segunda-feira, 9 de novembro de 2015

“Na Avenida Paulista, comunidade judaica faz ato pela paz em Israel

Foi realizado em São Paulo, na Avenida Paulista, em frente ao MASP, um ato e apoio e solidariedade
as pessoas do Estado de Israel (Foto: Rovena Rosa/)
São Paulo - Foi realizado em São Paulo, na Avenida Paulista, em frente ao MASP, um ato e apoio e solidariedade as pessoas do Estado de Israel (Rovena Rosa/Agência Brasil)
Dezenas de balões nas cores azul e branco, simbolizando a bandeira de Israel, foram soltos no fim da manhã de hoje (8), em frente ao prédio do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, em manifestação pela paz e contra os atos terroristas no conflito entre judeus e palestinos.
Cerca de 250 pessoas participaram do ato, segundo a Polícia Militar. Os organizadores estimam em 1mil participantes.
Durante o ato, que ocorreu simultaneamente em Porto Alegre, Belém, no Recife, em Fortaleza e em Natal, foram entoados, além dos hinos do Brasil e de Israel, canções folclóricas em hebraico, além de apresentações de danças típicas do povo judeu.
Um dos coordenadores da manifestação, Persio Beier, presidente da Juventude Judaico Organizada, disse que o ato teve o objetivo de mostrar que a comunidade judaica tem orgulho de sua origem. Ele queixou-se da cobertura que a mídia faz dos conflitos, defendendo que o tema deve ser tratado com cuidado para que não haja interpretações tendenciosas.
Em discurso, Beier destacou que “violência gera violência” e que não é condenável as ações nas quais são assassinados cidadãos em Israel e que tanto o povo judeu quanto os palestinos merecem viver em paz.
No decorrer da manifestação, um ciclista passou e gritou: “Além de invadir a Palestina. Vem invadir a Paulista”. Ele foi vaiado pelos manifestantes. O ciclista passou rapidamente e desapareceu entre outros que passeavam de bicicleta fora da faixa exclusiva.”

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...