quinta-feira, 23 de março de 2017

Diretor de 'A Bela e a Fera' diz que "gostaria de rasgar páginas da Bíblia"

Imagem redimensionada

O diretor de "A Bela e a Fera", Bill Condon, levou seu desrespeito a Deus e ao Cristianismo a um novo nível quando ele disse em uma entrevista recente que gostaria de arrancar páginas da Bíblia.

Quando o diretor foi questionado sobre o que ele faz sempre que entra em um quarto de hotel, ele respondeu revelando o seu desejo de praticar o vandalismo contra o livro sagrado e chegou a citar com um tom de amdiração o ator Ian Murray McKellen, que admitiu 10 anos atrás, ter rasgado páginas de uma Bíblia quando estava em um hotel.

"Gostaria de poder dizer que sou como Ian McKellen e imediatamente arrancar páginas da Bíblia, mas parece que não há Bíblias nos quartos dos hotéis onde estou me hospedando estes dias", disse ele à revista Passport.

Condon estava aparentemente reagindo contra o boicote de um grande número de evangélicos que apresentaram petições contra o filme e aconselhando os cristãos a não assistir o novo remake 'live-action' do desenho "A Bela e a Fera" (Disney). O filme está sendo estrelado por Emma Watson e Dan Stevens.

Condon já havia gerado certa perturbação entre os cristãos quando disse à revista 'Attitude' que haveria um "momento exclusivamente gay" em seu filme, referindo-se a uma cena do ator Josh Gad, que faz o papel do personagem LeFou.

"LeFou é alguém que em um dia quer ser Gastão e em outro dia quer beijar Gastão", disse Condon na época. "Ele está confuso sobre o que ele quer. Ele é alguém que está simplesmente descobrindo que ele tem esses sentimentos. E Josh faz algo realmente sutil e delicioso com isso tudo. E isso tem a sua recompensa no final, que eu não quero contar agora, mas é um momento agradável, exclusivamente gay em um filme da Disney".

Uma petição, que foi criada pela organização cristã "One Million Moms" ("Um Milhão de Mães"), criticou a Disney por promover a agenda LGBT entre as famílias.

"Este é o último lugar em que os pais esperariam que seus filhos fossem confrontados com um conteúdo de orientação sexual, questões que estão sendo apresentadas muito cedo. Isso pode parecer comum, mas é desnecessário", diz uma das petições, que já tem mais de 63.000 assinaturas.

Outro documento online foi criado pelo 'Life Site News', e tem mais de 133.000 assinaturas. Sua mensagem para os estúdios Disney destaca: "Filmes infantis não são um lugar para promover uma agenda política sexual nociva, que ofende as crenças profundamente arraigadas de inúmeros pais e famílias".

Fonte: Guia-me

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...