segunda-feira, 1 de junho de 2015

BRASILIA - A CAPITAL DA CORRUPÇÃO É ATACADA POR SUPER BACTÉRIA .

Fachada do Hospital Regional de Taguatinga (Foto: Raquel Morais/G1)Fachada do Hospital Regional de Taguatinga
(Foto: Raquel Morais/G1)
A Secretaria de Saúde do Distrito Federal confirmou nesta segunda-feira (1º) as mortes de três pacientes que haviam sido isolados após contato com uma paciente com superbactéria. Eles estavam internados nas alas amarela e vermelha do Hospital Regional de Taguatinga. Outras 13 pessoas seguem sob monitoramento no local. Funcionários da unidade usam equipamentos de segurança, como luvas e máscaras, para evitar infecção.
De acordo com a pasta, entre as vítimas está uma mulher de 79 anos, que morreu neste domingo infectada com a superbactéria KPC. Ela deu entrada na unidade no dia 8 de maio. Outra idosa, de 80 anos, que também fazia parte do grupo isolado morreu no final de domingo com insuficiência respiratória. A Secretaria de Saúde investiga se ela também possuía a infecção. O terceiro é um idoso, de também 80 anos.
A interdição ocorreu nas alas vermelha e amarela, para atendimentos mais graves. Também estão suspensos os atendimentos de emergência nas áreas de clínica médica, ortopedia, cardiologia e cirurgia. A medida ocorre porque os pacientes graves não teriam onde ficar. A Secretaria de Saúde orienta que aqueles que necessitem desse tipo de atendimento procurem outras unidades da rede, até que as áreas sejam reabertas.
Segundo a diretora de Saúde de Taguatinga, Eliene Ancelmo Berg, o risco de contágio foi agravado pela superlotação na emergência no hospital. O pronto-socorro do HRT tem capacidade de 54 leitos, mas abrigava 168 pacientes na tarde desta quinta.
Na sexta, a secretaria isolou três pacientes da clínica médica do Hospital Regional do Guarádepois de exames apontarem a presença da superbactéria Acinetobacter baumanii. De acordo com a pasta, em dois dos casos havia apenas colonização – o micro-organismo não foi encontrado nem no sangue, nem na urina. No terceiro, há infecção. Ele faz uso de antibióticos.
Ainda segundo a secretaria, a bactéria é resistente e comum em ambientes hospitalares. O contágio ocorre apenas pelo toque. Leitos vizinhos aos dos pacientes foram bloqueados.
A secretaria afirmou que não há risco de contaminação ou epidemia e que todos os cuidados necessários estão sendo tomados na unidade para evitar a transmissão para outros pacientes. A equipe médica está usando máscaras, capotes e luvas descartáveis.
Resistência
“Superbactéria” é um termo que vale não só para um organismo, mas para bactérias que desenvolvem resistência a grande parte dos antibióticos. Enzimas passam a ser produzidas pelas bactérias devido a mutações genéticas ao longo do tempo, que tornam grupos de bactérias comuns como a Klebsiella e a Escherichia, resistentes a muitos medicamentos.
Outro mecanismo para desenvolvimento de superbactérias é a transmissão por plasmídeos – fragmentos do DNA que podem ser passados de bactéria a bactéria, mesmo entre espécies diferentes. Uma Klebsiella pode passar a uma Pseudomonas, e esta pode passar a uma terceira. Se o gene estiver incorporado no plasmídeo, ele pode passar de uma bactéria a outra sem a necessidade de reprodução.
No território nacional circulam outras bactérias multirresistentes, como a SPM-1 (São Paulo metalo-beta-lactamase). Entre os remédios ineficazes estão as carbapenemas, uma das principais opções no combate aos organismos unicelulares. Remédios como as polimixinas e tigeciclinas ainda são eficientes contra esses organismos, mas são usados somente em casos de emergência, como infecções hospitalares.

VIA GRITOS DE ALERTA / INF. G1.COM.BR

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...