quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

ESTÃO DE BRINCADEIRA - ONU pressiona Israel a se desarmar



ONU pressiona Israel a se desarmarA Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou por ampla maioria de votos uma resolução defendida pelas nações árabes para que Israel desarme suas armas nucleares. O governo israelense deverá colocar imediatamente suas instalações nucleares sob supervisão internacional. Mais especificamente a Agência de Energia Atômica da ONU (AIEA).
Com 165 votos favoráveis – com 5 contrários e 18 abstenções – o documento aprovado defende que Israel é o único país do Oriente Médio que não faz parte do tratado de não-proliferação de armas nucleares. Por isso, Israel deve “aderir ao tratado sem demora, para que não possa desenvolver, produzir, testar ou adquirir armas nucleares, devendo renunciar à posse de armas atômicas”. Os EUA continuam sendo o maior aliado de Israel, mas ficou nítido que isso não influencia outras nações.
A medida, apresentada pelo Egito, reforça uma proposta árabe semelhante que não conseguiu ser aprovado na reunião da AIEA em setembro. Israel criticou os países árabes por minarem o diálogo com o Estado judeu nas arenas internacionais.
Curiosamente, a resolução da ONU é intitulada “O risco de proliferação nuclear no Oriente Médio”, exigindo que a região seja uma zona livre de armas nucleares. Em sua defesa, Israel mantém o discurso de que um plano completo de paz entre palestinos e israelenses deve preceder qualquer criação de uma zona livre de armas de destruição em massa. Lembrou ainda que o programa nuclear iraniano é uma ameaça real, embora o Irã negue, mas a cobrança da ONU em relação a eles é menos enfática.
A resolução das nações unidas ocorre em um momento onde Israel sofre intensa pressão externa para o reconhecimento da Palestina como Estado independente. O enfraquecimento de seu poderio militar diante de tantas ameaças de guerra gera apreensão.
É crescente o número de embaixadas e representações diplomáticas palestinas espalhadas pelo mundo. Em outubro, a Suécia se juntou a Bulgária, Romênia, Polônia, República Tcheca e Hungria no reconhecimento da Palestina. Os parlamentos do Reino Unido, Irlanda e Espanha declararam ser a favor de fazer o mesmo. O Parlamento Europeu estuda um possível reconhecimento para 2015.
Quando ainda sonhava com uma vaga no Conselho de Segurança da ONU, o Brasil havia reconhecido a Palestina em 2010, quando Lula era o presidente. Com informações de ABC News

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...