sábado, 11 de março de 2017

Vaticano inicia acordo com China e ignora cristãos perseguidos

Imagem redimensionada

Relatórios sobre o estreitamento de relações entre o Partido Comunista Ateísta da China e o Vaticano têm sido recebidos com grande preocupação por alguns grupos de apoio à Igreja Perseguida, que estão alertando que a perseguição contra os cristãos poderia piorar ainda mais.

"Uma parceria entre o Vaticano e o governo chinês iria piorar a vida dos cristãos e a situação das igrejas domésticas. O Partido Comunista já tem como alvo os clérigos que não são ordenados pelo Estado, que são considerados ilegítimos, o que leva à perseguição destes. Agora, com o apoio do Vaticano, eles terão uma desculpa a mais para intensificar isso", disse Bob Fu - presidente da 'China Aid' - ao 'Christian Post' em uma entrevista no início desta semana.

"Eles [Partido Comunista] também podem se sentir encorajados em sua perseguição aos cristãos que praticam sua fé fora das igrejas autorizadas pelo governo, uma vez que tal união seria o selo de aprovação do Vaticano para a abordagem do Partido para o cristianismo".

Uma matéria da CNN na semana passada destacou que o Vaticano e o Partido Comunista poderiam estar se aproximando de um "acordo potencialmente histórico" sobre a ordenação de bispos chineses, o que poderia dar um fim a "décadas de distanciamento".

Durante décadas, o Partido Comunista recusou a autoridade do papa, com órgãos católicos chineses locais nomeando seus próprios bispos - uma medida à qual o Vaticano se opunha.

Além disso, o governo chinês introduziu leis restritivas, como as Regras Revisadas sobre Assuntos Religiosos, que busca forçar as igrejas domésticas (inclusive as evangélicas) a se juntarem à denominação do 'Movimento Patriótico dos Três Estados'. As igrejas que se recusam a atender esta exigência são proibidas de continuar com suas atividades.

Líderes de igrejas subterrâneas, que há anos enfrentam uma repressão à sua fé, também não acreditam que a nova parceria poderia de alguma forma reduzir a perseguição religiosa na China.

"Jesus disse que uma pessoa não pode servir a dois senhores, agora o Vaticano estaria disposto a servir a Deus e ao Partido Comunista", disse o pastor Paul Dong, líder de uma igreja subterrânea, de acordo com a CNN.

"Em andamento"

O Papa Francisco aparentemente manifestou interesse em visitar a China. O Vaticano, entretanto, disse que o acordo entre a Igreja Católica Romana e o governo chinês sobre a ordenação dos bispos é um "trabalho em andamento".

Fu disse ao 'Christian Post' que Francisco estaria cometendo um erro, já que a China está apenas buscando reforçar sua imagem pública.

"A China pode estar tentando fazer uma frente unida com o papa e com o Vaticano para parecer como se estivesse respeitando o cristianismo perante comunidade internacional, quando, na realidade, a religião ainda continuará a ser oprimida", argumentou.

"Por isso, um dos benefícios que a China poderia obter de uma relação com o Vaticano é a de uma imagem pública melhorada - mas falsa - tanto em nível nacional como internacional", acrescentou.

Fu observou que "atualmente, apenas alguns bispos que atuam na China foram aprovados pelo Vaticano e pelo Partido Comunista Chinês, uma vez que a vasta maioria dos clérigos não vê os critérios de ordenação do Partido como estando alinhados com os princípios da igreja, devido ao policiamento do governo".

Fu insistiu, no entanto, que o Papa Francisco não deveria estreitar seus laços com a China, enquanto o país continua a recusar-se a melhorar a vida dos cristãos perseguidos.

"Eles (o Vaticano) também devem perceber que o governo chinês não é um amigo da fé e da liberdade religiosa, não importa o quanto os funcionários tentem mostrar o contrário. Mesmo os que frequentam igrejas do governo são constantemente monitorados e perseguidos", disse Fu.

Gu Yuese, ex-pastor da Igreja Chongyi, uma das maiores igrejas oficialmente sancionadas no país, também foi preso no ano passado, pouco depois de se manifestar contra a destruição forçada de cruzes das igrejas por parte do governo, embora os funcionários o acusassem de desvio de verbas.

"Se o Vaticano e o papa concordarem em celebrar uma parceria com a China, sem antes forçar o Partido Comunista a enfrentar seus próprios abusos, será como se eles tolerassem este tipo tratamento, dado aos cristãos", advertiu Fu.

Ele pediu ao Papa Francis que "escutasse os gritos dos cristãos perseguidos e exortasse o governo chinês a pôr fim à sua agressividade".

Fonte: Guia-me

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...