segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Cassação de Marisa Lobo é anulada e psicóloga cristã comemora: `Resposta de Deus´

Na última quinta-feira, 06/11, a Justiça Federal anulou o processo administrativo do Conselho Regional de Psicologia do Paraná, que havia resultado inicialmente na cassação do registro profissional da psicóloga cristã Marisa Lobo. O mandado de segurança foi expedido pelo juiz federal Cláudio Roberto da Silva.
Entre as acusações que contribuíram para este processo de cassação da licença da psicóloga, o Conselho alegou que Marisa teria fundamentado suas práticas profissionais em dogmas religiosos e chegando a oferecer a tão polêmica "cura gay" a pacientes homossexuais. Posteriormente, a questão da cura gay chegou a ser retirada do processo, porém as acusações de proselitismo religioso foram mantidas.
A decisão do Conselho de Psicologia ocorreu em Maio deste ano (2014) e foi duramente criticada por diversos representantes cristãos.
Para o advogado de defesa de Marisa, Gustavo Kfouri, a decisão mais recente (de anular o processo) mostra que, apesar dos Conselhos deterem a prerrogativa da utilização dos poderes de polícia e disciplinar, eles se encontram submetidos aos limites constitucionais.
“O Conselho tem limites. Ele não pode impor regras não previstas em lei e cercear as liberdades de expressão e de religião”, explica Kfouri.
O Conselho Regional de Psicologia do Paraná informou que ainda não foi notificado da decisão judicial, mas que o Conselho Federal deverá se pronunciar sobre o caso.
Em entrevista ao Portal Guiame, Marisa reforçou o caráter de perseguição religiosa que o caso ganhou.
"Desde o começo eles (Conselho) inventaram a questão da cura gay, porque eu falo tecnicamente contra a ideologia de gênero e outras aberrações que o Conselho quer enfiar goela abaixo de todo o povo. O Conselho me perseguiu, porque eu o estava denunciando e não por causa de 'cura gay' - tanto que eles mesmos tiraram isto do processo e se focaram contra a questão da psicologia cristã. Então ficou claro que era um caso de perseguição religiosa", disse.
Arquivo
No dia 27 de agosto (dia do psicólogo) deste ano, Marisa recebeu diversos ataques / ofensas de internautas, em seus perfis das redes sociais (Twitter / Facebook).
"O que mais me deixava maluca era quando eles perguntavam: 'Cadê o teu Deus?' ou me diziam coisas do tipo: 'Manda o teu Deus descer da cruz para te ajudar'. Eis a resposta: Se o meu Deus estava em silência, era porque Ele estava trabalhando e agora Ele deu a resposta", finalizou.




INF.MARISA  LOBO

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...