terça-feira, 1 de agosto de 2017

Pastor diz que MMA não é pecado e serve para evangelizar jovens



Sem mulheres com placas entre os rounds nem álcool na plateia, o Ultimate Reborn Fight (URF) tem sido uma ferramenta usada pela Igreja Renascer em Cristo para atrair jovens à mensagem do Evangelho.

Boa parte dos jovens atletas passou pelas mãos de Roberto Pedroso, de 38 anos, o pastor Giraia, que está à frente do Reborn Team desde o começo dos torneios.

No octógono os atletas são todos profissionais, ainda que em início de carreira. Não é preciso treinar na igreja e nem ser ligado à Renascer para participar do evento. O pagamento costuma ser em ingressos para os próprios torneios, de acordo com o nível do atleta.

Em entrevista à BBC Brasil em junho, o apóstolo Estevam Hernandes Filho, fundador da Renascer, disse que a igreja abriu suas portas aos treinos para atrair mais jovens para o esporte.

Confira abaixo a entrevista para o site da revista Veja:

Por que ensinar MMA aos fiéis?
Deus tocou meu coração e me disse: através desse esporte, os jovens vão entrar na igreja e aprender o que Deus pode ser na vida deles. O MMA não é pecado, como muitos dizem, pelo fato de um bater no outro. Deus me falou isso.

O que os fiéis pensam disso?
Antes de o rock entrar na igreja, ele era do capeta. Nós tiramos o rock do capeta. Aleluia! Agora o rock é bênção. A maquiagem e o batom também eram do diabo, e a gente tomou dele. Agora é a vez do MMA. Há quem diga: “Isso não é coisa de Deus”. É coisa de Deus, sim.

Como a luta é tratada internamente?
São muitos codinomes: MMA gospel, igreja do MMA, igreja do ringue e igreja da porrada.

Quais as diferenças entre o MMA tradicional e o da “igreja da porrada”?

Não aceitamos cotovelada. Se for usada, ela vai machucar e até rasgar o rosto. Também não há mulheres com roupa curta, nem bebidas alcoólicas. A plateia não xinga. Nada de “Ei, juiz, vai t…”. O máximo é “Uh, vai morrer”. Sempre oramos no início das lutas, e um pastor ministra a Palavra. É onde entra Jesus.

Como se financiam os torneios?
Não passamos a cestinha com oferta. O público nos ajuda com ingressos de 20 a 30 reais.

A Renascer passou pela condenação de seus líderes e pela saída de Kaká. Como enfrentou a turbulência?
A gente tinha de viver isso. Foi um propósito. Seguimos firmes e fortes. Sobre o Kaká, não houve impacto. Ele é uma pessoa como qualquer outra. Só porque é jogador e estrela? Para! A gente não o via como um grande doador. Deus não precisa do dinheiro do Kaká.

E quanto ao baque da prisão de Sônia e Estevam Hernandes, fundadores da igreja?
(O casal foi condenado por entrar com dinheiro não declarado nos Estados Unidos, em 2007, e por evasão de divisas no Brasil, em 2009)? Aquilo foi um erro. Estavam em onze pessoas e, em vez de dividirem o dinheiro, apenas uma pessoa o carregava. Eles confessaram, porque lá a situação piora se não se faz isso. Agora passou. Eles estão em São Paulo, e muito bem.

Fonte: Guia-me e Veja

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...