sábado, 21 de março de 2015

Cristãos chineses são libertados da prisão


Cristãos chineses são libertados da prisão
Três cristãos chineses, que foram presos injustamente após proteger a cruz em um ataque à sua igreja, foram libertados da prisão. O incidente ocorreu durante uma onda de destruição ilegal de igrejas realizada pelo governo.
Os três cristãos, de Wenzhou, na província costeira de Zhejiang, foram libertados da prisão no dia 6 de março. Enquanto isso, dois cristãos de outras partes de Wenzhou permanecem sob custódia da polícia. Os cinco foram detidos durante a campanha de perseguição contra igrejas protestantes e católicas de toda a província, em que mais de 425 igrejas receberam notificações de demolição e, em muitos casos, tiveram suas cruzes removidas ou os templos foram destruídos.
Ou Jinsi, Ji Qingcou e Ji Qingcao, da Igreja Yazhong, foram liberados de suas sentenças de 136 dias, 62 dias e 57 dias de detenção, respectivamente.
A Igreja Yazhong recebeu uma notificação do secretário da cidade em 15 de agosto de 2014, ordenando que a igreja removesse a cruz até o final de agosto. Além disso, o governo da cidade instalou três câmeras de vigilância em um cruzamento que leva à igreja.
Diante disso, líderes da igreja pediram que alguns de seus membros, um dos quais Ou Jinsi, guardassem a cruz dia e noite. Jinsi foi detido quando tentava impedir que um funcionário do governo destruísse a cruz. Vários meses depois, os outros homens foram detidos quando tentavam negociar com os funcionários. Os três foram acusados de "reunir uma multidão para perturbar a ordem pública" e "obstruir negócio oficial".
Lin, um membro da Igreja Yazhong, disse à agência de notícias China Aid que os cristãos foram absolvidos de suas acusações e que eles anteriormente se recusaram a assinar declarações de confissão ou pagar fiança, porque não são culpados.
"Durante todo o processo, o que o governo fez foi ilegal", disse ele. "Temos vídeos que podem ser usados como prova. O governo não pode pressionar as igrejas assim. Nós até apresentamos uma petição às autoridades superiores; eles libertaram os detidos, como resultado de nossa solicitação. Nós, inclusive, contratamos advogados".
Quando perguntado se os três cristãos planejavam processar o governo, Lin disse que eles ainda estão considerando a questão, mas que devem manter a situação como está se o governo não tomar quaisquer outras ações. Ele acrescentou que o governo não conseguiu remover a cruz.

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...