Pular para o conteúdo principal

Deputado Sóstenes Cavalcante fala sobre desentendimento entre Edir Macedo e Malafaia


Uma aliança entre quatro forças evangélicas promete potencializar a Bancada da Bíblia em Brasília, formada por 92 deputados. Quem avalia o cenário é o deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), ligado ao pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo. No partido, ainda estão Marcos Soares, filho de R.R. Soares, da Igreja Internacional da Graça de Deus, e Francisco Floriano, da Igreja Mundial, do Pastor Valdemiro. Além disso, Malafaia, como conta Sóstenes, reaproximou-se do grupo político de Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, ao festejar com Marcelo Crivella (PRB) sua vitória no Rio. Em entrevista no escritório do deputado, na Barra, ele falou sobre os planos políticos de Malafaia, que incluem apoio a Eduardo Paes (PMDB) para o governo do estado em 2018 e a Jair Bolsonaro (PSC-RJ) na eleição para a Presidência.

Qual a força dessa união das lideranças religiosas?
Imagem redimensionadaRepresentamos 70% do segmento evangélico. Isso daria 20% a 25% dos eleitores, algo a ser considerado para qualquer tipo de eleição. Marcos Pereira (presidente nacional do PRB), no dia da vitória de Crivella, começou a conversar com os pastores para pensar apoios mútuos para compor candidaturas daqui a dois anos. O PRB tem alguns interesses, Pastor Silas tem outros, assim como R.R. e Valdemiro.

Quem é o nome preferido do pastor Silas Malafaia para o governo do Rio em 2018?
Eduardo Paes pode ser um dos candidatos. Pastor Silas tem apreço por ele. Logicamente, tem que sair ileso da Lava Jato, que é pelo que a gente torce. Outro que saiu fortalecido da eleição municipal com chance para disputar o governo do estado é Indio da Costa (PSD). Fez uma candidatura solitária. O partido era a segunda bancada do Rio, mas saímos todos do PSD. Eu, por causa do impeachment, e os outros, para enfraquecê-lo e apoiar o PMDB. Foi uma ordem do partido. A terceira opção seria alguém como o prefeito de São Paulo (João Dória, do PSDB), de fora da política. Um que apoiaríamos seria Bernardinho.

E para a Presidência?
A simpatia de Pastor Silas é por uma candidatura mais ligada à direita ou de centro-direita. Ele apoiaria Bolsonaro. Mas não desgosta da ideia de apoiar o (senador) Ronaldo Caiado (DEM-GO), que não decidiu ainda se concorrerá e deve definir até março.

Por que Edir Macedo e Silas Malafaia se distanciaram?
Houve um desentendimento entre Silas Malafaia e Edir Macedo na primeira eleição de Dilma. Soubemos de uma reunião, naquele ano, no Palácio no Planalto, para identificar por que Dilma não ganhou com mais folga. Foram verificados dois pontos: o caso Erenice Guerra e a rejeição que Dilma encontrou no segmento evangélico. Atribuiu-se isso ao pastor Silas Malafaia, que tinha programas na TV. O Palácio, então, decidiu reunir seis evangélicos para rodar o Brasil em aviões fretados para desdemonizar Dilma no segmento. Entre eles, estavam Crivella, Magno Malta e Everaldo Pereira. No dia seguinte, Edir Macedo publicou um artigo descendo a marreta em Pastor Silas, que ficou chateado e gravou um vídeo contra a Record.

Como foi a aproximação de Silas com Marcelo Crivella?
Foi na eleição para a prefeitura. Fiz a interlocução. Cinco meses antes da eleição, Pastor Silas me garantiu que não iria bater em Crivella. No segundo turno, a gente não ia apoiar Freixo (PSOL). Depois da vitória nas urnas, o senador convidou o pastor para a festa. Ali, concretizou-se a volta.

O senhor é a favor da criminalização da homofobia?
Tenho dificuldade para confiar nos dados do governo petista. Dilma foi afastada justamente porque fraudou números. Acho que os números de crime de homofobia são manipulados. Tem que se definir o que é um crime passional e o que é crime por causa da opção sexual. Entretanto, uma vida para mim tem o valor de milhares. Vida é vida, seja de quem for, inclusive de quem tem outra opção sexual. Temos que criar no país um endurecimento de leis contra todo e qualquer tipo de preconceito. Temos várias leis de preconceito racial. Agora, não dá para criar uma lei específica para opção sexual e esquecer outros tipos de preconceitos, contra gordos, magros, pessoas com nariz grande, orelha grande...

O senhor não acredita que o preconceito contra homossexuais é mais violento do que contra quem tem nariz grande?
Não tenho essa convicção. Precisamos fazer estudos sobre isso para saber o real número de casos. A forma como o movimento LGBT tentou impor a pauta criou o distanciamento dos evangélicos.

O que o senhor achou da condução coercitiva de Pastor Silas Malafaia à Polícia Federal?
Estamos tentando articular para que a lei de abusos de poder do Judiciário seja a Lei Silas Malafaia. Foi um absurdo. Acreditamos totalmente na inocência dele. Não só por esse caso, mas vamos articular um projeto equilibrado.

Fonte: Jornal Extra

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ILLUMINATIS , QUEM SERIA O LIDER DELES NO BRASIL ?

ENTENDA MAIS SOBRE LO-DEBAR “Lo-Debar, nunca mais” (II Samuel 9: 1-13) nos links

COMO FAZER UM ESBOÇO PARA PREGAÇÃO - Aprendendo a fazer um esboço de pregação.