segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Padre é transferido de Adamantina por sofrer preconceito dos fiéis

O padre Wilson Luís Ramos foi transferido do município de Adamantina, interior de São Paulo, depois de ser rejeitado pela comunidade. O bispo de Marília, Dom Luiz Antônio Cipolini, confirmou que um dos motivos da transferência foi o preconceito racial.
Ao jornal O Estado de São Paulo o padre, que estava na cidade desde 2012, relatou que foi humilhado pelos fiéis. “Outro dia surpreendi duas senhoras dizendo que deveriam trocar o galo que há no topo da igreja por um urubu”, relatou.
Ao longo desses dois anos o padre Wilson conseguiu realizar alguns trabalhos, mas seu jeito simples de aproximar os mais pobres e jovens usuários de drogas para a igreja deixou os fiéis tradicionais revoltados.
Esse grupo de fiéis passou a reclamar do padre através de cartas para o bispo de Marília, situação que se agravou quando o padre destituiu fiéis desse grupo dos cargos de coordenação das pastorais e colocou pessoas com menos poder aquisitivo.
“O padre Wilson tem sofrido com essa questão [racismo]. Houve preconceito por parte de fiéis, mas o padre foi vencendo e o que está jogo agora não é o preconceito, mas sim a divisão que ele causou na paróquia”, disse o bispo.
Os fiéis que não fazem parte do grupo que foi contra o padre negro fizeram uma leitura ampliada do caso: “o problema é que o padre Wilson é negro, anda pelas ruas com roupas simples e a pé, substituindo um padre branco, que usava camisas de linho e carro. Padre Wilson vai até as comunidades, enquanto seu antecessor não saía da igreja. Isso causou incômodo”, disse a servidora pública Ivanete Sylvestrino.
A transferência do padre da cidade desencadeou uma onda de protestos nas redes sociais e também no município. Os fiéis que gostavam do padre deram um abraço simbólico na Igreja Matriz de Adamantina e ainda lançaram um abaixo-assinado para impedir que ele fosse transferido. Até a Igreja Evangélica da cidade participou do ato, muitos pastores resolveram se manifestar apoiando publicamente a permanência do padre negro.



Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...