quinta-feira, 2 de outubro de 2014

ERA SÓ O QUE FALTAVA - Manoel Ferreira questiona conversão de Marina e diz que Dilma é a melhor escolha

Embora seja missionária da Assembleia de Deus, Marina Silva (PSB) não conta com o apoio de todos os segmentos dessa denominação. Diferentes líderes evangélicos já declararam seu voto em Marina, ainda que alguns só o farão no segundo turno.
Ao mesmo tempo, Dilma Rousseff angariou poucos aliados de peso entre os evangélicos. Com exceção de Edir Macedo, que tem no PRB seu braço político e faz parte da base de governo desde os tempos de Lula, apesar de não ter manifesto apoio à reeleição de Dilma este ano. Surgiu ainda um movimento espontâneo de apoio de evangélicos na internet, mas cujos resultados beiram o cômico.
Agora, o bispo Manoel Ferreira, da Assembleia de Deus Ministério Madureira, entrou de vez na campanha de Dilma. O canal oficial da presidente publicou um vídeo de dois minutos com uma fala contundente do bispo. O presidente vitalício da Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil inicia questionando se Marina realmente é evangélica, dizendo nunca tê-la visto declarar isso publicamente.
Em seguida, usa de ironia ao dizer “E se é, o programa dela contraria tremendamente”. Afirmou que Marina não foi uma boa ministra, mas que, mesmo assim, poderia escolhê-la para pastorear uma das igrejas da convenção que dirige. Uma declaração que lança dúvidas sobre os critérios para a escolha dos líderes dentro de sua denominação.
Para Ferreira, “as obras [de Dilma] falam mais que as palavras”. Em um rompante de lealdade, comparou a sucessão de obras inacabadas do governo (prometidas pelos PACs elaborados por Dilma) à criação do mundo relatada em Gênesis. Dizendo-se satisfeito com o governo atual, Ferreira posiciona-se claramente a favor da continuidade do PT no poder.
Ignora assim, todas as críticas que Dilma recebeu por ter traído as promessas feitas aos evangélicos durante a campanha de 2010. Na ocasião, ela afirmou que caso fosse eleita não iria abordar temas polêmicos como o casamento gay, a legalização do aborto, ou qualquer tipo de restrição à liberdade de culto.
Também destoa do coordenador político da CGADB, Lélis Marinho, que escreveu recentemente sobre eleições no jornal “Mensageiro da Paz”. O artigo tinha como objetivo orientar o voto dos fiéis e combater a reeleição da presidente Dilma Rousseff mostrando as “terríveis propostas” do PT que vão contra a crença dos evangélicos.
Assista:

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...