sexta-feira, 31 de julho de 2015

Comissão aprova visto de dois anos para estrangeiro em missão religiosa no Brasil


Deputados da Frente Parlamentar Evangélica apoiaram o projeto que foi aprovado pela Comissão de Relações Exteriores, mas ainda precisa ser analisado pela CCJ.

A Comissão de Relações Exteriores aprovou projeto (PL 669/15) do deputado licenciado William Woo (PV-SP) que aumenta de um para dois anos o prazo de validade do visto concedido pelo país a missionários religiosos estrangeiros.

A medida, que altera o Estatuto do Estrangeiro, recebeu apoio do relator, o deputado mineiro Eros Biondini, do PTB. Ele acredita que os missionários vão ser beneficiados com o novo prazo de dois anos para renovar o visto:

"Quanto mais dermos condições para a permanência deles, quem ganha é a população, quem ganha são aqueles que mais necessitam. Por exemplo, na Ilha de Marajó, estive lá agora, acompanhei religiosos e missionários que, de uma maneira abnegada, se doam dia e noite em favor das crianças e dos jovens, lutando por maior igualdade, lutando por educação. E só de barco de deslocamento da Ilha de Marajó para Belém, muitas vezes, são oito ou dez horas de viagem."

O deputado Lincoln Portela, do PR de Minas Gerais, da Frente Parlamentar Evangélica, também defende a medida:

"Porque o Brasil recebe com isso, no caso dos médicos cubanos, o Brasil paga para ter médicos cubanos. Esses grupos [missionários] enviam médicos para cá, enfermeiros, técnicos de enfermagem, professores, profissionais, ambientalistas, em tantas outras áreas, e não cobram do Brasil, e dão a sua parcela de colaboração."

Israel Intagliate é missionário italiano da Igreja Assembleia de Deus. Ele desenvolve projetos de orientação espiritual e de assistência a pessoas carentes. Para ele, maior prazo para renovar o visto é fundamental:

"É uma coisa maravilhosa, porque, agora, temos mais tempo para a prorrogação do visto e, tendo mais tempo, também, para desenvolver nosso trabalho missionário de maneira mais confortável. E também podemos focar mais, pensando somente nesse objetivo, pelo qual Deus nos chamou: aquele de ajudar às pessoas, aquele de responder às necessidades da pessoa, porque aqui no Brasil tem muita necessidade, um povo muito carinhoso, um povo que precisa muito."

O projeto ainda será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça.


Fonte: Agência Câmara

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...