segunda-feira, 29 de setembro de 2014

DEBATE - ESQUENTA A CORRIDA PRESIDENCIAL


Dilma, Marina e Aécio viram alvos uns dos outros e de rivais durante debate
Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB) buscaram uns aos outros nas perguntas e também foram os principais alvos dos questionamentos dos demais rivais durante o quarto debate entre candidatos a presidente da campanha eleitoral deste ano, organizado na noite deste domingo (28) pela TV Record.
O debate durou cerca de duas horas e reuniu sete presidenciáveis: Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB), Aécio Neves (PSDB), Pastor Everaldo (PSC), Luciana Genro (PSOL), Eduardo Jorge (PV) e Levy Fidelix (PRTB). Foi dividido em quatro blocos, dois dos quais com perguntas entre os próprios candidatos, um com perguntas de jornalistas e outro destinado às considerações.
Pelo sorteio da ordem das questões, Dilma teve a oportunidade de perguntar duas vezes diretamente para Marina, que perguntou à petista uma vez. Numa das indagações formuladas por jornalistas, o questionamento foi dirigido à presidente, com comentário da candidata do PSB.
O primeiro embate entre Dilma e Marina se deu logo na segunda pergunta do debate, quando a presidente questionou a adversária sobre as mudanças de partido – ela saiu do PT para o PV, sigla que deixou para tentar criar a Rede, e por fim ingresou no PSB – e sobre a posição em relação à votação no Congresso da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).
Marina afirmou que votou a favor da criação da CPMF e disse ter coerência nas posições que defende. "Mudei de partido para não mudar de ideais e de princípios", declarou. "Não faço oposição por oposição. Sei o que é melhor para o Brasil".  Na réplica, Dilma se disse "estarrecida" pelo fato de, segundo ela, Marina ter se "esquecido" de que votou contra a CPMF.
Noutro embate, Marina chamou de "fracasso" a política do governo para o etanol. Disse que, durante o governo da petista, 70 usinas foram fechadas e 40 estão em recuperação judicial. "A política de etanol do meu governo é baseada naquilo que você é contra: o subsídio", afirmou, dirigindo-se a Marina. "Temos um conjunto de medidas para reforçar o setor de etanol", respondeu Dilma.
A presidente quis saber ainda a opinião de Marina sobre o crédito concedido por bancos públicos e disse que a adversária não sabe qual é o montante de crédito concedido. Marina afirmou que é um "boato" a versão de que pretende "enfraquecer" os bancos públicos. "Não só vou manter o crédito dos bancos públicos, como vou fortalecer os bancos públicos. Isso é só mais um boato em relação à nossa aliança", declarou. ""O seu programa de governo diz que a sra. vai reduzir o crédito para os bancos públicos", retrucou Dilma. Marina reagiu reafiirmando que essa versão é um "boato". "O que vamos evitar é subsídio para empresários falidos, aqueles que são os ungidos [...] Não vamos é permitir que o recurso do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social] seja usado para meia dúzia", declarou.
Aécio Neves foi alvo de perguntas de Dilma e Marina e conseguiu perguntar uma vez a Dilma. Também ouviu comentário de Dilma para uma pergunta feita a ele por um dos jornalistas.
O tucano aproveitou para criticar o goveno ao ser questionado por Marina sobre a questão da energia. Ela quis saber o que Aécio pretende fazer, se eleito, para evitar um "apagão" energético. Ele afirmou que não houve planejamento do governo nem INVESTIMENTO em linhas de transmissão. Marina disse que é preciso acabar com o "improviso" e que o governo "não fez o dever de casa" no setor de energia.
Dilma questionou Aécio sobre quais privatizações ele pretende fazer se for eleito e disse que o governo do PSDB tentou mudar o nome da Petrobras. Na resposta, Aécio disse que pretende "reestatizar" a Petrobras e afirmou que as denúncias em relação à estatal "não cessam". "É eleitoreiro falar que o sr. vai reestatizar. Vocês tentaram vender as ações a preço de banana", afirmou Dilma. Noutro momento, a presidente disse que o PSDB "quebrou o Brasil três vezes" e "desempregou".
"Vou poupá-la do tema corrupção. Vamos falar sobre segurança pública", propôs Aécio ao perguntar para Dilma. Ela respondeu dizendo pretender ampliar as ações do governo federal nessa área, que é prerrogativa dos estados. Mas na réplica retomou o tema corrupção: "Quero voltar ao tema corrupção. Na minha vida, tive tolerância zero com corrupção. Dei autonomia para a Polícia Federal prender Paulo Roberto e os doleiros todos", declarou.
Ao responder a uma pergunta de Pastor Everaldo, Aécio também criticou o pronunciamento de Dilma na abertura da Assembleia das Nações Unidas, na semana passada, em Nova York. Segundo ele, a presidente foi à ONU para fazer um "autoelogio" do seu governo e propor diálogo com terroristas do grupo Estado islâmico, "uma mancha na política externa brasileira" .
Marina e Dilma também foram objeto de comentários em perguntas e respostas de outros candidatos. Levy Fidelix, por mais de uma vez, disse que Marina tem a companhia de "sonegadores e banqueiros". Dilma chegou a obter direito de resposta depois que Levy Fidelix e Pastor Everaldo debateram entre si o tema corrupção na Petrobras. "Uma coisa tem de ficar clara: quem demitiu o [ex-diretor preso da Petrobras]  Paulo Roberto [Costa] fui eu. Eu fui a única candidata que apresentou propostas concretas de combate à corrupção", disse Dilma no tempo do direito de resposta.
Considerações finais
No último bloco, o das considerações finais, Dilma perguntou ao eleitor quem tem mais experiência e apoio político, quem enfrentou uma crise internacional e tem "firmeza" para projetar o Brasil no cenário mundial. "Peço que você reflita sobre todas essas questões. Tenho certeza que você vai fazer a melhor escolha", pediu.
Marina Silva afirmou que criará escolas em tempo integral e se comprometeu com o fim da reeleição. Reiterou que quer "manter as conquistas e corrigir os erros". A candidata disse que quer acabar com a polarização entre PT e PSDB, que, segundo ela, não têm mais condições de "ouvir o Brasil".
Aécio Neves disse ter se preparado para apresentar uma proposta de inflação controlada e retomada do crescimento. Segundo ele, o atual governo perdeu as condições de governar e Marina Silva ainda não reúne essas condições.
Pastor Everaldo se disse a favor da meritocracia, da liberdade da imprensa "sem marco regulatório" e criticou o "mar de corrupção". "Vote a favor da família", concluiu.
Eduardo Jorge afirmou que é o "candidato do coração" das pessoas. "Você tem que votar no que acha melhor, no que mais se identifica com vocês", afirmou.
Luciana Genro disse que é a "única candidatura de esquerda coerente". "Para que as bandeiras sejam vitoriosas, precisamos do seu voto", pediu a candidata.
Levy Fidélix declarou que não é "utópico" e que não vencerá as eleições. Criticou o pagamento de juros bancários e pediu "consciência" a Dilma, Marina e Aécio. "Apenas me coloco para 2018 como investimento, tá?", afirmou.

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...