domingo, 6 de dezembro de 2015

Chanucá

Velas de Chanukah
Diferente da maioria das festividades Judaicas, a origem de Chanucá não está na Bíblia, mas em eventos que aconteceram mais tarde. Esta é uma festa que tem a duração de oito dias e começa no 25º dia do mês Hebraico de Kislev (normalmente em Dezembro). Não existem dias completamente sagrados, portanto o comércio fica aberto como sempre.

Chanucá marca o evento histórico que aconteceu no período Selêucida, no século 2 AC. Alguns reis Selêucidas (a dinastia que sucedeu a Alexandre, o Grande, e que tinha sua base na Síria) tentaram forçar os Judeus na Terra de Israel a adotarem certos costumes, que eram contra as leis do Judaísmo. O pior decreto foi quando o rei Antiochus IV ordenou a instalação de uma estátua no Templo Sagrado em Jerusalém.

Em 167 AC, os Judeus revoltaram-se contra o regime greco-selêucida. Alguns líderes da revolta, os Hasmoneus ou Macabeus, eram filhos de Matityahu, o Sumo Sacerdote. Em 164 AC, sob a liderança de Yehudá o macabeu, a revolta alcançou o seu clímax com a liberação de Jerusalém das regras estrangeiras, incluindo o Templo Sagrado. Os eventos estão documentados em algumas fontes históricas escritas no final do século 2 EC, algumas décadas depois da revolta. De acordo com a tradição Judaica, a festa de Chanucá foi instituída por Yehudá, o Macabeu.

As festividades têm a duração de oito dias, comemorando as celebrações de purificação e dedicação ao Templo Sagrado, e ao milagre recordado nessas tradições. Quando os Macabeus procuraram por óleo santo para acender o candelabro no Templo, eles encontraram apenas um pequeno frasco cujo lacre não havia sido quebrado e, portanto, ainda estava puro. O óleo do frasco era suficiente para um dia apenas, mas um milagre aconteceu e o óleo queimou por oito dias. Além do elemento de heroísmo marcado pela festa, Chanucá também possui o tema das luzes contra a escuridão, por isso Chanucá também é chamada de Festa das Luzes.

Nos tempos modernos, Chanucá foi adotado como símbolo da luta dos Judeus contra seus inimigos tanto no nível religioso como no nacional. Hoje em dia algumas pessoas enfatizam o lado religioso e miraculoso da festa, enquanto outros focam no aspecto de vitória nacional. Em qualquer evento, está é uma festa cheia de alegria e é especialmente favorita pelas crianças.

Costumes da Festa

Acendimento das Velas – Durante os oito dias de Chanucá acendem-se velas em uma Chanukiá, um candelabro com oito braços enfileirados, e um suporte de velas extra chamado de Shamash, de onde as outras velas são acesas.
 
Em cada noite de Chanucá uma vela a mais é acesa, começando com uma na primeira noite, duas na segunda e assim sucessivamente. O shamash é sempre aceso também, dessa forma na prática duas velas são acesas na primeira noite, três na segunda e etc. A Chanukiá é colocada no parapeito da janela ou em algum local visível, e é proibido usar a luz para qualquer finalidade. Uma pequena oração é recitada sobre as luzes das velas, uma cerimônia onde as crianças são incluídas e logo depois começam a cantar as canções de Chanucá.
 
Bolinhos doces de geléia (sufganiot) e batatas - Outro costume de Chanucá é o de comer pratos especiais, principalmente aqueles fritos em óleo como bolinhos ou batatas.
 
Piões – as crianças brincam com piões de quatro lados marcados com as iniciais Hebraicas - Grande Milagre Aconteceu Aqui. Também é costume dar às crianças algum “Chanucá guelt”, dinheiro pra comprarem doces e brinquedos.

Informação Importante

A festa de Chanucá não é ordenada pela Torá e é relativamente menor pela perspectiva da santidade, portanto muitos estabelecimentos comerciais ficam normalmente abertos. Para vivenciar um pouco do espírito desta festividade, tente experimentar as comidas tradicionais, particularmente os sufganiot – um tipo de bolinho geralmente recheado com geléia, mas também com outros tipos de recheios doces.
 
Se você estiver em Jerusalém durante a festa de Chanucá, vale a pena dar uma volta entre os bairros ultra-ortodoxos, como o Mea She’arim, e você verá centenas de Chanukias acesas nas janelas das casas

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...