segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Em biografia, Andressa Urach detalha vida como prostituta até com religiosos


Em seu livro, Andressa Urach revela que seu nome de guerra era "Ímola", que foi uma das prostitutas mais bem pagas do Brasil tendo se relacionado, inclusive, com religiosos.

Em biografia, Andressa Urach revela que era conhecida pelo nome de guerra "Ímola" e alega ter sido uma das prostitutas mais bem pagas do Brasil - atuando principalmente no Rio Grande do Sul, onde nasceu.

Imagem redimensionadaNo livro escrito pelo vice-presidente de jornalismo da Record, Douglas Tavolaro, a vice-miss bumbum 2008 fala sobre sua obsessão por dinheiro, sucesso, cirurgias plásticas e drogas. Ela também relata como foi o convívio com um pedófilo em sua infância.

A obra promete ainda detalhes da prostituição de luxo, que além de jogadores de futebol e artistas famosos, inclui religiosos.

"Confesso que foi preciso coragem para contar tudo. Venci a vergonha de um passado sujo para tentar estender a mão para quem se considera em um beco sem saída", disse, na rede social.

Publicado pela editora Planeta, o lançamento está previsto para o final de agosto e terá um milhão de tiragem.

Convertida

Imagem redimensionadaApós ser internada em estado grave por conta de uma infecção provocada pelo uso de hidrogel nas pernas, Andressa virou evangélica e abandonou o lado sensual, até então, sua marca registrada. Em fevereiro deste ano, pouco tempo depois de passar quase um mês internada, a apresentadora foi batizada na Igreja Universal. Atualmente, ela frequenta a igreja do bispo Edir Macedo e é repórter do "Domingo Show", da Record.

Em dezembro do ano passado, ela passou 25 dias internada na UTI do hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre, e chegou a ficar em coma com quadro de sepse (infecção generalizada) por conta da inflamação nas pernas.

"A inacreditável experiência de quase morte no coma. Os dias de internação no limite da vida. A sobrevivência e sua jornada em busca de redenção", diz um trecho da contracapa.

Fonte: UOL

Nenhum comentário:

Pastor é sequestrado e queimado vivo com as mãos amarradas, na África

Martin Beneke, de 45 anos, era pastor sênior e fundador da Life in Christ Network. O corpo de um pastor sul-africano foi encontrado tot...