sexta-feira, 17 de março de 2017

Igreja anglicana recebeu mais de mil denúncias de abusos sexuais



A Igreja Anglicana da Austrália recebeu mais de 1.115 queixas de abusos sexuais por parte de clero ou figuras ligadas à instituição no espaço de 35 anos, entre 1980 e 2015.

Os dados foram revelados no âmbito da Comissão de Inquérito que ao longo das últimas semanas tem apresentado conclusões sobre o panorama de abusos sexuais de crianças no país. A Igreja Católica já foi alvo de análise, revelando-se a existência de mais de quatro mil queixas no mesmo espaço de tempo. Os católicos na Austrália representam cerca de 23% da população e os anglicanos cerca de 17%.

As queixas contra a Igreja Anglicana envolvem 569 figuras ligadas à Igreja, incluindo 247 membros do clero, segundo dados da comissão, citados pela BBC, e responsáveis da Igreja admitem que em várias situações tentaram encobrir os casos para salvaguardar a reputação da Igreja.

“Gostaria de exprimir o meu sentido de vergonha e tristeza pela forma como as vozes dos sobreviventes foram muitas vezes silenciadas e os interesses da Igreja colocados em primeiro lugar”, afirmou o arcebispo de Melbourne, Philip Freier, na comissão.

Segundo os dados revelados pela comissão, as 1.115 queixas foram feitas por 1.082 pessoas e a idade média das vítimas era de 11 anos, sendo 75% rapazes. Em média levou 29 anos para que cada queixa fosse tornada pública. Apenas uma das 23 dioceses anglicanas da Austrália não teve qualquer queixa, todas as outras tiveram pelo menos uma e dos 84 alegados abusadores que foram referidos à polícia apenas quatro foram já constituídos arguidos, estando 23 ainda sob investigação.
Imagem redimensionadaUm dos testemunhos que a Comissão ouviu foi do bispo Greg Thompson, de Newcastle, na Austrália. O bispo admitiu que foi abusado quando era mais novo e que durante a sua vida sofreu pressões para não falar publicamente sobre o assunto, admitindo que essas pressões tinham afetado a sua saúde.

A secretária-geral do sínodo dos bispos anglicanos da Austrália admitiu que a Igreja errou ao tentar silenciar as vítimas. “Testemunhamos em primeira mão o sofrimento daqueles que partilharam as suas histórias. Vimos nas suas caras e ouvimos nas suas vozes não só a dor do abuso que sofreram em crianças, mas os danos acrescidos que lhes infligimos quando em adultos vieram procurar justiça e conforto e nós os afastamos”, disse Anne Hywood.

Fonte: Renascença - Portugal

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...