terça-feira, 7 de abril de 2015

JUIZ DECRETA PENA DE MORTE A BEBE ANENCÉFALO


Juiz autoriza aborto de anencéfalo, mas admite ser ilegal
 Ao autorizar o aborto de anencéfalo solicitado por uma mulher, o juiz Jesseir Coelho de Âlcantara chamou a atenção para o fato do procedimento não ser previsto na legislação atual, uma vez que o Código Penal (CP) só permite duas formas consideradas de abortos.
O magistrado seguiu a decisão do Supremo Tribunal Federal que em 2012 decidiu por 8 a 2 que aborto de feto sem cérebro não é crime e determinou que o procedimento seja realizado na Clínica Fértili, local que dispõe de condições aptas a realizar o procedimento adequado.
Jesseir lembrou que já autorizou, em várias ocasiões, aborto de feto anencefálico, acatando parecer ministerial, mas reconhece que o aborto pretendido pela mulher não é previsto na legislação atual, que autoriza apenas dois tipos de aborto: o aborto terapêutico ou necessário, previsto no artigo 128, inciso I, do CP, para a hipótese em que há perigo concreto para a vida da própria gestante; e o aborto sentimental ou humanitário, da estuprada ou da vítima do atentado violento ao pudor, evidentemente, quando a gravidez resultou de estupro ou do atentado, sendo essa modalidade abortiva prevista no artigo 128, inciso II, do mesmo Diploma Legal.
“Como terceira hipótese, o aborto eugenésico ou eugênico, isto é, aquele que se compreende quando há sério ou grave perigo de vida para o nascituro (deformidades graves na criatura ou possibilidade da criança nascer com taras hereditárias), não é expressamente admitido pela lei penal”, admitiu o juiz.
Rachel Sheherazade, comentarista da Rádio Jovem Pan, lembrou que em 2012 o STF tomou, de forma indevida, as atribuições que são do Legislativo e afirmou temer que decisões como essa acabam dando precedente para mais exceções legalizando o abortamento eugênico, que é aquele que artificialmente seleciona os bebês aptos a viver e a os destinados a morrer por conta de seus defeitos físicos ou mentais.
Sheherazade lembrou que este tipo de procedimento era bastante comum na Alemanha Nazista, comandada por Adolf Hitler, cujo o ideal purista destinava a morte qualquer pessoa com deficiências, dando direito a existência a uma raça superior, segundo defendia o ditador.
A mulher que pediu autorização para interromper a gravidez relatou que está grávida de 20 semanas e que tem sido realizados diversos exames de ultrassonografia por diversos especialistas, os quais constataram a anencefalia fetal. O parecer médico também destaca que a gestação é de alto risco, pois 80% do cérebro estaria fora da cabeça.
“Infelizmente, é certa a morte do produto da concepção da requerente, não havendo procedimento médico capaz de corrigir a deficiência do órgão vital. Além do que, os riscos para a saúde e a vida da gestante, bem como os problemas psicológicos só tendem a aumentar com o passar do tempo, caso não haja a interrupção da gestação”, ressaltou o juiz Jesseir Coelho de Âlcantara.


INF. CPAD /  VIA GRITOS DE ALERTA 

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...