terça-feira, 12 de maio de 2015

A GUERRA ESTA COMEÇANDO - Opositor a família será avaliado para vaga no STF

Nesta terça-feira (12) a partir das 10 horas a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado deverá sabatinar o novo indicado para compor a Suprema Corte brasileira, o mais novo indicado pelo Palácio do Planalto para integrar o Supremo Tribunal Federal (STF) é o advogado Luiz Edson Fachin.
Fachin é diretor do Instituto Brasileiro de Direito da Família e defende, entre outras coisas, a “ampliação das entidades familiares, com inclusão das relações extraconjugais”. Um inimigo declarado da família, defendendo pensão para amantes, direitos homossexuais e teses que corroboram com o aborto.
A indicação do jurista tem preocupado lideranças religiosas, principalmente em um momento em que o Supremo tem assumido cada vez mais abertamente um perfil ativista, atuando no que chamam de “vácuo legislativo”, aprovando temas que se quer foram legislados.
O gaúcho indicado pela presidente Dilma Rousseff é abertamente partidário ao PT e em 2010 chegou a gravar um vídeo em apoio à Dilma. Além disso, o novo indicado ao STF é simpático ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e tem ligações com a CUT (Central Única dos Trabalhadores).
A pressão das lideranças politicas e religiosas contra o nome do indicado por Dilma deve quebrar a cômoda tradição de sabatinas protocolares e Fachin deve ser questionado a fundo sobre suas ideologias.
O instituto dirigido por Fachin defende que cirurgias de esterilização devem ser feitas dispensando a autorização dos cônjuges, tese conexa à do aborto como um direito da mulher porque diz respeito a seu próprio corpo.
Autor do prefácio do livro intitulado “Da Monogamia – A sua Superação como Princípio Estruturante do Direito de Família”, que apoia abertamente o fim da monogamia como padrão cultural e jurídico, Fachin procurou pessoalmente os 81 senadores para pedir apoio à indicação e chegou a contratar uma equipe de comunicação para tentar limpar sua imagem.
Para tentar aprovar o nome do indicado, a presidente Dilma Rousseff fez um último apelo ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), solicitando apoio ao advogado. Uma possível aprovação do postulante ao cargo deve piorar a relação do PT com as lideranças religiosas.

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...