quinta-feira, 11 de junho de 2015

Mulheres são vítimas de crimes sexuais cometidos pelo Estado Islâmico


Mulheres são vítimas de crimes sexuais cometidos pelo Estado Islâmico
Segundo o jornal americano The Christian Post de 26 de maio, militantes do Estado Islâmico (EI) alegaram ter queimado viva uma mulher de 20 anos de idade porque ela se recusou a realizar o que um funcionário das Nações Unidas considerava um "ato sexual extremo". O mesmo oficial também divulgou que o EI está forçando algumas escravas sexuais para serem prostitutas. Como o jornal já havia relatado anteriormente, Zainab Bangura, representante especial da ONU dos crimes sexuais na guerra, conduziu entrevistas com vítimas deslocadas do EI no Iraque e na Síria. Ele forneceu detalhes chocantes dos horrores que as mulheres e as crianças enfrentam nas mãos de operações de tráfico. De acordo com Bangura, eles cometem forte violência sexual.
Frans, diretor de estudo de perseguição da Portas Abertas, comenta como é incrível o que faz o EI com mulheres e meninas. Adeptos do EI parecem ter uma total falta de empatia para com mulheres e meninas. "Essa é a maior consequência dos três importantes princípios do islã que encontraram seus extremos em grupos como o Estado Islâmico." Iraque e Síria ocupam as 3ª e 4ª posições na Classificação da Perseguição Religiosa 2015, respectivamente.
O primeiro princípio é o fato de Muhammad ter permitido que os homens muçulmanos tenham relações sexuais com suas escravas, como ele fez a si mesmo. Outro princípio é o medo islâmico da sexualidade feminina, que muitas vezes, faz com que o comportamento dos homens muçulmanos em relação às mulheres e meninas muçulmanas seja severo.
Em um estudo encomendado pela Portas Abertas sobre a perseguição cristã em terras muçulmanas em junho de 2013, Lela relatou: "Sexualidade feminina é geralmente entendida como uma força poderosa e perigosa, uma ameaça predatória para a espiritualidade masculina e honra da família. Um elemento feminino exige supervisão rigorosa e, por causa de seu menor valor e estatuto jurídico, traz grave perigo para mulheres."
Um terceiro princípio é o conceito de Kafir, ou seja, um homem que não é mulçumano. Segundo o que Jacob escreveu em um relatório para a Portas Abertas em outubro de 2014, a palavra Kafir, em árabe, traduzida literalmente significa "infiel". Assim, sendo uma mulher ou uma menina, "um Kafir" faz com que as mulheres e meninas de minorias religiosas (ou outras vertentes do islã) estejam extremamente vulneráveis ??aos grupos islâmicos radicais. Mulheres e meninas cristãs, sem dúvida, têm sido parte das vítimas do Estado Islâmico".
Pedido de oração
Ore pelas meninas e mulheres que estão enfrentando situações de risco, com suas vidas ameaçadas e sendo, constantemente, violentadas por integrantes do Estado Islâmico.

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...