terça-feira, 28 de abril de 2015

Empresário e vereador evangélicos são investigados por envolvimento em esquema de prostituição infantil

Empresário e vereador evangélicos são investigados por envolvimento em esquema de prostituição infantil
Uma operação realizada pela Polícia Civil contra um esquema de pedofilia e exploração sexual de menores terminou com a prisão de um empresário evangélico e um vereador frequentador da Igreja Mundial do Poder de Deus, em Campo Grande (MS).
O empresário Luciano Roberto Pageu, conhecido como Luciano “Altar”, foi preso em flagrante na companhia do ex-vereador Robson Leiria Martins, recebendo R$ 15 mil do vereador Alceu Bueno (PSL). Pageu e Martins foram presos sob acusação de extorsão.
Os R$ 15 mil seriam uma segunda parcela de um valor combinado entre os três para evitar que vídeos do vereador Alceu Bueno se tornassem públicos. Neles, o político estaria entre duas adolescentes, nuas, trocando carícias. A Polícia suspeita que Luciano “Altar” tenha tido acesso ao suposto vídeo justamente por integrar o esquema de exploração sexual das menores.
Bueno recebeu apoio da Igreja Mundial do Poder de Deus nas últimas eleições municipais, e era visto com frequência nos cultos da denominação na capital sul-mato-grossense. De acordo com informações do site Midiamax, o vereador teria interrompido um programa com duas adolescentes para ir a um culto.
O pastor Edson, um dos líderes da Mundial no estado, garantiu que apesar de ter recebido apoio da denominação, Bueno não é membro: “Ele é da área do futebol. Quando quer vem e quando não quer não vem. A pessoa para ser membro tem que ser batizado e estar congregando”, declarou o pastor, acrescentando que Bueno “não tem vínculo porque não tem responsabilidade com a igreja”.
Justificando o apoio da Mundial à candidatura de Bueno, em 2012, o pastor afirmou que “a pessoa pode se apresentar com um caráter e depois apresentar outro”, e que à época, não havia nada contra o então candidato: “Como vou saber se a pessoa vai fazer alguma coisa? Se não tem nada que desabone, não podemos julgar”, explicou-se.
Em depoimento ao titular da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), Bueno afirmou que foi procurado por Luciano “Altar”, que dizia tentar livrá-lo de uma extorsão.
No diálogo, Bueno teria dito que não via problemas legais no affair pois “as meninas eram de maior e tinham filhos”, e “Altar” teria informado sobre a idade das adolescentes: “Acho que não são [maiores de idade] não, mas como você um homem público, eles podem levar esse celular e levar para a sua mulher ou na sua igreja e acabar com sua honra”.
À Polícia, Bueno admitiu que “tinha dado uma carona para a mulher” e que pagou R$ 100 mil a Luciano “Altar” e ao ex-vereador Martins “por pressão psicológica”. O advogado do vereador, Fábio Theodoro Faria, contraditou o cliente e negou o pagamento dos valores: “O Alceu Bueno nega que tenha praticado sexo com elas e disse que o motivo da extorsão são documentos e um vídeo. Se existe vídeo, vamos pedir perícia técnica, porque é montagem. Ele é vítima de uma armação e extorsão”, disse.

Altar

Luciano Roberto Pageu, 40 anos, é presidente do Grupo Altar, uma empresa que organiza eventos gospel e é responsável pela revista Altar, voltada ao público evangélico, segundo informações doCorreio do Estado. Em seu perfil no Facebook, o empresário publica e compartilha mensagens de cunho religioso.


FONTE . http://noticias.gospelmais.com.br/evangelicos-sao-investigados-prostituicao-infantil-76232.html

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...