quinta-feira, 16 de março de 2017

Terroristas invadem casa de cristão e matam sua esposa e filho na Somália


Uma família da Somália que vivia secretamente como cristãos convertidos ao cristianismo teve sua casa invadida por extremistas islâmicos. Acredita-se que os assassinos sejam afiliados ao grupo terrorista Al-Shabaab que tem relações com a Al Qaeda.
A Morningstar News, uma organização cujos funcionários relatam sobre a perseguição de cristãos em todo o mundo, declarou que quatro terroristas invadiram a casa de Suleiman Abdiwahabin durante a noite do dia 10 de fevereiro. A casa está localizada em uma cidade que fica a 20 milhas de Mogadíscio.
Suleiman, de 38 anos, e sua família estavam dormindo quando os extremistas quebraram a porta da frente, entraram na casa e atiraram nele, em sua esposa de 35 anos, Faduma Osman, e em seu filho de 11 anos, Ahmed Suleiman.
Embora Suleiman tenha sobrevivido aos ferimentos de tiro, sua esposa e seu filho morreram. As duas filhas de Suleiman e o filho de 9 anos correram pela porta de trás e sobreviveram. "Os terroristas dispararam vários tiros, depois destruíram a porta com um grande objeto metálico e entraram na casa", disse Suleiman em entrevista. "Eles atiraram aleatoriamente em todos".
Religião estrangeira
Suleiman disse que os militantes gritaram "Allahu Akbar" (Alá é maior) ao cometer os crimes, relata o site The Christian Post. Ele lembrou o que os militantes diziam: "Não podemos permitir que a corrupção de outra religião contamine a nossa".
Fontes disseram que vizinhos encontraram Suleiman, sua esposa e filho deitados em poças de sangue e levaram ele para um hospital local em Afgoi, depois de perceber que ele ainda estava vivo. Suleiman foi transportado mais tarde para um centro médico em Mogadishu para o tratamento avançado.
O cristão se mudou para um abrigo por razões de segurança. “Suleiman, graças a Deus, sobreviveu e está se recuperando de graves ferimentos", disse uma fonte à Morningstar News. Com a presença de al-Shabaab na Somália, o país africano classifica-se como o segundo pior país do mundo quando se trata da perseguição de cristãos.
"Cristãos convertidos no país têm enfrentado uma grande perseguição, e o massacre a esse povo é muito comum", declara o Ministério Portas Abertas sobre a Somália. "A mera suspeita de alguém ter renunciado o Islã leva a uma execução pública", finalizou.

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...