, o que o ajuda até a passar sem problemas em blitz da polícia.

Ali, só em 2016, foram produzidos, aproximadamente, 6,8 milhões de exemplares de Bíblias completas e Novos Testamentos.

Desse total, 20% é exportado para mais de cem países de toda a América, África, Ásia e Europa, de acordo com a SBB. São produzidas Bíblias em 30 idiomas, como português, inglês, espanhol, francês, árabe, hebraico e até ioruba, falado em alguns países africanos.

A gráfica faz até Bíblias perfumadas. Antes de ser embalada para transporte, funcionários espirram um spray de perfume para que o livro tenha o cheiro escolhido pelo cliente. 

1 milhão de páginas por hora
Na gráfica, há quatro máquinas impressoras para as Bíblias. Cada uma consegue imprimir de 768 mil a 1 milhão de páginas por hora, de acordo com Luiz Antonio Forlim, gerente-geral da gráfica da SBB. Para se ter uma ideia, uma Bíblia tem cerca de 1.200 páginas.

A fabricação da Bíblia é praticamente toda automatizada: além das impressoras, há máquinas específicas para cortar, dobrar e costurar as páginas e para colar a capa. Os funcionários são responsáveis por manter os equipamentos funcionando e por fazer o controle de qualidade.

Bíblia em Braile tem 39 volumes
A SBB também produz uma versão a Bíblia em Braile sob demanda. Em 2016, a gráfica produziu 26 exemplares para cegos. O livro completo para cegos tem 5.747 páginas. 

Devido à quantidade de páginas, a Bíblia em Braile é impressa em volumes --39 no total. Se empilhados, os volumes somam mais de dois metros de altura.

Justamente por ser cara (chega a custar R$ 2.900) e exigir espaço para armazenagem, os pedidos da Bíblia em Braile são poucos, segundo Forlim. Para quem não tem condições de comprar, a SBB tem um programa de empréstimo do livro para cegos.

Para receber os volumes em casa, é preciso se cadastrar no site http://zip.net/bvtD2R (endereço encurtado e seguro).

Formatos digitais
Além da Bíblia em papel, a SBB também distribui o livro em formatos digitais, como um aplicativo para celulares e e-books. A distribuição da Bíblia nesses formatos mais do que triplicou de um ano para outro. Enquanto em 2015 foram disponibilizados 384,6 mil livros digitais, o número saltou para 1,5 milhão no ano passado, de acordo com a organização.

O crescimento das Bíblias digitais é atribuído ao seu baixo custo --o aplicativo Bíblia Plus é grátis e os e-books custam de R$ 2,90 a R$ 4,93--, além da praticidade, segundo Marcos Gladstone, secretário de distribuição e coordenação das secretarias regionais da SBB.

Para ele, a popularização das Bíblias digitais é positiva. "A Bíblia foi registrada e difundida de diferentes maneiras ao longo dos anos e nada mais natural que o livro mais lido, traduzido e distribuído do mundo também estivesse no formato digital", diz. "Nosso desejo é que todos os celulares, tablets e computadores tenham a Bíblia Sagrada e que ela seja lida e aplicada."

No entanto, da mesma forma como aumentou a distribuição de Bíblias digitais, a produção do livro em papel caiu. Em 2015, a gráfica produziu 9,8 milhões de exemplares contra 6,8 milhões em 2016.

Essa queda é a grande preocupação da SBB, de acordo com Gladstone. "Estamos buscando maneiras inovadoras e criativas para garantir a sustentabilidade da missão da SBB, de forma a não comprometer o desenvolvimento de seu trabalho", afirma.

A empresa diz que é uma organização sem fins lucrativos e que a receita da venda das Bíblias é usada para a manutenção de sua estrutura e investida em projetos sociais.



Fonte: UOL

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...