sábado, 2 de maio de 2015

Justiça egípcia condena dezenas à prisão perpétua por incêndio em igreja


Sessenta e nove pessoas foram condenadas nesta quarta-feira (29) à prisão perpétua no Egito por participar no incêndio de uma igreja copta em agosto de 2013.

A igreja foi incendiada em 14 de agosto de 2013 em Kerdassa, um subúrbio do Cairo, poucas horas depois de mais de 700 manifestantes pró-Morsi serem mortos por policiais e soldados no centro da capital egípcia.

No Egito, a pena de prisão perpétua equivale a 25 anos de prisão e não pode ir além. Mas centenas de partidários de Morsi foram condenados, desde a destituição de Morsi pelo Exército em 3 de julho de 2013, à pena de morte em julgamentos em massa expedidos em minutos e qualificados pela ONU "sem precedentes na história recente" do mundo.

Um tribunal do Cairo julgou os 69 homens culpados de terem "incendiado a igreja, de tentativa de homicídio (de civis) e posse ilegal de armas". Dois menores foram condenados a 10 anos de prisão.

Kerdassa era um reduto de partidários de Morsi e de sua Irmandade Muçulmana. Na noite do dia do ataque à igreja, 13 policiais foram mortos em uma delegacia de polícia no mesmo bairro, alguns moradores agindo para vingar as mortes de mais de 700 manifestantes pró-Mursi assassinados a tiros nas praças de Rabaa al-Adawiya e Nahda, no centro do Cairo.


Fonte: G1 via Portal AZ

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...