quinta-feira, 25 de maio de 2017

A ditadura da Coreia do Norte tem muito medo do Evangelho, diz missionário

Kim Chung-seong, um 'desertor' norte-coreano que agora trabalha como missionário, diz que apesar da Coreia do Norte ser considerada com maior nível de perseguição religiosa em nível mundial (segundo a lista anual da Missão Portas Abertas), a Igreja continua crescendo por lá.

Imagem redimensionada"A coisa da qual o regime norte-coreano tem mais medo é a pregação do Evangelho", disse ele na sexta-feira, durante a primeira Cúpula Mundial em Defesa dos Cristãos Perseguidos em Washington (EUA). "O Evangelho nos diz a verdade. Quando a luz brilha no quarto escuro, aquele quarto passa a ser iluminado".

O missionário explicou que apesar dos esforços do governo na Coreia do Norte, a fé dos cristãos naquele país continua a crescer e se fortalecer.

"Eles (o governo) farão qualquer coisa para impedir a propagação do Evangelho na Coreia do Norte. [Mas] como você pode ver, não é possível bloquear a luz do sol com a nossa mão", disse Kim.

A Missão Portas Abertas, uma organização que atende aos cristãos perseguidos em mais de 60 países, classificou a Coréia do Norte como "o lugar mais opressivo do mundo para os cristãos", em sua lista mais recente, divulgada no início de 2017.

"Os cristãos são forçados a esconder completamente sua fé das autoridades governamentais, dos vizinhos e, muitas vezes, até mesmo de seus próprios cônjuges e filhos. Devido à vigilância sempre presente, muitos oram com os olhos abertos e as reuniões para cultos e a prática da comunhão são praticamente impossíveis", explicou a organização.

"Todas as famílias cristãs são aprisionadas em campos de trabalho forçado, onde morrem números desconhecidos a cada ano. Além de serem presos, muitos também são torturados ou mortos nestes locais. Os que tentam fugir para a Coreia do Sul através da China também correm o risco de serem executados ou encarcerados, e aqueles que ficam para trás não costumam ficar em melhor situação", acrescenta a organização.

De acordo com o jornal 'The Sun', Kim, de 41 anos, já foi cantor na antiga banda oficial do ditador norte-coreano Kim Jong-il, mas se viu obrigado a fugir para salvar a própria vida, usando apenas um par de calças, quando foi condenado aos 20 anos pelo regime totalitarista.

Ele chegou a ser recrutado como espião para os chineses, mas depois se converteu ao cristianismo e tornou-se pastor e radialista na Coreia do Sul, onde vive desde 2004.

Kim pediu aos cristãos de todo o mundo que orem pelos pela liberdade religiosa na Coreia do Norte.

"Peço que todas as comunidades cristãs internacionais orem para que os cristãos norte-coreanos realmente se envolvam e ajudem a difundir o Evangelho, não só através das obras das igrejas clandestinas, mas também através do governo e clamem pela liberdade religiosa", disse Kim aos repórteres através de um tradutor, de acordo com um relatório da CNA.

O desertor explicou que o governo norte-coreano usa uma rede de "fachadas" - a Associação Cristã da Coreia - para identificar os cristãos no país, ao mesmo tempo retratando uma falsa narrativa sobre a liberdade religiosa no país.

Dos mais de 24,4 milhões de habitantes da Coréia do Norte, apenas 300 mil se identificam como cristãos, segundo a Coreia do Norte.

Através de seu trabalho com a Companhia de Radiodifusão do Extremo Oriente, Kim ajuda a a divulgar a mensagem do Evangelho, músicas cristãs e notícias de todo o mundo para os norte-coreanos, através de pen-drives USB e cartões de memória SD, de acordo com a CNA.

"No entanto, o trabalho mais importante é encher as mentes das pessoas da Coreia do Norte com a mensagem de Jesus Cristo, porque a verdade os libertará", disse Kim à audiência na sexta-feira. "Esta é a minha oração sincera... que a verdade vai libertar cada um dos meus irmãos e irmãs da Coreia do Norte".

Fonte: Guia-me

Nenhum comentário:

Com ataque à Globo, Domingo Espetacular debate a arte com apologia à pedofilia

Programa Domingo Espetacular, na Record TV O debate sobre as exposições de arte com apologia à pedofilia e outros temas no Brasil marc...