sábado, 23 de abril de 2016

68% dos homens que frequentam igrejas veem pornografia

Um relatório denominado The Phenomenon Porn [Fenômeno da Pornografia] revela que a pornografia está “se espalhando como uma epidemia”. Divulgado pelo Grupo Barna, voltado para o público cristão, o material traz dados alarmantes. Cerca de 68% dos homens que frequentam igrejas acessam alguma forma de pornografia regularmente.
O estudo foi encomendado pelo conhecido apologeta e pastor Josh McDowell. Segundo o material, entre os jovens de 18 a 24 anos de idade, 76% dos cristãos procuram ativamente por pornografia, sobretudo na internet. Além disso, 49% afirmam saber que todos, ou a maioria de seus amigos, fazem o mesmo.
Um dado que chamou atenção é o fato de que 33% das mulheres entre 13 e 24 anos acessam conteúdo pornográfico regularmente.
Parece que as igrejas ainda não estão preparadas para lidar com esta questão. Apenas 9% dos membros de igreja e 7% dos pastores afirmam possuir algum tipo de programa em sua igreja para auxiliar pessoas que lutam contra o vício em pornografia.

Líderes também são afetados

No início deste ano, o Grupo Barna divulgou uma outra pesquisa, focada nos líderes evangélicos dos Estados Unidos. Quatorze por cento dos pastores mais velhos e 21% dos jovens pastores lutam contra a pornografia. O Josh McDowell Ministries e a organização Covenant Eyes, estão divulgando um software para “filtrar” conteúdo impróprio na internet.
Uma das conclusões do estudo é que a exposição à pornografia – tanto a acidental, quanto a intencional, aumentou na era da internet. Os líderes religiosos que participaram do estudo admitiram já receberam e-mails não solicitados com conteúdo adulto ou viram alguma imagem dessas em janelas “pop up” que abriram sem o seu consentimento.
Pastores de jovens afirmaram que já visualizaram conteúdo sexual indesejado nas redes sociais como o Twitter ou Instagram.
A pesquisa do Instituto Barna indica que mais da metade dos pastores (57%) e 64% dos pastores de jovens que participaram do estudo disseram que já tinham lutado com a pornografia no passado ou ainda estão lutando com ela. Mais da metade (55%) deles admitiu que vive constantemente com medo de ser descoberto. Com informações de Charisma News

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...