terça-feira, 29 de setembro de 2015

O SEGUNDO PECADO DE DAVI


Por que Deus foi tão severo com o povo de Israel quando foi Davi que pecou ao numerá-lo?

Davi, como bom pastor, é uma figura de Cristo no Velho Testamento. Quando ainda muito jovem ele cuidava do rebanho de ovelhas do seu pai, e aprendera a cultivar as virtudes necessárias para ser um bom pastor. Nisso Deus o preparou para mais tarde ser o rei de Israel, e pastorear aquele Seu rebanho. Foi também o aprendizado pelo qual passaram Moisés e o profeta Amós.
Depois de ser ungido e aclamado rei, Davi expulsou os inimigos que oprimiam o povo, ganhou para eles uma capital, Jerusalém, onde consolidou o culto a Deus no tabernáculo, levou para lá a arca do concerto com grande júbilo e instituiu ordem nas fileiras de sacerdotes e levitas, corais e acompanhamento instrumental. Dotado ele próprio de grande talento poético e musical, ele compôs grande parte dos salmos (literalmente: o arranhar dos instrumentos de cordas), inclusive o célebre Salmo 23 que trata do Senhor como Bom Pastor.
A sua fidelidade ao SENHOR, o Deus de Israel, e ao cumprimento das Suas leis e preceitos foi exemplar, ao ponto de ser o alto padrão mediante o qual foram medidos todos os seus descendentes no trono de Judá. Embora fosse um homem segundo o coração de Deus, ele tropeçou algumas vezes, e dois dos seus pecados, revelados na Bíblia, se salientam pelas conseqüências funestas que lhe trouxeram.
O primeiro (2 Samuel 11) nos escandaliza por causa da imoralidade de Davi e nos espanta pela solução encontrada por ele na morte de Urias. Aos olhos de Deus, porém, a gravidade maior foi a injustiça praticada por Davi. Essa injustiça foi ilustrada pela parábola do profeta Natã (2 Samuel 12:1-4). Davi se enfureceu com o rico da parábola, dizendo que era digno de morte por ter matado a única cordeira de estimação do pobre (notem o objeto - uma ovelha - o que mais tocaria o coração de um pastor). Quando Natã mostrou que Davi havia feito o mesmo que o rico, ao matar Urias e tomar para si a sua mulher, ele percebeu a maldade do que havia feito, confessou o seu pecado e o Senhor o perdoou.
Mas as conseqüências vieram mais tarde com o escândalo promovido pelo seu filho Absalão, e a morte da criança que teve com a mulher de Urias. É um dos exemplos onde vemos que, embora Deus perdoe o pecador arrependido, maus efeitos ainda poderão surgir do seu pecado.
O seu segundo pecado (2 Samuel 24 e 1 Crônicas 21) foi muito mais sério e devastador em suas conseqüências, e é evidenciado ainda mais por ser também mencionado no livro de Crônicas.
Para respondermos à presente pergunta, devemos nos referir a esses dois capítulos. Nos primeiros versículos, encontramos o que parece ser uma discrepância: “A ira do SENHOR se tornou a acender contra Israel, e ele incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá” - (2 Samuel 24:1). Se Davi estava obedecendo a uma ordem do SENHOR, como poderia estar pecando?
No entanto, lemos em 1 Crônicas 21:1: “Então, Satanás se levantou contra Israel e incitou Davi a numerar a Israel.” Combinando os dois, descobrimos que “A ira do SENHOR se tornou a acender contra Israel, “e com a Sua permissão” Satanás se levantou contra Israel e incitou Davi a numerar a Israel” (que incluía Judá naquele tempo). Compreendemos assim que:
  1. A ira do SENHOR se tornou a acender contra Israel: não nos é dito o motivo, nem quando, mas é certo que o povo de Israel como um todo estava seriamente em falta e precisava de um corretivo.
  2. Para punir Israel, o SENHOR usou Satanás para tentar o seu rei. Satanás não podia tocar em Israel sem ter a permissão de Deus, mas teve a perspicácia de ver que através do seu rei Davi ele poderia subverter o povo. Então Satanás instigou Davi, não sabemos como, para numerar o povo.
Davi foi tentado e Satanás deve ter observado que, naquela altura dos acontecimentos, Davi aparentemente tinha dois pontos fracos: auto-satisfação e falta de confiança em Deus. Houve grande sutileza na tentação, pois o ato de numerar o povo não era pecaminoso, desde que fosse de acordo com a vontade de Deus.
Tudo indica que o recenseamento foi motivado pelo desejo de Davi em conhecer o efetivo do seu exército, para aquilatar o seu poder de combate, esquecendo-se que as vitórias foram obtidas unicamente mediante a graça e o poder de Deus.
Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas. Mas o que se gloriar glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR” (Jeremias 9:23-24). O SENHOR não Se agradou quando Davi mandou contar o povo, porque Davi não estava se gloriando no SENHOR, mas em sua força. O que o motivou foi então o pecado de descrença. Davi estava confiando em números ao invés de confiar em Deus. O SENHOR havia dado instruções a Moisés sobre o recenseamento do povo: quando fosse feito, cada um dos recenseados tinha que pagar o resgate de meio siclo como oferta ao SENHOR, para que não houvesse praga entre o povo (Êxodo 30:11-15). Não vemos menção disto aqui e é possível que tenha sido esquecido.
Tantas vezes Davi havia consultado o SENHOR sobre importantes medidas que devia tomar e o SENHOR lhe dera a resposta. Desta vez ele não consultou o SENHOR, mesmo quando Joabe procurou demovê-lo, percebendo o motivo pecaminoso de Davi.
Não tendo conseguido dissuadir Davi, Joabe levou avante o recenseamento, mas não o fez por completo porque “a palavra do rei foi abominável a Joabe”, ele só contou os homens hábeis para a guerra e omitiu os das tribos de Levi e Benjamim.
Deus mostrou Seu desagrado ferindo a Israel. Davi então percebeu o alcance do seu pecado, e pediu que Deus tirasse a iniqüidade dele, pois procedera loucamente. Mas já era tarde! Entre os três castigos que o SENHOR lhe propôs, Davi optou por cair ele próprio “nas mãos do SENHOR, pois são grandes as Suas misericórdias”. Porém o SENHOR mandou uma peste a Israel, mas a deteve em Jerusalém, onde Davi ofereceu um holocausto e ofertas pacíficas a mandado do SENHOR.
Concluindo, vemos que tudo surgiu porque Deus Se desagradou com o povo, e o povo foi castigado quando as causas foram descobertas: a auto-satisfação e a falta de confiança para com Deus, demonstradas pelo seu rei. Davi, embora não tivesse sofrido fisicamente, ficou angustiado por causa do sofrimento do povo, por um pecado que ele atribuiu a si próprio: “Não sou eu o que disse que se contasse o povo? E eu mesmo sou o que pequei e fiz muito mal; mas estas ovelhas que fizeram? Ah! SENHOR, meu Deus, seja a tua mão contra mim e contra a casa de meu pai e não para castigo de teu povo”. Era o bom pastor agoniado sentindo-se responsável pelo sofrimento das suas ovelhas.
Nunca confiemos em estatísticas para verificarmos a “nossa” vitória espiritual, os “nossos” recursos materiais e espirituais, o número das “nossas” igrejas, para então nos regozijarmos em “nossos” esforços. Isto depõe contra nossa dependência no Senhor da seara e nos faz confiar em nossas próprias forças. “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela” (Salmo 127:1). Como é perigoso fazer do ministério um ídolo, e tornar a obra mais importante do que o Senhor da seara.
Quantas vezes, nas reuniões administrativas de nossas igrejas locais, deixamos de mencionar as bênçãos materiais e espirituais recebidas para nos envolver inteiramente em contar os fundos disponíveis, o número de batismos durante o período e quantos membros a mais foram adquiridos. Se os algarismos nos contentam, achamos que foi uma grande vitória espiritual de nossa parte, enquanto que, ao invés disso, poderia se constituir na pior coisa possível de acontecer: deixar de ser uma igreja espiritual para se tornar num clube carnal.
Davi sabia que estaria bem nas mãos de Deus. Confiemos também nEle quando passamos por provações. “O Senhor corrige o que ama e açoita a qualquer que recebe por filho” (Hebreus 12:6).

Nenhum comentário: