terça-feira, 21 de outubro de 2014

CHEGANDO OS DIAS - Pastores podem ser multados e até presos por se recusarem a celebrar casamento gay nos EUA

                
Um pastor de Idaho e sua esposa entraram com uma ação judicial contra as autoridades da cidade de Coeur d'Alene por terem sido forçados a realizar cerimônias de casamento entre pessoas do mesmo sexo. Caso se recusem a acatar a exigência das autoridades locais, o casal poderá enfrentar um processo por violação de leis que prezam pela "não discriminação".
Pastores podem ser multados e até presos por se recusarem a celebrar casamento gay nos EUAAdvogados da Aliança pela Defesa da Liberdade entraram com a ação em nome de Donald Knapp e sua esposa, Evelyn, que atualmente são encarregados das cerimônias de casamento da "Hitching Post Wedding Chapel", na cidade. A penalidade por não acatar a exigência de que também celebrem casamentos gays pode ir de multas onerosas até mesmo à prisão.
As autoridades de Coeur d'Alene dizem que sua ordenança de "combate à discriminação" obriga os ministros a realizarem cerimônias de casamento entre pessoas do mesmo sexo, porque os tribunais têm substituído emenda constitucional de Idaho, uma lei aprovada pelos eleitores anteriormente, que afirmava o casamento como a união entre um homem e uma mulher.
"O governo não deve forçar os ministros ordenados para agir de forma contrária à sua fé sob a ameaça de pena de prisão e multas de natureza penal", disse o Consultor Jurídico Sênior da ALiança pela Defesa da Liberdade, Jeremy Tedesco em um comunicado.
"Muitos têm negado que os pastores jamais seriam forçado a realizar cerimônias que estão completamente em desacordo com a sua fé, mas isso é o que está acontecendo por aqui - e isso aconteceu muito rápido", acrescentou Tedesco. "A cidade está em terreno legal seriamente danificado, e nossa ação tem a intenção de assegurar que a liberdade do casal de aderir à sua própria fé como pastores seja protegida, assim como a Primeira Emenda garante".
"A cidade tem 'inconstitucionalmente coagido' os Knapps a realizarem cerimônias de casamento entre pessoas do mesmo sexo, em violação das suas crenças religiosas, seus votos de ordenação, e as suas consciências", afirma o processo.
"O casal - ambos na casa dos 60 anos - pode violar suas convicções religiosas e promessas ministeriais através da realização de cerimônias de casamento gay ou seguir suas convicções religiosas e os votos pelo declínio de realizar tais cerimônias e enfrentar até 180 dias na cadeia e até US$ 1.000 em multas", ele adiciona.
O consultor jurídico ainda alertou para o perigo de que as penalidades têm caráter cumulativo, ou seja, à medida que os dias se passam e os pastores permanecem com a decisão de não celebrar o casamento gay solicitado, a penalidade ou multa vai se acumulando.
"Pior, a cada dia o declínio dos Knapps sobre a realização da cerimônia do casamento gay solicitado, eles cometem um delito separado e distinto, sujeitos às mesmas penalidades. Assim, se os Knapps recusarem uma cerimônia de casamento entre pessoas do mesmo sexo por apenas uma semana, eles correm o risco de de ir para a cadeia por mais de três anos e serem multados em US$ 7.000 ", explica o processo.
"O governo existe para proteger e respeitar as nossas liberdades, não para atacá-las", destacou Tedesco. "A cidade não pode apagar essas liberdades fundamentais, e substituí-las por coerção governamental e intolerância".
 
CPAD

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...