segunda-feira, 27 de abril de 2015

Após terremoto devastador no Nepal, missionária brasileira envia notícias: `Ainda sentimos tremores´


Após terremoto devastador no Nepal, missionária brasileira envia notícias: `Ainda sentimos tremores´
Neste sábado (25), o Nepal foi surpreendido por um devastador terremoto, que está sendo considerado o pior dos últimos 80 anos (magnitude de 7,8) já registrou mais 1.150 mortos e pelo menos 1,7 mil feridos.
A missionária brasileira, Kelly Pineiro Bevilacqua, enviou um arquivo de áudio com notícias sobre sua situação, de sua família e também da Organização Cristã onde trabalha atualmente, naquele país.
"Todo mundo do nosso ministério está bem, graças a Deus. Foi um susto muito grande. Todas as casas tremeram bastante. A maioria das nossas crianças estavam na igreja, na hora [do terremoto]. Foi muito difícil voltar para casa, porque as ruas racharam. Nós estamos dormindo dentro de carros. Estamos todos sob alerta, porque ainda sentimos tremores. Estamos todos bem, mas com muito medo, porque morreram muitas pessoas aqui", relatou.
Kelly é natural de Mogi das Cruzes (SP), tem 42 anos e é casada com Marcelo Bevilacqua. O casal ainda estava em clima de celebração pela chegada do filho Pedro, de apenas 11 dias de vida.
Por conta do nascimento da criança, a mãe de Kelly (Ivone Prieto Piñeiro) e o irmão de Marcelo (Gilson Alves Bevilacqua) visitavam o casal nesta ocasião.
Segundo mensagens enviadas por Kelly para o celular da irmã, que mora em Mogi das Cruzes, Renata Rubilar, nesta madrugada, todos estão bem.
“Rê teve terremoto, mas estamos bem, graças a Deus”, dizia a breve mensagem enviada pelo whatsapp.
A missionária ainda contou que pela falta de energia elétrica na região atingida (uma área entre a capital, Kathmandu, e a cidade de Pkhara), o uso do celular tem sido mais controlado por todos, conservando assim a bateria por mais tempo.
O marido, Marcelo, também entrou em contato com a família dele, informando que todos estão bem, bem como as garotas do projeto missionário e social no qual atuam.
"Meninas dos Olhos de Deus"
Kelly e Marcelo trabalham na Organização Missionária Cristã, chamada "Meninas dos Olhos de Deus". 
A missão foi fundada no ano 2000 por brasileiros e tem como objetivo combater o tráfico humano - prática ainda muito comum na região.
A organização resgata garotas nativas do Nepal, vendidas pelos pais como escravas sexuais ou outros tipos de trabalho escravo, na Índia. Na missão, estas garotas passam a ter abrigo, saúde e educação básica, até que possam ser reintegradas às suas famílias, adotadas ou consigam levar uma vida independente. O projeto atende crianças e adolescentes entre 7 e 14 anos, e também garotos e parentes das jovens assistidas.

PORTAS ABERTAS

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...